Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Foto: Pexels.
Foto: Pexels. | Foto:

A vontade de tornar o estabelecimento mais responsável com seus resíduos — além do incentivo dos próprios clientes — fez a empresária Thaiane Ramos Albertino Kretlow ganhar status de pioneira no ramo. Ela é a sócia-proprietária da primeira hamburgueria do país que transforma lixo orgânico em gás de cozinha. O estabelecimento fica em São Paulo, no bairro Vila Madalena.

O biodigestor chegou ao Primata Wings & Burger no final de 2018 e a perspectiva é de que, em um ano, seja responsável por evitar que quase duas toneladas de material sejam encaminhadas para os aterros sanitários de São Paulo.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

>>> Estúdio de design cria primeira suíte do mundo completamente vegana; conheça

“Víamos uma necessidade e fomos atrás de uma solução que pudesse ser viável. O equipamento que encontramos se encaixa bem em pequenos espaços, o que contou muitos pontos”, contou Thaiane.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Além de gerar energia para o fogão do restaurante, por meio do biogás, o biodigestor produz também um subproduto, que é um fertilizante natural. Para este, o restaurante encontrou uma função criativa.

“Além de usarmos o adubo em nossa horta, dividimos com os clientes. Para isso, reutilizamos garrafas de vidro estilo long neck, das bebidas consumidas no local, que antes também iam para o lixo”, explicou a proprietária. Na horta, os funcionários plantam salsinha, que é o ingrediente que não pode faltar na maionese caseira produzida pelo Primata Wings & Burger.

Foto: Primata Wings & Burger/Facebook.
Foto: Primata Wings & Burger/Facebook.

Sobre o equipamento

O processo que transforma pães, restos de carne, saladas e outros orgânicos em até cinco horas diárias de funcionamento do fogão não precisa de eletricidade para funcionar (é 100% off-the-grid). Depois de instalado, pode levar de uma a quatro semanas para o início da produção de biogás.

>>> Escritório paulista faz doação de sobras de obra pelo Instagram

“Para ativar a produção usamos água e esterco. Depois de um tempo de descanso, a colônia de bactérias  faz o seu trabalho. Quando a colônia estiver saudável, é possível adicionar os restos de alimentos. A geração diária de cada unidade é de até três horas de gás de cozinha, além da produção fertilizante líquido”, explica Leandro Toledano, representante da HomeBiogas, marca israelense que atua no Brasil desde o ano passado.

Funcionamento do HomeBiogas segundo o site oficial do produto: o primeiro passo é alimentar o sistema com os resíduos. Depois, as bactérias fazem a digestão do material, até a transformação em biogás. Por último, o gás pode ser usado na cozinha. Foto: divulgação/HomeBiogas.
Funcionamento do HomeBiogas segundo o site oficial do produto: o primeiro passo é alimentar o sistema com os resíduos. Depois, as bactérias fazem a digestão do material, até a transformação em biogás. Por último, o gás pode ser usado na cozinha. Foto: divulgação/HomeBiogas.

“A carga máxima de alimentação do biodigestor é de até 12 litros de resíduos de comida ou até 40 litros de esterco animal por dia e, ao contrário de composteiras, aceita todo tipo de comida, inclusive carne, peixe, óleo e gordura”, contou Toledano. A Primata Wings & Burger conta atualmente com duas unidades da HomeBiogas em funcionamento.

*Especial para a Haus.

LEIA TAMBÉM:

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]