Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
A Interprint mantém produção no Brasil há seis anos e acaba de ampliar as linhas oferecidas para o mercado local.
A Interprint mantém produção no Brasil há seis anos e acaba de ampliar as linhas oferecidas para o mercado local.| Foto: Interprint / Divulgação

Prestes a completar seis anos de produção no Brasil, a alemã Interprint, fabricante de papéis decorativos para revestimento de painéis de madeira que originam móveis e pisos, decidiu ampliar sua planta industrial. Até o fim do ano, a fábrica da marca, localizada em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, vai ganhar mais 4,5 mil metros quadrados, totalizando uma área de 16,5 mil metros quadrados construídos.

Conheça o Portfólio HAUS, sua vitrine de projetos de arquitetura e design de interiores

“Teremos mais áreas de estocagem, mas, sobretudo, espaço para uma segunda impregnadora, que iniciará sua produção no último trimestre deste ano”, revela a diretora comercial e de marketing da Interprint do Brasil, Lourdes Manzanares.

Conforme Lourdes, a novidade é fruto do reconhecimento do trabalho desenvolvido pela marca alemã há cerca de 50 anos pelo grupo japonês Toppan, que a adquiriu no segundo semestre de 2019, somada à cultura que o grupo tem de investir em pesquisa e desenvolvimento. “Estamos falando de um grupo que faz investimentos de 500 milhões de dólares anualmente em P&D. No ano passado, eles aplicaram em desenvolvimento e agora isso significa que vamos poder ampliar nossa fábrica”, diz. O investimento na expansão da planta brasileira será de aproximadamente 7 milhões de euros.

Planta da Interprint Brasil em São José dos Pinhais, no Paraná.
Planta da Interprint Brasil em São José dos Pinhais, no Paraná. | Jonathan Campos / Arquivo Gazeta do Povo

Além das obras, os responsáveis pela marca no Brasil estão desenvolvendo outro projeto: um plano estratégico para, no curto ou médio prazo, trazer ao país outros produtos do grupo, que trabalha com tecnologia gráfica digital e de segurança. A ideia é selecionar produtos voltados para a arquitetura e para o morar que não estão disponíveis no Brasil - ou, pelo menos, que não estão disponíveis no mesmo nível tecnológico.

Siga HAUS no Instagram

“Eles têm um produto que, pra mim, é fascinante: no Japão, a população é longeva e muitos moram sozinhos, porque cada vez mais moramos sozinhos, então eles têm um sensor que, se uma pessoa não se movimenta em casa por um tempo pré-estabelecido, o sensor avisa a polícia”, conta Lourdes.

Busca por conexão

Ao mesmo tempo em que está investindo na ampliação da fábrica e de portfólio, a Interprint vem buscando estreitar suas relações com todos aqueles que fazem parte da cadeia que utiliza papéis decorados. A ideia não é nova: desde 2006, a empresa realiza eventos e ações para dialogar e criar vínculos não apenas com o cliente direto dos produtos da marca - fabricantes de painéis -, mas também com moveleiros, fabricantes de piso, e até o consumidor final.

O objetivo por trás disso, de acordo com Lourdes, é não apenas apresentar marca e seus produtos àqueles que os consomem, mas também promover discussões sobre a forma de morar e mostrar que o design não diz respeito somente ao aspecto final de produtos, funcionando também como um meio de promover transformações na sociedade - ou criar adaptações condizentes com as mudanças em curso.

Os papéis decorativos criados pela a Interprint se adequam com as mais diferentes propostas de decoração.
Os papéis decorativos criados pela a Interprint se adequam com as mais diferentes propostas de decoração. | Interprint / Divulgação

Em plena pandemia, a forma encontrada para fazer isso foi por meio de um evento digital, batizado de “What’s Popping?”. A ideia surgiu na Alemanha, onde foi criado um estúdio para gravar conteúdos e realizar apresentações de forma profissional, e foi adaptada para o mercado latino-americano.

A primeira edição, que discutiu as transformações nos espaços que habitamos, foi realizada em março, ao longo de duas semanas, impactando os convidados aos poucos. Além do conteúdo, os participantes receberam lanches e bebidas, transformando o momento do evento em um de relaxamento e dando uma sensação de proximidade maior do que um grande evento digital. Ao longo do ano, outras edições devem ser realizadas.

Proximidade com indústria e cliente

Também foi pensando nessa conexão entre os membros da cadeia que a Interprint decidiu unir-se como investidora ao Portfólio HAUS, uma plataforma inovadora que tem por objetivo conectar arquitetos, designers e empresas do setor a clientes em potencial, funcionando como uma vitrine dos projetos e serviços destes profissionais e empresas.

Os padrões da Interprint aparecem em placas de MDF e pisos.
Os padrões da Interprint aparecem em placas de MDF e pisos. | Interprint / Divulgação

“No nosso ponto de vista, a HAUS é o meio [especializado] mais digital do Brasil e que, digitalmente, mais esteve perto da indústria em 2020, o que continua em 2021. Vimos essa proximidade e nos identificamos com essa ideia de estar próximo do cliente, de comunicar, aproximar e ser facilitador”, explica Lourdes, reforçando que, no momento atual, quando o distanciamento físico é necessário, a busca por novas formas de se conectar com clientes, fornecedores e parceiros é essencial.

No ar desde dezembro de 2020, o Portfólio HAUS permite que quem deseja construir ou reformar encontre inspirações e profissionais para a execução dos serviços. A busca pode ser filtrada por metragem, cidade, tipo de projeto ou cômodo, por exemplo, ajustando os resultados às necessidades da obra, assim como aos desejos para ela. Em sua primeira fase, a plataforma apresenta ao mercado e aos consumidores os projetos assinados pelos profissionais que integraram a última edição do Anuário HAUS 2020.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]