Construída em antigo lixão, biblioteca brasileira concorre a prêmio de melhor do mundo

Biblioteca Parque Villa-Lobos, na zona oeste de São Paulo, é uma das cinco finalistas do prêmio de melhor biblioteca pública da Federação Internacional de Associações e Instituições Bibliotecárias (IFLA), a mais importante entidade internacional da área

Biblioteca PArque Villa-Lobos, em São Paulo concorre ao prêmio concedido pela Federação Internacional de Associações e Instituições Bibliotecárias (IFLA). Fotos: Reprodução / BVL

por HAUS, com Estadão Conteúdo

12/07/2018

compartilhe

A Biblioteca Parque Villa-Lobos (BVL), na zona oeste de São Paulo, é uma das cinco finalistas do prêmio de melhor biblioteca pública da Federação Internacional de Associações e Instituições Bibliotecárias (IFLA), a mais importante entidade internacional da área. A Biblioteca Parque Villa-Lobos foi construída na área onde antes funcionava um depósito de lixo a céu aberto. O esforço de revitalização do local deu início ao espaço de leitura gratuito e de livre acesso, nos moldes da Biblioteca de São Paulo, no parque da Juventude, que já concorreu a outro prêmio internacional.

 

>>> Histórias da Biblioteca Pública que os livros não contam

A candidata brasileira concorre com espaços da Noruega, Holanda, Estados Unidos e Cingapura. Este ano, a instituição, que é parceira da Unesco, recebeu 35 candidaturas de 19 países. A vencedora do prêmio será conhecida na reunião anual da IFLA em 28 de agosto, numa cerimônia em Kuala Lumpur, na Malásia. O prêmio é de 5 mil dólares (cerca de R$ 19,4 mil).

Entre os critérios de premiação, estão a interação do equipamento com o entorno, a programação de serviços e atividades, se a biblioteca oferece oportunidades de ensino para a comunidade e se é usada de maneira inovadora para enriquecer a experiência dos frequentadores.

Projeto

A BVL ocupa um pavilhão de concreto, aço e vidro, projetado pelo arquiteto Décio Tozzi e inaugurado em 2013, para sediar um centro de referência em educação ambiental. Mas a Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo nunca chegou a ocupar plenamente o pavilhão, assim ele foi destinado para a biblioteca. O profissional priorizou o uso do concreto aparente, criando pórticos interligados a uma grelha na fachada, onde se destacam varandas abertas para os espelhos d’água que rodeiam a construção. Internamente, os grandes vãos, de pé‑direito duplo, e as generosas aberturas protegidas por esquadrias com vidros transparentes criam ambientes iluminados.

Os interiores foram desenvolvidos por Dante Dellamana e a proposta de atividades integradas com a leitura, foram o ponto de partida, evidenciando o caráter multidisciplinar. Entre as adequações para abrigar a biblioteca, Dante usou alguns artifícios para criar conforto ambiental e reduzir o excesso de luminosidade como a instalação de películas para proteção solar sobre as placas de vidro da cobertura, conforme destaca o site da instituição. Nas fachadas, o projeto procurou proteger os interiores da farta insolação com uma malha de cabos de aço recoberta por vegetação, que funciona como filtro solar e atenuador da temperatura.

Parte do térreo é ocupada por praça circular que conta com uma estrutura bem particular com “pétalas” semitransparentes que filtram a luz solar direta. Sob ela, uma oca de madeira que funciona como mobiliário em grande escala, com piso de tatame, almofadas e pufes. O espaço é usado para narrações lúdicas e contação de histórias. Um painel de grande formato resume a história da Terra e os impactos da ação humana sobre ela.

Funcionamento

Não é necessária carteirinha para quem quiser ler os exemplares no local e o acervo fica quase todo à mostra, em prateleiras abertas –no térreo, os livros infantis e infantojuvenis. No segundo e terceiro andares, os títulos para adultos.

Há ainda histórias em quadrinhos, computadores, um acervo de DVDs. E o uso de tablets em atividades de iniciação à leitura, para crianças de seis meses a quatro anos – que deitam, brincam e leem no tatame a disposição no térreo. O espaço também serve para conversas com autores e aulas de ioga.

A inclusão também aparece. Deficientes visuais têm acesso a todos os livros do acervo por meio de um aparelho que lê as páginas e as transforma automaticamente em audiolivros. Além de livros falados (obras que têm as falas interpretadas por atores), os em braile e um virador automático de páginas.  Apenas uma sala do prédio mantém a exigência de que as pessoas façam silêncio. A ideia da biblioteca da capital paulista é ter o mínimo de regras possível.

LEIA TAMBÉM

Conhecida como Castelo de Luz, biblioteca da Letônia leva título de melhor do mundo de 2018

Novo espaço cultural na Av. Paulista reforma edifício antigo e propõe interação com a cidade

8 recomendações para você