Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo
Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo| Foto: Gazeta do Povo

Pinhões estilizados na calçada, araucárias e gralhas azuis ornamentadas em portões. Os elementos do Paranismo podem não estar mais presentes em novas construções, mas há quem queira manter os símbolos que remetem ao Paraná vivos. O jogo digital “Paranismo: uma jornada por Curitiba”, ideia do game designer e historiador Fernando Scaff, com incentivo da Celepar e apoio da Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba, pretende trazer de forma lúdica a história desse movimento arquitetônico e cultural.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Desenvolvido pelos acadêmicos de graduação e pós-graduação dos cursos de Tecnologia em Jogos Digitais, Design e Sistemas de Informação da Universidade Positivo, em parceria com a produtora de soluções digitais Freddy Bear Games, o game é uma jornada por elementos artísticos e históricos do movimento paranista da capital, como o próprio nome diz.

Movimento paranista de Curitiba é resgatado em jogo digital

Considerado um jogo educacional, de lazer e de promoção da arte, de acordo com o gerente de projetos da Freddy Bear Games, Rafael Lopes Lagos, o game funciona da seguinte maneira: “Uma jovem artista se aventura na cidade, tentando encontrar sua personalidade artística, e se depara com o Paranismo, no qual ela mergulha, tentando se encaixar em seus conceitos, que passam a influenciar a arquitetura e a arte local”, conta o coordenador do curso de Tecnologia em Jogos Digitais Rafael Dubiela.

“Compreender o Paranismo significa encontrar sentido na construção de uma identidade que hoje faz parte do chão, das paredes e da história que vivemos em Curitiba”, completa o professor. O desenvolvimento do game levou seis meses e o pré-lançamento ocorreu na última quarta-feira (8). É possível fazer o download do jogo aqui .

Equipe responsável pelo jogo: Foto: Lívia Mattos/Divulgação
Equipe responsável pelo jogo: Foto: Lívia Mattos/Divulgação

LEIA TAMBÉM

As marcas do paranismo na arquitetura de Curitiba

Lolô Cornelsen abre seu ateliê ao público até dia 16

Casas de madeira com casca de alvenaria na Curitiba do século 19

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]