Bill Gates exibe vaso sanitário que não usa água nem precisa de esgoto e ainda produz fertilizante

Cofundador da Microsofit apresentou a tecnologia em evento em Pequim e disse que a peça está pronta para ser comercializada

Foto: Gates Archive / Xiaolu Chu / reprodução

por HAUS

compartilhe

A falta de saneamento básico está entre as maiores causas de doenças como diarreia e cólera e também de morte de crianças ao redor do mundo. Já nas localidades que contam com rede de esgoto, o problema é outro: o desperdício de água resultante do acionamento da descarga ou da falta de tratamento adequado do resíduo.

Neste cenário, um vaso sanitário que não utiliza água soaria como a solução perfeita para o problema. E foi justamente isso que o filantropo e bilionário norte-americano Bill Gates, cofundador da Microsoft, apresentou ao mundo no início de novembro.

>>> Jardim agroecológico com mais de 100 espécies é cultivado no terraço de prédio em Curitiba

Resultado de projetos de pesquisa financiados pela Fundação Bill e Melinda Gates, maior organização filantrópica particular do mundo, o vaso sanitário utiliza produtos químicos para tratar a urina e as fezes humanas, transformando-as em fertilizantes. E isso sem usar nenhuma gota d’água ou necessitar de uma rede de esgoto para conduzir os dejetos.

A tecnologia foi apresentada durante o Reinvented Toilet Expo, em Pequim, China, e está pronta para ser comercializada, segundo Gates.

“O vaso sanitário atual simplesmente manda os dejetos embora na água, enquanto estes vasos sanitários não têm o esgoto. Eles recebem os dejetos líquidos e sólidos e fazem um trabalho químico neles, o que inclui queimá-los na maioria dos casos”, explicou à Reuters.

>>> Testamos: impermeabilização do sofá no estilo faça você mesmo e sem gastar muito

Gates acrescentou que o processamento dos resíduos elimina agentes patogênicos e que, além do fertilizante, água limpa é outro produto resultante do processo. Na apresentação, destacou ainda que a tecnologia pode contribuir para acabar com a morte de cerca de meio milhão de crianças e gerar uma economia de mais de 200 bilhões de dólares todos os anos com custos relacionados às doenças decorrentes de condições precárias de água, saneamento e higiene.

LEIA TAMBÉM

Restaurante se torna autossuficiente em energia ao transformar estacionamento em usina solar

 

8 recomendações para você