Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Lançamento: luminária feita com cogumelos decora e contribui para o crescimento de plantas
| Foto: Marcelo Stammer Fotografia

Os biomateriais têm saído dos laboratórios para entrar (e decorar) em nossas casas, trazendo conforto e sustentabilidade para o morar de hoje e do futuro. Com assinatura brasileira, o mais recente lançamento do segmento é a luminária Íris, assinada pela colab entre a Furf Design Studio, a Mush Eco (startup de soluções biotecnológicas) e a Ner Conceito (galeria de iluminação com design brasileiro assinado), todos com sede no Paraná.

Tendo como base uma estrutura em metal, a luminária chama a atenção por sua cúpula, feita a partir de micélio - parte vegetativa dos fungos composta por uma rede de fibras finas, semelhantes a raízes. Raiada, sua forma remete ao sol, a uma flor, uma mandala e à íris dos olhos, de onde vem a inspiração para o nome da coleção da qual faz parte. Além da luminária recém-lançada, a coleção Íris já conta com painéis, nuvens (elementos decorativos) e biombos produzidos com o mesmo padrão e material. Além disso, ela cria um efeito ondulado quando a luz é projetada nas paredes, como conta o designer Mauricio Noronha, da Furf.

Siga a HAUS no Instagram

Luminária Íris nasce do Colab entre Furf, Mush e Ner Conceito.
Luminária Íris nasce do Colab entre Furf, Mush e Ner Conceito.| Marcelo Stammer Fotografia

Abaixo da mesa de apoio há um segundo ponto de luz, de coloração violeta que, além do efeito estético, possui frequência que favorece o desenvolvimento e o crescimento das plantas. Ela e a iluminação da cúpula funcionam em conjunto ou individualmente.

Material

A pesquisa científica que fez do micélio a matéria-prima que dá forma à luminária e à coleção Íris é realizada pela há cerca de quatro anos. A startup desenvolve soluções de uso para o subproduto da agroindústria, geralmente destinado à cobertura de solo ou como material de queima, para a geração de energia ou calor, transformando-o em matéria-prima sustentável (carbono zero).

| Marcelo Stammer/Divulgação

Isso se dá porque este subproduto atua como um elemento que reproduz as condições nas quais o fungo cresce na natureza - a partir do controle da temperatura, umidade, da inserção de calcário e de outros componentes para torná-lo ideal ao desenvolvimento do micélio - e este crescimento pode ser controlado a partir de moldes, o que faz com que o micélio possa ser transformado em uma diversidade de produtos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]