Um homem, seu bulldog, uma horta e o apê que compartilham

Apartamento pequeno em Madri, de apenas 46 m², passa por reforma e dá impressão de ter o dobro do tamanho

Fotos: José Hevia/Divulgação

por HAUS

02/06/2019

compartilhe

Um jovem médico de emergência espanhol e Almondega, seu bulldog, são os protagonistas de um projeto recém concluído no bairro de Las Acacias, em Madri, na Espanha. O apartamento pequeno, de apenas 46 m², em um edifício da década de 1960, foi totalmente readaptado pelos arquitetos do escritório Husos Architects, e, pela otimização de espaço alcançada, o apê dá a impressão de ter o dobro do tamanho.

A principal preocupação foi melhorar o conforto térmico. Embora o apartamento original tenha uma orientação dupla a leste e oeste, a maior parte da ventilação cruzada foi bloqueada por várias divisórias, de modo que sua distribuição não respondeu adequadamente às altas temperaturas dos verões de Madri.

Sendo uma raça muito delicada, os bulldogs são sensíveis ao calor. Por esta razão, o interior foi redistribuído para criar uma sala-cozinha aberta ao leste e oeste, facilitando a circulação de ar.

Para a climatização passiva da casa também foi construído um jardim vertical na varanda voltada ao oeste. A vegetação impede o superaquecimento no verão e funciona como um colchão térmico, resfriando o interior e evitando o uso de ar-condicionado.

Madri, assim como o território que a circunda, sofre com uma importante escassez de água que se agrava com o aumento das temperaturas, deste modo, para a irrigação de tomates, ervas e outras plantas, foi projetado um sistema de reutilização da água do chuveiro com a ajuda de agrônomos e programadores.

Deve-se ter em mente que, ao longo deste século, 80% da Espanha estará em risco de desertificação e as grandes cidades espanholas exercerão uma enorme pressão sobre as fontes de água regionais.

No limite da varanda é criada uma micro-paisagem composta por tubos e filtros que vão desde o chuveiro até o jardim, tornando visível o fluxo de água e seu tratamento de forma didática. Essa micro-paisagem é um protótipo de possíveis novos pequenos objetos de desejo para uma nova era sustentável hipotética que poderia ser replicada em muitos outros lares.

Como o morador tem horários de trabalho muito diferentes, ele se recupera dos turnos noturnos tirando sonecas durante o dia. Portanto, em vez de se concentrar no dormitório como uma área única para descanso, criou-se um cápsula-periscópio como local para o cochilo na sala de estar, que é uma alternativa à cama.

A cápsula do cochilo também se torna um espaço para receber hóspedes que ficam para dormir sem que isso implique em um sofá-cama que invada a sala a ser utilizada. É também um lugar para ver filmes quando você desliza uma porta que serve como tela de projeção ou janela periscópio que oferece luz natural e vista para a rua arborizada.

A cápsula está inscrita em uma faixa de 1,50 m de largura, na qual também há um closet, um depósito e a cama principal para o descanso noturno. Almôndega, além de se beneficiar do ar condicionado natural, tem um conjunto de ilhas de algodão nas quais ele pode deitar sobre. Elas são elementos macios de efeito refrescante, pois permitem a circulação de ar e são fixados ao chão por meio de ventosas, o que permite que sua posição mude a qualquer momento.

LEIA TAMBÉM:

Cimento queimado: quatro ideias para usar o queridinho da arquitetura contemporânea

 

Receba nossas notícias por e-mail

Inscreva-se em nossas newsletters e leia em
seu e-mail os conteúdos de que você mais
gosta. É fácil e grátis.

Quero receber

8 recomendações para você