Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O nada sutil Stalin era rápido em apagar dos registros históricos aliados que ele considerava traidores.
O nada sutil Stalin era rápido em apagar dos registros históricos aliados que ele considerava traidores.| Foto: Reprodução/ Youtube

A falsificação de imagens para justificar narrativas é prática antiga e, ao que parece, contínua entre a esquerda. O exemplo mais recente talvez seja o documentário Democracia em Vertigem, que não só adota um discurso que falta com a verdade para justificar um ponto de vista como também adulterou imagens para corroborá-lo. De todas as heranças que os esquerdistas herdaram da finada União Soviética, essa parece ser a que mais perdurou. Os soviéticos foram pioneiros no uso do Photoshop, e isso bem antes do próprio Adobe Photoshop ter sido inventado.

Claro que o mérito não é todo deles. A falsificação de imagens está longe de ser uma invenção soviética. Um dos retratos mais célebres de Abraham Lincoln, por exemplo, foi feito a partir de um retrato de seu antecessor, John Calhoun. Nos princípios da fotografia, alguns pioneiros vitorianos já tinham o hábito de manipular fotos usando todo tipo de recurso rústico para dar ao público o que ele queria ver – o que, na época, eram imagens etéreas de “espíritos”, “fadas” e outras entidades sobrenaturais. A moda foi tão popular que avançou para o século seguinte. Em 1920, Arthur Conan Doyle chamou uma imagem mostrando espectros de pessoas mortas na Primeira Guerra durante uma cerimônia do Armistício realizada em Londres de “a maior fotografia espiritual já tirada”.

Pioneirismo soviético

Mas o pioneirismo no uso dessas alterações para uso político talvez possa ser creditado aos soviéticos. Talvez. Porque, embora já nos primeiros anos da União Soviética existam casos notórios, como a foto que mostrava os revolucionários celebrando diante de uma loja de relógios cujo slogan “Relógios, ouro e prata” foi alterado para “Lute pelos seus direitos!” e a célebre foto de Lênin em que Trotsky foi não-tão-sutilmente removido do lado do líder da Revolução Russa após ser considerado um “canalha” e “traidor”, diversos outros líderes autoritários se utilizaram do expediente.

Mussolini tirou uma foto sua em cima de um cavalo – e mandou retirarem o cuidador do animal, que estava segurando as a rédeas do pobre coitado. Mao Tsé-tung matava inimigos e depois os apagava das fotos em que aparecia com eles. No caso de Hitler, a remoção de Goebbels de uma foto em que ambos apareciam ao lado da cineasta Leni Riefenstahl até hoje  intriga os estudiosos do Terceiro Reich.

Mas foi durante o período stalinista que essa obsessão por manipular os registros do passado atingiu níveis nunca vistos antes. Stalin criou uma verdadeira indústria, organizando um pequeno exército de artistas e técnicos para eliminar quem quer que tivesse caído em desgraça no momento. Além de Trotsky, Stalin mandou remover diversos outros “traidores do movimento” de fotos históricas da época da Revolução e do começo do regime soviético, e mandou inserir sua própria imagem em outros. Seu rosto notoriamente marcado pela varíola era tratado com excepcional habilidade pelos artistas do regime para deixá-lo com uma pele que daria inveja a muitas modelos que fazem uso do Photoshop hoje em dia.

Entre outras vítimas notórias dos “photoshopeiros” de Stalin está Nikolai Yejov, chefe da NKVD, a polícia secreta stalisnita, antecessora da KGB. Yejov, que chefiou o chamado Grande Expurgo, coordenado prisões e execuções em massa de todos que eram considerados desleais ao regime, acabou ele mesmo provando do próprio veneno e sendo preso, torturado, julgado e executado. Yejov ficou conhecido como “o Comissário Desaparecido” ao ser eliminado de suas fotos ao lado de Stalin depois de sua execução em 1940.

Os onipresentes retratos do ditador, que todo cidadão era obrigado a ter em casa, eram feitos e refeitos inúmeras vezes, até receberem a aprovação final de Stalin. A obsessão chegou a tal ponto que os próprios civis tinham medo de ter em casa fotos, inclusive em revistas e livros, de inimigos de Stalin. As pessoas recortavam ou pintavam sobre a imagem desses indivíduos, temendo sofrer algum tipo de retaliação do governo soviético.

Fracassos e reencenações

O trabalho quase-artesanal dos “photoshopeiros” soviéticos também foi usado para esconder fracassos do regime. O cosmonauta Grigoriy Nelyubov, considerado um dos grandes orgulhos do programa especial soviético, acabou sendo demitido depois de um incidente relacionado ao alcoolismo e teve sua imagem removida de todas as fotos oficiais. Já Valentin Bondarenko, que morreu num trágico incêndio durante treinamento numa câmara de baixa pressão atmosférica, foi eliminado dos registros históricos numa tentativa desesperada de preservar a credibilidade do programa espacial três semanas antes do voo pioneiro de Yuri Gagarin.

Até mesmo a famosa foto dos soldados soviéticos erguendo a bandeira sobre o Reichstag foi fruto de uma manipulação posterior. Entre outros detalhes, um dos dois relógios nos pulsos de um dos soldados ajudando a empunhar a bandeira, frutos dos terríveis saques cometidos pelos soviéticos sobre a população alemã, foi devidamente mascarado para se adequar ao discurso oficial de que Stalin tinha punido os responsáveis pelos crimes de guerra.

Aliás, “photoshopar” uma imagem não foi a única maneira que Stalin encontrou de falsificar e manipular o passado ao seu bel-prazer para tentar retratá-lo da maneira mais conveniente. Diversas fotos publicadas durante seu “reinado” supostamente retratavam eventos do passado glorioso da Revolução, como o levante de 1905 e a tomada do Palácio de Inverno em 1917. Mas esses registros não passavam de reencenações dos eventos históricos feitas a mando do próprio Stalin.

Numa grande ironia do destino, depois que Stalin caiu em desgraça, durante o regime de Brejnev, as imagens falsas do ditador que tinham sido colocadas ao lado de Lênin durante quase todas as cenas de Lênin em Outubro, filme de Mikhail Romm, foram novamente removidas por ordem do próprio Brejnev.

Conteúdo editado por:Paulo Polzonoff Jr.
48 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]