i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sociedade

6 textos para entender os tiroteios em massa

  • PorJones Rossi
  • 13/03/2019 19:26
Entrada da Escola Estadual Raul Brasil, de Suzano (SP). 13/03/2019 – Foto: MAURICIO SUMIYA/ESTADÃO CONTEÚDO
Entrada da Escola Estadual Raul Brasil, de Suzano (SP). 13/03/2019 – Foto: MAURICIO SUMIYA/ESTADÃO CONTEÚDO| Foto:

O tiroteio desta quarta-feira (13), em Suzano, recoloca o Brasil mais vez na rota dos tiroteios em massa. No dia 11 de dezembro do ano passado, um atirador invadiu a Catedral de Campinas e abriu fogo contra os fiéis durante uma missa, deixando cinco mortos. Em 2011, desta vez no Rio de Janeiro, um ex-aluno da escola municipal Tasso de Oliveira, no Rio de Janeiro, matou 12 estudantes e se matou em seguida.

O ataque em Suzano guarda muitas semelhanças com o famoso massacre de Columbine, no estado do Colorado, nos Estados Unidos, em 1999, quando dois estudantes prepararam, em ação cinematográfica, uma vingança após sofrerem anos de bullying, deixando 13 mortos e 27 feridos.

Por isso reunimos vários textos sobre o assunto já publicados na Gazeta do Povo que podem ajudar a entender melhor as motivações e o cenário mental das pessoas que praticam atos tão cheios de ódio. Os textos a seguir evidentemente não explicam todos os aspectos do que aconteceu em Suzano ou em outras partes do mundo, mas oferecem um olhar diferente sobre o assunto.

Por que os tiroteios em massa acontecem?

Neste texto publicado originalmente pelo National Review e traduzido com exclusividade pela Gazeta do Povo no Brasil, o articulista David French se apoia em um argumento de Malcolm Gladwell (você o conhece dos best-sellers ‘O Ponto de Virada’ e ‘Blink - A Decisão num piscar de olhos’) para mostrar que, resumidamente, um tiroteio puxa outro. A cada tragédia do tipo o tecido social sofre uma mudança para pior, culminando em novos tiroteios.

"Em 2015, Malcolm Gladwell escreveu o que eu acho que ainda é a melhor explicação para os modernos massacres nos Estados Unidos, e é facilmente a menos reconfortante. Correndo o risco de simplificar um argumento complexo, ele argumenta essencialmente que cada tiroteio em massa reduz o limiar para o próximo. Ele argumenta, estamos no meio de um "motim" em câmera lenta de tiroteios em massa, com o massacre de Columbine, em muitos aspectos, sendo o evento desencadeador chave."

Para ler na íntegra clique aqui

O que a maioria dos atiradores que comete massacres tem em comum?

Simplificar questões complexas como os motivos por trás dos tiroteios em massa é sempre uma tentação. Acesso a armas, videogames, problemas psicológicos não servem para explicar isoladamente, embora até o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, tenha optado por acusar os videogames. Alex Yablon é um especialista em massacres do gênero. Ele tem feito a cobertura de tragédias deste tipo nos últimos anos e compartilhou seu conhecimento neste texto para o Washington Post, publicado pela Gazeta do Povo no Brasil.

As chacinas em escolas, em particular, parecem gerar muita discussão política, ou em torno das ideias dos atiradores (atividade ocultista; videogames e música violentos; no caso de muitos outros, misoginia, masculinidade e o sentimento de que a pessoa tem muitos direitos, mas não deve respeito a outros) ou do papel das armas de fogo em suas vidas.

O que fica claro, porém, é que, independentemente de motivação ideológica, ou mesmo na ausência total de qualquer motivação desse tipo, esse tipo de ataque geralmente é pressagiado por indícios claros que serviriam de avisos.

Antes de matarem de fato, os atiradores geralmente agridem ou ameaçam pessoas próximas a eles, como cônjuges ou colegas de trabalho. Em muitos casos eles se isolam profundamente do resto da sociedade.

Para ler na íntegra clique aqui

Todos (ou quase todos) vivemos o cinismo que estimula os assassinos em massa

Neste texto, a neurologista e escritora Anne-Marieta Moise faz uma análise ética e moral da personalidade dos atiradores. Ela faz uma ousada comparação entre os heróis que salvaram um trem na França e os autores de massacres. Para ela, a postura em relação à vida é o que os diferencia, que faz as frustrações da vida virarem combustível para atos heroicos em uns e material para atos reprováveis em outros.

Os heróis que salvam vidas, os atiradores em massa que as ceifam e os covardes que fogem de situações de desafio, todos têm algo em comum. Todos sofrem as tragédias da vida.

O sofrimento é inevitável. A morte é inevitável. São as reações ao sofrimento que se diferenciam, alterando completamente o rumo da vida das pessoas que reagem e a história que as cerca. Dentro de cada um de nós existe um vilão, um covarde e um herói. Qual deles vai prevalecer?

Para ler na íntegra clique aqui:

Outro massacre, outro dilema da mídia: divulgar ou não o nome e a imagem do atirador

Quando um atirador (não vou dar o nome) matou 49 pessoas em uma boate de Orlando, na Flórida, a CNN evitou ao máximo mencionar seu nome durante as transmissões relativas ao massacre. O apresentador Anderson Cooper disse que evitaria promover a “glória midiática do assassino” e não mostraria seu rosto ou diria seu nome. A discussão não é simples e coloca em campos opostos, com bons argumentos para ambos os lados, Huffington Post e New York Times.

Reid Meloy, psicólogo forense da California University, em San Diego, já entrevistou e avaliou assassinos em massa e é um dos principais pesquisadores sobre atos de violência com alvos específicos. Eis o que ele diz a respeito:

“Não deve ser subestimado o quanto esses indivíduos entendem de como podem capitalizar em cima da sua exposição visual.”

Um estudo bastante citado de 2015, liderado por Sherry Towers, pesquisadora da Arizona State University, encontrou “provas significativas de que assassinatos em massa com armas de fogo são incentivados por eventos semelhantes no passado imediato”.

Em outro artigo publicado pelo Washington Post, o jornalista David Von Drehle faz um apelo à imprensa:

"Então eu pergunto aos meus colegas jornalistas: quando os próprios assassinos estão nos dizendo que eles se inspiram na perspectiva de nossa cobertura, por que continuamos a dizer seus nomes e mostrar suas fotos? Nada se aprende ao fazer isso. Nada explica essas mortes. Se nada for ganho, qual poderia ser o nosso motivo - especialmente sabendo que podemos estar fornecendo o deles?"

Talvez seja hora da imprensa brasileira parar e pensar com muito cuidado a respeito da cobertura desse tipo de tragédia.

Para ler na íntegra clique aqui

Por que os psiquiatras não podem impedir os assassinatos em massa

O primeiro texto desta série fala sobre encontrar soluções fáceis para temas complexos. É comum que após tiroteios em massa se discuta a qualidade dos serviços de saúde e se pretenda melhorá-los para identificar melhor pessoas perturbadas o suficiente a ponto de pôr em ação um massacre. Richard A. Friedman, professor de Psiquiatria Clínica, diretor da Psicofarmacologia Clínica da Faculdade de Medicina Weill Cornell, explica que, neste caso, as boas intenções não deixam a população mais segura.

"A maioria desses assassinos evita o sistema de saúde. Sua intenção é matar gente e não procurar ajuda, e geralmente não se consideram psiquiatricamente doentes. Dos responsáveis pelas 92 chacinas documentadas entre 1982 e 2017, somente 15% tinham tido algum contato anterior com profissionais da área."

"Além disso, os doentes mentais contribuem muito pouco para a violência generalizada do país. Mesmo que eliminássemos todos os males psiquiátricos da população, o índice de criminalidade cairia apenas quatro por cento. (A "contribuição" dos assassinos em massa é ainda menor: em 2015, eles corresponderam por apenas 0,35 por cento dos homicídios com armas.)"

Para ler na íntegra clique aqui

“Incels”: os homens heterossexuais que não conseguem se relacionar com as mulheres

Uma sequência de posts no Twitter que viralizou nesta quarta-feira levanta a possibilidade dos atiradores de Suzano fazerem parte da comunidade dos Incels. Quem são eles? O trecho abaixo faz um resumo.

"“Incels”, abreviatura de celibatários involuntários, é o termo que descreve as pessoas que não conseguem ter relacionamentos amorosos. Na cultura da internet, o termo se refere mais especificamente a um grupo de homens heterossexuais que se reúnem em comunidades online para compartilhar suas frustrações, atribuindo seus fracassos amorosos à crueldade da sociedade e à superficialidade das mulheres. "

Para ler na íntegra clique aqui

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • D

    Decio mango

    ± 6 dias

    Pelos textos apresentados pode se ver o nível das pessoas ditas especialistas..se é que se pode chama-los assim....o certo é que esses assassinos em massa geralmente estão ligados a sites terroristas ou células terroristas disfarçadas de blogs de conotações revolucionárias, de games etc.... são "doentes mentais", psicopatas, sociopatas, pessoas invisíveis ao sistema médico convencional....as armas não são o centro do problema, eles sempre inventaram uma nova forma de assassinato em massa.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso