i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

A reinvenção do azulejo no Brasil

  • PorLuan Galani
  • 29/01/2016 19:00
Diversas obras de Athos Bulcão espalhadas por Brasília resgatam temas, cores e formas brasileiras a partir de uma simplicidade modular impressionante. Fotos: Fundação Athos Bulcão/Acervo
Diversas obras de Athos Bulcão espalhadas por Brasília resgatam temas, cores e formas brasileiras a partir de uma simplicidade modular impressionante. Fotos: Fundação Athos Bulcão/Acervo| Foto:
Detalhe da entrada do Palácio Gustavo Capanema, no Rio, antiga sede do Ministério da Educação e Saúde, com painel de Cândido Portinari. 
Foto: Márcio Vianna/Iphan
Detalhe da entrada do Palácio Gustavo Capanema, no Rio, antiga sede do Ministério da Educação e Saúde, com painel de Cândido Portinari. Foto: Márcio Vianna/Iphan

Pouca gente sabe, mas foi graças ao arquiteto e pintor franco-suíço Le Corbusier (1887-1965) que o Brasil modernista resgatou o uso dos azulejos em suas edificações. Ele enxergou as possibilidades plásticas do revestimento e não cansava de repetir para seus jovens discípulos tupiniquins que os materiais do passado não deveriam ser desprezados.

A cidade de São Luís, no Maranhão, é o exemplo máximo do potencial dos azulejos, como destaca o fotógrafo Marcos Piffer, que lançou recentemente, junto do artista plástico Paulo von Poser e a museóloga Marilúcia Bottallo, o livro Patrimônio da Humanidade no Brasil: suas riquezas culturais e naturais. Fundada por franceses, reconquistada pelos portugueses e tomada novamente por invasores holandeses, a cidade foi reconhecida como Patrimônio Mundial pela Unesco por conseguir ter preservado seu padrão urbano de forma harmoniosa e excepcionalmente integrada ao ambiente por meio da azulejaria.

Foi esse o empurrãozinho de Corbusier que fez toda a diferença para que as superfícies azulejadas deixassem de ser peça meramente decorativa da casa da vovó para se transformarem em elemento arquitetônico e artístico com um quê brasileiro.

As paredes ganham vida

Azulejos do Brasil Colônia que repetiam um mesmo desenho: o país ainda não enxergava o revestimento como veículo para obras maiores. Foto: Marcos Piffer/Divulgação
Azulejos do Brasil Colônia que repetiam um mesmo desenho: o país ainda não enxergava o revestimento como veículo para obras maiores. Foto: Marcos Piffer/Divulgação| Marcos Piffer
O azulejo era encarado como elemento decorativo na época colonial, adquirindo caráter artístico somente a partir de 1930.
Foto: Marcos Piffer/Divulgação
O azulejo era encarado como elemento decorativo na época colonial, adquirindo caráter artístico somente a partir de 1930. Foto: Marcos Piffer/Divulgação| Marcos Piffer

A retomada do azulejo acontece a partir década de 1930, como indicam alguns estudos da arquiteta Liliane Simi Amaral, que leciona no Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, com os principais expoentes da arquitetura modernista da época, como Oscar Niemeyer, Lúcio Costa, Affonso Eduardo Reidy e Carlos Leão.

Há duas razões para isso. Primeiro porque o revestimento cerâmico era uma proteção reconhecidamente eficaz contra as intempéries de um país tropical, como a abundância de chuva e a ação do sol. “Depois, esses arquitetos queriam levar arte à grande população, e o azulejo se provava um bom veículo”, sentencia o professor de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Orlando Ribeiro. “Para o Niemeyer, por exemplo, em um país pobre e com dificuldade de acesso à arte como o nosso, o mínimo contato com a arte era sagrado.”

Ao integrar a arte plástica à linguagem arquitetônica, as novas construções também foram dotadas de uma certa garantia de eternização, já que fica mais difícil de fazer alterações construtivas posteriores quando há grandes obras artísticas a abraçar as estruturas.

Brasileirismos

Painel de Portinari para a Igreja de São Francisco de Assis, na Pampulha, em Belo Horizonte, em que ele representa o santo e diversos animais. Fotos: Marcos Piffer/Divulgação
Painel de Portinari para a Igreja de São Francisco de Assis, na Pampulha, em Belo Horizonte, em que ele representa o santo e diversos animais. Fotos: Marcos Piffer/Divulgação
A reinvenção do azulejo no BrasilA reinvenção do azulejo no Brasil
| PBH/ASSCOM

Esse renascimento do azulejo se calcou sobre motivos e cores tipicamente brasileiras. A natureza dá o tom nas formas, com traços orgânicos ou desenhos que imitam nossas fauna e flora. Além do clássico azul, típico da azulejaria holandesa e portuguesa, também foram resgatados o verde e o amarelo.

Um dos pintores brasileiros mais famosos de todos os tempos, Cândido Portinari foi um dos que adotou o azulejo como base para seus trabalhos.

A obra mais representativa foi a Igreja de São Francisco de Assis, na Lagoa da Pampulha, em Minas Gerais, que desafiou a monotonia que rodeava a arquitetura da época. Com projeto de Niemeyer e paisagismo de Burle Marx, a igreja foi inaugurada em 1943, com uma composição de Portinari, que deu novo significado ao branco e azul clássico da azulejaria.

Mas foi o artista carioca Athos Bulcão quem deu continuidade ao azulejo como protagonista, principalmente em Brasília, virando objeto de estudo obrigatório em todos os cursos universitários de arquitetura pelo país.  Ele também adotou uma multiplicidade de suportes, indo além da cerâmica, e se destaca pela depuração cromática e pela repetição de módulos geométricos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.