Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Imóveis
  3. Casarão centenário abriga a primeira maternidade do Paraná

Saúde Pública

Casarão centenário abriga a primeira maternidade do Paraná

Construído na década de 1920, o prédio central da Maternidade Victor Ferreira do Amaral possui dois andares e foi projetado em arquitetura eclética térrea com linhas coloniais

  • Sharon Abdalla
 | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Jonathan Campos/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O prédio baixo de cores claras que abriga a Maternidade Victor Ferreira do Amaral se destaca entre os vizinhos modernos que não param de chegar à região do Água Verde. Construída na década de 1920, a edificação se transformou em um patrimônio da história arquitetônica e da saúde pública do estado ao abrigar a mais antiga maternidade do Paraná. Não à toa, o prédio integra a relação de Unidades de Interesse de Preservação (UIPs) da prefeitura de Curitiba.

O hospital, no entanto, nem sempre teve endereço à Avenida Iguaçu, 1.953. A Maternidade do Paraná, como antes era chamada, nasceu em 1913 para o “ensino de obstetrícia e cumprimento da função social” da então Universidade do Paraná – hoje Universidade Federal do Paraná (UFPR). Sua primeira sede estava localizada na Rua Comendador Araújo, no prédio que atualmente abriga o Shopping Omar.

Novo lar

A mudança para o prédio atual ocorreu em 1930, quando a maternidade ganhou novas instalações e foi rebatizada em homenagem ao professor e chefe do curso de obstetrícia da UFPR, Victor Ferreira do Amaral.

“Em 1925, uma senhora chamada Adalgisa Bittencourt doou o terreno. Lili Santerre, por sua vez, fez campanha para a arrecadação de recursos e materiais para a construção da maternidade. No Natal daquele ano foi lançada a pedra fundamental”, conta Marcos Takimura, chefe da divisão médica da Maternidade Victor Ferreira do Amaral. Há época, o atendimento era direcionado para pacientes dos sistemas público e privado.

Com cerca de 1,5 mil m², o prédio central da maternidade foi construído em arquitetura eclética térrea com linhas coloniais. O eixo central da edificação, marcado pela presença de dois pavimentos, destaca-se na fachada, assim como as janelas em madeira e suas molduras de alvenaria.

Tempo de mudanças

Com a inauguração do Hospital de Clínicas (HC), em 1961, a maternidade passou a funcionar sob a responsabilidade da Fundação Caetano Munhoz da Rocha, ligada à Secretaria Estadual de Saúde. Passados 33 anos, o hospital voltou ao comando do governo federal e foi fechado para reforma. “A maternidade só foi reaberta em 2001 e segue funcionando até hoje sob a gestão do Ministério da Educação”, lembra Takimura.

Em 2015, a maternidade voltou a compor as unidades funcionais do complexo do HC, resgatando suas raízes com a UFPR. Suas instalações são campo de ensino de obstetrícia de baixo e médio risco para estudantes de graduação, pós-graduação e formação continuada na área da saúde.

Voltada à assistência humanizada ao parto, a Maternidade Victor Ferreira do Amaral é referência no atendimento de gestantes adolescentes e de grávidas de médio e baixo risco pelo Sistema Único de Saúde (SUS), especialmente pelo programa Mãe Curitibana. Também foi o primeiro hospital da capital a receber uma banheira para parto na água. Todos os meses, cerca de 350 novos curitibanos nascem em suas instalações.

Fontes: Silvia Bueno, IPPUC, e Maria Matilde Zraik Baracat, bioquímica e diretora administrativa da Maternidade Victor Ferreira do Amaral.

Veja mais imagens do casarão construído para ser maternidade

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE