Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
As meninas argumentam que a presença de trans nas pistas de atletismo tira delas a oportunidade de conseguirem bolsas de estudo em faculdades de renome.
As meninas argumentam que a presença de trans nas pistas de atletismo tira delas a oportunidade de conseguirem bolsas de estudo em faculdades de renome.| Foto: Reprodução/ Twitter

Quando Chelsea Mitchell, classificada como a menina mais rápida nos 55 metros rasos de uma escola de ensino médio Connecticut, apareceu para competir ano passado, ela sabia que seria um desafio.

Entre suas concorrentes havia dois homens biológicos que disseram se identificar como meninas.

Mitchell, aluna do último ano da Canton High School, tinha visto os tempos alcançados pelos dois. Ela sabia que outras meninas haviam perdido para atletas nascidos meninos mas que agora se identificavam como meninas. Mas, na hora, “eu sentia a adrenalina no meu sangue”, disse ela.

Mas a adrenalina não foi suficiente. Mitchell chegou em terceiro, atrás dos dois homens biológicos.

Por fim, por causa das regras de atletismo de Connecticut sobre competidores trans, ela perdeu quatro campeonatos estaduais femininos e dois prêmios de toda Nova Inglaterra para homens biológicos que se identificam como mulheres.

“Definitivamente foi frustrante e desanimador estar lá, concorrendo às maiores honras do estado, trabalhar tanto e tentar ser a melhor do estado”, disse Mitchell ao The Daily Signal em uma entrevista exclusiva por telefone.

Mitchell e duas outras meninas de diferentes escolas de ensino médio de Connecticut, Alanna Smith e Selina Soule, agora estão processando a Conferência de Atletismo Interescolar de Connecticut por causa da regra que permite que homens biológicos compitam com mulheres biológicas em esportes do ensino secundário.

O processo, apresentado na quarta-feira (12) no Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito de Connecticut, alega que a conferência estadual de atletismo está violando o artigo da lei federal criado para garantir oportunidades atléticas iguais para mulheres e meninas.

Smith é aluna do segundo ano do ensino médio na Danbury High School e Soule é aluna do último ano na Glastonbury High School. A história foi contada em maio de 2019.

Embora Soule tenha falado longamente ao Daily Signal e outros meios de comunicação, Mitchell e Smith estão dando seus depoimentos pela primeira vez.

Os dois meninos biológicos são Terry Miller, da Bloomfield High School, que venceu a corrida dos 55 metros rasos, e Andraya Yearwood, da Cromwell High School, que chegou em segundo lugar.

O processo afirma que Miller e Yearwood conquistaram 15 títulos de campeonatos estaduais e “aproveitaram mais de 85 oportunidades para participar de competições de nível superior de atletismo contando apenas as temporadas de 2017, 2018 e 2019”.

Mitchell e Smith eram anônimas na denúncia original de Soule em junho passado, protocolada no Departamento de Educação dos EUA.

Primeiro processo do tipo

Esse é primeiro processo do tipo no país, de acordo com a Alliance Defending Freedom, organização cristã de assistência jurídica que representa as três alunas do ensino médio.

O pai de Smith, ex-arremessador do Chicago Cubs, Lee Smith, entrou para o Hall da Fama da Major League Baseball no ano passado.

Como caloura, Smith venceu os 400 metros no Campeonato Regional da Nova Inglaterra de 2019. Ela ficou em terceiro lugar nos 200 metros, atrás de um homem biológico.

“Isso nos faz trabalhar ainda mais duro e na maioria das vezes sabemos que não conseguiremos o primeiro lugar, apenas alcançar um recorde pessoal”, disse Smith em entrevista exclusiva por telefone na terça-feira (11), referindo-se à decisão da conferência de atletismo de permitir que homens biológicos compitam contra meninas.

É um caso complexo, disse ela, mas o processo judicial é sobre concorrência justa. “Queremos ter certeza que há equidade”, disse Smith.

Soule perdeu as qualificatórias para a final do campeonato estadual dos 55 metros rasos e, por uma colocação, a oportunidade de se classificar para o campeonato da Nova Inglaterra na temporada 2018-2019. As duas colocações acima dela foram ocupados por homens biológicos.

Como 18 outros estados têm políticas similares para o atletismo, o caso das três meninas de Connecticut poderia estabelecer um precedente nacional, de acordo com Christiana Holcomb, consultora jurídica da Alliance Defending Freedom.

“O objetivo é que o esporte feminino seja justo”, disse Holcomb. “A regra existe por uma razão”, disse ela. “É para dar a atletas como Chelsea Mitchell e Alanna Smith a oportunidade de se destacarem e ser vitoriosas”.

Mitchell disse ter treinado muito e que sabia como melhorar seu desempenho. Ela se lembra de ter consultado os tempos dos atletas biologicamente masculinos e de perceber que vencê-los seria bastante difícil.

“Eles estavam muito além do meu melhor tempo”, disse Mitchell.

Bolsas de estudos e outras oportunidades

O processo das três meninas observa que as bolsas de estudo estão entre as oportunidade que lhes escaparam depois que elas perderam para meninos biológicos em competições destinadas especificamente para meninas.

“Fiquei pensando”, disse Mitchell. “Não vou obter a bolsa de estudos e nem sei queoportunidades poderiam ter surgido se as regras fossem diferentes.”

Como Soule antes delas, as duas garotas enfatizaram que apoiam a equidade para indivíduos trans, mas que a política atual no atletismo não é justa para as meninas.

A Associação das Conferências Interescolares de Atletismo das Escolas de Connecticut, que administra o esporte estudantil no estado, argumentou que a política sobre transgêneros se baseia em leis federais e estaduais de combate à discriminação.

“É sobre o direito de alguém competir”, disse o diretor executivo Glenn Lungarini à Associated Press no ano passado. “Não acho que seja diferente de outras classes de pessoas que, num passado não muito distante, não tinham permissão para competir. Acho que será preciso educação e entendimento para compreender esse ponto da questão.”

O processo aberto na quarta-feira afirma:

Essa política discriminatória agora está fazendo com que meninos substituam meninas em competições de atletismo em Connecticut – excluindo meninas específicas e identificáveis, incluindo as querelantes, de honras, oportunidade de competir em níveis mais altos e reconhecimento público fundamentais para o recrutamento das faculdades, e oportunidades de bolsa de estudo que deveriam ser direcionadas a essas meninas.

Como resultado, nas competições escolares em Connecticut, mais meninos do que meninas estão conseguindo vitórias e obtendo as vantagens que se seguem, embora as competições tenham sido pensadas para garantir que um número igual de meninos e meninas avance para níveis mais altos de competição.

Em comparação com os meninos – nascidos com cromossomos XY –, aquelas que nascem do sexo feminino – com cromossomos XX – agora têm menos oportunidades de subir no pódio, menos oportunidades de participar em competições de elite, menos oportunidades de reconhecimento público como campeãs e uma chance muito menor de estabelecer recordes reconhecidos. 

Fred Lucas é o correspondente do The Daily Signal na Casa Branca e co-apresentador do podcast “The Right Side of History”.

© 2020 The Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.
88 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]