0

Entenda como é possível fazer uma planta flutuar

Feita em uma técnica japonesa chamada kokedama, que permite a suspensão sem vaso, uma pequena jabuticabeira chamou a atenção na Casa Cor São Paulo

plantas-aereas-estudio-jabuticaba-kokedama

A jabuticabeira parece levitar no ambiente criado pelo arquiteto Nildo José para a edição desde ano da Casa Cor São Paulo. Foto: Marco Antonio/Divulgação

por Mariana Domakoski*

26/08/2016

compartilhe

Quem teve a oportunidade de acompanhar a edição deste ano da Casa Cor São Paulo, ou pode ver imagens do evento, com certeza não deixou de notar uma pequena árvore que parecia levitar em um dos ambientes. Tratava-se de uma jabuticabeira de quase 1,60 metro suspensa por cabos de aço e sem vaso, no Estúdio Jabuticaba.

plantas-aereas-estudio-jabuticaba-kokedama

A jabuticabeira parece levitar no ambiente criado pelo arquiteto Nildo José para a Casa Cor São Paulo. Foto: Marco Antonio/Divulgação

Autor do espaço minimalista e cosmopolita de 44 metros quadrados, o arquiteto Nildo José queria a presença da natureza de forma mais escultórica em seu ambiente. Aliou a isso o fato de desejar resgatar momentos da própria infância, marcada pelas jabuticabeiras. Para tornar possível o desejo de Nildo, entrou em cena a designer floral Aline Matsumoto, responsável pela criação.

O segredo da jabuticabeira

A planta foi trabalhada em kokedama, uma técnica japonesa que fornece uma alternativa para suspender, sem nenhum tipo de jardineira, espécies de plantas que precisam de terra. Ela consiste em envolver as raízes em uma bola compacta de argila e musgo – que pode ser substituído por lascas de sarrafo de madeira ou fibra de coco -, amarrada com fios de barbante. Para molhar, é só borrifar água de acordo com a necessidade e deixar um prato embaixo para que o excesso escorra. Neste caso específico, foi necessária uma amarração com arame ao redor de toda a estrutura da raiz, para sustentar a suspensão.

plantas-aereas-estudio-jabuticaba-kokedama

A técnica japonesa da kokedama consiste em envolver as raízes da planta em uma bola compacta de argila e musgo. Foto: Reprodução/Flor de Planta

plantas-aereas-estudio-jabuticaba-kokedama

O musgo pode ser substituído por fibra de coco ou lascas de sarrafo de madeira, como no caso desta minisamambaia da Borealis. Foto: Marcela Belz/Divulgação Borealis

Aline Matsumoto explica que nem mesmo ela sabia com segurança como a jabuticabeira iria reagir, já que a técnica é, geralmente, aplicada em plantas de pequeno porte. Foi uma experiência. Além disso, no caso da Casa Cor São Paulo, a quantidade de pessoas caminhando ao redor poderia criar algum tipo de resposta negativa da planta. “Mas foi justamente o contrário: ela reagiu muito bem à técnica e ao lugar, não perdeu viço. Além dos cuidados diários, isso também foi proporcionado pela energia boa dos visitantes. Acredito muito nisso, que a planta sente o ambiente ao redor”, reflete.

Entre os cuidados durante a Casa Cor São Paulo, estavam o posicionamento da planta, levando em conta iluminação e aeração adequadas, e a rega – que, consistia em borrifar, todos os dias, até 1,5 litro de água. A atividade era sempre feita à noite, depois que a mostra fechava aos visitantes, porque era necessário deixar um prato embaixo da estrutura para que o excesso escorresse. Finalizado o evento, foi feita uma adubação com partículas de nutrientes.

plantas-aereas-estudio-jabuticaba-kokedama

A jabuticabeira suspensa permitiu maior aproveitamento do espaço de 44 metros quadrados, porque possibilitou a inserção de elementos no lugar onde ficaria um vaso. Foto: Marco Antonio/Divulgação

plantas-aereas-estudio-jabuticaba-kokedama

Com o estilo neutro do quarto, a jabuticabeira escultórica ganhou ainda mais destaque. Foto: Marco Antonio/Divulgação

Conforme Aline explica, a constatação foi de que, neste caso, a durabilidade foi a mesma de um vaso. Segundo ela, a kokedama é muito usada e, inclusive, por vezes dá mais tempo de vida às plantas. Por exemplo, alguns temperos respondem melhor a essa técnica do que se estivessem plantados dentro de vasos. “Muitas vezes o vaso limita o crescimento da planta, exigindo muitas podas”, explica.

Apesar de não ter certeza sobre possíveis marcas que a jabuticabeira possa vir a apresentar no futuro por conta do experimento, Aline afirma que foi um momento importante de reflexão sobre as possibilidades de trazer o verde para dentro de casa. “Com isso, pensamos sobre as alternativas para o morar de hoje. Antes, era comum as pessoas terem jardins. Hoje, elas vivem em lugares menores”, reflete.

Conheça mais do Estúdio Jabuticaba:

plantas-aereas-estudio-jabuticaba-kokedama

O arquiteto Nildo José deu uma cara minimalista e cosmopolita ao seu Estúdio Jabuticaba para a Casa Cor São Paulo deste ano. Foto: Marco Antonio/Divulgação

plantas-aereas-estudio-jabuticaba-kokedama

O nude, o cinza e o preto foram as cores base do espaço, demonstrando as referências nórdicas do arquiteto. Foto: Marco Antonio/Divulgação

plantas-aereas-estudio-jabuticaba-kokedama

O design e os materiais do mobiliário trouxeram referências italianas e brasileiras. Foto: Marco Antonio/Divulgação

plantas-aereas-estudio-jabuticaba-kokedama

Referências japonesas apareceram na proximidade ao chão de alguns elementos, como a cama. Foto: Marco Antonio/Divulgação

plantas-aereas-estudio-jabuticaba-kokedama

O banheiro foi todo feito dentro de uma espécie de caixa envidraçada, com o minimalismo de todo o ambiente. Foto: Marco Antonio/Divulgação

*Especial para a Gazeta do Povo

LEIA MAIS

>>>Plantas aéreas e vasos suspensos são opções para pequenos espaços

>>>Restaurante faz você se sentir em um jardim de Alice no País das Maravilhas

>>>Paredes e telhados verdes começam a fazer parte da paisagem urbana

8 recomendações para você