0

Parques urbanos: conheça 10 cidades que reinventaram pontes e rodovias

Seja por iniciativa pública ou privada, os parques urbanos devolvem aspectos humanos e sustentáveis às cidades. Confira a seleção de projetos em diversos cantos do mundo

Imagem: Thurlow Small Architecture & NIO architects/Divulgação

Imagem: Thurlow Small Architecture & NIO architects/Divulgação

por HAUS

09/03/2017

compartilhe

Mobilidade tem sido uma questão cada vez mais discutida em fóruns mundiais e prefeituras de todos os cantos, assim como tornar espaços públicos mais habitáveis e seguros. Por falta de verba ou simplesmente para aproveitar o que já estava construído, megaestruturas como rodovias, pontes e viadutos viraram objeto de estudo para incorporar aspectos humanos e sustentáveis às cidades – e assim surgiram os parques urbanos.

Confira 10 cidades que se tornaram exemplos pela iniciativa de devolver aos habitantes espaços de convivência, natureza e arte em meio à selva de concreto

Madrid

Procurando recuperar as margens do Rio Manzanares, foi lançado em 2000 o projeto Madrid Río, que traria mobilidade urbana e sustentável à região da autopista M-30. A via ainda contava com construções históricas, como a Puente de Segovia, ponte mais antiga da cidade, e a Puente Del Rey, que cruzava o rio.

Assim, o projeto buscou preservar a história arquitetônica da cidade em conjunto com a criação do parque. Trechos da autopista foram demolidos, dando lugar a túneis subterrâneos, e acima deles um extenso parque linear foi inaugurado em 2011, com áreas de lazer, ciclovias, espaços infantis, instalações culturais e espaços informativos sobre a história de Madrid.

Foto: Wikimedia Commons/Reprodução

Foto: Wikimedia Commons/Reprodução

Seul

Frente ao impacto ambiental causado pela autoestrada Cheonggyecheon, que trouxe poluição e contaminação ao canal que leva o mesmo nome da via expressa, o prefeito de Seul lançou em 2003 um projeto para demolir a construção e revitalizar o córrego.

A empreitada, que durou três anos e custou 300 milhões de dólares, entregou à cidade um parque linear de 400 hectares, com peixes, pássaros e outros insetos retornando à região. Hoje, o espaço tem temperatura aproximadamente 3,6ºC mais baixa do que outras partes de Seul, se tornando um lembrete às gerações futuras da importância do desenvolvimento urbano sustentável.

Foto: Wikimedia Commons/Reprodução

Foto: Wikimedia Commons/Reprodução

Chicago

Criado pelo cineasta Jack Newell e designer Seth Unger, “The Wabash Lights” tem como objetivo trazer arte à linha elevada do trem que fica sobre a Avenida Wabash.

O projeto pretende instalar 24 mil luzes de LED na linha de trem, tornando-se uma escultura iluminada que permite aos habitantes e turistas interagirem com a sequência de cores através de aplicativo ou mensagem de texto. Até agora, um trecho piloto foi desenvolvido graças à plataforma de crowdfunding Kickstarter, que arrecadou 60 mil dólares.

Foto: The Wabash Lights/Divulgação

Foto: The Wabash Lights/Divulgação

Houston

Um parque urbano de 160 hectares foi criado sob a Rodovia I-45 com diversos percursos para pedestres e ciclistas, além de instalações de arte e trechos com patos, tartarugas e peixes.

Inaugurado em 2006, o projeto do escritório SWA Group corrigiu problemas de erosão e enchentes da região, revitalizou caminhos d’água naturais e permitiu um contato mais próximo com o Rio Buffalo Bayou, que corta a cidade, através de duas pontes para pedestres.

Foto: SWA Group/Divulgação

Foto: SWA Group/Divulgação

Washington

A fundação NoMa Parks, nomeada através do nome de um bairro de Washington, tem como iniciativa revitalizar espaços de passeio que são pouco aproveitados pelos habitantes. Em 2014, a entidade lançou um concurso internacional para que quatro pontos da região fossem transformados com instalações de arte.

Um dos projetos vencedores, que está em andamento, foi feito em parceria pelos escritórios Thurlow Small Architecture & NIO architects. Intitulado de “Rain”, uma instalação de luzes de LED que remetem à chuva será anexada sob a trincheira da M Street. A intenção, segundo declaração dos escritórios, é criar “um lugar onde os pensamentos possam se dispersar”.

Imagem: Thurlow Small Architecture & NIO architects/Divulgação

Imagem: Thurlow Small Architecture & NIO architects/Divulgação

São Francisco

Antes local da autoestrada California 480, o Pier Freeway foi criado após a demolição da via de dois andares, danificada pelo terremoto que atingiu a cidade em 1989. Um parque urbano já estava sendo cogitado para o local antes do evento, mas apenas após o abalo sísmico foi que a ideia seguiu em frente.

Hoje, a região abriga o Ferry Building, prédio histórico onde funciona um centro de restaurantes e mercados, um boulevard aberto ao público com altas palmeiras e uma linha de bonde elétrico, formando uma região de alta procura pelos turistas que visitam São Francisco.

Foto: Wikimedia Commons/Reprodução

Foto: Wikimedia Commons/Reprodução

Miami

Uma iniciativa da “Friends of The Underline”, organização sem fins lucrativos criada por uma comunidade de vizinhos em 2014, propôs a criação de um parque urbano sob duas linhas elevadas do metrô de Miami.

O projeto está em andamento e um trecho de 16 quilômetros será revitalizado para que pedestres e ciclistas possam atravessar regiões da cidade de forma segura e rápida. A organização pretende ainda realizar intervenções artísticas nos locais e no momento promove bicicletadas para que futuros usuários conheçam as potencialidades do parque.

Imagem: Friends of The Underline/Divulgação

Imagem: Friends of The Underline/Divulgação

Portland

Há 26 anos foi inaugurada a Burnside Skatepark, uma das melhores pistas de skate do mundo, retratada no famoso jogo Tony Hawk Pro Skater. O curioso é que a pista está localizada embaixo da porção leste da ponte Burnside, em Portland, Estados Unidos.

Antes um local sem qualquer finalidade, profissionais do skate construíram o parque de forma independente e somente após a construção é que surgiu o pedido à prefeitura para manutenção do espaço – que envolveu forte comoção popular. Assim, o Burnside Skate Park se tornou um parque público.

Foto: Wikimedia Commons/Reprodução

Foto: Wikimedia Commons/Reprodução

Seattle

Seguindo na mesma linha de Portland, Seattle também possui um espaço revitalizado para prática de esportes. Encabeçado pela Alianza Evergreen de Mountain Bike, foi construído em 2005 um circuito de mountain bike sob a Rodovia I-5.

Receosos pela possibilidade de agrupar delinquentes, outros bairros da região só auxiliaram no financiamento do projeto após verificar os benefícios que as etapas iniciais trouxeram ao espaço, como limpeza e segurança. O montante investido no parque ficou na casa dos 150 mil dólares, que agora figura como destaque entre os parques da cidade.

Foto: Wikimedia Commons/Reprodução

Foto: Wikimedia Commons/Reprodução

Toronto

O projeto “Under Gardiner”, que tem como objetivo recuperar áreas abandonadas sob a rodovia elevada Gardiner Expressway, surgiu de uma iniciativa pouco comum: dois filantropos canadenses, Judy e Will Matthews, doaram 25 milhões de dólares à Prefeitura de Toronto para que tais espaços fossem revitalizados.

Assim, quatro hectares foram transformados em áreas de convívio – e fomentaram a criação de novos espaços. Conhecido agora como “The Bentway”, a próxima etapa do projeto prevê novas praças públicas: um trajeto de 1,75 quilômetros começou a ser modificado neste mês para abrigar mercados abertos, ringue de patinação e festivais de arte e música.

Imagem: The Bentway/Divulgação

Imagem: The Bentway/Divulgação

Via Curbed e Archdaily.

LEIA TAMBÉM

Uma revolução! Película plástica vai substitui seu ar-condicionado

Maior ciclovia elevada do mundo é inaugurada na China. Veja vídeo

Tijolos de bolhas de plástico? Prédio com cascata de chuva? Isso é arquitetura do futuro

8 recomendações para você