i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ideologia de gênero

Quando ela revelou ser “menino”, os terapeutas silenciaram sua mãe

  • PorDouglas Murray
  • The Daily Signal
  • 27/11/2019 11:05
Ao buscar ajuda para a filha autista que se dizia menino, Sarah se viu sem opções, porque os terapeutas insistiam na transição para o sexo oposto.
Ao buscar ajuda para a filha autista que se dizia menino, Sarah se viu sem opções, porque os terapeutas insistiam na transição para o sexo oposto.| Foto: Pixabay

Esta é a experiência de apenas uma das mães norte-americanas cuja família navegou pela jornada trans nos últimos anos.

Para proteger a identidade da criança, serei deliberadamente vago quanto aos lugares e outros detalhes. Mas a família estava vivendo numa das maiores cidades dos Estados Unidos e só recentemente se mudou para um lugar mais agrário. Foi lá que conversei com a mãe da criança, a quem chamarei de Sarah.

Sarah é, em todos os aspectos, uma simples mãe de classe média. Ela cuida das crianças e o marido trabalha para sustentá-los. Ela descreve sua afiliação política como “ligeiramente à esquerda”. Há quatro anos, sua filha de 13 anos anunciou que era trans e que na verdade era um menino.

A filha já tinha sido diagnosticada com uma forma amena de autismo e tinha problemas para ser aceita por alguns de seus coleguinhas. Ela tinha problemas para entender sinais simples. Os convites para brincadeiras não eram respondidos e as roupas que ela usava não eram consideradas as melhores por suas amigas.

Em pouco tempo a filha de Sarah percebeu que os meninos da escola eram ligeiramente mais amigáveis do que as meninas. Mas mesmo assim que ela não conseguiu a aceitação que tanto queria.

“Por que ninguém gosta de mim?”, perguntava ela o tempo todo para a mãe. Tentando entender por que ela “não se dava” com as meninas, ela também tentava descobrir por que não se dava com seus colegas em geral.

Até que um dia ela anunciou para a mãe que na verdade era menino e que essa era a causa de seus problemas.

Sarah lhe perguntou o que a fez pensar que era trans. Afinal, para sua família tudo parecia repentino demais. A filha disse que ela teve a ideia depois de uma apresentação na escola.

Neste ponto vale dizer que cerca de 5% das crianças na escola da filha hoje se identificam como transgêneros. São crianças bastante diferentes, entre elas crianças que foram diagnosticadas com autismo e com um histórico de introspecção e de impopularidade entre os colegas.

Claro que a mãe da menina agora queria saber mais. Se não houvesse outras crianças na escola que se identificavam como trans, será que ela teria chegado à conclusão de que era menino? A filha de Sarah disse que não, ela não teria chegado a essa conclusão porque “não teria como saber que era uma opção”.

Não que ela pensasse ser um menino; ela era um menino. E mais, sua mãe não seria capaz de compreender isso, porque ela era “cis”.

Sarah nunca tinha ouvido a palavra “cis antes” e nunca tinha sido descrita dessa forma. A filha de Sarah disse à sua mãe repetidas vezes que “as crianças trans sabem quem são”.

Mas Sarah ofereceu apoio à filha. Ela concordou em chamar a filha por seu nome masculino e começou a se dirigir a ela usando o pronome masculino. Ela até passou a apresentá-la aos amigos como “seu filho”.

Tentando dar o máximo de apoio possível, mãe e filha até foram a uma manifestação “pelo orgulho trans” juntas e dançaram ao som de “Born This Way”, de Lady Gaga.

Sarah apoiava tanto a filha que até comprou o primeiro sutiã de que a filha precisou para esconder seus seios em desenvolvimento. Não havia nada mais para a mãe fazer.

Ao mesmo tempo, e compreensivelmente, Sarah começou a ler sobre o tema dos transgêneros. Era um assunto novo para a vida de sua família e ela queria obter várias opiniões a fim de chegar a uma conclusão própria.

Pelo que a própria Sarah diz, sua primeira impressão quanto ao debate online não foi das melhores. Boa parte do pensamento crítico estava, pensou ela, marcada por um sentimento “anti-LGBT”. As pessoas que escreviam sobre o assunto parecem, de acordo com a descrição dela, “preconceituosas ou religiosas”.

Ela nunca tinha explorado nenhum assunto com tanta profundidade. Ela só estava preocupada a filha. E assim Sarah foi conversar com alguns profissionais — a começar por alguns médicos especialistas em gênero.

O primeiro lhe disse algo que ecoa o que outras pessoas em sua posição já tinham ouvido. O médico lhe disse que “a aceitação parental era o primeiro passo para se evitar o suicídio”.

E, para qualquer pai ou mãe, isso era a ameaça do maior pesadelo imaginável. O médico também disse a Sarah que, como sua filha tinha sido “insistente, persistente e consistente” em suas afirmações, isso queria dizer que sua filha era de fato menino.

Sarah não estava só preocupada com o que os profissionais lhe diziam; ela também estava preocupada com o que sua filha lhe dizia. Sempre que a filha de Sarah descrevia sua disforia de gênero, sua mãe notava que as palavras pareciam “roteirizadas”.

E dizer que o roteiro era manipulador é menosprezar o problema. Em certo momento sua filha fez uma lista de exigências que incluíam chantagens e ameaças, a não ser que fossem cumpridas.

A filha de Sarah tinha 13 anos e meio quando anunciou ser trans. Aos 14 anos e meio, ela começou a ir a um terapeuta. Aos 15 lhe disseram que ela deveria começar a tomar o bloqueador de puberdade Lupron.

Em todos momentos enfatizava-se que era “um insulto” por parte de sua mãe questionar os sentimentos da filha, e isso servia tanto para trans quanto para autistas.

“Autistas sabem quem são”, tranquilizaram-na. Questionar até isso era um absurdo. Vários terapeutas foram consultados, até que mãe e filha voltaram ao primeiro.

Quando Sarah expressou sua preocupação quanto às opções dadas à filha, sobretudo a ideia de a menina começar a tomar bloqueadores de puberdade, disseram-lhe: “Você pode escolher entre os bloqueadores de puberdade e o hospital”.

E assim, aos 17 anos e meio, a filha de Sarah disse que queria “fazer a transição”.

Claro que Sarah perguntou à filha se ela queria mesmo fazer isso. Ela reforçou o caráter irreversível do caminho que a filha estava trilhando.

Ainda mais irreversível do que os hormônios era a transição. E se — Sarah perguntou à filha — depois de optar pela transição ela mudasse de ideia? E se depois da mudança ela decidisse que não queria mais?

A resposta da filha foi “Que se dane. Vou me matar”.

Embora nenhum pai ou mãe deva ignorar esse tipo de ameaça, parece haver um padrão nisso, como [a escritora] Germaine Greer dizia. E não apenas em jovens, mas também em alguns profissionais da saúde que defendiam um lado da história.

Por exemplo, em 2015 Michelle Forcier, médica, professora da Brown University e diretora dos Serviços de Saúde Sexual e de Gênero no Grupo Médico Lifespan, em Providence, Rhode Island, foi entrevistada pela rede norte-americana NBC.

Quando lhe perguntaram se crianças de 3 ou 4 anos eram capazes de saber o que queriam, Forcier respondeu: “Dizer que crianças de 3 ou 4 anos não compreendem o gênero é não dar crédito a seus filhos”.

Quando lhe perguntaram qual o problema de se esperar para se submeter à transição, ela respondeu: “Nada mais nocivo do que não fazer nada”.

Mas qual era o risco de se esperar?, perguntaram.

A resposta dela foi: “O risco do suicídio. O risco da fuga. O risco do vício em drogas. O risco de sofrer bullying e violência. O risco de depressão e ansiedade”.

Joel Baum, diretor do grupo Gender Spectrum, foi ainda mais enfático. A pais que temem aceitar que os filhos comecem a tomar hormônios, ele disse: “Vocês podem ter netos ou deixar de ter filhos, seja porque eles deixaram de falar com você ou, em alguns casos, porque eles escolheram um caminho muito mais perigoso para si mesmos”.

O problema de se apresentar as alternativas assim — da forma mais catastrofista possível — é que ela não abre espaço para a discussão e discordância.

Em vez disso, assim que uma criança diz que acha que pode ser do sexo oposto, elas devem receber apenas aceitação e, a partir daí, com um conjunto de etapas que mudarão sua vida, etapas que um grupo cada vez maior de profissionais parece querer estimular com a menor resistência possível.

Mas histórias como a da filha de Sarah estão cheias de reviravoltas. A filha de Sarah admite que ela talvez jamais tivesse cogitado a hipótese de ser menino se não houvesse outros alunos na escola dizendo a mesma coisa.

Tudo isso nos traz ao problema crucial.

Ainda que haja pessoas que realmente sofram de disforia de gênero, e ainda que para algumas delas a cirurgia seja a melhor alternativa, como diferenciá-las de pessoas pressionadas a cogitar a ideia de serem transgêneros e que mais tarde percebem que tomaram a decisão errada para si mesmas?

Entre os mais absurdos e usados argumentos para não se impedir a atual onda trans é a possibilidade de uma avalanche de processos. Ainda que o Reino Unido, incluindo o National Health Service, tenha corrido este risco, o potencial de sucesso de ações deste tipo não se compara ao potencial nos Estados Unidos.

Enquanto o serviço de saúde britânico se esforça para satisfazer uma demanda cada vez maior de cirurgias de mudança de sexo, nos Estados Unidos isso não é apenas um movimento; há um verdadeiro incentivo financeiro para se promover isso.

Um dos sinais de que no mundo trans as exigências sociais estão começando a atrair oportunidades de negócios está na extraordinária leviandade com que os ativistas — incluindo cirurgiões — hoje falam de cirurgias capazes de mudar a vida de uma pessoa. Alguns desses argumentos são de virar o estômago.

Este trecho foi tirado do livro “The Madness of Crowds: Gender, Race and Identity” [A loucura das massas: gênero, raça e identidade] e publicado com permissão.

Douglas Murray é editor do Spectator e autor de vários livros.

© 2019 The Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês
17 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 17 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • Í

    Ítalo

    ± 0 minutos

    Lerei este livro em algum momento. É realmente assustador este mundo de hoje onde até os médicos concordam com as maiores loucuras. Adeus, Ciência. Adeus, debate.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • J

      JoãoBRF

      ± 33 dias

      Uma nova industria esta se criando, e envolve dinheiro então façam, é assim que eles pensam.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • M

        Maquiavel

        ± 33 dias

        Os pais de hoje em dia são uns broxas...

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • F

          Fernando Cavalcante

          ± 34 dias

          Prisão sem fiança para quem usar crianças em experimentos guiados pela ideologia de gênero. Tem que ser crime imprescritível.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • D

            Decio mango

            ± 34 dias

            Uma geração revolucionaria...e não sabe nem a que sexo pertence...que b0sta não..

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            1 Respostas
            • V

              Viva

              ± 34 dias

              cara, é a *******ização total do ser humano. Promovida por uma horda de ideólogos pervertidos...não tem ninguém decente nesses grupos ideológicos...

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

          • G

            Gi sele

            ± 34 dias

            Siga o dinheiro. Ou, como disse Millor: "Desconfio de todo idealista que lucra com seu ideal."

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • A

              Austríaco-PR

              ± 34 dias

              Ótimo texto. Achei interessante esta associação entre um leve autismo e a identificação com o sexo oposto por pressão ou comentários dos colegas. Parabéns a Gazeta por este texto.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • C

                CANISIO DE SOUZA

                ± 34 dias

                Coisa do demônio, admirado por esquerdopatas que só querem o mundo de ponta cabeça e virado numa bagunça mental. Para eles nada importa, família, religião, propriedade, desde que tenham chances de dominar e ter o poder, mesmo sendo minorias.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • M

                  Max Henrique

                  ± 34 dias

                  Sodoma e Gomorra.

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • W

                    Wilbur Archibald III

                    ± 34 dias

                    Tristeza.

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    • V

                      Viva

                      ± 34 dias

                      a mentira é a regra para os ideólogos, eles tem pavor da verdade (me recordo ligeiramente de alguém que também vive da mentira)...o único objetivo da ideologia de gênero é perverter e corromper a natureza humana na mais tenra infância, para não ter volta... será que tem alguém mais infeliz que frankstein?

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                      • F

                        Felipe Martinelli

                        ± 34 dias

                        Sem palavras pra expressar o quanto a esquerda é asquerosa e nojenta. Precisamos lutar com todas as forças pra banir essa ideologia da face da terra!!

                        Denunciar abuso

                        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                        Qual é o problema nesse comentário?

                        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                        Confira os Termos de Uso

                        • B

                          Bruno Sampaio de Souza rezende

                          ± 34 dias

                          Que falta fazem as Havaianas, as legítimas, e um pouquinho de coragem para dizer um simples NÃO para uma criança. É NÃO, e PRIU! Quando você fizer dezoito anos e puder se bancar sozinha, aí você vê o que faz. Enquanto morar na MINHA casa, quem manda sou eu. Na verdade é bem simples.

                          Denunciar abuso

                          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                          Qual é o problema nesse comentário?

                          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                          Confira os Termos de Uso

                          • P

                            Poliana dos Santos Martins

                            ± 34 dias

                            O mundo perdeu as estribeiras!

                            Denunciar abuso

                            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                            Qual é o problema nesse comentário?

                            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                            Confira os Termos de Uso

                            • B

                              B

                              ± 34 dias

                              Fico triste demais com o que estão fazendo com a cabecinha das crianças e adolescentes...

                              Denunciar abuso

                              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                              Qual é o problema nesse comentário?

                              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                              Confira os Termos de Uso

                              1 Respostas
                              • M

                                Mirtão

                                ± 34 dias

                                Culpa da ideologia do teu partido et caterva.

                                Denunciar abuso

                                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                                Qual é o problema nesse comentário?

                                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                                Confira os Termos de Uso

                            Fim dos comentários.