Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Ambientes da Casa Cor Paraná 2016 levam natureza para casa. Fotos: Leticia Akemi/Gazeta do Povo
Ambientes da Casa Cor Paraná 2016 levam natureza para casa. Fotos: Leticia Akemi/Gazeta do Povo| Foto:

O fim de semana de estreia da edição 2016 da Casa Cor Paraná foi animal. Nos sentidos figurado e literal: além da casa cheia em um domingo à tarde (especialmente o café, no primeiro andar), a maior parte dos 48 ambientes trazem referências à natureza, como as panteras esculpidas por João Turin no living principal do arquiteto Ivan Wodzinsky. E mesmo que os bichos e as plantas tenham dominado muitas prateleiras e pisos, o estilo está longe de ser rústico. Ficou mais para um industrial selvagem ou um safári chique.

Foto: LetÍcia Akemi/Gazeta do Povo
Foto: LetÍcia Akemi/Gazeta do Povo| Leticia Akemi

As referências a animais permeiam o conceito de vários ambientes, desde acabamentos a elementos decorativos. O quarto do bebê, feito por Fernanda Distéfano, com o tema de haras, tem um painel de madeira em cavalos que ocupa uma parede inteira. No estar com adega, de Gustavo Assis e Maria Alice Crippa, um jogo de cristal polonês traz a figura de um caçador na garrafa e um animal diferente em cada copo entalhado à mão.

Mais detalhes do ambiente Lugar de criança. Foto: Fernando Zequinão/Gazeta do Povo
Mais detalhes do ambiente Lugar de criança. Foto: Fernando Zequinão/Gazeta do Povo| Fernando Zequinao

Na área infantil, de Viviane Busch, as crianças podem brincar em meio a bichos gigantes de pelúcia, como girafa, canguru e zebra, e há detalhes nas paredes com estampa de pena de pavão e cabeças-troféu de brincadeira: tudo de pelúcia. O jardim, projetado por Nadia Bentz, Vanderlan Farias e Beto Lemos na parte externa do evento, trazem cabeças de hipopótamos feitas de pedra emergindo do gramado. Araras e garças “pousaram” em aparadores e mesas de centro, enquanto rinocerontes e elefantes “se equilibram” nos lounges.

Mais detalhes do ambiente Lavabo funcional. Foto: Fernando Zequinão/Gazeta do Povo
Mais detalhes do ambiente Lavabo funcional. Foto: Fernando Zequinão/Gazeta do Povo| Fernando Zequinao

As peles, naturais ou sintéticas, viraram tapetes do living e da cozinha gourmet e o revestimento da cadeira Butterfly, desenhada na década de 1930 por Jorge Ferrari-Hardoy, no lavabo funcional. Neste ambiente, assinado por Bárbara Penha e Pauline Moraes, o clima industrial de cores sóbrias e escuras é quebrado pelo pequeno jardim de suculentas e cactos na pia.

Estar com adega, dos arquietos Gustavo Assis e Maria Alice Crippa. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo
Estar com adega, dos arquietos Gustavo Assis e Maria Alice Crippa. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo| Leticia Akemi

Também levaram o jardim para dentro de casa Eduardo Mourão (parede de samambaias no lounge Arauco), Denise Pereira Bazzo e Janaina Bazzo (floreira com folhagens na sala comercial), Gustavo Assis e Maria Alice Crippa (painel de líquen no estar com adega) e Luiz Maganhoto e Daniel Casagrande (terrários no balcão da cozinha gourmet).

Sala de banho do casal, da arquiteta Melissa Dallegrave Afonso. Foto: Fernando Zequinão/Gazeta do Povo
Sala de banho do casal, da arquiteta Melissa Dallegrave Afonso. Foto: Fernando Zequinão/Gazeta do Povo| Fernando Zequinao

Há também ambientes que quebram a textura uniforme do papel de parede ou acabamento em cimento queimado usando uma “pelúcia”, como no louge Santa Catarina, de Bruno Barbieri e Indiara Daros Barbieri e no home privativo do casal, de Mariana Paula Souza. O couro é um material presente combinado à madeira escura e a estruturas de ferro.

Lounge e Praça Compagás. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo
Lounge e Praça Compagás. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo| Leticia Akemi

No studio de um jovem casal, Flávia Bonet escolheu um piso vinílico que imita couro para o chão do ambiente, enquanto o lounge Compagas, de Wolfgang Schlögel, tem rochas enormes para proteger uma lareira. A sala de banho do casal, de Melissa Dallegrave Afonso, faz referência à água usando pedras de rio e quadros próximos à banheira. A sempre clássica madeira esteve presente nos pisos de taco preservados, nas mesas de centro feitas com toras de árvores centenárias e como elemento decorativo em esculturas e em móveis.

Serviço | Casa Cor Paraná 2016, Rua João Tschannerl, 880 , Vista Alegre. De 21 de junho a 31 de julho. De terça a quinta, das 15 às 21 horas; sábados, das 13 às 21 horas e domingos, das 13 às 19 horas. R$ 44 (inteira) e R$ 22 (meia). Participantes do Clube Gazeta do Povo têm 30% de desconto na entrada.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]