i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Documentário da BBC

Como um cozinheiro e um traficante de drogas enganaram a Coreia do Norte

  • Por Fabio Marcelo Calsavara
  • 22/10/2020 20:04
Cartaz do filme "The Mole", da BBC
Cartaz do filme “The Mole”, da BBC: as entranhas da Coreia do Norte| Foto: Divulgação

Um cozinheiro aposentado por invalidez, um traficante de drogas ex-integrante da Legião Estrangeira francesa e um aristocrata espanhol com estreitas ligações com o governo ditatorial de Kim Jong Un formam a improvável tríade que conduz a história do documentário “The Mole” (“O Informante”), recém-lançado pela rede britânica BBC.

Com pouco mais de duas horas de duração, o filme é o produto final de um trabalho de espionagem realizado por mais de uma década e mostra a forma escusa e quase desesperada como o governo de Pyongyang tenta burlar as sanções econômicas da ONU contra a Coreia do Norte.

A mais brutal de todas as ditaduras

O informante que dá nome ao documentário é o chef de cozinha dinamarquês Ulrich Larsen, que vivia uma vida pacata e tranquila na capital Copenhague. Fascinado pela influência exercida nas pessoas pelo socialismo desde a infância – ele conviveu com crianças que cresceram na Alemanha Oriental – Larsen se viu compelido a expor o horror daquela que o filme trata como “a mais brutal de todas as ditaduras: a Coreia do Norte.”

A ideia ganhou força após o lançamento do documentário “Red Chapel”, dirigido pelo também dinamarquês Mads Brügger, em 2009. Nos moldes do “Borat” de Sacha Baron Cohen, Brügger fez um filme sobre a visita de dois atores, um deles com uma severa deficiência de fala, à Pyongyang: “um filme sobre arte em um país que não tolera arte; um filme sobre ser humano em um país que não tolera humanos”, como descrito em um dos trailers.

Larsen achou que ainda havia muito a se mostrar sobre o governo de Kim Jong Un, e mandou e-mails para Brügger se oferecendo para fazer o papel de infiltrado em um novo documentário. Assim foi feito, e ele entrou em contato com a unidade local da Associação de Amizade com a Coreia (KFA, na sigla em inglês).

Em pouco tempo, Larsen ganha prestígio e garante um lugar entre os cabeças da KFA dinamarquesa. Isso explica a facilidade com que o informante faz as gravações em sua primeira viagem à Coreia do Norte, pretensamente usadas como material de divulgação do trabalho realizado pela Associação.

Animador de torcida

E foi em 2012, nessa viagem a Pyongyang, que o informante se encontrou pela primeira vez com Alejandro Cao de Benós, o autointitulado “guardião” da Coreia do Norte. Ele é o fundador da KFA central, e afirma ser essa a única ponte entre o país e o resto do mundo. Como resumiu uma reportagem da Bloomberg: “Quer fazer negócios com Pyongyang? Chame o cara da Coreia do Norte na Espanha.”

Membro da aristocracia espanhola, Cao de Benós é um ferrenho defensor do socialismo norte-coreano e atua, como descrito por Brügger, como um animador de torcida daqueles que enxergam na Coreia do Norte um paraíso na Terra.

Sobre o sistema econômico comandado por Kim Jong Un, o espanhol é bastante assertivo: “É muito diferente de um sistema capitalista, regido pela economia de mercado e onde a vida é, em parte, determinada pela família, por uma herança ou por ter ou não trabalho. Se trata de um sistema social e político igualitário, onde todos têm o necessário para viver e se sentem completos. Esta igualdade se consegue através de moradia gratuita, saúde e serviços sanitários gratuitos, alimentação e todos os produtos básicos também [gratuitos]. Tudo subsidiado pelo Estado.”

Jantares em bunkers

Do encontro entre os dois surge a janela de oportunidade para a entrada do terceiro personagem nessa história. Em resposta ao pedido de Cao de Benós sobre algum empresário disposto a investir na Coreia do Norte, Larsen o apresenta a um homem nada discreto de nome Sr. James, um multibilionário do ramo de petróleo. O que o espanhol não sabe é que o Sr. James na verdade é o traficante de drogas condenado e ex-integrante da Legião Estrangeira Jim Latrache-Qvortrup, que vai trabalhar ao lado de Larson para expor o que puder sobre o regime de Pyongyang.

O que se segue no filme é uma sucessão de encontros com pessoas influentes, jantares em bunkers com decoração espalhafatosa e situações no mínimo incoerentes, como altos membros do governo norte-coreano cantando uma versão local karaokê do clássico “My Way”, de Frank Sinatra, e o Sr. James assinando um contrato para a construção de uma fábrica de armas e drogas a ser construída na capital de Uganda sob o disfarce de um resort de luxo.

Toda a tecnologia, mão de obra e matérias primas seriam enviadas pela Coreia do Norte sem nenhuma interferência do governo africano, com quem Kim Jong Un demonstra ter uma boa relação.

Em um país onde qualquer acesso à informação é controlado pelo governo é estranho ver a forma tranquila como os dois espiões disfarçados transitam livremente entre oficiais do partido socialista. Em certo ponto da história, o suposto empresário Sr. James até mesmo inventa o nome da empresa por ele representada – fato que parece não ter sido checado pelas autoridades locais.

Apesar do uso de câmeras escondidas, a maior parte das ações de Larsen e Latrache-Qvortrup na Coreia do Norte são filmadas de forma aberta, o que leva o documentário aos limites da credibilidade. Mas de acordo com um ex-membro da ONU ouvido pela BBC, apesar de aparentemente amador o filme traz aspectos “altamente verossímeis”.

Nenhuma negociação chegou a ser fechada, e assim que as outras partes começaram a exigir seus pagamentos o Sr. James foi prontamente tirado de cena pela produção do documentário. Os governos de Dinamarca e Suécia emitiram um comunicado em conjunto endereçado ao Conselho de Segurança da ONU e à União Europeia no qual se mostram profundamente preocupados com o conteúdo do documentário e cobram respeito e suporte às sanções contra a Coreia do Norte. Mas até a publicação dessa reportagem nem a ONU nem a União Europeia publicaram qualquer informação a respeito do documentário.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • F

    Fernanda

    ± 3 horas

    Não deu pra entender se, no fim, dá pra acreditar nesses infiltrados. É isso? Qual o fim da história?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • R

      Repolhinho Bocó

      ± 5 horas

      Mole é, em inglês, toupeira. É o infiltrado, o X9.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      Fim dos comentários.