i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Mundo pós-pandemia

Redesenhando o sistema: designers belgas sugerem 7 passos para vencer a crise mundial

  • PorLuciane Belin, especial para HAUS
  • 15/06/2020 18:31
Projeto Ring, de Aalain Gilles: design é parte da mudança global necessária. Foto: Alain Gilles/Divulgação
Projeto Ring, de Aalain Gilles: design é parte da mudança global necessária. Foto: Alain Gilles/Divulgação| Foto:

É suficiente considerar o impacto da Covid-19 sobre o design ou é preciso redesenhar todo o sistema a partir deste momento que estamos vivendo globalmente? Foi com esta provocação que a jornalista e designer italiana Giovanna Massoni iniciou o debate da mesa redonda online Redesigning the System [ou Redesenhando o Sistema], uma das atrações desta segunda-feira (15), primeiro dia do FuoriSalone Digital 2020.

Siga a HAUS no Instagram!

Em uma hora de bate-papo sobre o tema, o sócio-diretor da Spread Design, Alok Nandi, o designer Alain Gilles e o sócio da Delta Light Jan Ameloo discutiram quais serão os impactos reais da crise de saúde pública que aflige o mundo neste ano. Baseados na Bélgica, os três nomes falaram sobre quais transformações esperar após a pandemia e como o design será afetado e poderá contribuir de maneira global.

Autor de um manifesto que repercutiu internacionalmente sobre o impacto a pandemia sobre o design, Nandi reforçou sua postura de que reestruturar a forma como o mundo experimenta seu cotidiano será essencial.

“O que nós fazemos não pode nunca mudar. Como nós fazemos as coisas, no entanto, vai. Nós vamos continuar...a viver, a aprender e a amar. E a conquistar, guardar e gastar de um jeito diferente. Mas, como?”, diz o manifesto. Ele então propõe sete passos para superar essa crise mundial: Repensar, Resolver, Reduzir, Reimaginar, Reelaborar, Redesenhar e Reformular. “Temos que passar a ver DESIGN como um verbo, um processo, não como objeto. Um lugar para questionar e reformular, e não responder em formas simplificadas. Design deveria ser uma boa forma de provocação”.

Para o designer, é preciso superar, no século 21, os sistemas desenvolvidos nos séculos 19 e 20 e que continuam orientando a vida social. “Esse sistema está falhando, e isso não deveria nos surpreender”.

Para Alain Gilles, o design é como uma esponja, que deve absorver o que acontece ao seu redor, antes de sugerir mudanças, e que, embora o papel do design seja essencial para construir um “novo normal”, é preciso cautela e atribuir as responsabilidades adequadamente.

Com formação em design e em ciência política, Gilles reforça o impacto social do setor. “Eu acredito que políticos são designers que estão dando forma ao mundo, às pessoas e às relações entre elas”.

Designers residentes na Bélgica comentam futuro e possibilidades do Design. Foto: Reprodução/ FuoriSalone.TV
Designers residentes na Bélgica comentam futuro e possibilidades do Design. Foto: Reprodução/ FuoriSalone.TV

O design, de acordo com ele, não pode ser responsável pela mudança necessária para construir novos caminhos, mas pode ser uma ferramenta. “Se home office é o novo normal, como isso vai redesenhar as cidades, as vias, as empresas e as relações de trabalho e o convívio? Nós vamos viajar menos? Como isso impacta o design das cidades, dos aeroportos, dos hotéis?”.

Impacta, também, as empresas e suas logísticas, conforme lembra Jan Ameloot. “Nem todas as áreas podem ser redesenhadas completamente, nem tudo é possível fazer online. Por outro lado, nós precisamos consumir tanto? Nem tudo vai desaparecer, mas nada vai voltar a ser o que era”.

De acordo com ele, a pandemia ajudou as pessoas a repensarem suas prioridades - inclusive as de consumo - e isso deve ajudar a moldar o mundo. “A única coisa que as pessoas pensam agora é saúde, é segurança, proteger aqueles que você ama. Como isso impacta o mercado, a produção global e a produção local?”.

Embora essa mudança possa ser apenas temporária, nenhum dos três convidados da mesa-redonda Redesigning the System acredita nessa possibilidade. “Eu espero que a gente não volte à fase pré-Covid, e torço para que possamos ressignificar todo o sistema de contato entre as pessoas, não só o design. Nós não podemos desenhar experiências, mas sim as condições para que elas aconteçam. Como criar o mindset adequado e a infraestrutura para nosso planeta crescer de maneira sustentável? É nisso que precisamos estar focados agora”, complementa Nandi.

Veja na íntegra o bate-papo entre os designers aqui:

Conteúdo editado por:Luan Galani
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.