Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Salão de Milão.
Edição 2021 será um grande teste para o reinício do evento.| Foto: Divulgação

Após o cancelamento de sua edição 2020 por conta da pandemia da Covid-19, maior e mais importante evento de design do mundo terá agenda em setembro, em Milão, com proposta inédita que mesclará o físico e o digital. Em entrevista exclusiva para HAUS, Andrea Vaiani, diretor de exposição do Salone del Mobile Milano, dá detalhes do Supersalone, como foi batizada a edição 2021, e também comenta sobre as características que fazem o design brasileiro ganhar o mundo.

Andrea Vaiani, diretor de exposição do Salone del Mobile Milano, falou com exclusividade para a HAUS e Pedro Franco, colunista de design da publicação.
Andrea Vaiani, diretor de exposição do Salone del Mobile Milano, falou com exclusividade para a HAUS e Pedro Franco, colunista de design da publicação.| Divulgação

Siga a HAUS no Instagram

A pandemia mudou muito o comportamento das pessoas. Houve um grande crescimento de usuários do mundo digital. Esta será a primeira edição do Salone del Mobile em que haverá um mix de físico e digital. Esta é uma mudança momentânea ou permanecerá para sempre?

Claramente voltar atrás é impossível. Essa mistura entre a presença digital e a física promete uma experiência altamente inclusiva e envolvente. A nova plataforma do Salone del Mobile.Milano foi projetada para melhorar a forma de expor o design, e também inserir o usuário no centro do evento: antes, durante e depois da visita.

Este é um passo muito importante para nós e com este ponto agregador, que é digital, criaremos novas formas de integração e conexão entre diferentes mundos, usuários e mercados. Porém, permaneço convencido de que o design e o Salão devem ser experimentados em primeira mão, a experiência física que possibilita “sentir” o design com o toque, fisicamente. Essa pandemia nos fez entender ainda mais o quão precioso e rico é o valor da experiência real.

As feiras em geral terão a oportunidade de se reinventar, talvez até de forma mais sustentável e “humana”, para melhorar ainda mais o relacionamento entre as partes envolvidas: empreendedores, designers, arquitetos, profissionais e clientes. O digital será importante: imagino projetos dentro e fora do Salone adaptados a um uso online para permitir que mesmo aqueles que não poderão estar presentes, aproveitem a criatividade e o conteúdo desses eventos. Estou convencido de que a promoção e a experiência virtual, por um lado, e a feira física, por outro, podem se complementar e maximizar as sinergias, os negócios e a sustentabilidade dessas atividades. No entanto, a beleza e a emoção de visitar feiras ao vivo serão sempre o ponto cardeal.

Salão de milão
Edição 2021 será um grande teste para o reinício do evento.| Divulgação

O Salone del Mobile é um evento global. O mundo está em Milão na semana de sua realização. Como ficará a presença global nesta primeira edição que se concretizará em meio a uma pandemia?

Estamos otimistas. É claro que não podemos esperar aquela alta aglomeração de pessoas que ocorreu nas edições anteriores para este novo formato, chamado “Supersalone”. Por isso, estamos priorizando uma dimensão ainda mais qualitativa do evento. Será um grande teste para este reinício, um desafio que enfrentaremos com segurança, seguindo todos os protocolos, demonstrando ao mundo que o design e a cultura podem recomeçar, naturalmente com as medidas indispensáveis. Para o Salone é importante mostrar ao mundo que, mesmo com as novas limitações, podemos ter um grande evento, aberto, receptivo e inclusivo. Obviamente, feito e pensado com foco na segurança.

Na sua opinião, como deve ser a abordagem das empresas de design para aproveitar essa oportunidade de ter uma presença física e uma comunicação digital?

Aberto, criativo, flexível. A ideia por trás do cronograma da plataforma digital do Salone del Mobile. Milano é clara: apoiar e amplificar as estratégias expositivas de cada empresa. Uma plataforma que amplifica a comunicação e torna possível o “storytelling” de suas narrativas, também com fotos e vídeos. Uma exposição dos produtos icônicos de cada marca e seus lançamentos. O maior valor da plataforma está em sua interatividade. Colocamos à disposição das empresas breakout rooms (atendimentos individuais), um espaço de showrooms virtuais, canais de contato direto que possibilitem uma troca imediata entre as empresas com compradores e jornalistas. Tudo permanecendo previamente, durante e pós o evento. Uma plataforma na qual o digital está a serviços do físico e vice-versa. É fundamental, a cada empresário e visitante (real ou virtual) que utilize o benefício que a plataforma possibilita.

A A lot of Brasil foi a primeira participante brasileira do Salone del Mobile. Ainda tem muitas empresas que sonham em participar do evento. O que é necessário para ser selecionado para participar do Salone del Mobile Officiale?
Como você sabe, há uma longa lista de espera para poder expor no Salone del Mobile.Milano. Para manter a qualidade do evento no mais alto nível, uma seleção é realmente necessária. Baseamo-nos, principalmente, na história e patrimônio da empresa, no índice de inovação, na propensão à pesquisa e à qualidade dos produtos, além de sua solidez econômica. Tentamos visitar o maior número possível de empresas para verificar com nossos próprios olhos o que elas nos dizem e tocar sua produção. Meu conselho pessoal para empresas e designers é que sejam originais, encontrem sua própria identidade, trabalhem a sustentabilidade de todo o ciclo de produção, foquem em excelente qualidade.

Evento propõe novas formas de integração e conexão entre digital e físico.
Evento propõe novas formas de integração e conexão entre digital e físico. | Divulgação

Na sua opinião, o que é (ou deveria ser) design “Made in Brazil”?

Made in Brazil sempre foi uma mistura de história e engenhosidade. Hoje deve ir além. Rumo à sustentabilidade, inovação, sedução. O reaproveitamento e a reciclagem de materiais residuais utilizados na produção demonstram como essa tradição permeia os temas do design brasileiro contemporâneo de forma natural, e não forçada. Sei que a conscientização brasileira sobre questões ambientais é de 90%, ou seja, cerca de 30 pontos acima da média global. É extraordinário. Além disso, a ampla gama de materiais: madeira, plásticos, acrílicos, metais, produtos fabricados e reciclados e as inúmeras formas de usá-los, sugerem que, também do ponto de vista da inovação tecnológica, o design brasileiro está se colocando à prova. Por fim, não há dúvida de que o papel das mulheres brasileiras no design está bem estabelecido, desde Lina Bo Bardi até hoje. Sua inspiração e seu toque são elementos constantes e inconfundíveis.

Os brasileiros adoram o Salone del Mobile. Gostaria de deixar uma mensagem para os amantes de salões brasileiros?

Sem forçar nada, o design brasileiro tem sido capaz de construir e manter ao longo do tempo um estilo único e ousado. A comunidade brasileira de design que frequenta o Salone é uma das que mais interage, seja fisicamente, seja digitalmente através de nossas plataformas. Hoje, o resultado é impressionante e o futuro será certamente brilhante. Continue conosco, visite o Salone del Mobile.Milano e faça o Brasil chegar ao mundo inteiro.

Conteúdo editado por:Luan Galani
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]