Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O médico John Money
O médico John Money, criador da teoria da “identidade de gênero”| Foto: Reprodução

Quando o médico e pesquisador John Money morreu, em 2006, o jornal The New York Times publicou um longo texto explicando a importância do acadêmico para o estudo da sexualidade. “O doutor Money cunhou os termos ‘identidade de gênero’, para descrever a experiência interna da sexualidade, e ‘papel de gênero’, para se referir às expectativas sociais de comportamento masculino e feminino. Os dois conceitos ainda guiam muitas pesquisas sobre a identidade sexual”, afirmava o obituário — com razão.

Mas, embora tenha mencionado algumas controvérsias envolvendo John Money, o texto não citou aquele que talvez seja o aspecto mais problemático da carreira dele: seu apoio à pedofilia.

O discurso de Money estava alinhado ao de organizações dedicadas à defesa da pedofilia na época. Ele tentava criar uma distinção entre o abuso sexual infantil e a atração de crianças e adolescentes por pessoas mais velhas — esta segunda categoria, ele alegava, não era um problema. Em 1991, Money concedeu uma entrevista a uma revista que fazia apologia à pedofilia — a PAIDIKA.

“Se eu visse o caso de um garoto com dez ou anos de idade que tem uma intensa atração erótica por um homem na casa dos 20 ou dos 30 anos, se o relacionamento é totalmente mútuo, e se a ligação é genuinamente e totalmente mútua, então eu não a chamaria de patológica de forma alguma”, ele disse. Alguns dos experimentos conduzidos por ele também foram criticados por exporem crianças a conteúdo de teor sexual.

Métodos condenáveis

John Money nasceu na Nova Zelândia, em 1921. Ele emigrou para os Estados Unidos em 1947, estudou na Universidade de Pittsburgh e depois passou por Harvard antes de fazer carreira como professor na universidade John Hopkins, em Maryland.

O seu livro “Transexualismo e Redesignação Sexual”, publicado em 1969, foi uma obra pioneira por dissociar o sexo biológico da compreensão que o indivíduo tem sobre a própria sexualidade. Embora Simone de Beauvoir tenha tratado do assunto 20 anos antes em seu livro “O Segundo Sexo”, John Money emprestou sua credibilidade como cientista no campo da medicina — Beauvoir, por sua vez, era uma filósofa.

A carreira de Money também ficou marcada por um episódio trágico. Em 1965, o garoto David Reimer, de menos de um ano de idade, sofreu um acidente durante uma circuncisão e teve o pênis mutilado. Os pais consultaram Money, em 1966, e ele os aconselhou a criar o menino como se ele fosse uma garota. Ele foi castrado, e seu armário foi preenchido com roupas e brinquedos femininos. Money pretendia usar o episódio para confirmar sua tese de que o gênero podia ser completamente dissociado da sexualidade.

Em 1972, Money mencionou a história do garoto David (àquela altura, Brenda Reimer) em seu livro Man & Woman, Boy & Girl (“Homem e Mulher, Menino e Menina”). Em 1975, ainda tratando de David, o pesquisador escreveu: “O comportamento dela é tão semelhante ao de uma pequena garota ativa, e tão diferente, por outro lado, do jeito masculino do irmão dela, que não oferece nada para estimular conjecturas” .

Reforçado pelo exemplo de “Brenda” Reimer, a tese de Money ganhou força. Aquilo que Simone de Beauvoir havia afirmado sem respaldo científico parecia ter sido confirmado pelo respeitado pesquisador. Rapidamente, a teoria da identidade de gênero desvinculada do sexo biológico ganhava força.

Mas Money havia acobertado a verdade: o experimento foi um fracasso. Em 1997, dois pesquisadores que investigaram o episódio a fundo descobriram que, aos 14 anos, o garoto rejeitou a identidade imposta a ele e, posteriormente, fez uma cirurgia para reconstruir sua genitália masculina. David se suicidou em 2004.

O desfecho trágico desse caso expôs não apenas os métodos condenáveis de Money, mas também colocou em xeque a teoria de que a identidade sexual é algo que pode ser completamente dissociada do sexo biológico.

Contra a natureza

Apesar de suas teorias radicais no campo da sexualidade, John Money não se via como um militante da esquerda. Em um artigo publicado em seus anos finais de vida, ele colocou as forças da religião ao lado do marxismo como inimigas dos novos costumes sexuais. “As forças da anticiência são poderosas, como são as forças do autoritarismo religioso, seja a religião ortodoxa, neomística ou marxista”, argumentou.

Hoje, entretanto, movimentos e partidos de orientação marxista adotaram praticamente todos os itens da agenda de John Money no campo da identidade de gênero. Ele apostou contra a natureza humana e perdeu. Mas sua influência continua presente.

34 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]