Mostra de decoração em Curitiba promete mexer com os cinco sentidos dos visitantes

Conheça em primeira mão os 20 ambientes que estarão abertos à visitação na Artefacto Curitiba a partir de 24 de agosto

Ambiente de Talita Nogueira para a Mostra Artefacto Curitiba 2019. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo

por Bruno Gabriel*

22/08/2019

compartilhe

A Mostra Artefacto Curitiba 2019 abre suas portas ao público neste sábado (24). É a 19ª edição do evento, que neste ano traz 20 ambientes assinados por 30 arquitetos. O ponto em comum entre todos esses espaços: estimular o visitante a entender o conceito por meio de suas próprias sensações.

Batizado de “5 senses”, o tema da mostra foi idealizado pela arquiteta Patricia Anastassiadis, com o intuito de valorizar o “sentir” dentro dos espaços em que nos colocamos. “O papel do designer é procurar diálogos, entender como trabalhar os elementos para que eles tenham um balanço e uma relação”, diz. Para evidenciar essa questão, Patricia sugeriu que fossem trazidos para a coleção o que chama de moods, ou seja, os humores pelos quais cada um expressa suas referências e momentos.

Os moods norteadores se dividem em terracotta, cut piece e soft fiction que, em conjunto, compõem o vocabulário contemporâneo dos lançamentos. O primeiro deles, terracotta, explora a percepção visual das cores e tonalidades terrosas. Já o cut piece traz a percepção da forma e do espaço por meio de recortes e ângulos inusitados. Por fim, o soft fiction surge com a nova materialidade da coleção: o vidro, que aparece nos novos granilites e nas mesas em vidro soprado.

Para a gerente comercial da Artefacto Curitiba, Ingrid Moskalewski, o destaque deste ano fica por conta das fortes inspirações na natureza e na memória afetiva que esses tons despertam ao estarem inseridos nas peças.  Para ela, a paleta de cores da coleção é uma das principais responsáveis pela ligação que certamente se estabelecerá entre a mostra e os visitantes. “São cores que vemos em elementos naturais e que nos trazem lembranças das matas, dos galhos, do barro seco”, explica.

A mostra tem visitação gratuita de segunda a sexta-feira, das 10 horas às 19 horas, e sábado, das 10 horas às 14 horas, na Rua Comendador Araújo, 672. Para matar um pouco da curiosidade, a HAUS mostra cada um dos 20 ambientes com exclusividade.

Ana Sikorski e Kátia Monteiro (Moca Arquitetura)

Para formular um dos espaços mais solares da Mostra, as arquitetas da Moca partiram de uma ideia simples: todos os sentidos remetem a alguma memória. A montagem do Loft do Colecionador foi pensada para uma pessoa cheia de repertório, com a proposta de trazer um pouco de cada lugar pelo qual ela já passou. O espaço parte de um rooftop com estrutura industrial e grandes aberturas, podendo se encaixar em qualquer lugar do mundo. “Acreditamos em uma arquitetura afetiva e singular. Quando projetamos a casa de alguém, buscamos extrair o máximo de sua rotina, de sua personalidade e, principalmente, de sua história”, contam as arquitetas. No mobiliário, um mix de peças diferentes, com a mescla de texturas e tecidos, onde não há espaço para a repetição.

André Bertoluci

Para projetar um living composto por sala de estar, jantar e adega, o arquiteto André Bertoluci pensou em cada um dos sentidos. A visão ganha atenção logo na entrada do living. A parede em pedra natural emoldura de forma elegante a lareira. As demais paredes são envelopadas com painéis de madeira que, além do desempenho térmico e acústico, transmitem requinte e sofisticação. O tato é exaltado na escolha de tecidos nobres. Para sair do convencional, a aposta foi usar a cor pumpkin, um tom alaranjado, que reveste as quatro poltronas. “Desfrutar do seu melhor vinho no aconchego de casa tem se tornado uma demanda frequente. Com base nesse comportamento, trouxe uma solução versátil para a adega. Foi a maneira que encontrei de enaltecer o paladar”, afirma o arquiteto.

Angela Russi

Organizar elementos em harmonia e em clima de descontração é a característica do living da decoradora Angela Russi. Ela assina um espaço contemporâneo, com a versatilidade refletida na utilização do mobiliário, com destaque para os linhos e tecidos naturais. A sensação usada como referência é o paladar. Para isso, a profissional investe em uma adega para abrigar espumantes.

Caroline Bollmann

A audição, e toda a sensibilidade que ela desperta, move a vida e o trabalho de Carol Bollmann. Com formação em piano clássico, a arquiteta coloca esse sentido como grande protagonista de seu espaço. “Se pelos nossos sentidos fazemos todas as nossas escolhas, as minhas melhores decisões, projetos e lembranças sempre foram embalados por uma boa música”, conta. O espaço apresentado é um living de estar e jantar que, após uma intervenção, ficou com 60m2. A ampliação tinha um objetivo importante:  trazer um piano de cauda para compor o projeto. A cena imaginada é de um apartamento em Frankfurt, com vista para o Rio Meno, numa sexta-feira à noite. “Dentro do contexto do tema da Mostra, a ideia é impactar, refletir sobre sensações, chamar atenção e provocar lembrança”, avalia Carol.  Nos tecidos e texturas estão veludos, couros, linhos em tons parecidos, mas texturas, tramas e apelos visuais diferentes.

Cláudia Horta e Edson Velo

O Espaço Corporativo de Cláudia Horta e Edson Velo é feito para inspirar reuniões, criar, tomar decisões e ter visão clara e certa das metas. Exatamente por essas características, a sala servirá como espaço para atendimentos e reuniões da Artefacto. Além da questão visual, o ambiente tem a necessidade de ser funcional. O verde utilizado no mobiliário desperta a criatividade e aguça a curiosidade. “Procuramos tornar o ambiente corporativo em um espaço acolhedor e elegante, onde os profissionais da loja possam atender os clientes com conforto”, contam os profissionais.

Cymara e Camila Largura e Jacy Ebrahim

Após uma incrível experiência em Mykonos, cidade esculpida em meio as rochas, Cymara e Camila Largura e Jacy Ebrahim decidiram que o espaço seria inspirado nesse cenário. Para isso, lançaram mão do branco, do tom quente da madeira, das fibras naturais e do verde da natureza. O resultado é um espaço capaz de estimular todos os sentidos. “Nossa proposta é que as pessoas se sintam bem e queiram ficar no ambiente”, conta Cymara Largura.

Diego Francesquini

Diego Francesquini traz para a Mostra um espaço que explora a visão e o tato. A visão é representada por algumas fotografias em movimento, pela fluidez dos espelhos que remetem a uma obra de arte e pela grande caixa em madeira onde a cama está colocada. Já o tato é representado pelas texturas de parede e teto, assim como uma diversidade de tecidos, que proporcionam uma agradável sensação de acolhimento ao serem tocados. Além da área de dormir, o arquiteto criou um estar e um home office. Tons terrosos, grande tendência mundial, foram amplamente usados, aumentando a sensação de conforto. “A iluminação foi estrategicamente posicionada para criar um ambiente cênico, diferenciando-se dos tradicionais métodos de dispor luminárias. As pessoas podem esperar um novo olhar sobre texturas e iluminação”, conta o arquiteto.

Elaine Zanon e Claudia Machado

O Loft com Sentido de Leveza Outonal, de Elaine Zanon e Claudia Machado, traz inspiração nos detalhes da natureza. Enquanto o papel de parede dá a sensação de um refúgio, as luminárias trazem o frescor de gotas de água. “Nosso espaço é um convite para dar atenção às características especificas da estação da vida. Algo que, muitas vezes não conseguimos perceber porque nos desconectamos da nossa essência”, dizem as profissionais. Para dar harmonia, as profissionais escolheram os tons suaves de cru, cinza e rose. O piso ganhou mármore natural em tons de branco, bege e cinza, com veios de movimento continuo, realçando a beleza natural.

Eliza Schuchovski

A proposta de Eliza Schuchovski para a Mostra é apresentar um espaço iluminado e leve. Assim, a paleta de cores terrosas com o contraste do ouro e conhaque cria um conceito que explora opostos, trabalhando o rústico e o luxo. A arquiteta também apresenta elementos que remetem à ancestralidade: os primitivos muxarabis da arquitetura árabe foram redesenhados em um contexto mais moderno. Para deixar o espaço mais despojado, Elisa investiu em conforto e funcionalidade. “O projeto é personalizado em uma atmosfera de emoção e vida, em que se imprime a rotina de uma família. A essência é a harmonia e a realização das intenções”, afirma.

Gisele Busmayer, Carolina Reis e Willian Toledo

Com uma leitura contemporânea, o BRW Arquitetos Associados projetou o Loft do Jovem Casal. Repleto de personalidade, tecnologia e repertório, o ambiente de 65m2 soma sala de estar, quarto e jantar, bem como uma cozinha integrada. A ideia é revelar a atual valorização de viagens, experiências e memórias herdadas da família. “A nova geração tem repensado padrões de consumo e surge uma questão muito comum: eu preciso mesmo disso? Idealizamos um ambiente em que o mobiliário é versátil e pensado para espaços menores”, explica a designer Carolina Reis. O painel em madeira reveste todo o ambiente com tons mais terrosos, enquanto o mobiliário ganha tecidos claros e alguns acabamentos gold. As cores neutras e suas sombras são privilegiadas, em um trabalho de claro e escuro. O laranja Hermes também está bem presente para contextualizar a paleta de cores.

Ivan Wodzinsky

O arquiteto Ivan Wodzinsky apresenta um terraço coberto, mas não fechado, um living com área de jantar e uma cozinha funcional. Todo o mobiliário traz cores sóbrias e diferentes texturas. A proposta é convidar as pessoas a sentirem a natureza e suas manifestações, como o vento, o cheiro de madeira molhada, além do som dos pássaros e o lindo jardim. São quase 100m2, em um espaço que forma ligação visual com o público passante em frente à loja, levando a marca para mais perto das pessoas. Um dos destaques é o balanço na estrutura, debruçado sobre o jardim, criado especialmente para o projeto. Do lado oposto ao terraço, Ivan criou um novo jardim, composto de diferentes espécies de vegetações. O terraço será um novo ponto de encontro da loja para promover eventos e reuniões.

Jayme Bernardo e Glei Tomazi

A França Imperial está representada no ambiente de Jayme Bernardo e Glei Tomazi, onde os sentidos são inspirados pela temática da arte clássica. O painel iluminado, as cores fortes nas poltronas, a textura marcada nos tecidos e materiais quentes já despertam a visão na entrada do espaço. Há, ainda, a imagem clássica no teto que, junto com os grandes painéis na parede, remetem ao Louvre. Para aquecer o ambiente, os arquitetos colocaram um grande plano de luz. O som ambiente também faz parte do tema e reforça a importância de um fundo musical para compor o espaço com 82 m². A tonalidade cinza na parede e os metais com acabamento dourado, madeira e aço inox fecham a ideia do projeto.

Jocymara Nicolau e Andréa Posonski

O espaçoso loft de 95m² é composto por estar, jantar e quarto. Um dos destaques é a instalação iluminada que flutua, com o objetivo de ativar a emoção e os sentidos. O tato é estimulado nas texturas apresentadas, como nas faixas de concreto que revestem as paredes laterais, no porcelanato, no tricô das colchas e na trama das mesas de vidro, que trazem uma sutil malha dourada interna. A oposição entre liso/ áspero, sofisticado/rústico, claro/escuro, quente/frio é sentido em todo o espaço. “A emoção atinge os sentidos e enriquece a experiência de contemplação do mobiliário”, contam as profissionais. Quatro jabuticabeiras secas formam uma “escultura” natural e marcante no ambiente. Na paleta de cores estão tons mais neutros, com base em cinza e branco, além de materiais com diferentes densidades.

Juliana Meda

O espaço de Juliana Meda faz um convite à diversão. Prova disso é a mesa de jantar que é, também, uma mesa de bilhar. A grande área gourmet conta com adega, espaço para leitura e sofás para receber amigos. Seguindo o tema da Mostra, os sentidos foram trabalhados: o som ambiente, o calor da lareira e o impacto visual do fogo, a contemplação do paladar na área de refeição, além dos tecidos e das telas usadas nas luminárias valorizando o toque. Por fim, o uso do vidro no teto permite uma intensa iluminação natural e a possibilidade de apreciar a vegetação da área externa. “Acredito que qualquer pessoa que gosta de um tempo de curtição se identificará com o projeto. Faz sentido pra mim colocar minha intensa paixão pela arquitetura expressa numa área onde as pessoas serão recebidas para conviver e se relacionar”, finaliza a arquiteta.

Margit Soares

Para assinar a vitrine da Mostra Artefacto Curitiba, Margit Soares lançou mão de um projeto contemporâneo e clean. Para ela, as principais inspirações foram a visão e o tato. “Acredito que são os sentidos que mais representam a decoração”, conta Margit. O resultado é um espaço atemporal, aconchegante e com cores neutras.

Olga Bergamini e Karin Neitzke

O Quarto Campestre, de Olga Bergamini e Karin Neitzke é inspirado em elementos da arquitetura encontrada em Toscana, na Itália.  Dentro do tema da Mostra, as profissionais exploraram o tato e a visão, com texturas, cores e padrões trazidos em paredes, painéis, papéis de parede, tecidos, acabamentos, piso e tapetes. “Nosso ambiente proporciona a integração entre o espaço interno e externo: o verde e a harmonização de elementos do feng shui. Um aroma campestre e um som ambiente também trazem a memória olfativa e auditiva de um lugar de sossego e tranquilidade”, contam as profissionais.

Priscilla Müller

A arquiteta Priscilla Müller ficou com a responsabilidade de fazer um espaço especialmente para a linha Artefacto Home. O ambiente traz centenas de objetos de decoração, que agora estarão acessíveis para os profissionais do Paraná. A proposta é fazer com que as pessoas se sintam acolhidas por meio da harmonia de cores e amplitude. “Nosso desafio foi compor um ambiente que pudesse permitir uma circulação fluida em todo o espaço para que os clientes pudessem admirar os novos objetos da linha Home. Por este motivo, o layout prioriza o fluxo”, conta Priscilla. Para destacar os objetos, a arquiteta revestiu todo o piso e as paredes com madeira natural nogueira. A paleta de cores neutras e a madeira natural escura receberam móveis com acabamento em couro, metais e linho.

Suelen Parizotto

Para Suelen Parizotto, arquitetos planejam cenários que só serão completos quando se tornarem multissensoriais. Dessa forma, a arquiteta se inspirou em três elementos: no olfato vindo do aroma da madeira natural presente no ripado, no tato com texturas das pedras e tecidos, e na visão despertada pelo movimento do ripado e pelas obras de arte. Os tons de cinza usados no ambiente são aquecidos pela cor da madeira em lâmina natural. Outros pontos altos do projeto são o mármore utilizado na lareira e o toque dado na junção de tecidos como linho, veludo e camurça natural.

Talita Nogueira

Para a criação de seu espaço, Talita Nogueira precisou entender a combinação de fatores para formar uma experiência global, única e especial. Cores e texturas foram agrupadas para dar a sensação de continuidade, algo notado no conceito de “encaixe”, concepção inicial do projeto. A iluminação, natural e artificial, também foi trabalhada para dar a sensação de que o visitante está “nas nuvens”. Para trabalhar o tato, Talita trouxe diferentes texturas, revestimentos e arranjos, que promovem a sensação de conforto e a vontade de “sentir” os elementos com as mãos. A palha indiada que foi aplicada em toda uma superfície de parede, também ganhou destaque especial com iluminação.

Viviane Loyola

O projeto de Viviane Loyola mostra um ambiente integrado, onde quarto, sala de estar e jantar formam um espaço pensado para o dia a dia atual. A ideia é aliar a sofisticação dos materiais à contemporaneidade do mobiliário solto. O resultado são 105 m² (91m² internos e 14m² externos) que evocam boas lembranças e sensações. “Quis oferecer um ambiente sofisticado e acolhedor, com uma sensação de conforto, um cheirinho bom, uma paz inexplicável. Aqui é possível trabalhar boas emoções, descanso, alegria e descontração”, avalia Viviane. Os destaques são os painéis de madeira em composição com a parede de tijolinhos, o uso de plantas, além do acabamento dos tecidos em cores diversas.

LEIA TAMBÉM

13 lançamentos de móveis que destacam os materiais naturais para decorar a casa

Os primeiros lançamentos e o que não perder no 2º dia da Design Weekend 2019

Seis tendências e 15 lançamentos da maior feira de decoração do país

7 poltronas super confortáveis para todos os ambientes da casa

6 dicas dos Irmãos à Obra para não errar na reforma de casa

 

* especial para a Gazeta do Povo 

Receba nossas notícias por e-mail

Inscreva-se em nossas newsletters e leia em
seu e-mail os conteúdos de que você mais
gosta. É fácil e grátis.

Quero receber

8 recomendações para você