Artista plástico curitibano assina obra rara em uma das vias mais movimentadas da cidade

Obra de Arthur Nísio, painel de azulejos em frente à Maternidade Nossa Senhora de Fátima destoa do estilo que caracteriza o trabalho do artista

por Roberta Braga*

07/01/2019

compartilhe

Se você é de Curitiba – ou mora há algum tempo na cidade –, certamente esteve visitando algum recém-nascido na Maternidade Nossa Senhora de Fátima, uma das mais antigas e tradicionais do Paraná, e que fica em uma das vias mais movimentadas da cidade: a Visconde de Guarapuava.

É bem provável que nessa visita tenha passado despercebido um dos quase 200 bens tombados pelo Patrimônio Cultural do estado: bem em frente à entrada do hospital fica um painel de azulejos assinado pelo artista plástico curitibano Arthur Nísio (1906-1974).

Fotos: Letícia Akemi/Gazeta do Povo

Foi para a inauguração da maternidade, em 1966, que as irmãs da congregação de São José do Cajuru encomendaram a obra ao artista. O objetivo era representar simbolicamente na fachada a designação do hospital: o painel retrata a aparição da Virgem Maria, em 1927, a pastores da cidade de Fátima, Portugal.

>>> Conheça Adoaldo Lenzi, o braço direito de Poty

Criatura e criador

O pedido de tombamento da obra foi feito pela Coordenação do Patrimônio Cultural, em 1990, com a alegação de que “o painel ‘Nossa Senhora de Fátima” seria uma rara obra nessa técnica do grande artista paranaense e que, por isso, deveria ser preservado como documentação e para maior entendimento da obra do artista”, conforme consta no requerimento oficial.

O historiador da Coordenação do Patrimônio Cultural do Paraná, Aimoré Índio do Brasil Arantes, explica que mais do que pela obra, o tombamento se deu pela grande importância da figura de Arthur Nísio para as artes. “Ele foi um dos mestres da pintura paranaense e um dos maiores animalistas brasileiros. O painel é uma obra singular do artista, destoando de sua produção. Além disso, na época do tombamento, foi observado que o bem corria risco, então foi também uma forma de zelar pela sua preservação”, observa.

A professora de História das Artes da FAP – Faculdade de Artes do Paraná, Rosemeire Odahara Graça, corrobora a opinião do historiador. “O Nísio não era um pintor de painéis. Suas obras consistiam mais em retratar a fauna e foi essa característica que fez com que ele se destacasse no cenário local e nacional, já que não tínhamos muitos artistas com interesse ou habilidade para esse tipo de pintura”, observa.

>>> A jornada do Edifício Carmen: prédio art déco que se renovou e virou endereço cool em Curitiba

No painel, é possível observar a imagem da Virgem, a de uma criança de costas ajoelhada e a de um cordeiro. “São dois os elementos nos quais podemos identificar algumas características do artista: a representação do animal e o fato de percebermos nas figuras retratadas o uso de técnicas de profundidade e movimento, que ele dominava”, diz Rosemeire. A professora ressalta, ainda, o fato de o restante do painel trazer uma composição geométrica que, ao que tudo indica, é fruto de uma livre criação do pintor. “Esse é outro ponto que destoa da produção do Nísio, que não teve um contexto de abstracionismo em suas criações”, pondera.

Segundos documentos anexados ao processo de tombamento, a contribuição do pintor para o painel consistiu na realização do esboço em papel da obra, enquanto a execução ficou a cargo da Sociedade Paranaense de Cultura. Medindo 3,45 m por 6,75 m, traz um total de 68 azulejos em uma composição de peças brancas e azuis.

>>> Quase centenário, exemplar icônico da arquitetura de madeira em Curitiba passa por restauro

Quem foi o artista

Arthur José Nísio teve uma vida conturbada e, mesmo nos momentos mais difíceis, viveu exclusivamente de sua arte. Teve uma ascensão em sua carreira ao expor suas obras pela primeira vez em Curitiba, no ano de 1928, e ganhar como prêmio uma bolsa de estudos na Europa. Escolheu ir para a Alemanha.

Lá, dedicou-se a pinturas de animais, como vacas e cavalos, e participou de exposições importantes, como a “Glaspalast”, em Munique. Estava na Alemanha durante a 2º Guerra Mundial, o que fez com que precisasse deixar às pressas sua casa, perdendo tudo o que tinha – incluindo mais de 40 obras que foram confiscadas e se perderam. Voltou ao Brasil em 1946 e retomou sua carreira de prestígio no Paraná. Ao final da vida, passou por problemas de saúde decorrentes de lesões pulmonares e também sofreu com dificuldades financeiras. Morreu em 1974, em Curitiba.

*especial para a Gazeta do Povo

LEIA TAMBÉM

Painéis públicos de Poty em Curitiba serão tombados 20 anos após a morte do artista

 

 

Receba nossas notícias por e-mail

Inscreva-se em nossas newsletters e leia em
seu e-mail os conteúdos de que você mais
gosta. É fácil e grátis.

Quero receber

8 recomendações para você