i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Opinião

O que está errado com a afirmação “Proibir o aborto não funciona”

  • PorKyle Blanchette*
  • National Review
  • 24/04/2019 14:11
Ativistas que exigem a legalização do aborto participam de uma manifestação em frente ao Congresso Nacional em Buenos Aires, em 19 de fevereiro de 2019. (Foto de Juan MABROMATA / AFP)
Ativistas que exigem a legalização do aborto participam de uma manifestação em frente ao Congresso Nacional em Buenos Aires, em 19 de fevereiro de 2019. (Foto de Juan MABROMATA / AFP)| Foto:

Alguns defensores do aborto dizem que fazer um aborto é algo moralmente aceitável, seja porque o feto tem pouca ou nenhuma importância moral, seja porque o direito da mulher à autonomia do corpo sempre prevalece sobre quaisquer direitos que o feto possa ter. Alguns chegam até mesmo a celebrar o ato do aborto como uma manifestação do empoderamento feminino — o maior insulto possível contra o patriarcado. Eles dizem que todas e quaisquer restrições ao aborto seriam uma violação do direito feminino à autonomia sobre o próprio corpo.

Mas muitos defensores do aborto, sobretudo entre os “soldados rasos”, têm uma visão mais moderada do assunto. Eles concordam que o aborto é (ao menos em geral) algo moralmente errado ou mau, talvez até mesmo algo grave – mesmo que as mulheres não possam ser culpadas por o terem praticado. Mas ainda assim acreditam que o aborto deveria ser legalizado. Eu ousaria dizer que essa é a posição pró-aborto mais comum.

Alguns ativistas pró-vida ficam pasmos diante dessa combinação de crenças, mas alguns defensores moderados do aborto têm sempre uma justificativa à mão: eles alegam que as restrições ao aborto não funcionam. Em vez de diminuírem as taxas de aborto, elas simplesmente substituem os abortos seguros pela mesma quantidade de abortos inseguros, de “fundo de quintal”.

Se a lei não reduz a incidência de determinado comportamento problemático que ela tenta conter e se também há um custo associado a isso – como o de criar condições inseguras para mulheres que buscam abortar ou o de impor uma sobrecarga injusta sobre as mulheres numa sociedade que frequentemente já as trata injustamente – então essa lei não tem razão de ser, mesmo sendo o aborto moralmente errado ou mau.

A lógica desse argumento está acima de qualquer reprimenda. Mas a questão é que a afirmação factual em seu núcleo – a de que as restrições ao aborto não funcionam – não resiste a um escrutínio.

A fim de basear essa afirmação, defensores do aborto geralmente mencionam estudos em larga escala, como um artigo muito divulgado de 2016 publicado no periódico médico Lancet que diz que não há correlação – e que às vezes há até mesmo uma correlação inversa – entre as restrições ao aborto e as taxas de aborto em regiões com leis mais e menos liberais quanto à prática.

Para um exemplo concreto de tal argumento, não precisamos ir além do Guttmacher Institute, que tem entre seus quadros o cientista que liderou o estudo publicado no Lancet. Um infográfico muito reproduzido e que consta do seu site resume as descobertas do estudo da seguinte forma: “Leis extremamente restritivas não eliminam o aborto. Ao contrário, elas fazem com que os abortos que ocorrem sejam mais inseguros”.

O gráfico mostra que as taxas médias de aborto em países com leis severas são comparáveis às taxas médias de aborto em países onde o procedimento é legalizado.

O principal problema de se usar essas estatísticas como prova de que as restrições legais não têm efeito sobre as taxas de aborto é que elas não levam em conta variáveis de confusão – elas ignoram, por exemplo, o fato de que países com leis mais severas contra o aborto também são diferentes dos países mais liberais sob outros aspectos, que talvez afetem as taxas de aborto.

Até mesmo esse estudo de 2016 ressalta explicitamente esse problema. Apesar de o relatório final realmente dizer que “taxas de aborto não são substancialmente diferentes em grupos de países classificados de acordo com o nível de permissividade quanto ao aborto”, ele chega a dizer que “o nível de procura não atendida por contraceptivos é maior em países com as leis mais restritivas aos abortos em comparação com países que têm leis mais brandas, e isso contribui para a incidência de abortos em países com leis restritivas”.

Além disso, a grande maioria dos países com leis mais restritivas fica em regiões em desenvolvimento, e a pobreza provavelmente tem impacto sobre as taxas de aborto nesses países.

Não é totalmente implausível que as restrições ao aborto nesses países realmente evitem que muitos abortos ocorram e que esses fatores contrários acabem por fazer com que as taxas de aborto sejam semelhantes às taxas de países ricos com leis mais liberais quanto ao aborto. Na verdade, quando estudos usam métodos rigorosos para limitar o problema das variáveis de confusão, os indícios apontam na direção contrária.

Alguns estudos, por exemplo, comparam as taxas de aborto antes e depois de alterações nas leis dentro de uma região específica, e às vezes registram taxas de nascimento em vez de taxas de aborto diretamente, evitando, assim, o problema da negligência quanto aos abortos clandestinos – cujos números são sempre questionáveis.

Esses estudos embasam as afirmações de que restrições ao aborto diminuem as taxas de aborto: veja, por exemplo, o que acontece aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

Claro que essa não é uma visão completa das pesquisas disponíveis, e restrições diferentes ao aborto têm efeitos diferentes, mas o argumento principal aqui é simplesmente o de que o cenário pode mudar radicalmente assim que se começa a levar em conta essas variáveis contrárias.

Para complementar a defesa às restrições ao aborto, claro que os ativistas pró-vida também devem avaliar os custos de tais restrições e mostrar que leis a favor da vida causam um impacto grande o bastante sobre as taxas de aborto a ponto de compensar tais custos. Mas se os defensores moderados do aborto realmente acreditam que os abortos deveriam ser “casos raros”, então mostrar que restrições ao aborto na verdade diminuem as taxas de aborto deveria levá-los a assumirem uma posição mais antiaborto.

*Kyle Blanchette é professor de filosofia na Universidade do Alabama.

Tradução de Paulo Polzonoff Jr.

©2019 National Review. Publicado com permissão. Original em inglês.

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 8 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • R

    Ricardo Maia

    ± 0 minutos

    Excelente artigo

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • C

      CANISIO DE SOUZA

      ± 465 dias

      Com tanta tecnologia para evitar a gravidez, ainda tem gente que prefere ter um filho e depois matá-lo. Abortar é como dar um tiro em uma criança atrás de uma cortina, sem ver o seu rosto e a sua dor.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • C

        CANISIO DE SOUZA

        ± 465 dias

        Com tanta tecnologia para evitar a gravidez, ainda tem gente que prefere ter um filho e depois matá-lo. Abortar é como dar um tiro em uma criança atrás de uma cortina, sem ver o seu rosto e a sua dor.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • F

          FRANCIELY

          ± 465 dias

          É impossível aceitar a existência do aborto, porque isso é um assassinato cometido dentro do útero de uma mulher. Que porcaria de pessoas somos quando praticamos a morte de um ser humano que sequer tem condições de se defender!

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • C

            CF

            ± 465 dias

            Ótimo artigo! Parabéns!

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • J

              Jorge Dias

              ± 465 dias

              Resumo: abortistas não são capazes de entender estatística, por isso defendem o assassinato de um indefeso.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • C

                Carlos Andrade

                ± 465 dias

                Esse argumento tbm é usado pelos defensores da descriminalização consumo de drogas. Eu diria que poderia ser aplicado a qualquer crime como por exemplo o estupro. Penas severas não impedem que ele seja praticado desde tempos imemoriais. Nem por isso se cogita sua descriminalização.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • L

                  Luciano Neto

                  ± 466 dias

                  Tudo o que é proibido pelo Estado precisa ser fortemente reprimido, senão a proibição não funciona. É a sociedade que tem que decidir se esse ou aquele comportamento será considerado certo ou errado. Uma solução média seria permitir o aborto legalizado com regras bem específicas, inclusive de acompanhamento para a decisão. Tem que levar em conta que nenhum profissional nem nenhum hospital ou clínica tem que ser obrigada a fazer aborto, tem que ser uma escolha do profissional e da instituição. Não vai faltar profissionais que o faça. Tem que lembrar que crianças não tem apenas mãe, feto não aparece por geração espontânea, portanto o pai deve participar da decisão, salvo estupro.

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  Fim dos comentários.