143111

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Justiça
  3. Ministro do STF derruba decisão que permitia deputada estimular denúncias contra professores

doutrinação nas escolas

Ministro do STF derruba decisão que permitia deputada estimular denúncias contra professores

Assim, passa a valer decisão judicial anterior que proibia a deputada de estimular estudantes registrar professores que supostamente estivessem doutrinando alunos

  • Folhapress
Comissão especial termina sessão sem votar o projeto. | Lula Marques/Fotos Públicas
Comissão especial termina sessão sem votar o projeto. Lula Marques/Fotos Públicas
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), suspendeu decisão judicial que autorizava uma deputada estadual de Santa Catarina a manter nas redes sociais mensagens em que estimulavam alunos a filmar e denunciar professores. Assim, passa a valer decisão judicial anterior que proibia a deputada de manter a ação que, segunda ela, serviria para inibir doutrinação em sala de aula.

A mensagem foi publicada pela então deputada estadual eleita Ana Caroline Campagnolo (PSL-SC) nas redes sociais. No texto, ela pedia que alunos denunciassem professores que fizessem "queixas político-partidárias em virtude da vitória do presidente [Jair] Bolsonaro".

Após iniciativa do Ministério Público, a Justiça havia concedido liminar determinando que ela se abstivesse de manter qualquer modalidade formal ou informal de controle ideológico das atividades dos professores. A desembargadora Maria do Rocio Luz Santa Ritta, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, entretanto, suspendeu a liminar em janeiro. Depois disso, a ação chegou ao Supremo. 

Leia maisDenúncias de doutrinação em sala de aula: o que diz a lei

Ao deferir a liminar, o ministro Fachin afirmou que a decisão da desembargadora fazia uma releitura da mensagem de Campagnolo, dando a entender que ela estaria atuando de forma legítima ao se colocar à disposição, nas redes sociais, para ouvir a população.

"Ao conclamar os alunos a exercerem verdadeiro controle sobre manifestações de opinião de professores, a deputada transmite a ideia de que isso é lícito. Estimula-os, em consequência, a se sentirem legitimados a controlarem e a denunciarem manifestações político-partidárias ou ideológicas contrárias às suas", destacou.

A deputada é do mesmo partido presidente Jair Bolsonaro e é favorável ao projeto de Escola sem Partido. A nova formulação do texto, apresentado nesta semana na Câmara federal, quer assegurar aos estudantes o direito de gravar as aulas contra supostas doutrinações.

Leia maisNovo projeto “Escola sem Partido” ‘aperta cerco’ à doutrinação política e ideológica em sala de aula

Defensores do projeto entendem que ele busca a neutralidade na sala de aula contra uma suposta doutrinação de esquerda que dominariam as escolas brasileiras. Para os críticos, a ideia de uma lei é autoritária, limita a pluralidade de ideias nas escolas e ainda constrange professores.

Decisões judiciais de várias instâncias e uma liminar do STF já consideraram inconstitucionais projetos similares. Havia previsão de análise final no STF em novembro do ano passado, mas o presidente do Tribunal, ministro Dias Toffoli, mudou a ordem dos julgamentos e adiou indefinidamente o processo.

Entendimento do Ministério Público Federal diz que o projeto é inconstitucional por impedir o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, negar a liberdade de cátedra e contrariar a laicidade do Estado (por permitir no espaço público da escola visões morais e religiosas particulares).

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE