i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

O coronavírus revela os limites da ciência

  • PorTommaso Scandroglio*
  • La Nuova Bussola Quotidiana
  • 11/05/2020 13:37
A incerteza científica faz absolutamente parte da ciência.
A incerteza científica faz absolutamente parte da ciência.| Foto: Pixabay

O Covid-19 é um vírus 100% natural, um vírus biológico. Na verdade não, talvez tenha sido criado em laboratório. No verão é menos virulento, mas não é certo. Ele voltará no outono, mas alguns dizem que, como seus primos, ele morrerá em breve. A principal fonte de contágio são as vias aéreas. Por outro lado, as mãos são a principal fonte de contágio. Em algumas superfícies, o vírus sobrevive por 72 horas. Bobagem: o vírus, embora presente, perdeu carga viral. Melhor ainda: ele morre logo depois. Gatos podem ser infectados. Mas não é certo.

Aqueles que adoeceram desenvolvem anticorpos e ficam imunes. Não, não é verdade, pelo menos não em todos os casos. Se houver imunidade, não vai durar muito, mas talvez possa durar anos. Somente os sintomáticos podem transmitir o vírus. Talvez até os com sintomas leves. Não. É evidente que a transmissão também ocorre com os pré-sintomáticos e assintomáticos, sem mencionar o pós-sintomáticos, mas não se sabe por quanto tempo. Cloroquina funciona. Verdade, mas nem sempre. A vacina chegará em anos. A vacina chegará mais cedo do que você pensa, mas cobrirá apenas uma cepa. Mas quantas cepas esse vírus possui?

Esse poderia ser um resumo, grosso modo, do debate científico em andamento sobre a Covid-19. Devemos ficar escandalizados? Não. A incerteza científica faz absolutamente parte da ciência, especialmente em relação a um novo vírus. Quanto mais o tempo passa, mais clara se torna a imagem dele.

Mas esse rol de afirmações muitas vezes contraditórias nos faz entender bem os pontos fortes e fracos, a validade e os limites do conhecimento científico. Uma busca que, por sua natureza, só pode prosseguir por tentativa e erro, dando um passo atrás depois de dar dois passos adiante, corrigindo e negando a si mesma.

Repetimos: não devemos nos surpreender. Em vez disso, devemos ficar surpreendidos com aqueles que consideram o conhecimento das ciências naturais como algo sempre objetivo, válido, certo, irreformável e irrefutável. Em suma, ai de quem pensar - de acordo com a moda científica de hoje - que “se a ciência diz é absolutamente verdade”.

O tema é muito vasto e vai muito além das habilidades deste escritor, mas gostaríamos de fazer algumas reflexões que - temos consciência disso - mereceriam distinções e esclarecimentos adicionais e numerosos.

O objeto das ciências empíricas são as realidades sensíveis, que são dados (objetivos), e as leis que governam os entes, que também são objetivos. São estes os objetos autênticos das ciências naturais que sempre procuram constantes (leis) no mundo sensível.

De fato, não existem apenas os entes, mas também as leis que os regem e que têm sua própria estabilidade. As leis codificam certos aspectos dos entes, como elementos, princípios, propriedades, dinâmicas, funções-fins, causas, etc. O método usado é, na maior parte, indutivo: parte das realidades particulares para as leis universais.

Um glossário mínimo antes de continuar. Por conhecimento válido, entendemos conhecimento verdadeiro, ou seja, os dados conhecidos que correspondem ao real: o intelecto se adapta ao real. Por conhecimento certo, entendemos o consentimento da mente com a verdade conhecida (observe bem: pode-se ter certeza de uma "verdade" que na realidade não é assim e, portanto, ter certeza de um dado conhecido que é errôneo). E assim se pode conhecer uma verdade, mesmo que em modo duvidoso. Por conhecimento perfeito ou completo, entendemos um conhecimento exaustivo da realidade.

Por um lado, o conhecimento científico pode ser válido, ou seja, o que eu sei pode ser verdadeiro porque se baseia na capacidade objetiva dos sentidos e da inteligência de conhecer entes particulares, que por si são objetivos. No caso do conhecimento científico, a inteligência recebe informações dos sentidos que se aplicam a entes particulares e que por um caminho muito difícil - porque é sistemático, complexo e rigoroso - tentam traçar algumas leis (científicas) comuns a muitos entes ou fenômenos.

Os dados científicos podem, então, estar certos (é certo que o Sol está no centro do nosso sistema planetário), porém - como veremos - embora válidas e certas, as informações científicas estão sempre incompletas: eu posso conhecer realmente e com certeza apenas uma fatia da realidade, mesmo de um único ente particular.

Por outro lado, o conhecimento científico tem limites quanto à sua validade, ao grau de certeza e à completude. Vamos analisar apenas alguns desses limites nesses três aspectos. No que diz respeito à validade, primeiro os sentidos podem transmitir informações falseadas. Em segundo lugar, a inteligência pode errar, não por si, mas por acidente: um erro de cálculo, de entendimento, etc. Em terceiro lugar, a imperfeição diz respeito às ferramentas de investigação: uma calibragem defeituosa, um teste impreciso, etc. Quarto, a realidade empírica é particular e corruptível, portanto, ela muda.

A partir disso, conclui-se que esse ente particular, conhecido agora, realmente e certamente tem esses elementos, funções, etc., mas por serem elementos, funções, etc. ligados a um ente específico, pode ser que eles não digam respeito a outros entes particulares pertencentes ao mesmo gênero.

Por exemplo, a Covid-19 faz parte da família dos coronavírus. Daí a pergunta: quanto ela tem em comum com os outros coronavírus e quanto tem de diferente? Depois, há a mudança cronológica das realidades empíricas, especialmente as orgânicas. Em outros termos: esse vírus muda? O que considerei válido ao estudar o vírus em janeiro ainda é válido hoje?

Os limites da ciência também dizem respeito ao grau de certeza que não pode ser supremo. Por exemplo, agora sabemos com certeza que mesmo os assintomáticos podem ser contagiosos, mas não sabemos ao certo se isso acontece nos três dias anteriores aos sintomas. A dúvida continua.

A exaustividade do conhecimento também é limitada e, nesse caso, necessariamente. Nunca se poderá conhecer perfeitamente todas as propriedades desse vírus, mas isso não significa que não possamos saber nada sobre ele.

E, portanto, o cientista pode conhecer validamente, com certeza, embora limitadamente, uma realidade empírica. Assim como ele pode conhecer algo caindo em erro, ou mesmo pode estar em dúvida, não escapando do conhecimento inevitavelmente incompleto. Em suma, o conhecimento científico, como o conhecimento natural de cada um de nós, pode ser verdadeiro, mas também pode ser falso; pode ser certo ou duvidoso. Mas, em qualquer caso, será sempre conhecimento incompleto.

Tommaso Scandroglio é membro da Sociedade Italiana de Filosofia Moral, da Sociedade Italiana de Filosofia do Direito e do Centro Interuniversitário para Estudos de Ética da Universidade Ca’ Foscari de Veneza.

© 2020 La Nuova Bussola Quotidiana. Publicado com permissão. Original em italiano.
1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • W

    WILSON

    ± 0 minutos

    Excelente análise , bem filosófica !!! Pena que poucas pessoas vão conseguir acompanhar o texto no seu todo .Ele está além do gráu de instrução da maioria dos leitores brasileiros ... Quem estuda filosofia de verdade hoje em dia ??? Nem me falem das faculdades de humanas....hehehe....

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso