i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Arquitetas questionam como cidades podem ser mais inclusivas para mulheres

  • PorAléxia Saraiva
  • 24/09/2019 11:00
Foto: Fernanda Linero/divulgação
Foto: Fernanda Linero/divulgação| Foto:

Você já atravessou a rua por estar com medo hoje? Enquanto mulher, qual o seu maior medo ao andar na rua? Como você se sentiria mais segura? Foi com o objetivo de refletir como podemos planejar cidades mais igualitárias para todos que o escritório amb ateliê, formado por Daísy Kuzniarski e
Ana Flavia Bassani, em parceria com as arquitetas Fernanda Linero e Beatriz Teixeira, promoveram essa ação em diferentes bairros de Curitiba. O projeto ci.da.de; substantivo feminino integra a 3ª Mostra Bienal de Arquitetura para Curitiba.

Foto: Fernanda Linero/divulgação
Foto: Fernanda Linero/divulgação

Os lambe-lambes foram colados em espaços públicos para provocar uma interação com os pedestres de forma democrática. Três temáticas foram escolhidas para estampar os cartazes: mobilidade, gestão pública e morfologia urbana. Além dos questionamentos, as arquitetas trazem informações úteis e citações de pesquisadoras sobre o direito da mulher à cidade.

não podemos mais negligenciar as dimensões da desigualdade de gênero ao falar de cidade. Enxergamos a vontade coletiva feminina em questionar seus direitos e acreditamos na importância desse questionamento”, afirmam as arquitetas. “Entendemos que muitas questões são culturais mas iniciativas de projeto e gestão pública poderiam trazer melhoria na vida das mulheres na cidade. Um planejamento urbano que atende as minorias (mulheres, idosos, crianças, deficientes físicos) é bom para todo mundo“.

Cartazes ganharam intervenções espontâneas dos pedestres, mostrando a reflexão. Foto: Fernanda Linero/divulgação
Cartazes ganharam intervenções espontâneas dos pedestres, mostrando a reflexão. Foto: Fernanda Linero/divulgação

Para mostrar o resultado das intervenções, as arquitetas reúnem em um blog fotos com as interações com os cartazes. O site tem um espaço colaborativo, no qual os participantes podem publicar suas próprias fotos.

Além dos lambes, o projeto promoveu uma sessão do documentário Chega de Fiu Fiu no Sesc Paço da Liberdade, que foi seguida por um debate com o público, abordando a prática de violência de gênero e assédio nos espaços públicos.

Foto: Fernanda Linero/divulgação
Foto: Fernanda Linero/divulgação

Além das arquitetas, o projeto teve a participação das estudantes Ana Lucia Ceccon, Anna Lins, Gabriela Martello e Juliana Rufino Ogrysko.

3ª Mostra Arquitetura para Curitiba

A terceira edição da exposição bienal que apresenta provocações e possibilidades para a cidade traz o tema “Cidade Presente, Cidade Ausente”. A exposição consiste em 21 propostas desenvolvidas em parcerias de arquitetos com estudantes de todos os cursos de arquitetura da cidade, que se debruçaram sobre os projetos durante quatro meses.

Foto: Fernanda Linero/divulgação
Foto: Fernanda Linero/divulgação

Na exposição, as arquitetas expõem um módulo com miniaturas dos lambe-lambes colados pela cidade. Os visitantes têm a liberdade de levar os cartazes para “colar onde sentirem vontade/necessidade”.

Serviço

3ª Mostra Arquitetura para Curitiba

De 17 de setembro a 7 de outubro no Mezanino do Palácio Iguaçu (Praça Nossa Senhora de Salette s/n – Centro Cívico).

De 15 de outubro a 15 de dezembro no 2º andar do Memorial de Curitiba (R. Dr. Claudino dos Santos, 79 – São Francisco).

LEIA MAIS

Como tornar cidades mais amigáveis às mulheres? Projeto apresenta soluções que unem segurança e mobilidade

Maior mostra de arquitetura de Curitiba oferece alternativas para espaços vazios da cidade

Arquitetos propõem reabertura de rios canalizados de Curitiba

Arquitetos propõem transformar parte da Avenida Sete de Setembro em calçadão para pedestres

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.