Designer cria roupa sustentável que produz oxigênio

Função da roupa é melhorar o ambiente imediato do usuário, que deve substituir a lavagem por algumas borrifadas de água uma vez por semana

Foto: reprodução/Roya Aghighi

por Gazeta do Povo

10/10/2019

compartilhe

Algas fazendo fotossíntese – transformando dióxido de carbono (Co²) em oxigênio (O²) – foram o ponto de partida para o projeto da designer e estilista canadense-iraniana Roya Aghighi que deu origem a uma roupa sustentável.

Desenvolvida em parceria entre a University of British Colombia (UBC) e a Emily Carr University, a técnica, que foi batizada de biogarmentação, produz um tecido fabricado a partir de células fotossintéticas vivas que são a matéria-prima das peças.

Foto: reprodução/Roya Aghighi

De acordo com Roya, “a alga verde unicelular Chlamydomonas reinhardtii é fiada juntamente com nanopolímeros”. O resultado é um tecido que se parece com linho, porém pode ser considerado vivo, pois tem a capacidade de realizar fotossíntese. Ou seja: as células respiram transformando dióxido de carbono em oxigênio.

Como cuidar do tecido

Foto: reprodução/Roya Aghighi

O processo de biogarmentação é ativado quando o tecido é exposto à luz solar. Para que a roupa “sobreviva”, é necessário borrifar água uma vez por semana. No entanto, o ciclo de vida do tecido dura apenas um mês. A pesquisadora enfatiza que o período pode ser estendido desde que seja feito o tratamento adequado — o que, na sua visão, estimula o cuidado de cada um. Após seu uso, a peça pode ser descartada por meio de compostagem.

Roya explica que a função da roupa é melhorar o ambiente imediato do usuário, porém o uso em massa é capaz de reduzir as emissões de carbono. A ideia é que as pessoas passem a cuidar das roupas como se fossem plantas, se envolvendo no processo — ao contrário do que caracteriza como “uma prática ambientalmente destrutiva de fazer roupas sintéticas e descartá-las após poucos usos”.

Foto: reprodução/Roya Aghighi

“Ao tornar os têxteis vivos, os usuários desenvolvem um apego emocional às suas roupas”, destaca Aghighi. “O ciclo de vida do tecido vivo depende diretamente de como é tratado. Assim, o cuidado com as roupas seria parte crucial do sistema”.

LEIA MAIS

Arquiteto quer construir usina em ‘continente de lixo’ para despoluir o mar

Cervejaria lança embalagem sustentável com papel-semente que vira hortaliças

Terraço Verde em Curitiba é vitrine de soluções tecnológicas e sustentáveis

 

Receba nossas notícias por e-mail

Inscreva-se em nossas newsletters e leia em
seu e-mail os conteúdos de que você mais
gosta. É fácil e grátis.

Quero receber

8 recomendações para você