Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
O documentário “Jan Twardowski: O Padre Poeta” é uma joia escondida na Netflix e capaz de lançar luz sobre almas acabrunhadas.
O documentário “Jan Twardowski: O Padre Poeta” é uma joia escondida na Netflix e capaz de lançar luz sobre almas acabrunhadas.| Foto: Reprodução/ Netflix

O que leva pessoas das mais variadas idades e condições sociais a se conectarem à obra do poeta e padre polonês Jan Twardowski (1915-2006)? Críticos e leitores concordam: é o fato de poderem se deparar com uma simples e caridosa, que leva beleza, bondade e esperança às suas vidas. A Netflix criou um nicho para ele em seu catálogo e agora seus versos brilham com luz própria ao lado de animes, histórias de crimes reais e dramas coreanos.

"Vamos nos apressar em amar as pessoas, já que elas desaparecem tão cedo". Este verso de um de seus poemas mais conhecidos serve de porta de entrada para um documentário delicado e intenso: “Jan Twardowski: O Padre Poeta”. Ao longo de 38 minutos, assistimos a um parto ao vivo, uma Missa, a leitura de uma dúzia de poemas, inúmeros silêncios e muitos outros testemunhos que evocam o silêncio.

“Trabalho como maquinista. Eu deveria ter trabalhado nisso toda a minha vida. Isso me deixa muito feliz e me sinto muito realizado, porque sempre gostei de ajudar os outros”, explica um condutor de bonde de meia-idade que descobriu os versos de Twardowski graças à esposa. Com os poemas do padre, o operário aprendeu a ver a realidade de forma diferente.

Na cena seguinte, o homem é visto com o filho no jardim. Eles constroem um balanço caseiro. “Gostaria de ensinar Michał a ter compaixão; ser um homem bom, que não se quebra sob a pressão do mal ou dos problemas que tem. Mais cedo ou mais tarde, a bondade vencerá. Estou certo disso", diz ele.

O motorista lê “Ode ao Desespero”, um poema em que fica clara a determinação de Twardowski de abordar a dor concreta, aquela que não encontra alívio nos livros didáticos ou para a qual não há respostas corretas:

pobre desespero,
monstro completo!
Aqui eles te atormentam terrivelmente:
os moralistas te enganam,
ascetas o chutam,
Médicos prescrevem pílulas para fazer você ir embora
Eles te chamam de pecado...
E ainda sem você
Eu acabaria sorrindo sem parar, como um leitão na chuva,
Eu cairia encantado como um bezerro,
me tornaria desumano (...)

Para Twardowski, fé e compaixão andam de mãos dadas. No documentário, o padre que o ajudou por 15 anos na Igreja dos Peregrinos explica: “Ele me ensinou, como homem e como padre, uma coisa muito básica. Em primeiro lugar, você tem que ser humano. Então, que é bom ser cristão. E, finalmente, padre. O padre Twardowski disse que essa deveria ser a ordem das coisas. (…) Ele sempre foi muito humano”.

Essa humanidade permite que Twardowski converse com pessoas muito variadas. Uma mulher que acabou de ser mãe se conecta ao elogio da imperfeição que ele faz no poema “Um anjo sem filhos”, toda uma bola de oxigênio em frente às prístinas maternidades do Instagram. Um aluno muito diligente aprende no poema “Nada” a não levar tudo tão a sério. Um adolescente fã de karatê e poesia agradece a Twardowski por ajudá-lo a entender o valor de cada pessoa. Uma tradutora de 24 anos, de mudança para a casa do namorado, diz que a poesia de Twardowski "a fez sentir que o mundo e as pessoas são gentis por natureza".

Twardowski converte seus leitores? Não sabemos. E não está claro se ele pretende isso também. O que ele quer é levar a todos – não apenas aos fiéis – uma poesia cordial, com um olhar compassivo e não censurável, cheio de humor e gratidão pela vida, como descrevem Anna Sobieska e Antonio Benítez Burraco no prefácio de uma “Antologia Poética” publicada pela editora Rialp.

É uma poesia que nasce “da teologia do Deus que sorri”, nas palavras do crítico literário Andrzej Sulikowski; que convida os leitores a descobrirem não só a marca de Deus em tudo o que foi criado, mas também a enxergarem as mil maneiras que Deus encontra para lhes mostrar Sua ternura. Lê-se no poema “A coisa mais próxima”: "Deus te ama por aquela carta cordial que você recebeu (...)". Ou no poema “Senti medo”:

Eu estava com medo. Minha visão me falha: não poderei mais ler;
Perco a memória: não poderei mais escrever;
Eu tremia como o aprisco sacudido pelo vento.
Deus te pague, Senhor, porque ele me ofereceu sua pata
o cachorro que não lê livros nem escreve poemas.

São poemas desprovidos de eloquência, que emocionam pela sinceridade. Twardowski emociona porque mostra as coisas como elas são. Um bom exemplo disso é o poema “Explicação”:

Eu não vim para converter você:
Qualquer sermão erudito há muito desapareceu da minha cabeça,
Estou nu de qualquer forma de brilho há muito tempo (...);
Eu não vou te dar a lata
pedindo sua opinião sobre Merton;
quando discutimos, não vou agir como um peru,
sempre com aquele nariz de palhaço no bico; (…)
Eu vou apenas me sentar ao seu lado
e confidenciar-lhe o meu segredo:
Eu, um sacerdote,
acredito em Deus como uma criança faria.

O documentário termina com uma professora universitária idosa, tão carinhosa quanto pouco acomodada: “Devo dizer algo sobre o papel do padre Twardowski na literatura polonesa. Muitos poetas e historiadores valorizam a profundidade e a diversidade de sua obra, e também seu incrível talento para alcançar pessoas comuns. Recentemente, não sei quem me disse que teve uma conversa sobre Twardowski com um taxista. Acontece que o taxista leu Twardowski e adorou seus poemas. (…) Muitos poloneses precisam e anseiam por uma poesia assim”.

Do que ela está falando? O próprio poeta deu uma pista em um livro expressivamente intitulado “Maravilhado com a Graça. Minhas Lembranças Felizes”: “O Evangelho é esperança diante do desespero e eu gostaria de escrever poemas como ele. Poemas como este são necessários no mundo de hoje. (...) Meu objetivo é falar de fé para um mundo que carece dela; de esperança para um mundo que não espera nada; de amor para um mundo onde esse amor não existe. Escrevo sobre as pessoas que encontro todos os dias, no confessionário e na rua. O importante é se inclinar para o homem e também se abrir para outra realidade, que é invisível e está além da nossa experiência”.

©2022 Aceprensa. Publicado com permissão. Original em espanhol 
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]