• Apresenta: Berneck

Jovens inovam em feira internacional com móvel feito de açafrão ou em forma de flor

Salão Satélite da Feira Internacional do Móvel de Milão, reserva espaço para jovens designers do mundo todo. HAUS visitou o e evento e selecionou cinco peças inusitadas

Salão Satélite da Feira de Milão destaca trabalho de designers jovens mundo afora, com peças inusitadas. Fotos: Luan Galani / Gazeta do Povo

por Luan Galani, enviado especial

20/04/2018

compartilhe

Todo ano o Salão Internacional do Móvel de Milão reserva um espaço – Salão Satélite – para os jovens talentos mostrarem suas criações. A mostra deste ano se dedicou a pensar o design emergente da América Latina e da África, com exposições interativas de vídeo que mostram designers de diversos países dos continentes homenageados contando sobre suas peças e discutindo alguns temas.

MAIS SOBRE A SEMANA DE DESIGN DE MILÃO 

>>> Design brasileiro cai na graça dos estrangeiros e domina rua de Milão

>>> Muita tecnologia e móveis super compactos; conheça as cozinhas do futuro

Porém, a presença real de jovens designers desses lugares no espaço foi pequeníssima. O destaque acabou recaindo novamente sobre designers iniciantes da China, do Japão e da Europa.

Entrada do Salão Satélite 2018, que evidenciou, por meio de vídeos, o design emergente de países em desenvolvimento. Foto: Luan Galani / Gazeta do Povo

Segundo Marva Griffin , curadora da exposição do Salão Satélite, a ausência material das peças dos designers e a escolha do vídeo foi para evitar a criação de uma hierarquia ou sobreposição entre os designers, como consta no painel de apresentação da feira.

Apesar da pouca representatividade dos países emergentes na área do design, a mostra manteve sua tradição e compromisso com a inovação. O editor de HAUS Luan Galani, que acompanha a design week de Milão selecionou cinco peças que chamaram atenção dos visitantes.

Mesa Zafferano

A peça reinterpreta um elemento importante da cultura milanesa: o açafrão. Não só utilizando o ingrediente como pigmento, mas integrando partes do açafrão na própria peça, que fica ainda mais rica, com uma textura única. A mesinha também conversa com a linguagem de Memphis, um movimento artístico e de Design de 1980 que nasceu em Milão e prima por formas geométricas coloridas. A assinatura é de Domenico Orefice, que trabalhou também com jovens artesãos.

Satsuma Washi Studio

Luminárias com diversos volumes e de vários tamanhos feitas por Satsuma Washi Studio, encabeçado por Keiko Haraguchi. A designer fez uso de uma tradicional técnica de dobra de papel e introduziu o conhecimento para criar peças de iluminação. As dobraduras delicadas dão vida a itens super ornamentados.

Studio Yumakano

Valorização dos padrões naturais das superfícies metálicas oxidadas (enferrujadas). Por tentativa e erro, o estúdio descobriu uma técnica que consegue transferir somente a ferrugem para a resina acrílica. Os próprios designers criam as ferrugens in natura com pratos metálicos que são expostos ao sol, chuva e outras intempéries. Depois de pronto o material com resina, a luz do ambiente faz sua parte na peça e torna os motivos ainda mais encantadores.

Cadeira Corolla

Inspirada nas formas orgânicas da flore de mesmo nome, a cadeira foi desenvolvida por designers indianos do estúdio Ardete. A estrutura de aço tubular fina confere leveza á cadeira, contrastando com seu tamanho avantajado, que dá impressão de abraçar quem senta. A coleção conta ainda com uma luminária, que segue a mesma linguagem, mas que tem a forma de uma outra parte da flor.

Fruteira Ventilador

Peças geométricas de madeira brasileira que se abrem lembrando o formato e movimento de um ventilador. A criação é de Ricardo Benucci, da Belas Artes (SP).

LEIA TAMBÉM


Receba nossas notícias por e-mail

Inscreva-se em nossas newsletters e leia em
seu e-mail os conteúdos de que você mais
gosta. É fácil e grátis.

Quero receber

8 recomendações para você