i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Cientificismo, a religião dos engenheiros

  • 27/11/2020 11:18
Cientificismo, a religião dos engenheiros
| Foto: Imagem de <a href="https://pixabay.com/pt/users/geralt-9301/?utm_source=link-attribution&amp;utm_medium=referral&amp;utm_campaign=image&amp;utm_content=3382507">Gerd Altmann</a> por <a href="https://pixabay.com/pt/?utm_source=link-attribution&amp;utm_medium=referral&amp;utm_campaign=image&amp;utm_content=3382507">Pixabay</a>

Cientificismo é um termo mais usado do que conhecido. Sempre aparece como xingamento, porque é ruim mesmo. Mas aparece como xingamento, em geral, na boca dos progressistas, que chamam de cientificista qualquer preocupação com a objetividade.

Cientificismo é um conceito muito importante, com uma história reveladora. Ele é a crença na capacidade da Ciência de determinar todas as questões humanas e sociais. Surgiu na França entre engenheiros. Sua primeira expressão foi o sansimonismo, um tronco do qual saíram o positivismo e o marxismo. Deste último ramo, mais prolífico, podemos dizer que brotaram todos os sistemas que visam a justificar o capitalismo de compadrio, dentre os quais o fascismo e o nazismo.

Friedrich Hayek contou essa história numa série de artigos que se transformou no livro “A Contra-Revolução da Ciência” (The Counter-Revolution of Science), sem tradução em português.

O enigma do Bem Comum

Notório por ser um economista austríaco ganhador de Nobel, Hayek foi também um defensor da democracia na hora mais difícil, a II Guerra Mundial. Foi quando escreveu para os ingleses “O Caminho da Servidão” (este, com mais de uma tradução, sendo a mais recente da editora LVM), livro em que tentava convencê-los de que a concentração de poder econômico implicava o fim da democracia. Hayek estava exilado na Inglaterra, e via lá um senso comum segundo o qual os alemães eram pessoas más que tentavam implementar um modelo virtuoso de Estado, que estava sendo conseguido pela União Soviética.

O socialismo, dizia Hayek, implica ditadura porque implica concentração de poder. Mas por que as pessoas aceitam, de bom grado, submeter-se a um ditador? Segundo ele, porque acreditam que o Bem Comum é algo facilmente discernível, e que todos os problemas da sociedade podem ser sanados se um mandatário bem intencionado tomar as rédeas para resolver tudo.

Cada discussão no Parlamento leva uma vida. Por isso, o povo crê que os políticos de modo geral demoram só porque são vagabundos, quando na verdade pensar em cada particularidade das leis de um país toma tempo e dá trabalho. Em seguida, o povo fica nervoso e delega poderes ao homem de ímpeto… Para se sentir traído em seguida, porque não concorda tintim por tintim com a noção de Bem Comum que então lhe é imposta de cima a baixo.

Mas de onde vem essa noção de que se pode resolver tudo assim, num estalar de dedos, no topo de um governo central? Segundo Hayek, é resultado da Contra-Revolução Científica, ocorrida na França do século XIX.

Revolução e Contra-Revolução

O ícone da Revolução Científica é Galileu, mas aquele que serve de marco para a conclusão do processo de criação da Ciência moderna é Isaac Newton. Na época de Galileu, o conhecimento era produzido e sistematizado na Universidade, que estava sujeita à Igreja Católica. Galileu é contemporâneo da Reforma Protestante, mas ainda não havia muita estabilidade entre os protestantes, e inexistiam movimentos laicos a subsidiar esse enfrentamento científico. Assim, o conhecimento era algo quase estático, submisso à autoridade papal, herdado da Antiguidade, digerido pelo tomismo e codificado em manuais de Coimbra.

Quer saber como se origina o arco-íris? Vá ao manual do Colégio de Coimbra, e lá constará uma explicação fundamentada em Aristóteles e numa dúzia de autoridades antigas ou renascentistas. Depois da Revolução Científica, a Ciência estava liberta da autoridade eclesiástica; só prestava contas à Razão e à Experiência. Os padres que dessem seus pulos para deixar a metafísica intacta a despeito de descobertas científicas.

Isaac Newton (1643 – 1727), em sua nação protestante, lançou a pá de cal na autoridade das universidades católicas tradicionais. Na catolicíssima França, os leigos criaram Academias laicas, os salões, as revistas, e tocaram uma pujante vida intelectual fora da universidade. Enquanto isso, no jesuítico Império Português, em 1746, era proibido ensinar as “novidades” de Newton e até de Descartes (1596 – 1650). Seguia-se aristotélico até o Marquês de Pombal expulsar os jesuítas, em 1759. Aí, também, a biblioteca do Colégio da Bahia, que formou Antonio Vieira, virou embrulho de peixe.

Mas voltemos para a parte agitada da Europa: quando Newton fez seu trabalho mais importante, deu o nome de “Princípios matemáticos da filosofia natural”, porque tinha-se, ainda, uma concepção unitária do conhecimento, de modo que a Ciência, com C maiúsculo, distinta da filosofia, ainda não existia no senso comum. A filosofia natural, ou física, era só mais um ramo da filosofia. As humanidades eram a filosofia moral. Por isso os filósofos morais entraram em parafuso, perguntando-se, desde o Iluminismo, qual a razão de a filosofia da natureza ir tão melhor do que ela.

Na França epiléptica que se seguiu à Revolução, Napoleão terminou por consagrar a Escola Politécnica como modelo ideal de instituição do conhecimento, sacolejando para lá a aristotélica Sorbonne. A técnica tratorou as humanidades, o latim e o grego deixaram de ser ensinados rotineiramente, e todo um legado clássico humanístico – Heródoto, Cícero, Tácito – caiu no esquecimento como se fosse tão obsoleto quanto a física de Aristóteles. O que os substituiria? A mesma coisa que substituiu a física aristotélica: números e fórmulas.

Gente não é objeto inanimado

Segundo Hayek, as ciências humanas e naturais demandam atitudes mentais opostas: umas devem apagar a subjetividade em nome da objetividade, enquanto que as outras estudam precisamente os sujeitos, de modo que uma total anulação da subjetividade do cientista é indesejável e até prejudicial.

Na origem da ciência com C minúsculo (da filosofia natural e da alquimia), os pensadores erravam porque tentavam penetrar no âmago das paixões e inclinações das coisas físicas: o fogo subia porque queria, etc. Quando a matéria passou a ser considerada apenas objeto inanimado, a ser medido e pesado, a Ciência andou. Mas tentar considerar agentes humanos como se fossem, também eles, meros objetos a serem quantificados, implica o suicídio das humanidades.

É preciso, porém, não confundir a subjetividade das ciências humanas com a sua total falta de objetividade, dando uma de Paulo Freire. Diz Hayek: “Enquanto, para o cientista natural, o contraste entre fatos objetivos e opiniões subjetivas é simples, a distinção não pode ser aplicada com tanta presteza ao objeto das ciências sociais. A razão é que o objeto, os ‘fatos’ das ciências sociais, também são opiniões — não as opiniões do estudioso dos fenômenos naturais, claro, mas as opiniões daqueles cujas ações produzem o objeto do estudioso. Nesse sentido, os fatos são tão pouco ‘subjetivos’ quanto os das ciências naturais, porque independem do observador particular; o que ele estuda não é determinado por sua imaginação ou fantasia: é dado à observação de diferentes pessoas. Mas, em outro sentido, se distinguimos fatos de opinião, os fatos das ciências sociais são meras opiniões, pensamentos daqueles cujas ações estudamos.”

Por isso, as ciências sociais “lidam com fenômenos que só podem ser entendidos porque o objeto de nosso estudo tem uma mente de estrutura igual à nossa. Isto não é um fato menos empírico do que o nosso conhecimento do mundo exterior. É mostrado não só pela mera possibilidade de nos comunicarmos com outras pessoas – agimos com base neste conhecimento toda vez que falamos ou escrevemos”.

Ora, quando um arqueólogo encontra uma faca numa escavação de civilização ágrafa e desconhecida, como ele poderá saber que aquilo serve para cortar, senão consultando a sua própria alma? Não há nada numa faca atestando por escrito que aquilo serve para cortar; é apenas a presunção de que nós conhecemos o Homem que nos faz crer que uma faca serve para cortar em qualquer civilização.

Há quem estude o homem apenas como se fosse um corpo inanimado, com tabelas e números? Hoje, é o que mais há. Analisei aqui um estudo dos EUA feito por gente que não pôs um pé no hospital, mas se julgava capaz de recomendar um apartheid em hospitais neonatais. Eu só posso compreender esse tipo de estudo se eu tiver uma noção das opiniões que guiam esses pseudocientistas depravados, que pertencem ao conjunto dos tarados por raça. Primeiro eles creem que os humanos só pensam naquilo — na raça — depois, saem catando dados brutos para fomentar apartheid. Fazem isso sem sequer pensar em se colocar no lugar dos médicos ou pacientes: sua humanidade não lhes confere nenhuma vantagem científica.

A religião dos engenheiros

Para além das considerações epistemológicas (isto é, relativas à filosofia da ciência) que rascunhei, Hayek também traz um histórico muito iluminador dos primórdios do cientificismo. O sansimonismo foi fundado pelo Conde de Saint-Simon, um ricaço extravagante que terminou na miséria, gabando-se de ter experimentado diversas posições sociais ao longo da vida. Os engenheiros da Escola Politécnica adoravam ele.

Ele chegou a planejar uma sociedade que girasse em torno do culto divinizado a Newton. O Concílio de Newton substituiria o Vaticano como representante de Deus, e seria composto por 21 indivíduos de 7 categorias: um trio de matemáticos, outro de físicos, químicos, fisiólogos, literatos, pintores e músicos. Os filósofos teriam sido cassados pelos fisiólogos, tal como os químicos cassaram os alquimistas. Uma das missões desse Concílio seria impedir a eterna luta de classes, que existe necessariamente entre os proprietários e os despossuídos.

Saint-Simon seria o novo Pedro dessa religião, e, com auxílio do Concílio, dirigiria o trabalho dos homens com muita inteligência e altruísmo. Estavam previstos o fim da propriedade privada e da liberdade de expressão. A concepção da participação dos artistas é uma antecipação da propaganda. Arte se torna propaganda – que é o verdadeiro nome da “arte engajada”.

O movimento alcançaria o seu pináculo com outro doido, talvez mais doido do que ele, chamado Prosper Enfantin. Também se considerava um Papa, e chegou a criar uma comuna de sansimonianos celibatários militaristas com roupinhas esquisitas e uniformizadas. Eles lembravam a Hayek o nazismo por causa do caráter proselitista, disciplinado e militarista. Enfantin, papa do Ocidente, foi ao Oriente procurar a Mulher Livre, que haveria de se casar com ele, virar papisa e trazer concórdia ao mundo. Desse movimento todo saiu a construção do Canal de Suez e a criação de bancos públicos.

Hayek acha que os hegelianos alemães eram, na verdade, sansimonianos disfarçados, depois que o movimento caiu em desgraça. Os alemães adoraram o movimento.

18 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 18 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • J

    Jairo Jose da Silva

    11/12/2020 15:47:24

    Talvez se possa caracterizar o cientificismo como o uso indevido dos métodos da ciência, ou de uma ciência, para além do seu escopo de validade. Pode ser o caso dessas tentativas de reduzir fenômenos complexos a correlações numéricas. O resumo das origens da ciência moderna no artigo é bastante competente, mas gostaria de enfatizar um aspecto essencial da revolução científica do século 17, a matematização, que antes que elemento acessório, define a nova física de Galileu e Newton. Mas a matematização envolve pressupostos que em geral as ciências humanas não são capazes de satisfazer. Por isso, o uso de métodos matemáticos nessa área são tão limitados que perdem o objeto de estudo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • A

      Alim Gonçalves

      10/12/2020 19:41:41

      Tenho uma sugestão de leitura para a Bruna que pode adicionar mais argumentos a esse texto do Hayek que ela resenhou. É de autor brasileiro, um escritor excepcional que também era engenheiro: Gustavo Corção. O livro se chama "As fronteiras da técnica". Está fora de catálogo nas editoras, mas pode ser encontrado em boas bibliotecas.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • A

        Alim Gonçalves

        10/12/2020 19:32:20

        Cheguei a esse texto um pouco atrasado. Fui atraído pelo título, pois sou professor de engenharia. O texto é excelente. Já passou da hora da Gazeta contratar a Bruna Frascolla como colunista permanente (ela não aparece no menu "Vozes da Gazeta". Concordo absolutamente com Hayek sobre a pobreza que é tentar reduzir os problemas do mundo a problemas de biologia, física, química ou matemática. Achei muito irônico descobrir como a turma de humanas, que aqui no Brasil é incapaz de entender conceitos básicos como mecânica, estatística ou juros compostos, é ligada a correntes de pensamento que querem reduzir a humanidade às leis das mesmas ciências que eles nunca conseguirão entender.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • H

          Hugo Dalla Zanna

          29/11/2020 10:44:02

          Me formei em engenharia e aprecio o pensamento lógico e cartesiano. Não consigo entender a filosofia. Qualquer uma. Entender o homem e a natureza está causando muita controvérsia e depressão. Gostei do texto. Não entendi quase nada, mas continuo tentando entender até o momento que eu direi "f...-..", vou tomar cerveja e comer churrasco!!!

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • O

            Oirad Ojuara

            28/11/2020 23:58:49

            O quê que andou fumando?!

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • Y

              Yuri Nunes

              28/11/2020 19:41:48

              Olha ptoblrmatizar parece ser o esporte predileto da esquerda e dos humanistas. Um bom cientista não se preocupa com culto a ciência, mas em provar algum fenômeno ou tecnologia baseado na própria natureza. A física com o auxílio da matemática são os algoritmos que usamos para entender o mundo. Sendo a matemática uma linguagem pode ser aplicada inclusive no humanismo.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • N

                Nelson Souza Sarinho

                28/11/2020 18:32:12

                O cientificismo não passa de uma religião cujo templo são os laboratórios de pesquisa; uma religião vazia de divindades transcendentais, mas assim mesmo uma religião pois cultua algo abstrato denominado "ciência", conferindo-lhe o poder para dar solução a todos os problemas do Universo.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • R

                  Renata de Paula Xavier Moro

                  28/11/2020 17:31:15

                  Humanas e Exatas não se excluem, se complementam. Se as Exatas continuam existindo na natureza independente da existência do ser humano, não quer dizer que as Humanas são inúteis, e querer enquadrá-las nas ciências “naturais” é negar todos os aspectos culturais e históricos que existem aí...

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • M

                    Marcelo

                    28/11/2020 16:37:31

                    A física e a matemática não precisam de engenheiros para defendê-las ou adorá-las, ambas são implacáveis e por si só explicam o mundo e suas relações. A humanidade pode até ficar discutindo o mundo e suas relações sentada em uma pedra, mas o poder vem do verdadeiro conhecimento.

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    • R

                      Rômulo Viel

                      28/11/2020 16:24:05

                      Texto curioso. Mas, não se deixe enganar: ciência e cientificismo não são a mesma coisa.

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                      • R

                        RADAMES MANOSSO

                        28/11/2020 16:08:03

                        Sou engenheiro, mas não cientificista. Tudo bem, não é de hoje que as pessoas de exatas são tratadas como cidadão de segunda classe por doutores em humanas. Embora aprecie muitos de seus textos aqui na Gazeta percebi certo ranço neste artigo específico. De modo geral, concordo com sua critica ao cientificismo que nos dias de hoje é a anti matéria do negacionismo. Deixo apenas a dica: nem todo engenheiro é positivista e nem todo filósofo é maconheiro. Paz.

                        Denunciar abuso

                        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                        Qual é o problema nesse comentário?

                        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                        Confira os Termos de Uso

                        • L

                          LSB

                          28/11/2020 14:28:15

                          Excelente texto!

                          Denunciar abuso

                          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                          Qual é o problema nesse comentário?

                          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                          Confira os Termos de Uso

                          • R

                            Rachel Candeu Waintuke

                            28/11/2020 12:44:53

                            Parabéns pelo texto. Hayek e seu "The Road to serfdom " deveria ser apresentado no jardim de infância. Evitaria muita delinquência...

                            Denunciar abuso

                            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                            Qual é o problema nesse comentário?

                            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                            Confira os Termos de Uso

                            • P

                              Paulo César de Castro Silveira

                              28/11/2020 12:37:37

                              Na cabeça do politicamente correto a pessoa que tem orgulho de sua raça sai destruindo as outras raças. Repito, isto acontece na cabeça dos politicamente corretos.

                              Denunciar abuso

                              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                              Qual é o problema nesse comentário?

                              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                              Confira os Termos de Uso

                              • D

                                DANILO SCALET

                                28/11/2020 12:36:03

                                A Bruna traça, dentro dos limites de um texto para jornal, uma abordagem inteligente, educativa e instigadora. Vale a leitura.

                                Denunciar abuso

                                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                                Qual é o problema nesse comentário?

                                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                                Confira os Termos de Uso

                                • R

                                  Roberto

                                  28/11/2020 2:59:03

                                  Uma Osta! Confuso, inconclusivo, raso e tendencioso. Uma Erda.

                                  Denunciar abuso

                                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                                  Qual é o problema nesse comentário?

                                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                                  Confira os Termos de Uso

                                  2 Respostas
                                  • S

                                    SALADINO

                                    28/11/2020 11:35:05

                                    A colunista com certeza crê no criacionismo e na terra plana. Dodia, dodia.

                                    Denunciar abuso

                                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                                    Qual é o problema nesse comentário?

                                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                                    Confira os Termos de Uso

                                  • T

                                    TIAGO SILVA

                                    28/11/2020 6:31:06

                                    Perfeito! Viu um resumo de Hayek no Youtube, teve uma epifania e saiu a escrever. Não sei o que essa colunista ainda tem espaço por aqui.... Ridiculamente fraca....

                                    Denunciar abuso

                                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                                    Qual é o problema nesse comentário?

                                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                                    Confira os Termos de Uso

                                Fim dos comentários.