Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Imóveis
  3. Área tradicional com perfil consolidado

Série Vizinhos do verde

Área tradicional com perfil consolidado

São Lourenço é uma das mais antigas ocupações urbanas de Curitiba. Os condomínios de casas e sobrados são predominantes

  • Daliane Nogueira
Parque São Lourenço  atrai empreendimentos de padrão alto e médio |
Parque São Lourenço atrai empreendimentos de padrão alto e médio
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Área tradicional com perfil consolidado

Instalado em uma região bastante povoada desde o século 19, o Parque São Lourenço foi construído em 1972 com o objetivo de conter as constantes inundações. “A maior delas aconteceu em 1970, com o estouro da represa do São Lourenço, então pertencente a uma fábrica de adubos”, lembra o coordenador do departamento de Parques e Praças da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Sérgio Galante Tocchio.Desde a instalação do parque o perfil imobiliário do entorno mudou. “Havia muitas casas antigas e terrenos desocupados. O parque colaborou para atrair empreendimentos de alto padrão, como vem acontecendo no entorno de parques novos, como o Tingui e o Tanguá”, comenta o corretor Cesar Lopes, que atua na região há 35 anos.

A lei de zoneamento do bairro ajudou a definir o perfil dos imóveis: casas ou sobrados. “Os terrenos são ZR-1 ou ZR-2, permitindo apenas a construção de dois pavimentos”, diz o corretor.

Lopes negocia um terreno na região. O imóvel de 1.068 metros quadrados fica no número 448 da Rua João Guariza e custa R$ 450 mil. “No São Lourenço os terrenos ficam entre R$ 400 e R$ 500 o metro quadrado. Casas ou sobrados novos podem custar de R$ 2.000 a R$ 2.500 o metro quadradol”, avalia.

Na semana passada, a reportagem da Gazeta do Povo percorreu o entorno do parque e localizou outro terreno à venda. O imóvel fica na Rua Santa Rita Durão, a 100 metros do parque, tem 2.160 metros quadrados e é anunciado pela Galvão Vendas por R$ 850 mil.

Pesquisa do Sindicato da Ha­­bitação e Condomínios do Paraná (Secovi-PR) mostra que os imóveis usados na região custam entre R$ 1.600 e R$ 1.700 o metro quadrado. “Com o mercado aquecido, as avaliações de usados são as mais difíceis de serem feitas, pois há uma variação de preço muito grande no mesmo bairro. As casas mais antigas no São Lourenço são negociadas por R$ 1.200 ou R$ 1.300 o metro quadrado e os imóveis de alto padrão podem custar até R$ 1.800 ou R$ 1.900 o me­­tro quadrado”, analisa Lopes.

A reportagem encontrou duas casas à venda. A primeira fica no número 211 da Rua José Bru­­samolin, em frente ao lago e à pista de caminhada do parque. A Cibraco Imóveis anuncia a residência, de 570 metros quadrados, quatro dormitórios e 22 anos de construção, por R$ 1,98 milhão. Já na Rua Alberto Erthal, a Venturi Imóveis vende uma residência com 354 metros quadrados, três dormitórios e garagem para quatro carros, por R$ 630 mil.

Comercial

Nas ruas mais movimentadas que circundam o Parque São Lourenço, como a Avenida Anita Garibaldi e a Rua Nilo Brandão, o perfil é predominantemente comercial e as opções disponíveis seguem a tendência.Na Anita Garibaldi há uma sala para locação administrada pela Pesquisa Imóveis no número 2.709. O espaço de 55 metros quadrados custa R$ 600 mensais mais R$ 125 de taxas de IPTU e seguro.

Para o corretor da imobiliária MNS, Luís Antônio Neves, os imóveis comerciais são beneficiados pelo bom movimento de pedestres, especialmente turistas. Ele negocia a venda de um imóvel na Rua Nilo Brandão, a uma quadra do parque. O imóvel tem frente comercial e sobreloja residencial. São 456 metros quadrados de área total por R$ 535 mil.

Próximo domingo parque DAS PEDREIRAS

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE