Cartaz do filme "A Morte de Stalin"
Cartaz do filme “A Morte de Stalin”| Foto: Reprodução

A cena inicial do filme “A Morte de Stalin” representa bem o pânico reinante no período mais duro do regime soviético. Após ouvir uma sinfonia de Mozart transmitida ao vivo pela rádio estatal, Stalin telefona para o teatro e pede que lhe enviem a gravação do concerto. Problema: a apresentação não havia sido gravada. Apavorado, o diretor a cargo da transmissão manda que fechem as portas do local imediatamente e força os músicos (e o público, essencial por causa dos aplausos e da acústica) a permanecerem no teatro para uma reapresentação completa da peça. Como alguns espectadores já haviam se retirado, o burocrata ordena que tragam quaisquer transeuntes que estiverem passando na rua. E assim se faz.

A Morte de Stalin”, atualmente disponível na Amazon Prime Video, responde a uma pergunta recorrente na arte: é possível fazer uma obra de humor sobre uma ditadura sanguinária? A resposta é sim, desde que o humor seja usado como uma espécie de vingança póstuma dos perseguidos contra seus algozes.

No filme, ri-se não das crueldades cometidas pelo regime comunista, mas das figuras grotescas e patéticas no comando do império que, em seu auge, tinha sob sua influência um terço do território global. O deboche é tão efetivo que, em 2018, logo após o lançamento do filme, o Ministério da Cultura de Vladimir Putin proibiu sua exibição nos cinemas da Rússia.

Embora seja repleta de passagens fictícias, a comédia representa de forma fiel o embate interno que se sucedeu à morte de Stalin, em 1953. De um lado, estava Lavrenti Beria (Simon Russell Beale), chefe do poderoso Ministério do Interior e famoso por promover expurgos contra qualquer um visto como adversário do regime. De outro, Nikita Krushev (Steve Buscemi), primeiro-secretário do Partido Comunista em Moscou e ligeiramente menos violento, mas igualmente inescrupuloso. No meio do cabo-de-guerra, o inseguro e manipulável Georgy Malenkov (Jeffrey Tambor), sucessor de Stalin por direito. Ao redor, outros membros da elite comunista, perdidos em meio à morte repentina do líder supremo.

Por isso, apesar da liberdade criativa dos roteiristas, o filme é muito realista em um aspecto: ao mostrar de forma aberta a disputa pelo poder dentro do Partido Comunista Soviético, a obra evidencia como, para os líderes da revolução russa, a única preocupação era a conquista e a manutenção do poder (o que inclui, como acessório, a necessidade de não ser assassinado pelos adversários políticos dentro do regime). O povo é apenas coadjuvante, como a plateia no teatro, e não tem qualquer valor senão o de um meio para atingir um fim.

Fazer comédia com a maldade humana sem banalizá-la é uma tarefa dificílima, que o diretor britânico Armando Ianucci cumpre de forma notável em “A Morte de Stalin”.

A conclusão do filme é a de que nenhuma virtude pode florescer em um regime que premia a paranoia e a brutalidade. E, além de reflexões morais bem-vindas, a comédia ainda tem o mérito de oferecer uma experiência catártica: é sempre bom rir de tiranos.

9 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]