Paris escolhe local nobre para receber jardim com nome de Marielle Franco

Terraço público junto à Gare de l'Est, uma das principais estações de trem da capital francesa, receberá o nome da política brasileira

Foto: Bigstock

por HAUS

22/04/2019

compartilhe

A Prefeitura de Paris anunciou no último dia 16 o local que receberá o nome da vereadora carioca Marielle Franco (Psol), assassinada no dia 14 de março de 2018. Será um jardim público junto à Gare de l’Est, uma das principais estações de trem da capital francesa. O ato de criar um espaço em homenagem à política brasileira foi aprovado por unanimidade pelos vereadores de Paris em 1º de abril.

O terraço será em um hotel próximo à estação e deverá ser inaugurado em outubro. A escolha ainda precisa ser ratificada pelo Conselho do 10º distrito, bairro onde ficará a futura praça suspensa, que acontecerá no dia 28 de maio, e depois passará pelo Conselho de Paris, que vota no dia 11 de junho.

>>> Esplanada de Notre-Dame receberá catedral temporária de madeira para visitantes

Foto: Bigstock

A rue d’Alsace (Rua da Alsácia, em tradução livre), que margeia o futuro jardim, é uma espécie de corredor, passagem de pedestres apressados. O comércio é típico de bairro, com uma livraria e algumas lojas, bares e restaurantes populares.

Numa loja de celulares, o balconista Sarder Ataur, do Bangladesh, há oito anos em Paris, desconhece quem seja Marielle Franco, mas apoia a iniciativa do espaço verde. “Vai ser bom para todos e também para os comerciantes”, opina para a rádio francesa RFI.

Os amigos portugueses Varela e Natalino estão ali por acaso, aguardando uma outra pessoa. Também não conhecem a vereadora brasileira, mas gostam da ideia de um jardim no local.

Imagem: Divulgação

Num dos bares da rua, Guillaume, vigia no bairro, também é a favor. “Conheço bem a região, há uns três anos isto aqui era um local de bêbados, é uma ótima ideia de se fazer um jardim”. Ele nunca tinha ouvido falar da vereadora carioca, mas ao ser informado de que Marielle era uma mulher, negra, gay e defensora dos direitos humanos, ele acha a proposta melhor ainda. “Gosto dessa homenagem, vai torná-la conhecida”, explica.

A estudante Julie, de 20 anos, almoçava um sanduíche em um vão da escadaria da rua da Alsácia junto com uma amiga. Ela se lembrava vagamente do caso da vereadora assassinada. “Aprovo o gesto, acho absurdo uma pessoa ser morta por causa do que ela pensa”, declarou.

Foto: Patricia Moribe/RFI

LEIA TAMBÉM:

Mickey Forever Young: surpreenda-se com a nova cara pop do ícone da Disney

 

Receba nossas notícias por e-mail

Inscreva-se em nossas newsletters e leia em
seu e-mail os conteúdos de que você mais
gosta. É fácil e grátis.

Quero receber

8 recomendações para você