Armário da linha Crystal Case se assemelha a uma vitrine, sendo gfeito em vidro e com perfis de alumínio. É assinado por Ricardo Bello Dias + Studio  Ornare.
Armário da linha Crystal Case se assemelha a uma vitrine, sendo gfeito em vidro e com perfis de alumínio. É assinado por Ricardo Bello Dias + Studio Ornare.| Foto: Ruy Teixeira / Divulgação

Sem portas, sem laterais e até sem fundo. Assim são os armários abertos, que estão ganhando cada vez mais adeptos e modificando a ideia de guardar roupas e acessórios. Em vez de ficarem “escondidos”, é possível integrá-los ao ambiente.

Arara suspensa traz estilo descontraído do morador à decoração do quarto. Projeto do Studio Boscardin.Corsi.
Arara suspensa traz estilo descontraído do morador à decoração do quarto. Projeto do Studio Boscardin.Corsi. | Eduardo Macarios

A ideia não é exatamente nova – lojas, por exemplo, costumam usar araras e móveis vazados para expor roupas, bolsas e sapatos. Hotéis também usam guarda-roupas pelo menos parcialmente abertos para facilitar o processo de desfazer e refazer as malas. Mas e quando essa solução chegou às residências?

O closet SCA é totalmente translúcido, destacando a banheira localizada no meio do ambiente.
O closet SCA é totalmente translúcido, destacando a banheira localizada no meio do ambiente. | Rafael Ribeiro / Divulgação

O arquiteto da Formighieri Pisos e Decks Rafael Lino acredita que pode ter sido com a popularização dos lofts nova-iorquinos. “Quando surgiu essa ideia de morar em estruturas industriais abandonadas, nos anos 1970, passou-se a usar estruturas metálicas como se fossem araras. Me parece que os armários abertos vêm daí, de ambientes mais despojados”, diz.

O mobiliário planejado da SCA para o espaço assinado pela arquiteta Viviane Loyola na Casa Cor PR 2019 combinou paineis MDF com o mármore Gris Navagio, que reveste as paredes. As portas em vidro e prateleiras em ferro com cachepôs suspensos, confere toque industrial e contemporâneo.
O mobiliário planejado da SCA para o espaço assinado pela arquiteta Viviane Loyola na Casa Cor PR 2019 combinou paineis MDF com o mármore Gris Navagio, que reveste as paredes. As portas em vidro e prateleiras em ferro com cachepôs suspensos, confere toque industrial e contemporâneo. | Eduardo Macarios / Divulgação

Ainda assim, foram necessárias algumas décadas para a ideia começar a se popularizar. Primeiro, os guarda-roupas sem porta ganharam os closets para, mais tarde, chegarem aos quartos. Para arquitetos que trabalham com projetos de dormitórios, isso pode ser explicado pela demanda cada vez maior por móveis, dispositivos, utensílios etc. que tornem a vida mais prática. “Hoje em dia, as pessoas estão buscando praticidade e isso ter a ver com estar tudo à vista”, explica Lino. O proprietário da grife de mobiliário contemporâneo SCA, Leandro Lorca, concorda: “Você tem acesso mais fácil ao vestuário e consegue visualizar de forma mais ampla as combinações”.

A coleção West East Collection, da Ornare, traz estrutura em alumínio que pode ser combinada ao vidro e ao MDF, em elementos modulares.
A coleção West East Collection, da Ornare, traz estrutura em alumínio que pode ser combinada ao vidro e ao MDF, em elementos modulares. | Divulgação

A visualização facilitada das roupas e acessórios atende também à outra demanda de uma sociedade que se preocupa cada vez mais com questões como sustentabilidade e consumo consciente. “O fato de você deixar o guarda-roupa aberto ajuda a ter mais claro o que você tem e faz com que você crie mais contato
com as peças. Também ajuda a perceber o que precisa comprar e o que não é mais essencial”, afirma o arquiteto e diretor de arte da Ornare, Ricardo Bellos Dias. Outra vantagem citada pelos profissionais
é a de que o armário sem portas, principalmente os modelos mais vazados, ajudam a criar a sensação de amplitude nos espaços onde estão inseridos. Além disso, permitem uma melhor ventilação dos itens, evitando problemas como mofo, sendo uma solução bastante útil para locais úmidos.

Closet modular estilo arara, da MadeiraMadeira, com pés distantes do chão que dão leveza e ajuda, a ampliar o ambiente.
Closet modular estilo arara, da MadeiraMadeira, com pés distantes do chão que dão leveza e ajuda, a ampliar o ambiente. | Ruy Teixeira / Divulgação

O mobiliário planejado da SCA para o espaço assinado pela arquiteta Viviane Loyola na CasaCor 2019 combina painéis MDF com o mármore Gris Navagio, que reveste as paredes. Traz portas em vidro e prateleiras em ferro com cachepô suspenso, que confere toque industrial contemporâneo.

Vestuário como decoração

Quem pretende abrir mão das portas do guarda-roupa precisa estar ciente de que, com as peças expostas, elas passam a compor a decoração do ambiente. “É como uma exposição de suas peças, você
tem que querer mostrar qual a sua forma de vestir”, diz Lino.

Por si só, a exibição das peças não é um problema – e inclusive pode fazer com que o quarto reflita melhor a personalidade de quem o usa. Mas se for feita sem cuidado pode acabar provocando
poluição visual. “A pessoa precisa ser organizada. E daí tem várias opções: por cores, por combinações,
setorizar os sapatos ou, para os homens, as gravatas e paletós etc.”, explica a arquiteta da Arquitetare
Elaine Zanon. Para ela, a desorganização prejudica justamente o aspecto da praticidade que esse
tipo de móvel pode proporcionar.

Armário aberto da Formighieri Pisos e Decks tem conceito contemporâneo, linhas retas e cores neutras. Conta com nichos de armazenamento, cabideiro, maleiro e sapateira em gaveta.
Armário aberto da Formighieri Pisos e Decks tem conceito contemporâneo, linhas retas e cores neutras. Conta com nichos de armazenamento, cabideiro, maleiro e sapateira em gaveta. | Marcelo Stammer / Divulgação

Ainda que muito organizada, essa exposição de peças vai impactar no aspecto geral do dormitório. Dessa forma, é importante que a decoração seja mais leve e minimalista, com tons mais neutros, para que o quarto se mantenha um ambiente agradável de descanso. No que diz respeito ao cuidado com as roupas, é preciso ter em mente que elas estarão mais expostas ao pó e à luz. Assim, será necessário limpar o armário e as roupas com mais frequência, além de evitar que ele seja posicionado em locais com incidência direta de luz solar.

As diversas possibilidades

“O guarda-roupa aberto pode ser muito simples ou muito sofisticado: vai depender do seu estilo, do seu bolso”, explica Dias. Isso significa que os modelos podem ser muito variados, assim como os materiais a serem utilizados para fazê-los. “Você pode ter um closet com materiais mais sofisticados, como inox e
vidros, pode trabalhar com madeira, com compensado, desenvolver uma ideia mais escandinava, trazer uma pegada mais natural ou pode trabalhar com estrutura metálica”, enumera Lino.

A coleção Santa Catarina, da SCA, traz o contraste do fechado e do aberto, mesclando gavetas e nichos.
A coleção Santa Catarina, da SCA, traz o contraste do fechado e do aberto, mesclando gavetas e nichos. | Divulgação

Ele diz ainda que o uso exclusivo de um material como a madeira ou o MDF tende a deixar o móvel muito pesado, e recomenda uma mistura entre madeira e metal. “Como uma estrutura esbelta com pranchas e prateleiras em madeira”, exemplifica. Outra combinação que pode render bons frutos é a de módulos abertos e fechados. Ela permite que peças mais delicadas possam ser mantidas mais protegidas. Porém, se o objetivo for expor todo o conteúdo do armário, é possível fazer as portas e paredes do armário em vidro.

Closet x quarto

Para quem não tem o espaço para um closet, mas não se sente confortável com a exposição do conteúdo do armário o tempo todo, uma alternativa é instalar uma cortina que permita “isolar” o guarda-roupa. Se houver espaço, a cortina pode ser instalada a certa distância do móvel para criar um espaço que se assemelha a um closet.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]