i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Opinião

A mentalidade de vítima não ajuda ninguém – é só perguntar a Ray Charles e Stephen Hawking

  • PorDr. Rainer Zitelmann
  • Foundation for Economic Education (FEE)
  • 28/08/2020 16:53
Ray Charles
O lendário músico Ray Charles se apresenta no Montreal International Jazz Festival em Montreal, 25 de junho de 2003.| Foto: Arquivo

De acordo com a ideologia dominante, a identidade de uma pessoa é em grande parte baseada em seu status como vítima: de racismo, sexismo, capacitismo – o preconceito contra pessoas portadoras de alguma deficiência física. Mas será que encorajar as pessoas a se verem primordialmente como vítimas realmente ajuda alguém? Isso não faz com que se sintam indefesas e removam por completo a noção de que são capazes de controlar as próprias ações no mundo?

A mensagem é: “a sua vida só está nesta situação por razões estruturais, então não há chance nenhuma de mudança até que as estruturas sejam demolidas.”

As pessoas sempre falam em “causas estruturais”, mas elas nunca explicam por completo a que elas estão se referindo. E é basicamente sobre o capitalismo: é a “questão do sistema”, que essencialmente se resume a “enquanto não conseguirmos abolir ou revisar radicalmente o sistema capitalista, você simplesmente não terá nenhuma chance.”

Mensagens que fazem as pessoas se sentirem indefesas

Não faria mais sentido destacar exemplos de pessoas que conseguiram chegar ao topo apesar de enfrentarem dificuldades aparentemente insuperáveis?

Oprah Winfrey, por exemplo, que teve uma origem humilde e mesmo assim se tornou a primeira bilionária negra a conquistar sua fortuna pelo próprio trabalho? Pesquisadores classistas de esquerda, a quem eu abordo criticamente no meu livro The Rich in Public Opinion [Os ricos na opinião pública], se recusam de forma inequívoca a se envolver nesse debate.

Em seu trabalho aprofundado de pesquisas de classismo “Framing Class: Media Representations of Wealth and Poverty” [Enquadrando as Classes: Representações de Riqueza e Pobreza na Mídia] Diana Kendall critica a forma como a mídia cobre os casos de pessoas dos estratos mais baixos da sociedade que conseguiram subir da pobreza para a riqueza.

Kendall destaca a história real de Oprah Winfrey como um exemplo particularmente negativo. De acordo com Kendall, quando a mídia retrata pessoas de sucesso como Winfrey, ela tende a enfatizar demais a importância do trabalho duro e os traços certos de mentalidade ou personalidade.

Kendall critica o fato de que esse tipo de cobertura da mídia acaba perpetuando o mito do sonho americano, “dadas as grandes possibilidades contra tal resultado, a emulação desse enquadramento não apenas cria expectativas irreais por causa das realidades econômicas e sociais dos anos 2000 como também oferece uma desculpa para que aqueles que estão melhor financeiramente possam ridicularizar quem não está.”

Kendall também lamenta que as notícias às vezes criam a impressão de que os pobres são “parcialmente responsáveis por sua situação” por causa de certas ações, como usar drogas ilegais e não procurarem um emprego.

Por trás dessa crítica há um conceito de humanidade que se baseia na ideia de que as pessoas não são responsáveis nem pelos resultados positivos nem pelos resultados negativos de suas vidas. Reportagens mostrando quem saiu da pobreza para o luxo são criticadas porque algumas vezes dão a entender que o sucesso só foi atingido por causa de traços de personalidade e esforço individual.

Ao mesmo tempo, notícias sobre os pobres são criticadas porque elas perpetuam a impressão de que algumas pessoas são, pelo menos em parte, culpadas pelo seu destino. Do ponto de vista de Kendall e outros pesquisadores de classismo, o sistema capitalista e as injustiças “estruturais” são sempre as culpadas por tornar as pessoas ricas ou pobres, enquanto a reportagem sobre causas individuais é marcada como uma tentativa de culpar os pobres por seu destino.

Ray Charles não era uma vítima

Estou lendo a incrível autobiografia de Ray Charles, o Sumo Sacerdote da Alma, que teve uma enorme influência na evolução estilística do Rhythm and Blues, do Blues, do Country e do Soul. A revista Rolling Stone o classificou em segundo lugar na lista dos 100 melhores cantores de todos os tempos, depois de Aretha Franklin e à frente de Elvis Presley.

Ray Charles cresceu na pobreza e sem o pai; sua mãe morreu aos 31 anos. Ele ficou cego aos sete. Nove meses antes ele testemunhou o afogamento do próprio irmão. O racismo era algo com o qual convivia todos os dias.

Uma certa tarde ele decidiu sair para nadar na praia de Myrtle, na Carolina do Sul. De repente ouviu seus amigos na praia gritando para que voltasse para a areia – por ser cego, ele não percebeu que estava indo em direção ao alto mar.

O que mais me impressionou em Ray Charles foi sua filosofia de vida. Em sua autobiografia ele escreveu quão importante era para ele, como um jovem, “entender como as coisas funcionavam: se eu entrasse em algum problema, era culpa minha. Ou se eu fizesse alguma coisa que valesse a pena, eu poderia levar os créditos. A responsabilidade veio muito cedo para mim.”

Durante a maior parte de sua vida, ele foi um viciado em heroína. Ele poderia ter culpado os outros, visto a si mesmo como uma vítima. Em vez disso, ele disse: “ninguém fez isso comigo. Eu fiz por conta própria. Não foi a sociedade que fez isso comigo, não foi um traficante, não foi por ser cego, por ser pobre ou por ser negro. Eu fiz por conta própria.”

Mesmo quando ele caiu em um golpe e perdeu muito dinheiro, Charles não ficou furioso ou amargo, como ele mesmo explica. “Isso me ensinou a manter o nariz colado nos livros.” E quando ele foi considerado culpado pela posse ilegal de drogas, Charles admitiu: “fui acusado. E eu não poderia me declarar nada além de culpado. (...) Foi resultado do que eu mesmo fiz.”

Stephen Hawking viu em sua deficiência uma vantagem

O físico Stephen Hawking sofria de uma condição médica extremamente rara, a esclerose lateral amiotrófica (ELA), uma doença que faz com que as células nervosas do cérebro e da medula espinhal sofram uma atrofia seguida de cicatrização ou endurecimento. Seus médicos lhe disseram que era uma doença incurável, e que provavelmente acabaria com a sua vida em questão de anos. Ele não ficou apenas confinado a uma cadeira de rodas, ele também perdeu a capacidade de falar. Hawking teve que aprender a usar um programa de computador e um sintetizador de voz para se comunicar verbalmente.

Mesmo assim, ele se tornou um dos cientistas mais famosos do mundo, fez viagens, se encontrou com papas e presidentes e escreveu uma sucessão incrível de best sellers. A chave para seu sucesso era a atitude positiva em relação à própria vida. Ele estava determinado a ver a positividade em sua deficiência.

Em sua autobiografia ele escreveu que essa atitude o libertou de ter que dar palestras ou ministrar aulas, e que por isso ele não precisava tomar parte em tediosas e desnecessariamente longas reuniões de comitês universitários. Em vez disso, teve tempo para se dedicar à pesquisa em tempo integral. Na opinião de Hawking, as pessoas com deficiência deveriam “se concentrar em coisas que as suas deficiências não a impedem de fazer, e não ficar ressentidas com aquelas que elas não podem. No meu caso, eu tenho sido capaz de fazer a maioria das coisas que eu queria.”

As barreiras que construímos

“Os homens não são prisioneiros do destino, mas prisioneiros das próprias mentes,” observou Franklin D. Roosevelt, o 32º presidente dos Estados Unidos. Roosevelt sofreu de poliomielite e tinha paralisia da cintura para baixo, o que significa que ele mal podia caminhar sozinho.

Isso, porém, não muda o fato de que o que ele diz é verdade: as barreiras que nos impedem de alcançar grandes objetivos em nossas vidas são aquelas que nós mesmo erguemos – estão todas em nossas mentes. Se conseguirmos derrubar essas barreiras, poderemos alcançar coisas com as quais nem sequer sonhamos hoje. Melhorar a sua vida não é uma questão de esperar pela mudança das circunstâncias externas, é um processo que tem que começar na sua cabeça.

A partir de estudos de psicologia sabemos que pessoas malsucedidas veem a si mesmas como vítimas de fatores externos e acreditam que suas vidas são determinadas por fatores alheios ao próprio controle.

Pessoas de sucesso, por outro lado, tendem a focar mais nas coisas que elas mesmas podem influenciar e mudar. Elas veem a si mesmas como criadoras do próprio destino.

A primeira atitude é uma mentalidade de vitimismo que leva à passividade e ao desânimo; a segunda atitude leva à atividade e motiva as pessoas a fazerem um esforço por conta própria. Você decide: qual das duas atitudes você acha que lhe dará as melhores chances de ter sucesso na vida.

Dr. Rainer Zitelmann é historiador e sociólogo. Ele também é um autor de renome mundial, empresário de sucesso e investidor imobiliário.

© 2020 FFE. Publicado com permissão. Original em inglês.
11 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 11 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • E

    Eduard Fontcuberta

    ± 3 horas

    “A culpa é minha e eu ponho ela em quem eu quiser!” - Homer Simpson

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • L

      luiz antonio kesselring

      ± 24 horas

      Sempre me lembro das palavras do pediatra na primeira consulta "assim que puder ela deve ter algumas tarefas, para perceber que existe um contexto do qual ela faz parte."

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • L

        luiz antonio kesselring

        ± 1 dias

        Não precisa ir longe, aqui em casa temos o Barão de Mauá, cuja biografia deveria ser leitura obrigatória nas escolas, um garoto de 12 anos teve o pai assassinado e afastado da mãe para uma cidade grande tornou-se o maior dos brasileiros....

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • L

          Luciano

          ± 2 dias

          A opinião de Stephen Kawking deveria ser pregada na parede de todas as escolas.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • M

            Meg Litton

            ± 2 dias

            Excelente artigo! Você faz a sua vida, independente de outros...

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • C

              Carlos

              ± 2 dias

              Parabéns pelo texto!! Precisamos de menos barreiras e mais pensamentos edificantes que busca fortalecer a todos!!

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • N

                Nm

                ± 2 dias

                Vitimismo? Beethoven compôs o último movimento da sinfonia com apenas 20% da audição (cerca de 20 minuntos), para fazer isso cortou os pés de um piano de cauda para que encostasse no chão e encostando o ouvido no assoalho ele sentia as vibrações das notas. dizem o Otorrinos que nesse estado ele só ouvia as notas mais graves. quem ouve esta obra prima se encanta.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • A

                  Andreas Milla

                  ± 2 dias

                  Ótimo texto e análise. Vemos diariamente o vitimismo exagerado da muitas pessoas que em vez de tentar melhorar a sua própria condição acaba se vitimizando, permanecendo na inércia. A esquerda se utiliza muito eficientemente desse vitimismo das pessoas e ainda o fomenta, para conseguir os seus objetivos: poder e dinheiro. Colocam nas pessoas que por algum motivo não tem sucesso na vida que os "outros" são culpados pelo seu fracasso e que por isso os "outros" tem que resolver os seus problemas e não fazem nada para mudar o seu status. Isso nunca funcionou, e, como mostram os exemplos citados no texto, o que os levou ao êxito, foi o seu próprio esforço.

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • A

                    Andreas Milla

                    ± 2 dias

                    Ótimo texto e análise. Vemos diariamente o vitimismo exagerado da muitas pessoas que em vez de tentar melhorar a sua própria condição acaba se vitimizando, permanecendo na inércia. A esquerda se utiliza muito eficientemente desse vitimismo das pessoas e ainda o fomenta, para conseguir os seus objetivos: poder e dinheiro. Colocam nas pessoas que por algum motivo não tem sucesso na vida que os "outros" são culpados pelo seu fracasso e que por isso os "outros" tem que resolver os seus problemas e não fazem nada para mudar o seu status. Isso nunca funcionou, e, como mostram os exemplos citados no texto, o que os levou ao êxito, foi o seu próprio esforço.

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    1 Respostas
                    • A

                      Andreas Milla

                      ± 2 dias

                      Concordo que temos que ajudar as pessoas que tem alguma dificuldade, mas devemos fazer isso de forma que essas pessoas também se esforcem para isso, senão nunca vai funcionar. Quer um emprego melhor, incentive-o a estudar para conseguir melhores condições. Está com fome? Como diz a frase dita pelos antigos: não dê o peixe, ensine a pescar, e dê condições a ele para isso. Só assim você estará realmente o ajudando. Analisem se existe qualquer pessoa que conseguiu sucesso honestamente no mundo e o que elas fizeram para isso? Ficar reclamando: VOCÊ tem que resolver o MEU problema nunca resolveu.

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                  • R

                    Roberto Garcia

                    ± 2 dias

                    Concordo que são nossas atitudes que irão determinar nosso futuro. Acho que embora tenha um percentual de fatos aleatórios que acontecerão na vida das pessoas, são as atitudes consciente ou inconsciente de cada um que irão definir grande parte do seu destino.

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    Fim dos comentários.