i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ditadura comunista

Miséria, fome e autoritarismo: Histórias proibidas da Coreia do Norte

  • PorGisele Eberspächer, especial para a Gazeta do Povo
  • 12/08/2020 15:01
Norte-coreanos diante da bandeira do país durante um comício em apoio à 5ª Reunião Plenária do 7º Comitê Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia, na Praça Kim Il Sung, em Pyongyang (5 de janeiro de 2020)
Norte-coreanos diante da bandeira do país durante um comício em apoio à 5ª Reunião Plenária do 7º Comitê Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia, na Praça Kim Il Sung, em Pyongyang (5 de janeiro de 2020)| Foto: KIM WON JIN/AFP

Alguns livros têm história para além das suas páginas: O apanhador no campo de centeio, de J.D. Salinger, ficou conhecido por ser lido pelo assassino de John Lennon; Os diários de Anne Frank são acompanhados pela discussão sobre a interferência do pai na publicação final. É o caso também de 'A Acusação: Histórias proibidas vindas da Coreia do Norte', de Bandi (Biblioteca Azul, R$ 49,90).

Neste caso, a história se refere a como o manuscrito deixou a Coreia do Norte para ser publicado na Coreia do Sul, já que Bandi, pseudônimo de um escritor norte-coreano, ainda mora no país. Qualquer pessoa encontrada com o manuscrito do livro seria facilmente acusada e morta por traição, já que os sete contos que constituem a obra são uma forte crítica ao governo de Kim Il-sung, que comandou o país de forma ditatorial entre 1948 e 1994.

Parênteses histórico: No começo do século XX, a Coreia foi anexada pelo Império do Japão. Com a rendição japonesa no final da Segunda Guerra Mundial, a Coreia foi dividida em duas zonas: uma ao norte, ocupada pela União Soviética, e uma ao sul, ocupada pelos EUA. Em 1948, se formaram os dois governos, sendo que ambos reivindicavam a união da península sob sua própria bandeira – o que provocou a Guerra da Coreia (1950–1953). Um acordo levou a um cessar-fogo, mas nenhum tratado de paz foi assinado, e esta ainda é uma fronteira instável. A Coreia do Norte tem sido governada por Kim Il-sung e sua família desde então. Os meios de produção são estatais e as fazendas são coletivizadas.

Com uma produção literária exclusivamente propagandista e com censura fortíssima, é fácil ver porque os textos de Bandi são tão perigosos. Em sete contos, o autor revela que a Coreia do Norte é gerida por um sistema de privilégio, no qual aqueles que têm bons contatos conseguem mais chances ou vantagens. Além disso, a população vive com medo constante e as necessidades básicas de alimentação e saúde não são atendidas. Ele também apresenta o sistema com suas contradições internas: no discurso, se diz igualdade, na prática se vê a desigualdade.

Por isso, o manuscrito precisou ser buscado na Coreia do Norte pelo conhecido de um ativista contactado por uma parente de Bandi que escapou para a Coreia do Sul. Em uma situação improvável, o texto foi contrabandeado para fora do país e publicado – e desde então traduzido para diversas línguas.

Os contos têm um propósito em comum: mostrar situações de injustiça. Um dos mais marcantes é o A vida de um corcel veloz, que narra o momento em que um apoiador do regime se depara com o fracasso total do sistema. Veterano da guerra, trabalhou sua vida inteira acreditando que, no final, colheria os frutos de todo seu trabalho vivendo em uma sociedade justa e igualitária. Em determinado momento, porém, se vê sem comida ou aquecimento para sua casa durante o inverno, apesar de ter várias medalhas em homenagem aos serviços prestados durante todos os anos. Apesar de todos os sacrifícios pessoais, o país não supria nem suas necessidades básicas.

Já o conto Relato de uma deserção, que abre o livro, explora um sistema de condenação perpétua dos cidadãos. O texto apresenta uma criança que sofre bullying e não pode participar de determinados círculos da sua escola porque seu avô teria sido condenado por traição (ainda que, no relato familiar, o "crime" teria sido um erro por ignorância na hora de lidar com estufas na plantação de arroz, o que teria condenado uma safra). Todos os membros da família têm, a partir de então, a ficha marcada e a vida dificultada consideravelmente – tanto que optam por arcar com os riscos de tentar sair do país.

Entre histórias de perseguição política, falta de liberdade individual e descaso com as vidas humanas, Bandi constrói o relato de uma sociedade dura, autoritária e incoerente. Um filho não pode sair do trabalho e da cidade para visitar a mãe agonizante; um casal é proibido de trocar as cortinas de sua casa – tanto porque elas destoariam do padrão como porque aquilo foi considerado uma tentativa de comunicação entre espiões. Bandi retrata uma população sofrida, tanto fisicamente quanto psicologicamente, que vê pouca saída para seu estado atual.

Na voz de um dos personagens: "Por que você foi iludido por uma máscara, uma fachada, como eu. Enganado por aqueles slogans – 'Igualdade'; 'Democracia'; 'O Povo Escreve sua História' – que pareciam bonitos na superfície, mas que traziam a faca da ditadura escondida".

Bandi

Pouco se sabe sobre o autor, cuja identidade é mantida em sigilo para sua própria proteção. No posfácio do livro, o jornalista Kim Seong-dong conta que a publicação de uma obra como essa, que critica e satiriza o governo norte-coreano, é um caso muito particular e "nada parecido aconteceu nos sessenta e oito anos desde que a península foi dividida". Há, sim, uma literatura considerável produzida por desertores – mas esse é o caso de um livro publicado por alguém que ainda vive no país.

Os contos foram escritos entre o final da década de 1980 e meados da década de 90, quando más decisões econômicas e políticas, intensificadas por grandes enchentes, levaram a Coreia do Norte a uma situação crítica e de grande miséria para a maior parte da população. "Por isso começou a registrar as vidas levadas a uma morte precoce pela fome e pelas contradições sociais, e daqueles que foram forçados a abandonar suas casas e vagar pelo interior em busca de comida", relata Seong-dong.

Bandi significa vagalume.

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 8 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    mup

    ± 0 minutos

    Paulo, Nunca é demais repetir e repartir uma evidência e uma verdade: o socialismo é um imensa mentira! É a história da escravidão de um povo por uma nova aristocracia disfarçada de Comitê Central. Todos os membros dirigentes vivem bem, vivem sempre bem melhor que o povo em nome de quem ousam falar. Mas o que fazer se desde 1917 há quem acreditou e continue a acreditar num regime fracassado que só se mantém pelo terror, pelo Estado policial, pela aniquilação de qualquer opositor? Quanto anos mais serão necessários até que caia o último regime infame (já são poucos, mas ainda resistem!) e restem poucos exemplares dos que ainda teimam em negar a realidade?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • N

      Nagib

      ± 71 dias

      Miséria e fome não são só exclusividade da Coréia do Norte. Nos acostumamos tanto a elas que nem notícias temos mais em nossos jornais!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • E

        Edgoski

        ± 71 dias

        Acho díficil quem aprove o regime da Coreia. No entanto está faltando olharmos mais para o nosso umbigo. Será que somos tão diferentes? É só pegarmos o Rio de Janeiro como exemplo. Exemplo de desigualdade, de miséria, de domínio por facções criminosas, da ausência do Estado, do domínio da classe política por determinados grupos de famílias, de total descaso com o trabalhador, de ricos ficando muito mais ricos enquanto os pobres (diga-se classe trabalhadora em geral) nadando numa lama sem fim. E sabemos que no restante do Brasil não é muito diferente. Então fazer esse tipo de matéria para atacar os comunistas é fácil, mas falta olhar pra si mesmo e notar que seu País não é muito diferente.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        1 Respostas
        • A

          Araucária

          ± 68 dias

          A simples opção de ficar aqui ou ir embora a hora que bem entender, e escrever em um artigo de jornal como aqui, ja nos coloca A uma distancia de anos-luz deles....

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

      • M

        marcello r

        ± 71 dias

        Nada que já não se sabia, e nada diferente do que aconteceu e acontece em outros países assolados pelo comunismo. O texto, no entanto, é importante para lembrar sempre do quanto é podre , destrutivo e assassino este sistema de governo ainda idolatrado no Brasil por ******** e idiotas.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • R

          RPM

          ± 71 dias

          Correia do Norte é igual a todos os países socialistas. Mas tem comedores de capim que ainda defendem esse regime.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          1 Respostas
          • F

            FLAVIO AUGUSTO VIEIRA

            ± 71 dias

            E pergunto ainda: Quem será que é o verdadeiro gado ?

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

        • M

          Maquiavel

          ± 72 dias

          O pior de tudo é saber que ainda existem milhões de filhos da putta que ainda defendem o comunismo

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.