Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Salão do La Scuderia sobre piso de vidro, construído em casa da década de 1920. Foto: Fernando Zequinão
Salão do La Scuderia sobre piso de vidro, construído em casa da década de 1920. Foto: Fernando Zequinão| Foto: Gazeta do Povo

O frio batendo à porta quase todo dia é o melhor convite que existe para um jantar regado a bom vinho e boa companhia. Não sabe onde ir? Separamos algumas opções charmosas de restaurantes em edifícios com arquitetura histórica de qualidade para você visitar. Confira nossa seleção, escolha o seu preferido e boa diversão! Todas as opções abaixo têm carta de vinhos.

SERVIÇO | Cordon Blanc, Rua Equador, 181, Bacacheri, telefone (41) 3077-1900, de terça à sábado, das 19 às 23h. Aceita reservas para eventos fechados.

A Caiçara – Cozinha Litorânea

5 restaurantes com arquitetura histórica para visitar e tomar um bom vinho

A casa histórica no Largo da Ordem que já pertenceu à família Ribas e que já foi espaço do Farnel agora abriga o restaurante A Caiçara – Cozinha Litorânea. A data precisa da construção é desconhecida, mas existem registros do casarão desde 1900. O novo empreendimento se baseia na culinária caiçara, e passa essa linguagem também na decoração, que foi reformulada pelos sócios sócios Fredy Ferreira, Lívia Farah e Heitor Humberto.

5 restaurantes com arquitetura histórica para visitar e tomar um bom vinho

A proposta do chef Fredy Ferreira é continuar servindo aos clientes pratos da gastronomia do Paraná, como era na época do Farnel, incluindo também a cultura de regiões vizinhas. O Barreado, por exemplo, segue com lugar cativo no menu. O ceviche ganha contornos caiçaras com o milho e o coco. A nossa moqueca tem como grande atração a pupunha. Sem contar outras inúmeras opções, como o abraçadinho de camarão, porção de manjubinha e o incrível bolinho de siri. O ambiente tem ainda um mural da artista Carol Lemes, representando uma vila de pescadores. O quadro no outro salão chama-se Fandango, manifestação de música e dança do nosso litoral, e foi pintado pelo artista parnaguara Alcy Xavier.

SERVIÇO | A Caiçara, Rua Doutor Claudino dos Santos, 90, Largo da Ordem, telefone (41) 3324-­9755, quarta e quinta-feira, das 17 à 0h; sexta e sábado, das 11h40 à 0h, e domingo, das 11h40 e 16h.

La Scuderia

Salão do La Scuderia sobre piso de vidro, construído em casa da década de 1920. Foto: Fernando Zequinão
Salão do La Scuderia sobre piso de vidro, construído em casa da década de 1920. Foto: Fernando Zequinão| Gazeta do Povo

Ao descer a Avenida Jaime Reis em direção ao Largo da Ordem, a visão rapidamente se acostuma com a fachada de casarões antigos, principalmente no quarteirão da Praça João Cândido. Em uma das casas, onde hoje funciona o restaurante italiano La Scuderia, o esforço e cuidado de pessoas que residiram e trabalharam no local ajudou a preservar a memória de uma das famílias que fizeram parte da história da cidade.

Quando a família do arquiteto Guto Biazzetto comprou o imóvel do número 216 da histórica avenida em 2012, muitas modificações foram necessárias. “Como o espaço estava sem uso e fechado há algum tempo, precisamos fazer o projeto arquitetônico e de restauração do interior, para deixar pronto para o restaurante”, conta. Curioso pela história dos antigos proprietários, Guto resolveu pesquisar as origens da família Munhoz, de quem a casa foi comprada. No projeto, a opção foi cobrir uma parte do salão principal com vidro, permitindo aos clientes e visitantes observar a estrutura e o piso original do local. “Tínhamos a curiosidade de descobrir quem havia ocupado o espaço, até por conta das iniciais no portão”, explica.

Decoração inspirada na 'Scuderia Ferrari' misturada com alicerces da casa histórica. Foto: Fernando Zequinão

A pesquisa pela história não avançou muito, mas mostrou parte da memória do local. Mila e Guto descobriram que o espaço abrigou durante 20 anos a Escola de Balé Espanhol Flamenco de La Morita. Amália Moreira, proprietária da escola, alugou o imóvel de Caetano Munhoz em 1988, e ali continuou o ensino da dança flamenca. Depois da morte do marido, a escola foi transferida para outro ponto da cidade, e a casa ficou fechada até 2012, quando foi vendida aos Biazzetto. O antigo proprietário, Caetano, faleceu pouco tempo após a negociação, e boa parte da história da casa acabou se perdendo.

Hoje o prédio abriga o restaurante La Scuderia. Há pouco tempo, quando era propriedade da família Biazzetto, o estabelecimento se chamava Salumeria, e ficou conhecido justamente pelo piso de vidro. O local é aberto a visitação, e quem passa pelo restaurante pode ver pela janela no chão tanto as estruturas originais da casa como a um curioso detalhe da decoração local: o proprietário Walter Petruzziello, amante do automobilismo italiano, guarda artigos da Ferrari no ‘alçapão’, além de rolhas e garrafas de vinho.

SERVIÇO | La Scuderia, Avenida Jaime Reis, 216, São Francisco. Diariamente das 12 horas às 14h30 e das 19 horas às 23h30.

Armazém Santo Antônio

5 restaurantes com arquitetura histórica para visitar e tomar um bom vinho
| Marcelo Krelling

A casa centenária que abriga o restaurante Armazém Santo Antônio há 15 anos brilha no cenário de Curitiba. O diferencial da construção do São Francisco é a arquitetura europeia original bem preservada, que foi potencializada pela recente revitalização do espaço frontal, com deque ampliado e nova decoração. A iniciativa foi dos proprietários Giuliano Hahn, Katiana Giarola e Paulo Castor.

LEIA TAMBÉM

Parques de Curitiba vão ganhar jardins de mel com abelhas nativas

Marca tradicional de móveis entra no mercado de planejados em Curitiba

9 soluções simples para blindar a casa do frio sem gastar energia

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]