i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curitiba

Construtoras melhoram vendas e lançam menos para ajustar estoque

Retração de 40% nos lançamentos e alta de 13% no número de unidades comercializadas contribuiu para a redução do estoque de imóveis novos, que era de 10,7 mil unidades em maio

  • PorSharon Abdalla
  • 28/07/2015 22:00
Redução do número de lançamentos e alta das vendas contribuíram para reduzir o estoque. | Antônio More/Gazeta do Povo
Redução do número de lançamentos e alta das vendas contribuíram para reduzir o estoque.| Foto: Antônio More/Gazeta do Povo

As construtoras parecem ter se adaptado à nova dinâmica do mercado imobiliário de Curitiba. Depois do boom da oferta de novas unidades e do recente cenário de restrição do crédito, as incorporadoras têm apostado na redução dos lançamentos e em campanhas de vendas e para reduzir os estoques e fazer caixa.

E a estratégia tem dado resultado. Até maio deste ano, o Valor Geral de Vendas (VGV) comercializado cresceu 21% em relação ao mesmo período de 2014, atingindo a marca de R$ 1 bilhão. O número de unidades vendidas também aumentou 13%, para 2,4 mil unidades. Os números são da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi-PR) e se referem aos apartamentos residenciais novos.

10,7 mil

era o número de apartamentos residenciais novos que estavam disponíveis para venda em Curitiba no mês de maio de 2015. O número é 9,8% menor do que o registrado no mesmo mês do ano passado. A redução do estoque foi motivada pela retração na oferta de novas unidades – que apresentou queda de 40% –, e pelo aumento das vendas, com alta de 13% nos primeiros cinco meses deste ano.

“Estamos em um momento de muitas entregas, no qual praticamente todas as grandes incorporadoras entraram com campanhas fortes para potencializar a venda do estoque pronto e gerar caixa”, explica Felipe Sebben, gerente regional da PDG. Na empresa, tais ações resultaram em um aumento de 23,7% nas vendas, que totalizaram R$ 94 milhões no primeiro semestre.

O amadurecimento do mercado, que levou à retração na oferta de novas unidades, foi outro aspecto que contribuiu para reduzir o estoque, na opinião do gerente regional da Plaenge, Luiz Gustavo Salvático. Nos primeiros cinco meses do ano, foram lançadas cerca de 1,5 mil unidades, 40% a menos do que no mesmo período de 2014. Aliado ao crescimento das vendas, isso fez com que o estoque total de maio ficasse em 10,7 mil unidades, menor número desde maio de 2014.

Preço dos imóveis novos cresce abaixo da inflação em Curitiba

Nos primeiros cinco meses deste ano, o preço dos apartamentos novos em Curitiba acumulou valorização média de 1,8%, confirmando a tendência de crescimento abaixo da inflação registrada no período, que somou 5,34% segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) da capital e região.

Leia a matéria completa

“Existe a efetiva possibilidade de fecharmos este ano com um estoque abaixo dos 10 mil apartamentos e mais próximo do ideal, que giraria entre seis e oito mil unidades”, projeta Fábio Tadeu Araújo, diretor de pesquisa de mercado da Ademi-PR.

Foco no alto padrão

Com um público capitalizado e que continua comprando, os empreendimentos voltados aos segmentos de médio e alto padrão e de luxo – com preços que variavam entre R$ 400,001 mil e R$ 2 milhões – tornaram-se o foco das construtoras em 2015, correspondendo a quase metade dos empreendimentos lançados de janeiro a maio deste ano. “Estes nichos não eram o objeto daquele crescimento anterior e passaram a ser vistos agora. Eles se destinam a um público que já mora bem e que tem uma decisão de compra mais madura”, lembra Salvático.

Só no segmento de alto padrão, com preços entre R$ 600,001 mil e R$ 1 milhão, a oferta mais que dobrou no período em relação aos mesmos cinco meses do ano passado, somando 243 unidades.

No que diz respeito às vendas das unidades lançadas em 2015, o segmento de luxo – com valores acima de R$ 1 milhão até R$ 2 milhões – é o que mais se destaca, tendo comercializado 106 das 229 novas unidades apresentadas ao mercado até maio.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.