Viés da distinção: por que você toma decisões terríveis em sua vida

Por
26/10/18, 15h33 8 min Comente

Lá estava eu, olhando para uma enorme parede de telas de TV. Cada uma deles mostrava exatamente a mesma cena — uma bela flor desabrochando lentamente para revelar cada pétala, pistilo e estame em detalhes requintados de super alta definição. Era, francamente, sexy. Mas era a hora de eu tomar uma decisão. Continuar lendo Viés da distinção: por que você toma decisões terríveis em sua vida

A Amazon quer que todos sejamos consumidores o tempo inteiro

Por
10/10/18, 15h07 18 min Comente

Todos os dias, o imperativo de perceber a si mesmo como um consumidor cresce em toda uma gama de experiências e instituições: nos shoppings e nos centros de negócios que substituíram praças e parques públicos; nas escolas e hospitais, onde as ofertas são criadas não para o bem-estar social geral, mas para a escolha individual do consumidor e o que cada um pode pagar; e nas academias de ginástica, onde exercícios, nutrição e outras formas de bem-estar foram redefinidas como escolhas pessoais de estilo de vida. Continuar lendo A Amazon quer que todos sejamos consumidores o tempo inteiro

A crise de obesidade dos sites

Por
12/4/16, 21h04 45 min 48 comentários

Nota do editor: Este texto é a adaptação de uma palestra de Maciej Cegłowski realizada em 29 de outubro de 2015. Maciej é um programador que vive em San Francisco, escreve o blog Idle Words, tem um perfil divertidíssimo no Twitter e é fundador e único funcionário do Pinboard, um serviço de favoritos na web.


Deixe-me começar dizendo que sites bonitos existem nos mais diversos formatos e tamanhos. Eu adoro grandes sites cheios de imagens. Eu adoro vídeos em alta resolução. Eu adoro experimentos de JavaScript dispersos ou webapps bem desenhados.

Este artigo não é sobre nenhum deles. Ele é sobre sites com predominância de texto que, por razões inexplicáveis, estão ficando mais pesados a cada ano que passa.

Embora eu use alguns exemplos para evitar que isso fique muito abstrato, não estou aqui para constranger ninguém, exceto algumas empresas (Medium) que deveriam ter uma noção melhor das coisas e estão intencionalmente quebrando a web. Continuar lendo A crise de obesidade dos sites

Do Orkut ao WhatsApp, como a música brasileira retrata os apps e redes sociais que todos usamos

Por
30/10/14, 10h50 11 min 9 comentários

Desde que os primeiros batuques foram ouvidos a música tem sido usada para, entre outras coisas, exaltar as paixões humanas. Traduzimos em ritmo e poesia as maravilhas naturais do mundo, nossas musas, os grandes heróis e seus feitos; descrevemos épocas, histórias e comportamentos dos mais diversos. Muita gente não vive sem música; não seria exagero dizer que o contrário também é verdadeiro.

Se estendermos o conceito de “tecnologia” para além de bits e pastilhas de silício, o barulho (com o perdão do trocadilho) da sua participação na música é ouvido de longe. Do aprimoramento dos primeiros tambores aos sintetizadores e editores digitais de hoje, essas áreas sempre foram indissociáveis. Não há música sem a tecnologia garantindo a execução, captação e reprodução nos bastidores.

Capa do álbum Leandor & Leonardo Vol. 4, de 1990.
Leandro & Leonardo.

Eventualmente os papéis se misturam e de um suporte ou auxílio, a tecnologia passou a ser o motivo da arte, a temática da narrativa. Isso nos remete ao início do texto: cantamos sobre tudo. É algo tão óbvio que não raramente nos escapa. Quando Leandro & Leonardo cantaram pela primeira vez “Pense em mim, chore por mim, liga pra, não, não liga pra ele”, em 1990, eles colocaram no cancioneiro popular brasileiro uma tecnologia super avançada que, de tão massificada, passou despercebida: o telefone. Àquela altura, fazer ligações já era algo trivial e tal papel coadjuvante, apesar do grande avanço que essa tecnologia representou, se repetiu na letra da música.

A tecnologia de consumo, essa embarcada em smartphones, tablets e outros gadgets contemporâneos, evoluiu a passos largos nas últimas décadas. Nos anos recentes, sua popularidade teve uma guinada sem precedentes. Embora quase 1/3 da população mundial já use smartphones, ele ainda não está tão enraizado como o telefone estava na época em que Pense em mim foi composta. Esse detalhe, porém, não impediu que os compositores começassem a explorar essa nova realidade criando músicas sobre os apps e redes sociais que tanto usamos. Continuar lendo Do Orkut ao WhatsApp, como a música brasileira retrata os apps e redes sociais que todos usamos

O iPhone deixou de ser um smartphone caro para ser coisa de gente rica

Por
13/9/18, 16h39 5 min 39 comentários

Na apresentação dos novos iPhone Xs, Xs Max e Xr, Phil Schiller, o chefão do marketing da Apple, disse que a empresa quer “alcançar o maior número possível de pessoas com essa incrível tecnologia”. Brinca-se na indústria que a Apple tem o “campo de distorção da realidade”, um poder de retórica capaz de subverter a razão e convencer mesmo os mais céticos a engolirem esse papo marqueteiro. Nesta quarta (12), o encanto foi quebrado. O iPhone ficou caro demais. Continuar lendo O iPhone deixou de ser um smartphone caro para ser coisa de gente rica

Esta empresa oferece hologramas para ajudar políticos a se elegerem

Por
5/9/18, 14h29 5 min 3 comentários

Em 2018, santinhos, caminhadas com apoiadores e programas de rádio e TV estão recebendo reforços tecnológicos na corrida eleitoral. Fala-se muito em posts patrocinados no Facebook e correntes no WhatsApp como táticas de vanguarda neste pleito, mas a Holo Ahead apresentou algo ainda mais futurista para os candidatos dialogarem com os eleitores: hologramas. Continuar lendo Esta empresa oferece hologramas para ajudar políticos a se elegerem

Twitter, torne os robôs da sua rede identificáveis

Por
22/8/18, 15h56 11 min 4 comentários

Qualquer um interessado em influenciar a opinião pública pagaria um punhado de dólares, feliz da vida, para amplificar sua voz. Governos, grupos políticos, empresas, comerciantes e simples trolls continuarão a gritar através de exércitos de bots — enquanto eles forem baratos. Os bots, ou robôs, custam menos que comprar espaço publicitário, são menos arriscados que uma rede de espiões, mais eficientes e menos propensos a falhas que criar 50 contas falsas manualmente. Se robôs pudessem ser identificados e etiquetados, a indústria de boataria sofreria um duro golpe. Aqui está como podemos fazer isso acontecer. Continuar lendo Twitter, torne os robôs da sua rede identificáveis

Entenda o Shellshock, a falha no Bash tão grave quanto o Heartbleed

Por
29/9/14, 10h05 6 min 2 comentários

Stephane Chazelas, um entusiasta de software livre, descobriu uma falha de 22 anos (!) no Bash, interpretador de comandos bastante popular em sistemas *nix, como Linux e o OS X, da Apple.

A falha permite que alguém tome o execute comandos remotamente em máquinas afetadas. Dada a amplitude com que o Bash é usado, de servidores a sistemas embarcados (câmeras fotográficas, roteadores, terminais comerciais), o potencial de danos é tão grande, ou até maior, que o do Heartbleed, outra falha encontrada no OpenSSL no começo do ano.

O Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos EUA atribuiu ao Shellshock nota 10, a máxima na escala, em termos de gravidade, impacto e exploração, e para piorar o mesmo órgão disse que a falha é de baixa complexidade, o que significa que pode ser facilmente usada. Continuar lendo Entenda o Shellshock, a falha no Bash tão grave quanto o Heartbleed

Quem salvará a indústria da música?

Por
14/11/14, 12h04 10 min 22 comentários

A viabilidade do modelo de negócios dos serviços de streaming de música voltou a ser o centro das atenções essa semana. Culpa de Taylor Swift, que removeu todo o seu acervo do Spotify e boicotou o novo álbum, 1989, de todos os serviços do tipo. Ganância, mal entendido ou a cantora tem razão nas críticas que vem fazendo?

Não foi a primeira vez que Swift se posicionou contrariamente à ideia de ouvir quanta música quiser pagando menos de dez dólares por mês. No começo do ano ela escreveu um editorial no Wall Street Journal dizendo acreditar que o apoio dos fãs (e a venda de álbuns completos) é o que sustenta artistas como ela. Talvez, pelo menos no seu caso, seja verdade: só na semana de lançamento, 1989 vendeu 1,2 milhão de cópias, número estratosférico para os padrões atuais. Para colocar isso em perspectiva, Random Access Memory do Daft Punk vendeu 339 mil cópias em seus primeiros sete dias e PRISM, da Kary Perry, 286 mil cópias no mesmo período. Ambos foram  os mais vendidos no ranking da Billboard em suas respectivas semanas de lançamento. Continuar lendo Quem salvará a indústria da música?

Elementos da crítica tecnológica

Por
16/8/18, 15h07 3 min 8 comentários

Nota do editor: Mike Pepi mora em Nova York e é escritor freelancer de arte, cultura e tecnologia.


Minha tentativa de sintetizar os últimos anos do emergente campo da crítica tecnológica em um conjunto de princípios gerais recorrentes. Essas ideias pertencem a muitos pensadores diferentes. A contribuição aqui é principalmente destilá-los até o ponto essencial e juntá-los em um único lugar. Meu próximo passo é fornecer uma seção “leia mais” para textos e uma seção “problemas e exemplos”. Continuar lendo Elementos da crítica tecnológica

[Comparativo] TVs por assinatura no Brasil

Por
2/12/14, 10h56 2 min 48 comentários

Entre celulares pré-pagos, Internet residencial e TV por assinatura, qual você acha que é o item mais popular entre a nova classe média brasileira? Acertou quem respondeu TV por assinatura1.

Intrigado com esse número e com a ajuda dos gaúchos da Coisa Filmes (a produtora parceira a que me referi no post de aniversário do blog), juntamos alguns dados para ajudar esse público ávido por canais diferentes dos da TV aberta, em HD e com preços convidativos. O vídeo acima, caprichado, é o resultado desse trabalho.

Nele, comparamos quatro serviços, todos do tipo DTH (por satélite): Claro TV, GVT TV, Oi TV e Sky. Em vez de ficar apenas na programação e valores, investigamos também quais as tecnologias que cada uma usa, como a disponibilidade de transponders em cada satélite e o tipo de compressão de vídeo usado nas transmissões. E, claro, ao final o veredito: qual ou quais valem mais a pena? Para saber mais, dê um play no vídeo ali em cima.

  1. Segundo este estudo do Mundo Marketing, a TV por assinatura é o objeto de desejo de 32% da nova classe média, à frente dos celulares pré-pagos (30%) e da conexão à Internet (28%).