Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Investigação sobre as origens do coronavírus estão cada vez mais políticas e menos científicas
Investigação sobre as origens do coronavírus estão cada vez mais políticas e menos científicas| Foto: Pixabay

Uma avaliação atualizada sobre as origens da Covid-19, composta pelo Conselho Nacional de Inteligência americano, em nome de 17 agências de espionagem da Comunidade de Inteligência dos Estados Unidos, foi liberada para o público no sábado (30/10). O documento de 18 páginas, produzido a pedido do presidente Biden, considera se seria mais plausível que o novo coronavírus (SARS-CoV-2 ou SARS2) escapou de um laboratório em Wuhan ou se ele saltou naturalmente de outra espécie animal para humanos. O relatório leva em conta o que se sabia até agosto deste ano.

As agências concordam entre si que o vírus não é uma arma biológica, que o primeiro surto foi em novembro de 2019 em Wuhan, e que a China não tinha conhecimento do vírus anterior ao surto. A maioria delas avaliam que o SARS-CoV-2 provavelmente não foi modificado geneticamente, porém, essa avaliação vem com “baixa convicção” — o dissenso nessa questão, formado por duas agências, é que elas pensam que não há como saber se houve manipulação genética ou não. O próprio Instituto de Virologia de Wuhan, que manipula geneticamente os coronavírus há anos com verbas americanas, produziu trabalho citado pelo relatório que afirma que é possível fazer engenharia genética em vírus desse tipo sem deixar marcas óbvias.

Quatro agências (menos de um quarto da Comunidade), além do Conselho, acreditam com baixa convicção que o vírus saltou de um animal silvestre para o primeiro infectado humano.

Apenas uma agência acredita que o vírus veio de um acidente laboratorial, porém, ela dá a essa conclusão uma convicção moderada. O relatório não especifica o nome da agência, mas o New York Times informa que esta agência é o FBI.

O resto das agências membros do Comunidade de Inteligência não chegaram a consensos internos e pedem mais informações para tirar conclusões a respeito da origem da Covid-19, além de cooperação da China, que não parece provável no momento. Pela via diplomática, a China tem insistido que só cooperará em questões como as mudanças climáticas caso os EUA abandonem a hipótese da origem laboratorial do vírus.

O relatório das agências informa que o parente mais próximo conhecido do SARS2 ainda é o vírus RaTG13, coletado de um morcego em 2013 pelo Instituto de Virologia de Wuhan e tratado de forma suspeita, como publicou a Gazeta do Povo há um ano. O artigo de maio de Nicholas Wade, que favorece a origem laboratorial, continua relevante e a maior parte dos pontos que levanta continuam sem respostas.

Existe interesse em descobrir a verdade?

Tirando a nova convicção moderada do FBI a favor de uma hipótese que era tratada como “teoria da conspiração” no começo de 2020, o relatório das agências americanas traz pouca novidade. Uma questão importante é se essas agências querem, realmente, descobrir a verdade, especialmente se ela for um acidente laboratorial com um vírus em que pesquisadores chineses faziam experimento de ganho de função (introdução de elementos que possam favorecer seu poder de infectar humanos) nos coronavírus usando verbas americanas.

Em junho, a revista Vanity Fair, depois de meses de investigação e obtenção de memorandos internos, revelou que o fato de o governo dos Estados Unidos ter financiado pesquisa perigosa desse tipo criou um conflito de interesses em permitir investigação do possível vazamento laboratorial. Um oficial de inteligência disse que funcionários de duas das agências “advertiram” a seus líderes para não investigar a origem da COVID-19 porque isso poderia “abrir a caixa de Pandora”.

Anthony Fauci, que coordenou o enfrentamento à pandemia tanto sob Trump quanto sob Biden, chefia a NIAID, parte dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH), que deu verbas para os chineses do Instituto de Virologia de Wuhan. O intermediário dessas verbas é uma antiga ONG ambientalista transformada em agência de pesquisa de patógenos por um cientista especialmente astuto em política, Peter Daszak.

Em maio, em sabatina do Congresso americano, Fauci disse que seu órgão governamental “nunca financiou e não financia agora pesquisa de ganho de função no Instituto de Virologia de Wuhan”.

Mais um abalo na narrativa de funcionários públicos como Fauci e parte dos agentes de inteligência, no entanto, ocorreu em setembro, quando o Intercept publicou documentos que mostram que Fauci faltou com a verdade ao falar ao Congresso, pois verbas americanas via EcoHealth Alliance financiaram esse tipo de pesquisa no instituto chinês.

No momento, a Organização Mundial da Saúde está juntando mais uma equipe para investigar as origens da pandemia, depois do fiasco da investigação lançada há quase um ano. Parte do motivo do fiasco é que Daszak era parte do grupo, apesar do óbvio conflito de interesses. Agora, a OMS promete que os membros “devem ser livres de quaisquer conflitos de interesse reais, potenciais ou aparentes”. Porém, seis de dezessete membros internacionais do painel investigativo anterior continuam no novo painel, incluindo a dra. Marion Koopmans, que alegou em dezembro passado que a origem laboratorial era uma “hipótese refutada”.

Pelo andar da carruagem, é improvável que a hipótese da origem laboratorial do coronavírus, tratada primeiro como conspiratória pela imprensa anti-Trump, depois como caixa de Pandora a ser mantida hermética por agentes de inteligência, depois como ficha de barganha diplomática por Xi Jinping, tenha em 2022 um real lugar ao sol.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]