Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | ReproduçãoFacebook/ Alex Jones
| Foto: ReproduçãoFacebook/ Alex Jones

O Facebook excluiu de sua rede quatro páginas que pertenciam ao apresentador e radialista Alex Jones, do Texas, Estados Unidos. Conhecido por espalhar teorias da conspiração, Jones é fundador do controverso site Infowars.

Duas das páginas removidas eram do seu show Infowars. O Facebook alegou que as páginas violaram suas políticas sobre discurso de ódio e "bullying". 

A rede social informou em nota nesta segunda-feira (6) que retirou as páginas do ar após ter recebido reclamações de que elas continham conteúdo que "glorificava a violência" e usava "linguagem desumanizadora", de acordo com o Washington Post.

A Apple também excluiu do iTunes e do seu aplicativo de podcast todo o conteúdo de Alex Jones, em um dos movimentos mais agressivos de empresas de tecnologia e serviços de streaming contra o dono da plataforma Infowars. 

A partir da manhã desta segunda-feira (6), apenas um dos seis programas Infowars listados pela Apple permanecia online, RealNews com David Knight. A decisão de retirar completamente os outros shows, incluindo "The Alex Jones Show" e "War Room", representa um esforço mais amplo do que os feitos por outras empresas nos últimos dias para parar de divulgar material associado a Jones, que o Southern Poverty Law Center chama de “o mais prolífico teórico da conspiração na América contemporânea”. 

Leia também: Facebook suspende perfis do fundador do site Infowars

Na semana passada, o Spotify removeu vários episódios de "The Alex Jones Show", seguindo movimentos semelhantes do YouTube e do Facebook na semana anterior. 

A ação mais abrangente feita pela Apple mostra como as empresas reagiram de maneira diferente à tarefa de regular informações falsas e incitar ao discurso, permanecendo uma plataforma neutra. Jones, que enfrenta vários processos judiciais de difamação decorrentes de sua alegação de que o tiroteio em massa na Escola Elementar Sandy Hook foi uma farsa, argumenta que suas declarações são discurso protegido. 

Em uma declaração ao The Washington Post, a Apple confirmou sua decisão de remover os programas de Jones de seu diretório, um movimento relatado pela primeira vez pelo BuzzFeed. 

“A Apple não tolera o discurso do ódio, e temos diretrizes claras que os criadores e desenvolvedores devem seguir para garantir um ambiente seguro para todos os nossos usuários”, disse um porta-voz. “Podcasts que violam essas diretrizes são removidos do nosso diretório, e se tornam não mais pesquisáveis ou disponíveis para download ou streaming. Acreditamos em representar uma ampla gama de opiniões, desde que as pessoas sejam respeitadas com as opiniões divergentes.” 

O porta-voz não retornou um pedido de esclarecimento do Washington Post sobre sua decisão de manter o programa hospedado por David Knight, cuja página colaboradora sobre Infowars indica que ele é um ativista libertário e proprietário de uma pequena empresa. 

Jones, que tem uma conta verificada no Twitter com 825 mil seguidores, não comentou a ação da Apple na segunda-feira. No entanto, ele postou uma mensagem elogiando Knight, cujo programa foi deixado intocado pela Apple, por se opor a “regras politicamente corretas das mídias sociais” que Jones sugeriu serem as culpadas pela demissão de indivíduos após a descoberta de comportamento online de má reputação. Ele também defendeu o repetido ataque de Trump aos jornalistas como “o inimigo do povo”. 

Leia também: Quem é Alex Jones, o rei das teorias da conspiração do Infowars?

A Sleeping Giant, uma organização de ativismo de mídia social que vinha fazendo lobby para que a Apple parasse de listar material de Jones, comemorou a mudança em um comunicado no Twitter. “Na semana passada, perguntamos ao @Applehow se o assédio aos pais de Sandy Hook e às vítimas do massacre em Vegas não violava seus Termos de Serviço. Hoje, eles decidiram que sim. Parabéns pela @Apple por fazer o que a maioria das empresas de tecnologia até agora se recusou a fazer”. 

A empresa de tecnologia, com sede em Cupertino, na Califórnia, é a maior plataforma de podcast, com cerca de dois terços de participação no mercado, segundo estimativas. 

O Spotify, que é a segunda maior plataforma, afirmou em comunicado na semana passada que removeu “episódios específicos ... por violar nossa política de conteúdo sobre discurso de ódio”. O YouTube tirou quatro vídeos do canal Infowars, que também recebeu uma suspensão de 90 dias da transmissão ao vivo. Facebook já havia derrubado o perfil pessoal de Jones por 30 dias e removido quatro vídeos que segundo ele violaram os padrões da comunidade da empresa de mídia social.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]