i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Opinião

Nem a esquerda nem a direita têm a solução para a doença dos EUA

  • PorJonah Goldberg
  • National Review
  • 13/08/2019 11:46
A saída pelo nacionalismo, proposta tanto por Trump quanto por Warren, significa a submissão dos norte-americanos ao poder centralizador de Washington.
A saída pelo nacionalismo, proposta tanto por Trump quanto por Warren, significa a submissão dos norte-americanos ao poder centralizador de Washington.| Foto: Pixabay

Os Estados Unidos estão doentes. Quase todo mundo percebe isso e não precisamos de dois outros tiroteios em massa para convencermos alguém de qualquer coisa. A maioria dos norte-americanos acha que o país está no rumo errado, apesar da pujante economia. Você pode culpar Donald Trump, mas os norte-americanos andam insatisfeitos com os rumos do país já faz umas duas décadas.

Incrivelmente, levando em conta o nível de animosidade partidária no país, os dois lados veem o problema da mesma forma: o país está assolado pelo individualismo, alienação, ódios de vários tipos, desigualdade e falta de solidariedade social. Mais estranho ainda é que tanto a direita quanto a esquerda têm soluções bastante parecidas para esses problemas.

E ambas estão erradas.

Por parte da direita, cada vez mais os intelectuais veem o nacionalismo como a cura para todos os males que nos afligem. Christopher DeMuth, do Hudson Institute, argumenta que o nacionalismo é uma ideia que voltou à tona porque nos lembra “de como dependemos uns dos outros”. Ele associa isso aos “Grandes Despertares” religiosos do passado. A escritor católico Sohrab Ahmari quer um despertar que ofereça “ordem”, “coesão social” e políticas voltadas para o “Bem Maior” – no sentido filosófico clássico (summum bonum).

Por parte da esquerda, ouça com atenção os proselitistas do novo despertar socialista. Você perceberá que isso tem menos a ver com economia e mais com um desejo por uma alternativa mais cooperativa e igualitária ao capitalismo egoísta, impulsionada não pelo nacionalismo, mas pelo governo – que é “a única coisa a que pertencemos”, de acordo com um vídeo da Convenção Democrata de 2012.

O vocabulário que eles usam é diferente, mas o confronto subjacente ao status quo é incrivelmente semelhante. O nacionalismo é uma obscenidade para a esquerda e o socialismo é anátema para a direita, mas um espírito nacionalista e centralizador contamina os dois lados.

O “nacionalismo econômico” de Trump tem em si ecos do “patriotismo econômico” da senadora Elizabeth Warren, que fala com uma paixão quase trumpista quando se manifesta sobre como o “sistema está corrompido”. Vários aspirantes a sucessores de Trump dentro do Partido Republicano, tendo o senador Josh Hawley à frente, parecem despertos para evocar uma nova diretriz industrial fomentada pelo “Estado-papai” e voltada para os direitistas.

Como conservador com inclinações liberais clássicas, considero essa nova convergência entre esquerda e direita como algo desanimador e preocupante. Mas isso não quer dizer que eles não têm razão ao dizerem que há algo de muito errado com o país. Basta que você olhe as estatísticas crescentes no número de suicídios, mortes por opiáceos, queda na expectativa de vida e, claro, a sequência de tiroteios em massa para perceber a condição desesperadora dos Estados Unidos. Uma pesquisa recente descobriu que mais de 20% dos millenials dizem não ter amigos – um sinal claro da crise de solidão que provavelmente tem tanto a ver com os tiroteios em massa quanto a ideia de uma supremacia branca ou os videogames.

O que não entendo é dizerem que a solução para esses males está em Washington ou nos movimentos nacionalista à esquerda ou direita.

Diálogo nacional

Um dos motivos que explicam porque as redes sociais são tão tóxicas é o fato de elas serem uma força nacionalista. Elas fazem com que sintamos que estranhos a milhares de quilômetros de distância são vizinhos – e ficamos furiosos quando vizinhos estão vivendo da forma “errada”. Os canais noticiosos a cabo fazem a mesma coisa, só que com uma produção melhor, usando histórias anedóticas e incluindo-as num “diálogo nacional”. O problema é que esse diálogo nacional na verdade não existe.

Precisamos de comunidades, e a ideia de uma comunidade nacional é um mito. O diálogo é feito cara a cara e de pessoa para pessoa, assim como uma comunidade.

A nacionalização da cultura estimula o governo centralizado, e o governo centralizado priva as comunidades da dependência mútua. Ele transforma o exuberante ecossistema entre indivíduo e Estado em algo obsoleto, embora seja nesse habitat que os seres humanos realmente vivem e encontram sentido para suas vidas.

Os movimentos nacionalistas buscam preencher o vazio criado pelo declínio ou desaparecimento não apenas dos pontos de trabalho na indústria, mas também das comunidades saudáveis que cresciam ao redor das fábricas.

O governo tem um papel a exercer no que diz respeito aos desafios da globalização e automação, mas esses movimentos não podem preencher o vazio em nossas almas. E os sinais de que os dois lados estão loucos para testar essa ideia só aumentam a aposta para o outro lado. É assim que o nacionalismo estimular a polarização radical. Quando cada uma das tribos tenta impor um “Bem Maior” único a todos os norte-americanos, a crença paranoica de que “tudo o que mais amamos” está em risco nas urnas se dissemina.

E, para alguns, às vezes as urnas dão lugar às balas.

Jonah Goldberg ocupa a cadeira Asness de Liberdade Aplicada no American Enterprise Institute.

© 2019 National Review. Publicado com permissão. Original em inglês

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • C

    Claudia

    ± 3 horas

    Que texto tendencioso!!! Falou dos resultados de uma pesquisa, sem mencionar o instituto que a elaborou...pesquisa mal embasada sendo reproduzida aqui no Gazeta? Pow, decepção, nível superficial e tendencioso. "Uma pesquisa recente descobriu que mais de 20% dos millenials dizem não ter amigos – um sinal claro da crise de solidão que provavelmente tem tanto a ver com os tiroteios em massa quanto a ideia de uma supremacia branca ou os videogames."

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • M

      Marcos Liboni

      ± 5 horas

      Está cada vez mais claro que a dependência de um poder centralizador, em qualquer lado, só piora a situação. São extremos da mesma linha, na mesma polaridade. É tempo de pensarmos que só a maioridade moral e ética das pessoas, balizada por elementos de empatia e o necessário redimensionamento das nossas necessidades, é o que pode nos alçar a níveis superiores de convívio. O Homem está na aurora da sua maioridade e isso é uma ortunidade, porque quando atingimos a maioridade continuamos a ter pais que honramos, mas não precisamos (teoricamente) ser mais tutelados.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • D

        Daniel

        ± 5 horas

        Se pudéssemos voltar no tempo, logo quando se deu a revolução agrícola, há milhares de anos, quando o ser humano passou de caçador a sedentário e as primeiras comunidades (cidades) foram criadas - naquela época - o que precisávamos ter feito? No artigo fica claro a dependência do indivíduo com o estado, mas não cita a relação e dependência do indivíduo com o solo e com a terra. Esse é o desafio que as cidades do século XXI estão enfrentando.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • E

          Eduardo Leivas Bastos

          ± 17 horas

          O nacionalismo será sempre preferível ao socialismo. O problema maior é quando ele vira nacional-socialismo.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          1 Respostas
          • Z

            Zyss

            ± 16 horas

            perfeito

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.