Negócios de locação comercial estão estáveis. | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Negócios de locação comercial estão estáveis.| Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

Ao contrário do que o momento ruim da economia poderia sugerir, a locação de imóveis comerciais segue estável em Curitiba. No último mês de junho, 259 unidades tiveram seus contratos assinados na cidade, número 1,2% acima do registrado no mesmo mês de 2015. Mesmo assim, a oferta de pontos comerciais está crescendo e, com isso, o preço do metro quadrado está em queda.

Segundo a pesquisa mensal realizada pelo Instituto Paranaense de Pesquisa e Desenvolvimento do Mercado Imobiliário e Condominial (Inpespar), ligado ao Sindicato da Habitação e Condomínios do Paraná (Secovi-PR), o número de imóveis comerciais vazios na cidade em junho era 26% maior do que no mesmo mês de 2015. Essa elevação teve reflexos sobre o valor pedido pelos aluguéis comerciais na cidade, que apresentou queda de 3,7% no último ano e chegou aos R$ 19,34 por m² total, em junho.

Procurando um imóvel? Consulte as ofertas no Enkontra.com

“O excesso de mercadoria acaba regulando o preço do mercado. Para não ficar com o custo do imóvel parado, os proprietários estão mais propensos às negociações [o que acaba interferindo no preço da oferta]”, pontua Fátima Galvão, vice-presidente de locação do Sindicato da Habitação e Condomínios do Paraná (Secovi-PR).

Este movimento é percebido com mais intensidade entre os conjuntos comerciais, que apresentaram retração de 9% no valor pedido pelo m² total, passando de R$ 22,31 em junho de 2015 para R$ 20,30 no igual mês de 2016.

Além da oferta elevada, João Françolin Tomazini, diretor-geral da Imobiliária Cilar, lembra que a “concorrência” entre os conjuntos comerciais novos e antigos é outro fator que interfere na queda do preço médio do m² destes imóveis. Isso porque, para fazer frente às unidades recém-entregues pelas construtoras – que, em geral, apresentam melhor infraestrutura –, os proprietários dos imóveis localizados em prédios mais antigos têm baixado os valores pedidos pelos aluguéis, puxando a média para baixo.

Equilíbrio

O fato de o número de negócios fechados não estar em queda é visto como um efeito do maior número de pessoas procurando um ponto para abrir um negócio após a perda do emprego. “Com o desemprego em alta, muitas pessoas estão optando por começar uma nova atividade, locando lojas ou salas comerciais pequenas, principalmente nos bairros, para abrir seu próprio negócio”, explica Tomazini.

Outro ponto que contribui para a manutenção dos negócios é a migração de algumas empresas para imóveis com áreas menores, com o objetivo de reduzir seus custos operacionais. “Temos empresas na nossa carteira que locavam imóveis de cerca de 150 m² e foram para unidades de 50 m²”, ilustra Fátima Galvão. Entre os tipos de imóveis mais locados no mês de junho destacam-se os barracões e os conjuntos comerciais, que apresentaram alta de 58% e 21%, respectivamente, em relação ao igual mês de 2015.

Em alta

A estabilidade das locações, no entanto, não foi suficiente para frear a alta da oferta de unidades comerciais disponíveis para locação , que chegou aos 26% no último ano.

Parte deste crescimento, como aponta Fátima, foi estimulado pela entrega de novos empreendimentos comerciais no período. Fato que se reflete, por exemplo, na alta de 33,5% na oferta de conjuntos comerciais na capital, que somava 2,8 mil unidades naquele mês.

O segmento com o maior incremento na oferta (46,7%) foi o de barracões, estimulado pelo encerramento das atividades de algumas empresas. “Alguns proprietários também estão investindo na construção de barracões porque acreditam na retomada do crescimento industrial”, acrescenta Tomazini.

Bairros

O Centro lidera a oferta de imóveis disponíveis para locação em Curitiba, com 1,4 mil unidades, seguido pelo Água Verde (299), Batel (293) e Bigorrilho (257).

A oferta também é alta em bairros mais afastados da região central, como o Portão, que tinha 143 unidades disponíveis para locação em junho. Segundo Fátima, isso decorre do fato de estas localidades serem mais “autônomas” em relação ao Centro, o que atrai os inquilinos que buscam facilidade de estacionamento e de acesso a diversas regiões da cidade.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]