Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
No dia 23 de agosto de 1989, 2,2 milhões de pessoas se posicionaram lado a lado, ao longo das estradas que ligavam Tallinn, capital da Estônia, Riga, capital da Letônia, e Vilnius, capital da Lituânia, como forma de protesto a URSS.
No dia 23 de agosto de 1989, 2,2 milhões de pessoas se posicionaram lado a lado, ao longo das estradas que ligavam Tallinn, capital da Estônia, Riga, capital da Letônia, e Vilnius, capital da Lituânia, como forma de protesto a URSS.| Foto: Kusurija/Wikimedia Commons

Quando chegou ao fim, em dezembro de 1991, a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) era composta por 22,4 milhões de quilômetros quadrados, o equivalente a 15% da superfície seca do planeta, e habitada por 290 milhões de pessoas, ou 5,5% do total de seres humanos que viviam na época.

Desde 1922, essa parcela expressiva da humanidade viveu sob o regime de partido único. A ditadura foi imposta e mantida por quase sete décadas, mas não sem resistência. Especialmente no início e perto do fim da URSS, mas também durante vários outros momentos, a população civil se revoltou contra o regime. Muitas das lideranças e das pessoas comuns que se arriscaram ao questionar abertamente o regime soviético pagaram com a vida.

Conheça agora, pela ordem cronológica, dez episódios de resistência contra a ditadura soviética.

1. Geórgia, 1924

O país havia sido invadido pelo exército vermelho em 1921. Três anos depois, entre 28 de agosto e 5 de setembro, uma rebelião armada tentou reconquistar a independência da nação. Fracassou. A reação russa deixou um saldo de 3 mil mortos em batalha e outras 7 mil pessoas executadas, além de 20 mil deportados.

A insatisfação que começara com a invasão se agravou quando os soviéticos começaram a impor medidas de coletivização da agricultura, que provocou uma grave crise de abastecimento de alimentos. Além disso, os partidos políticos entraram na clandestinidade e 1500 edifícios da igreja cristã ortodoxa, entre igrejas e monastérios, foram destruídos.

Em reação, grupos de guerrilha que se mantinham ativos no interior do país desde 1921, formados em grande parte por civis, se uniram para expulsar os russos. Eles chegaram a ocupar algumas cidades menores, mas foram rapidamente derrotados.

O incidente na Geórgia marcou o fim de uma série de tentativas de rebeliões contra as invasões soviéticas, que tinham por objetivo restaurar, à força, territórios do antigo império russo, como o Azerbaijão, a Armênia e o Uzbequistão.

2. Polônia, 1956

Foram necessários 400 tanques e 10 mil soldados para conter a manifestação de mais de 100 mil pessoas, que foram às ruas da cidade de Poznan no fim de junho para pedir condições de trabalho melhores.

Dezenas de pessoas foram mortas e os protestos foram contidos. Mas, em outubro, uma série de manifestações foi realizada em todo o país, agora com relativo sucesso: lideranças soviéticas ligadas ao stalinismo tiveram que deixar o país.

3. Hungria, 1956

Em solidariedade aos manifestantes da Polônia, em 23 de outubro a Hungria também se levantou contra os métodos herdados pelos seguidores de Josef Stalin, que havia morrido três anos antes e sido publicamente denunciado por seu sucessor, Nikita Khrushchev, em março de 1956.

A ação dos húngaros, que incluiu a derrubada de uma estátua de Stalin, devolveu ao poder o político Imre Nagy, que já havia sido primeiro-ministro. No novo mandato, Nagy agiu rápido: permitiu a criação de novos partidos, eliminou a censura e abriu as fronteiras.

A invasão russa que se seguiu precisou de apenas dois dias para retomar o controle do país. Nagy se refugiou na embaixada da Iugoslávia, onde permaneceu por três semanas. Diante da promessa de imunidade, se entregou. Foi preso, executado em 1958 e deixado em uma vala sem identificação, para evitar peregrinações.

4. Rússia, 1963

Quando o estudante de segundo ano de medicina nascido em Gana Edmund Assare-Addo foi encontrado morto em Moscou, um grupo de dezenas de africanos que viviam na cidade se reuniu na Praça Vermelha, no dia 18 de dezembro, para pedir por segurança. Era a primeira vez em décadas que a praça era utilizada como palco de um protesto.

Portando cartazes com dizeres como "Parem de matar africanos" e "Moscou, terra de discriminação", os jovens marcharam até os portões do Kremlin, onde concederam entrevistas para jornalistas ocidentais. A manifestação terminou de forma pacífica e os estudantes retomaram suas atividades.

5. Tchecoslováquia, 1968

Assim como na Hungria, o país se viu nas mãos de um dirigente disposto a afastar o país de algumas normas soviéticas, como a prática de censura. No caso da Tchecoslováquia, esse governante foi Alexander Dubcek, que assumiu a direção do Partido Comunista Tchecoslovaco em janeiro e chegou a anunciar um pacote de reformas liberais para o país.

Em agosto, as tropas do Pacto de Varsóvia, a aliança militar composta pelos países da URSS, avançaram sobre território tcheco. O controle sobre o país seria retomado, ainda que a população tenha encontrado formas criativas de resistir.

Correntes humanas bloqueavam a passagem de tanques. Quando os veículos se viam cercados por dezenas de pessoas, os manifestantes ofereciam flores aos soldados. Placas com os nomes de ruas e de estradas eram trocadas, de forma a confundir as tropas.

No início de 1969, quando ficou claro que as mudanças não seriam implementadas, o estudante de história Jan Palach, de 20 anos, ateou fogo ao próprio corpo. Seu funeral se transformou num grande protesto.

6. Rússia, 1968

A invasão da Tchecoslováquia foi o estopim de uma manifestação pacífica na Praça Vermelha, no dia 25 de agosto. Carregando cartazes que pediam liberdade tanto para os tchecos quanto para os russos, oito pessoas se sentaram em silêncio. Foram espancadas e presas, por policiais e agentes da KGB, o serviço de espionagem soviético.

Durante o julgamento, a polícia apresentou como testemunhas vários militares da mesma unidade, que alegavam que, coincidentemente, passavam pelo local ao mesmo tempo.

Dois manifestantes foram condenados ao exílio, dois à internação em hospitais psiquiátricos e os demais à detenção em colônias penais. Em 2013, para marcar o aniversário de 45 anos do episódio, manifestantes repetiram o gesto. Todos foram rapidamente detidos.

7. Croácia, 1971

Maior autonomia para os croatas dentro da Iugoslávia e reformas liberais na economia, acompanhadas de liberdade de expressão acadêmica e cultural. Ao longo de vários anos, um movimento de lideranças políticas da região tentou, com protestos nas ruas e ações dentro da burocracia do partido, implementar essas mudanças.

O movimento seria finalmente contido em 1971, com a deposição de uma das principais expoentes da chamada Primavera Croata, Savka Dabčević-Kučar, secretária da Liga de Comunistas da Croácia.

O afastamento provocou uma série de manifestações. Entre as centenas de pessoas presas durante os protestos estava Franjo Tuđman, que se tornaria presidente do país em 1990. Mas a pressão croata alcançou um resultado concreto em 1974, quando uma nova constituição iugoslava ampliou a autonomia para as províncias.

8. Lituânia, 1972

No dia 14 de maio, Romas Kalanta, um estudante de 19 anos que mantinha cabelos compridos, tocava violão e pretendia ser sacerdote católico, jogou três litros da gasolina sobre o próprio corpo e ateou fogo diante do teatro da cidade de Kaunas. No mesmo local, em 1940, a Lituânia havia sido indexada à URSS.

Em um caderno, só levado a público na década de 1990, Kalanta havia anotado: "culpem o regime pela minha morte". Por mais que as autoridades tentassem esconder a autoimolação e antecipassem o enterro para reduzir manifestações, a morte do estudante deu início a uma série de protestos por liberdade no país. As manifestações foram reprimidas e dezenas de pessoas foram detidas. Nove acabaram condenadas à cadeia. No mesmo ano, aconteceram na Lituânia outras 13 autoimolações com fogo.

9. Tchecoslováquia, 1989

Após a supressão das mudanças iniciadas em 1968, Alexander Dubcek foi expulso do Partido Comunista e levou uma vida discreta. Em novembro de 1989, ele retomaria o papel de liderança durante a Revolução de Veludo, que alcançou a independência do país depois de 44 anos do regime de partido único.

Mais uma vez, a população reagiu de forma não violenta. Depois que uma manifestação pacifica foi reprimida violentamente pela polícia, o país se tornou palco de greves e comícios que chegaram a reunir 500 mil pessoas. Não foi um caso isolado: ao longo do ano de 1989, 15 estados se libertaram da URSS.

10. Estados Bálticos, 1989

No dia 23 de agosto, 2,2 milhões de pessoas se posicionaram lado a lado, ao longo das estradas que ligavam Tallinn, capital da Estônia, Riga, capital da Letônia, e Vilnius, capital da Lituânia. O percurso de 675 quilômetros ficou paralisado pelo protesto pacífico, formado por pessoas de mãos dadas que somavam 28% da população total dos três países.

A data escolhida não foi aleatória: marcava os 50 anos do Pacto Molotov-Ribbentrop, o acordo de não agressão firmado entre Adolf Hitler e Josef Stalin, que continha uma cláusula que delimitava esferas de influência que colocaram a região sob os interesses russos.

Em março de 1990, a Lituânia se desligaria, enfim, da URSS. Em setembro de 1991, poucos meses antes da dissolução total, o governo soviético reconheceu a independência dos estados bálticos. Exatos trinta anos depois do protesto, no dia 23 de agosto de 2019, manifestantes em Hong Kong repetiram o gesto, dessa vez para reclamar das pressões chinesas contra a democracia na região.

10 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]