Hamburgueria de São Paulo produz gás de cozinha com lixo orgânico

Até duas toneladas de resíduos deixarão de ser encaminhadas para aterros sanitários em um ano. Para cada de uso do equipamento, são geradas três horas de biogás

Foto: Pexels.

por *Camila Machado

24/01/2019

compartilhe

A vontade de tornar o estabelecimento mais responsável com seus resíduos — além do incentivo dos próprios clientes — fez a empresária Thaiane Ramos Albertino Kretlow ganhar status de pioneira no ramo. Ela é a sócia-proprietária da primeira hamburgueria do país que transforma lixo orgânico em gás de cozinha. O estabelecimento fica em São Paulo, no bairro Vila Madalena.

O biodigestor chegou ao Primata Wings & Burger no final de 2018 e a perspectiva é de que, em um ano, seja responsável por evitar que quase duas toneladas de material sejam encaminhadas para os aterros sanitários de São Paulo.

Foto: Divulgação

>>> Estúdio de design cria primeira suíte do mundo completamente vegana; conheça

“Víamos uma necessidade e fomos atrás de uma solução que pudesse ser viável. O equipamento que encontramos se encaixa bem em pequenos espaços, o que contou muitos pontos”, contou Thaiane.

Foto: Divulgação

Além de gerar energia para o fogão do restaurante, por meio do biogás, o biodigestor produz também um subproduto, que é um fertilizante natural. Para este, o restaurante encontrou uma função criativa.

“Além de usarmos o adubo em nossa horta, dividimos com os clientes. Para isso, reutilizamos garrafas de vidro estilo long neck, das bebidas consumidas no local, que antes também iam para o lixo”, explicou a proprietária. Na horta, os funcionários plantam salsinha, que é o ingrediente que não pode faltar na maionese caseira produzida pelo Primata Wings & Burger.

Foto: Primata Wings & Burger/Facebook.

Sobre o equipamento

O processo que transforma pães, restos de carne, saladas e outros orgânicos em até cinco horas diárias de funcionamento do fogão não precisa de eletricidade para funcionar (é 100% off-the-grid). Depois de instalado, pode levar de uma a quatro semanas para o início da produção de biogás.

>>> Escritório paulista faz doação de sobras de obra pelo Instagram

“Para ativar a produção usamos água e esterco. Depois de um tempo de descanso, a colônia de bactérias  faz o seu trabalho. Quando a colônia estiver saudável, é possível adicionar os restos de alimentos. A geração diária de cada unidade é de até três horas de gás de cozinha, além da produção fertilizante líquido”, explica Leandro Toledano, representante da HomeBiogas, marca israelense que atua no Brasil desde o ano passado.

Funcionamento do HomeBiogas segundo o site oficial do produto: o primeiro passo é alimentar o sistema com os resíduos. Depois, as bactérias fazem a digestão do material, até a transformação em biogás. Por último, o gás pode ser usado na cozinha. Foto: divulgação/HomeBiogas

“A carga máxima de alimentação do biodigestor é de até 12 litros de resíduos de comida ou até 40 litros de esterco animal por dia e, ao contrário de composteiras, aceita todo tipo de comida, inclusive carne, peixe, óleo e gordura”, contou Toledano. A Primata Wings & Burger conta atualmente com duas unidades da HomeBiogas em funcionamento.

*Especial para a Haus.

LEIA TAMBÉM:

Receba nossas notícias por e-mail

Inscreva-se em nossas newsletters e leia em
seu e-mail os conteúdos de que você mais
gosta. É fácil e grátis.

Quero receber

8 recomendações para você