Post livre #102

Por
15/9/17, 19h00 1 min 207 comentários

Chegou a última sexta-feira antes do fim do inverno! Embora aqui em São Paulo seja a sexta de inverno com mais cara de verão da história. Bom, nesta semana o nosso Guia Prático foi sobre a chegada do WhatsApp for Business e no próximo já garanto que o tema será a… Apple, é claro. Quais os pitacos iniciais de vocês sobre os iPhones que foram lançados na última terça-feira? E além de tecnologia, o que mais podemos conversar? Quem sabe alguma dica para não derreter em São Paulo… De AndroidPIT e os rumos do MdU falaremos em breve, não se preocupem. ;)

Compartilhe:
  • Roderico

    O povo suplica: Voltem com os posts livres logo pela manhã! rs

    • Binho_0

      Dá pra deixar post de wordpress agendado. Talvez ajude isso. Dá pra programar vários e nem esquentar. Mas não dá pra fazer textos de abertura tão atuais tb.

      • Emily Canto Nunes

        é, eu gosto de pegar um tema do dia como gancho… mas em breve, novidades.

    • Thiago Miranda

      Não só o post livre, a frequência de postagens deu uma boa caída.

      A quantas anda o projeto Mdu @EmilyCanto ?

      • Emily Canto Nunes

        em breve anunciaremos novidades!

        • Frederico

          espero que seja o higa!11

        • Eu perdi alguma coisa.
          Mas cada vez mais ansioso com as novidades.

  • Yago G. Oliveira

    O que dizer sobre colocar bons aparelhos de fora do android 8? A Lenovo mais uma vez decepciona. E infelizmente, nos faz se aproximar mais ainda daquela maçã que supre onde mais dói em ter um android.
    https://tecnoblog.net/223631/motorola-atualizacao-android-8-oreo/

    E para aqueles conspiradores (como eu…risos), não irei mais atualizar meu aparelho, vai que eles colocam um bug para piorar e ser obrigado a trocar o aparelho.

    • O pior é saber que até mesmo os aparelhos Google tem suporte de apenas 18 meses.
      Mas ainda ficarei com esse robozinho verde.
      Nem que tenha que importar aparelhos mais interessados em atualizar o mínimo.

    • Felipe Almeida

      Realmente, está cada vez mais difícil acreditar na “empresa da Motinho”. Eu comprei um Moto G5 na esperança de ter duas grandes novas atualizações do Android e já estou ficando com o nariz torcido para receber o Android P (será que ele vai pular o 9 e ir direto para o 10? fica no ar a dúvida hahahaha), e ainda tiveram a cara de pau de lançar o G5S que não adiciona quase nada de melhor ao G5.

    • Paulo Pilotti Duarte

      Mas, sinceramente, comprar Android esperando atualização formal da empresa/operadora não é algo aconselhável.

      • Binho_0

        tinha até esquecido de atualizar o meu e a samsung passou para o android 7. já devia ter feito isso há tempos e eu nem percebi. o q acabou fazendo até com q eu desistisse deixá-lo rooteado por conta do maldito netflix q não funciona mais qdo o aparelho está modificado… agora não sei se terá para o 8. se bem q, sinceramente, se for crucial pela segurança, não faz falta ter a última versão. especialmente se não houver algum ganho substancial nessa mudança… eu acho q é um pouco de neura isso de querer a última versão.

        • Paulo Pilotti Duarte

          Sim, eu também não tenho essa neura toda, mas a maior parte das pessoas [1] tem e, levando isso em conta, não é exatamente uma decisão racional comprar um Android quando isso é algo que importa muito.

          [1] do meio que acompanha tecnologia ou que se preocupa com isso, de resto, pouca gente realmente compra um aparelho pensando em atualizações, se compra o que cabe no bolso e quando der a gente muda de aparelho.

          • Binho_0

            pior q “cabe no bolso” e não cabe no bolso e vice e versa, pq pelo preço dos aparelhos, o brasileiro se endivida pra tê-los tb, assim como faz para ter a melhor tv q puder comprar…

    • Nesse quesito acho que dá pra defender a Sony, pois ela vem atualizando vários modelos para as versões mais atuais do Android. Pudera, a customização da Sony é pouco alterada em relação ao Android puro.

      • Yago G. Oliveira

        Estou um pouco por fora desse assunto, mas se for verdade, é uma possibilidade de apostar nela.

      • Emily Canto Nunes

        é pouco? nossa, eu sempre achei muito. mas acho que é mais interface do que customização. e, ah, tem muitos apps próprios, não?

        • Bloatware tecnicamente é um penduricalho. Modificação de sistema é algo mais radical, tipo a TouchWiz, que tem por exemplo uma barra de navegação virtual bem diferente do Android puro, contando inclusive um “hide dot bottom”, ou sei lá como chamam aquilo, que serve pra ocultar a barra de navegação em qualquer momento que o usuário queira.
          Fora o bloatware e algumas funções a mais tipo o modo Stamina, me perece que as mudanças que a Sony faz no Android são meramente estéticas.

    • Thiago Miranda

      Eu sou da opinião de que temos que comprar o produto pelo que ele é, e não pela promessa do que ele pode ser, atualizações são MUITO importantes para questões de segurança, correção de bugs e melhorias em geral, mas a expectativa que vejo nas pessoas por uma atualização na pratica (dia a dia) faz pouca diferença.

      • Yago G. Oliveira

        Thiago, se o preço fosse algo mais acessível, até poderia partilhar desta ideia. Mas não, paga-se caro por algo que já vem com prazo de vencimento. É complicado.

      • Emily Canto Nunes

        adorei sua colocação, vou até printar!

      • Não para pessoas como eu que ficam pelo menos dois oi três anos com o aparelho.

      • As pessoas também não ligam muito para atualizar o computador com correções de segurança, mas nem por isso deixa de ser algo importante.

        Eu concordaria com teu comentário não fosse a ressalva que você mesmo fez — a segurança. Atualização em software não é só para receber novos recursos ou para ~obsolescência programada, é uma questão de manter o negócio protegido e tapar brechas (que todo software tem e, a menos que algo revolucionário aconteça, sempre terá).

        E, como o Yago disse, tudo bem quando é um aparelho de entrada, mas celular de mais R$ 1k é problemático.

        • Eu tendo a discordar sabe @ghedin:disqus.
          Mesmo aparelhos de entrada não deveriam ter sua atenção pela simples questão da segurança dos dados do dono.
          Afinal de contas houve um investimento por parte do consumidor.
          Não estou preocupado com novos recursos ou mudança de design, mas com a segurança contra falhas.

    • tuneman

      Calma cara. Do jeito que você coloca fica parecendo o fim do mundo.
      É só um smartphone. Dependa menos disso.

      • Rapaz, não é apenas um smartphone.
        Hoje em dia é um aparelho que está sempre na nossa mão, multifuncional e a cada dia mais importante.
        Muitos trabalhos tem o smartphone como maior ferramenta.

        • tuneman

          Eu também uso durante o meu trabalho. Mas não deixo meu trabalho depender dele.
          Relaxem.

          • Eu fico feliz em saber que você também não tem essa necessidade, mas isso não é a realidade de todo mundo.
            E nem todos tem como escolher, mas ótimo para nós.

          • tuneman

            Isso aí! =)

          • Não é usar durante, mas tem gente que tem o smartphone como ferramenta de trabalho.
            A própria @garotasemfio:disqus é uma pessoa assim. Conheço tem corretores, por exemplo, que trabalham o tempo todo com smartphone, são as principais ferramentas.

          • tuneman

            yep

        • Binho_0

          dá pra viver sem, acho q ainda não é pra tanto. enqto ele não for essencial para a maioria das operações, uma lanterna, só um lanterna mesmo, ainda pode ser mais útil q um smartphone…

    • Hoje reconheço que há muitos aparelhos android que são superiores aos iPhones, mas é justamente o ciclo de vida limitado de atualizações que me irrita neles. Infelizmente (ou não, sei lá) permaneço com iPhones por três ou quatro anos.

    • Saulo Benigno

      Qual aparelho bom vai ficar fora do Android 8?

      • Yago G. Oliveira

        Todos os anteriores a linha G5, Saulo.
        São aparelhos bons, com configurações que não distingüem dos mais atuais e que poderiam suportar normalmente.

    • Maicon Bruisma

      Igual a Apple faz, deixa o aparelho meia boca para dar a impressão que os mais recentes são extremamente mais rápidos

      • Mas os novos iPhones são mais rápidos, basta ver os benchmarks sintéticos. (E são muito mais rápidos que qualquer Android.) Aliás, são tão rápidos que mesmo iPhones de dois, três anos atrás continuam rodando satisfatoriamente bem mesmo com o último iOS instalado.

        • Maicon Bruisma

          Não é o que vejo nos grupos que participo. Vejo muita gente reclamando que a cada versão há uma piora no desempenho e na bateria.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Abandonei o macOS e o Mac exatamente por esse motivo: cada versão nova piorava o desempenho.

            Sempre tinha uma galera de fóruns da Apple quie me mandavam 1001 benchmarks mostrando como isso era mentira, mas, a verdade é que no uso diário estava se tornando um estorvo demorar mais de 1 minutos pra abrir um Trados (coisa que no Windows, com o mesmo HW, levava menos de 10s).

            A “sorte” da Apple ainda é a base de fanboys dela, porque atualmente é quase uma empresa antípoda ao que ela era na sua melhor época dom o Jobs (linha confusa e grande de telefones (8 modelos) e de computadores (7 modelos), só o iPad ainda é fácil de diferenciar com os seus 3 modelos).

          • Há uma piora porque o software fica mais pesado — e também, creio que em muito, devido à obsolescência percebida, ou seja, a impressão de que o seu ficou mais lento porque um mais rápido foi lançado. Mas, repito: segue perfeitamente usável, sem perrengue, qualquer iPhone lançado há dois ou três anos.

          • Maicon Bruisma

            A concepção de “usável” é bem ampla, um iPhone 4 ainda é usável, dá pra acessar internet, fazer ligações, usar os principais apps em sua maioria, tirar fotos, escutar música. Mas se faz cada coisa de forma satisfatória aí é outra coisa. Como trabalho com eletrônica em metade de meu tempo só vejo iPhone rondando bem o iOS mais atual do 6s e SE pra cima, o iPhone 6 está mais lento para fazer tarefas que a maioria dos Androids de 2014. Realmente a obsolescência parece maior se apenas observarmos os aparelhos mais atual, logicamente que eles são mais rápidos, mas a Apple dá uma bela duma ajuda para parecer ainda mais rápidos

          • Paulo Pilotti Duarte

            Meu irmão usa um 4S e minha mãe um 5C atualizados. O 4S engasga até pra abrir o teclado numérico das ligações. O 5C ainda cumpre bem o seu papel, é usável na medida do possível (Instagram, Facebook, Whatsapp, SMS e ligações).

          • Maicon Bruisma

            Sim, tô com iPhone 5s aqui pra arrumar e ele abre tudo bem, não é tão rápido mas é usável, porém do nada ele dá crash e o app fecha e volta pro home, do nada o teclado se recolhe ou aparece, e quando alguém liga pro aparelho as vezes precisa apartar mais de uma vez no botão pra poder atender. O “utilizável” não deveria ser flexível, mas aparentemente é, pq pro dono do aparelho tá ok acontecer isso pq isso também já aconteceu com o antigo Moto G 1 dele. Acho que o que mais me surpreendeu foi a comparação.

  • Hoje a Cassini deu seu mergulho fatal na estratosfera de Saturno, após 13 anos orbitando o planeta e suas luas. https://youtube.com/watch?feature=youtu.be&v=_5ZrSKpbdSg

  • Frederico

    Vocês já participaram de processos de seleção para trabalhos em outros estados?

    • Ed

      Ainda não, mas assim que estiver formado vou começar a participar!

  • Binho_0

    Em conversa num outro site, discutiu-se se essas capas de podcast poderiam ser consideras arte. Eu disse q não e um outro participante, vulgo, Jack Silsan, disse q sim. É ou não é? Me parece q não, assim como outras ilustrações do tipo, q nem almejam uma condição artística. Com o tempo, por exemplo, certas capas de LPs, pra falar de algo q ganhou sobrevida nos tempos de hj, foram elencadas como obras de arte; talvez a mais famosa delas, a banana, do Velvet Undergroud, feita justamente por um artista célebre, Andy Warhol, vale como exemplo. Muitos cartazes de propaganda, as russas, por exemplo, tb ganharam esse status. Enfim, vcs conhecem algum podcast q tenha nessas capas uma busca artística ou algo nesse sentido?

    • Paulo Pilotti Duarte

      Se tem algum podcast que tem chance de ter essa pretensão é Visualmente (que é sobre design gráfico) o resto parece que as vitrines são apenas colagens que remetem ao assunto do programa ou referências internas do programa.

      http://anticast.com.br/podcast/visualmente/

      BTW, eles tem um programa sobre capas de disco, recomendo a ouvida:

      http://anticast.com.br/2017/08/visualmente/vm-73-capas-de-disco/

      • Binho_0

        Massa! Boas dicas. Eu não tinha me ligado nesse podcast. Vou dar uma espiada nele. E, em particular, nesse programa q vc recomenda.

        • Paulo Pilotti Duarte

          Outro do mesmo agreador/hub de podcasts que se debruça mais sobre esses temas é o Não Obstante (filosofia e design) onde as capas são as aquarelas do Beccari (mas acho que isso foge um pouco do escopo da discussão, afinal, essas capas não são feitas com o objetivo de serem capas de podcasts, são pinturas auto-contidas).

          https://uploads.disquscdn.com/images/2db2fd7da07604dd3c14f1b5af6d45f4e48486e5d60c10f17dd4d00a79c8ceda.jpg

          • Binho_0

            Mas eu acho q as aquarelas são usadas apenas para ilustrar e não necessariamente se relacionam com os temas dos programas, não sei. São bem legais, diga-se. Esse programa tb é bem legal, eles chamam bons convidados em alguns programas. Acabei deixando de acompanhá-lo um pouco, pq algumas discussões eram bem específicas. Tem os programas do Marcos Ramon e alguns ele fala exclusivamente de estética no projeto dele. Eu gosto bastante, a proposta é simples, bem didático.

      • Os caras do Visual+mente falam mesmo sobre design gráfico? Digo, os títulos dos programas parecem mais ser algo saído do Roda Viva rsrs https://uploads.disquscdn.com/images/7549f45394644256643b2756ddeaf11cf879ffb54d47408cd13316f52be18e0d.png

        • Frederico

          Mas esse é o Anticast… que acho que começou sobre design numa vibe mais discussiva e virou sobre questões do dia dia.

          • Anticast, acho, é o melhor podcast brasileiro. Hoje ele é mais político, mas os programas antigos sobre arte e estética são imbatíveis.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Melhor podcast disparado. Consegue unir bastante discussão política e trazer um mínimo de questionamento sobre a esquerda e o país. Ainda escuto o Revolushow, mas eles são muito mais sectários.

            Os antigos sobre tipografia são muito bons, quase me enveredei por esse lado quando eu estava pra mudar de curso em 2011.

          • Bem, considerando que o nome é Revolushow e todos lá são comunistas não da para esperar algo diferente.
            Ainda bem.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Sim, concordo que ainda bem. Nada me irrita mais no mundo atual do Brasil do que a necessidade de ser “centrão” ou de esconder que se é de esquerda.

            Mas as vezes acho que eles focam muito numa perspectiva revolucionária ultrapassada, discutindo tópicos com ideias baseadas em preceitos que não se aplicam totalmente mais às forças de trabalho modernas (esse problema é de toda a esquerda). Quando eles se enveredam por esse caminho eu passo muita raiva, gosto muito de programas “históricos” como esse últimos sobre Nazismo ser de esquerda.

          • Bem, aí é uma questão de visão de mundo. Eles acheditam que apenas a revolução possa ser realmente a sulco para a classe trabalhadora. Eu venho pensando nisso e em alguns momentos me vejo concordando com eles quando vejo essa apatia sobre as merdas apresentadas sobre determinada base politica e a loucura recaída sobre outra.
            Veja não digo que uma delas seja inocente, mas a escolha sobre quem merece a fogueira e quem merece umas “palmadas”.
            Também não sei se realmente a exploração sobre o trabalhador não tem a mesma influência sobre “formas modernas de trabalho”.
            Acontece que essa onda de empreendedores afasta a classe trabalhadora dela mesma, fazendo-os pensar que agora são realmente iguais ao grande empresariado, quando na verdade tem sua qualidade no trabalho diminuída e seus direitos relativizado ou perdidos.
            “mas agora trabalho para mim”, são frases que eu escuto. Quando na verdade cada vez mais você fixa dependente de um financiamento bancário… E esse é seu novo patrão. 🤔
            Esse é um pensamento que estou desenvolvendo, posso me equivocar em algumas explicações, mas tem fomentado meu dia a dia.

          • Paulo Pilotti Duarte

            O empreendedor tem que entender, definitivamente, que ele é mais proletário do que burguês e está mais perto do trabalhador do que do patrão. Sem isso não tem revolução.

            Aí que entra o grande trunfo do capitalismo e o seu grande talento oculto: o sistema faz crer que qualquer um pode ser patrão, basta trabalhar (a maior mentira de toda a humanidade) e isso cria essa classe de capitalistas sem capital.

            Eu também acredito apenas na via revolucionária como forma de mudar o atual status quo da sociedade, o problema é que eu ainda acho perda de tempo discutir os meios e não a ação. Façamos a revolução antes que eles a façam. E esse é o problema do Brasil desde sempre, quando as elites burguesas percebem o movimento operário-trabalhador como organizado e capaz de modificar alguma estrutura dessa sociedade arcaica e galgada em valores conservadores, logo tratam de fazer uma “revolução de mentira” que modifica tudo sem mudar nada, mantém os mesmos atores no topo e na base e todo mundo se desarticula.

          • Não há mais o que dizer…
            Apenas que lembremos que a Rússia era o último país em que se esperava a revolução, ainda há esperança.

          • Binho_0

            Não foi conta desse programa, mas teve uma época tb q eu estava super interessado em tipografia. Especialmente depois de ter contato com aquela obra o “Elementos do estilo tipográfico”, do Robert Bringhurst. Mas daí achei q era preciso ter as manhas e me afastei… Foi uma pena, eu acho, mas acho q não teria feito nada muito relevante nessa área.

          • Binho_0

            É… teve bons programas, descobri o Black Mirror por eles, diga-se, q é uma obra incontornável nos dias de hj, mas deu uma caída, ficou meio isso q o @fredmmtt:disqus falou, de muita conversa do dia a dia. E tb achei q ficou zoeira demais. Parei de ouvir. Qualquer hora pesco uns programas pra ver como estão.

          • Paulo Pilotti Duarte

            De fato. O Anticast antes englobava todos os filhos que eles tem hoje.
            Projeto Humanos é algo sem igual no Brasil ainda. O Salvo Melhor Juízo idem, nenhum outro podcast dá a ênfase que eles dão no estudo do direito como matéria. O Visualmente o Não Obstante são bastante áridos para se ouvir (é difícil dizer que dá pra ouvir lavando louça, por exemplo). Tem o Feito Por Elas que é bom também e coloca uma visão feminina do mundo.

            Eu particularmente não tenho problema nenhum em ser tema de Roda Viva no podcast hahaha

          • Binho_0

            Roda Viva, RIP.

          • Frederico

            Valeu, tava ouvindo visualmente sobre Abstract por causa desse PL mas tava foda e não sabia descrever pq

          • O dessa semana está ótimo, sobre o queermuseu.

        • Paulo Pilotti Duarte

          Como o @fredmmtt:disqus disse esse é o Anticast =P

    • Paulo Pilotti Duarte

      Aliás, gosto da capa/vitrine do programa deles sobre o filme do Ghost In The Shell.

      https://uploads.disquscdn.com/images/9f3e54f873f278e553cb9f1d220bd1906006cb417644ad581cd58313ae5ee350.png

      • Binho_0

        O q te sugere essa capa?

        • Paulo Pilotti Duarte

          Me sugere nada. Pra mim é um arranjo bem feito do tema do trabalho em questão.

          Mas 99% da toda a arte não me sugere nada, pra ser sincero, minha sensibilidade artística é mais do que eu acho bonito e do que eu não acho bonito e muito mais, muito mesmo, do que eu acho que me faz questionar ou pensar diferente sobre um determinado tema ou conjuntura.

          Se a gente imaginar aquela definição clássica de arte (de ser uma “faculdade ou ato pelo qual, trabalhando uma matéria, a imagem ou o som, o homem cria beleza ao se esforçar por dar expressão ao mundo material ou imaterial que o inspira”) quase todo o trabalho humano não burocrático poderá ser visto como arte e ser considerado e catalogado como tal.

          • Binho_0

            Poxa, eu sou bem ranzinza, mas esse comentário foi bem… rabugento. Como assim 99% de toda a arte não te sugere nada!? Cara… tem coisa na arte q é de perturbadora a muito instigante. Acho q vc está sendo, no mínimo, muito rigoroso talvez até consigo mesmo. Olha, posso apostar contigo q essa sua avaliação está sendo imprecisa. E isso vale pra praticamente todos os períodos da história da arte. Pode ser na arte contemporânea, de fato, tenha coisa q sejam por demais misteriosas e passem batidas, mas mesmo essas, tem tb o seu alcance. Será q vc não está se fechando demais para essa questão?

            Qto ao trabalho não burocrático ser considerado arte… ah, se vc usar conceitos bem frouxos e bem largos, dá pra encaixar muita cosia mesmo, mas se vc usar algum reportório de referência, pode ser q vc consiga restringir um pouco essa produção artística a determinados movimentos, coletivos ou situações em q a arte é possível de se viabilizar.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Totalmente rabugento =D

            Mas eu tenho essa impressão porque, na maior parte das vezes, eu fico com cara de paisagem para as obras de artistas plásticos. Provavelmente insensibilidade minha.

            Me sensibilizo muito com música e com cinema/teatro, até com vídeo-game, mas com artes plásticas é raramente consigo fazer isso. Uma exceção são algumas obras do Vasco Prado e do Iberê Camargo que eu vi em algumas exposições em Porto Alegre.

          • Binho_0

            Ia falar justamente do Iberê Camargo, pq vc é de POA. Eu vi aqui, na juventude, qdo fizeram uma mega exposição dele na Pinacoteca. Fiquei muito impressionado, de verdade. Tenho os quadros dele na mente até hj. Não tenho gaita pra comprar o Raisonné dele, mas se tivesse, estaria aqui na estante. Qdo fui pra sua cidade, e só dava pra ficar um dia, corri pra fundação. Dei sorte, pq tinha exposições legais, os quadros dele estavam lá, e ainda vi o por do Sol. Além do prédio, claro, ser um espetáculo à parte. Eu acho q vc pode dar outra chance às artes visuais. Mas se vc se dá a devida atenção ao cinema, teatro, hqs, games, vc está em boa companhia. além dos livros, claro.

          • Paulo Pilotti Duarte

            O Vasco Prado tem várias obras boas também. Tem uma Tiradentes no jardim da Assembléia Legislativa de POA que é muito bonito.

            Eu fui muitos anos na Biernal do Mercosul, e cheguei a trabalhar como voluntário nela aqui em POA uns anos, e sempre tive essa impressão de que “não me pegavam” as obras.No final, prefiro gastar meu dinheiro com livros físicos e com os filmes argentinos em cartaz na Casa de Cultura Mário Quintana =D

          • Paulo Pilotti Duarte
          • Binho_0

            Música pra nós, no Brasil, é algo muito foda mesmo… não à toa há gêneros perseguidos como o Funk (como dança e gênero musical) e como foi o Maxixe (tb como dança e gênero musical). Temos uma sensibilidade musical (atravessada por blocos de uma porcaria comercial sem fim) q eu acho q não tem igual, viu. Tudo influência de fora, claro, uma salada, mas aqui música vale ouro. Se o Spotify falir, não vai ser por culpa nossa. A propósito, estive no spotify, numa visita furtiva, e eles levam a música brasileira a sério.

    • O Jack em questão sou galera lol
      Eu diria que uns 90% da produção do design gráfico tem raízes artísticas, mas não é arte. Em alguns casos específicos o status de arte pode ser aplicado aos produtos do design gráfico, como você mesmo apontou.
      Eu considero as capas do podcast em questão uma manifestação artística, apesar de serem tecnicamente ruins. A questão chave aqui é que esse é um ponto de eterno debate: O que pode ser considerado arte? As capas do podcast tem finalidade muito semelhante às dos discos citados, e no entanto as capas desses mesmos discos são o mais autêntico design gráfico: trabalhos visuais que colocam a arte a serviço da indústria, com o objetivo de vender uma idéia. Alguns colegas de faculdade costumavam conjecturar que a prima diferença entre o design grafico e a arte é que está última não vende idéias, mas sim as provoca.
      Essa pode ser uma definição moderna, mas de forma alguma é definitiva. Ao longo dos anos, passei a entender a arte muito mais como um conceito subjetivo. De qualquer forma, tendo a concordar com estes meus colegas que trabalhos como a capa do podcast em questão podem ser chamados de arte, por provocarem alguma idéia e por consequência, alguma discussão em torno de determinado tema.

      • Binho_0

        Acho difícil encaixar todas as capas, seja de disco ou de podcast, como arte… E eu não vejo problema algum a função meramente ilustrativa q algumas têm. Ter pretensões artísticas ou fazer algo tão impressionante q nos faça imediatamente pensar em arte ou elevar aquilo à condição de arte tb me parece natural, afinal, cada tem suas referências e pode fazer livres associações. A capa q o Paulo indica, por exemplo, é apenas um arranjo: pega-se um frame de um filme ou um material de propaganda e edita-se em seu favor. Muito da arte é isso, especialmente a contemporânea, mas nesses trabalhos parece sempre faltar alguma coisa.

        Esse cara, q tem um aplicativo muito bacana, o Artikin, faz uns vídeos legais sobre arte. Dá uma espiada. Talvez pra vc seja chover no molhado, mas vale a referência.

        https://www.youtube.com/watch?v=c7WAbSnINuQ

        • tuneman

          “Acho difícil encaixar todas as capas, seja de disco ou de podcast, como arte…”

          é exatamente isso que o Jack falou. não há como categorizar tudo isso como arte.
          algumas capas de discos são arte pois foram concebidas assim, outras são apenas rótulos para vender um produto.

          (alias, não to entendendo muito esse papo de ‘capa de podcast’. isso precisa de capa mesmo? sério?)

          • Geralmente os sites colocam lá alguma ilustração na página do post, que serve de “capa”. Imagino que isso seria mais relevante se os apps de podcasts exibissem esses trabalhos visuais.

          • Binho_0

            é q como não tem limite (da linguagem q se está usando) sendo forçado, saca?, na maioria dessas capas, fica difícil encarar determinadas produções como arte já tinham função tão somente ilustrativa. sim, tem as referÊncias de cada, mas eu acho q dá pra ter uma escala aí de sensibilidade, pq a qto mais vc se expõe, mais referências vc tem e mais se observa e se educa essa sensibilidade para o artístico (basta ver o recente show de horrores do MBL em Porto Alegre). daí confrontando uma capa de podcast X com a bagagem q vc tem, pode não ser possível encaixar essa impressão da capa X nesse entendimento q se tem de arte a partir da história da arte, da crítica de arte, do q se acha em museus e galerias (fruto das escolhas dos curadores), em publicações (fruto das escolhas dos editores) sobre o tema etc. Vem aqui pro Brasil, no MASP, um pessoal questionar, por exemplo, a presença feminina nos museus e vai ser um estouro isso!

          • tuneman

            sim, é tudo muito subjetivo. uma ilustração em si pode não representar nada, mas pode ser muito importante dentro de um contexto. a arte é o retrato de uma época. a pessoa que vai visitar o Louvre precisa aprender sobre a época das obras para entender o motivo delas estarem lá.

            alias, sobre esse negócio do MBL…., que palhaçada eles causaram.
            mas esse é um dos objetivos da arte. eles conseguiram chocar um grupo de pseudo-liberais e isso foi muito bom pra reacender discussoes sobre censura.

          • Binho_0

            já perseguiram artistas antes e até com mais espalhafato q esses palermas, mas se isso virar algo q vier do judiciário, por exemplo, aí a coisa vai ser complicada. eu só duvido q eles mexam com instituições de peso, tipo o masp, a pinacoteca, a bineal… uma coisa é vc mexer com um centro cultural sem tradição e q é conduzido por bunda moles, outra coisa é querer apitar em lugares mais sólidos. acho q se o mbl descobrir q a lina bo bardi era comunista, de carteirinha, eles não vão querer q o masp pinte suas colunas de azul ou queriam demoli-lo pra construir uma tower business qualquer.

          • Frederico

            Então… Ja rolou ordem judicial por esses dias

          • Binho_0

            eu vi. apreenderam o quadro. há muito tempo, a justiça impediu uma encenação de uma peça q retratava o crime da menina atirada do prédio, pelos nardoni, vc deve conhecer esse caso (foi perto aqui de casa essa merda) e na época eu pensei bastante sobre isso. entendi as razões da mãe e tb entendia a necessidade de representar essa coisa horrenda. mas foram impedidos e o assunto se encerrou. não lembro de ter ocorrido mobilização da classe artística em defesa da peça.

          • Frederico

            A que tava pensando foi uma peça tb, que Jesus seria uma trans e tb interpretada por uma

    • Frederico

      Estou na linha de pensamento que para algo ser arte, basta alguém (um mesmo, nem dois) reconhecê-la como tal, independente de qualquer coisa.

      Diria que talvez o pessoal do anticast buscasse fazer capas com essas pretensões sim (e não se limitando à capa).

      • Binho_0

        vc diz o próprio programa até?

        • Frederico

          não não, tava pensando mais no próprio site mesmo em termos de ui/ux

          • Binho_0

            ah sim. de fato. mas eles tem esse lance de quererem ser criativos e tal. e, realmente, abordam determinados temas q são bem relevantes. só era difícil ver em boa parte deles essa ênfase no design q eles diziam dar. acho q isso era mais uma coisa bem geral mesmo e acaba encaixando todo tipo de assunto.

    • Esse tipo de peça gráfica normalmente seria inserido no universo do design — mas aí discutiríamos as fronteiras entre design e arte e requentar esse tipo de discussão (tão morta e enterrada) sempre dá uma preguiça…

      A questão está mais em discutir por que esse problema vive reaparecendo. Neste caso, é mais uma reemergência da velha (e também morta e enterrada) discussão entre cultura popular e cultura erudita (ou entre as culturas “low” e “high brow”). Hal Foster, vários anos atrás, já vinha se debruçando sobre uma cultura “no brow”.

    • Ligeiro

      Tudo é arte. O resto é subjetivo.

      • Tá vendo @disqus_cUFl8FNCwG:disqus? Essa “treta” é antiga.
        De certa forma acho que o Richard Dawkins conseguiu dar alguma objetividade à resposta para “o que é a arte?”: um meme. A despeito de toda sua materialidade em forma de pintura, escultura, cinema, música, ilustração e outras formas, a arte do ponto de vista memético é uma idéia, com raízes fincadas no consciente coletivo.

        • Ligeiro

          Tenho a seguinte linha de pensamento: a definição da palavra arte é um substantivo ou adjetivo? Se for substantivo, define “as ações humanas que servem para algum propósito de comunicação e/ou exposição”. Se for adjetivo, define “a qualidade de uma ação humana relativa a comunicação e sua estética”.

        • Binho_0

          Mas isso pq esse povo aí é muito louco. Poxa, arte é arte…

        • Binho_0

          assiste um filme chamada ‘a arca russa’.
          vai ser censurado daqui um tempo, então corra.

          • “vai ser censurado” onde? Não sei se é uma ironia ou se é sério lol
            Vou procurar sim, valeu pela dica.

          • Binho_0

            a piada vale hj, amanhã, se algum juiz encasquetar, já era. é da Rússia, né? comunista… nossa bandeira jamais será vermelha, aquela coisa.

          • Binho_0

            foi piada mesmo. não vai ser não. pelo menos não aqui… mas vai q.

        • Binho_0

          tem uma passagem do livro “a informação: uma história, uma teoria, uma enxurrada’, do james gleick, q ele diz: ‘mas o meme não é o dançarino, e sim a dança’. acho q dizer q a arte é um meme é forçar um pouco a barra. agora se vc falar q a arte se serve do meme até não querer mais, aí sim eu vejo sentido. vc pode pegar um livro, uma ficção, e dizer q ela é forrada de memes, mas o autor, q explora a linguagem literária, com fins artísticos, não pode ser enquadrado como manejando um meme, pq se ele conseguir o grande feito de explorar os limites dessa linguagem, ele vai fazer algo acachapante para o qual teremos q nos render e reconhecer: isso é arte, ele fez o q ninguém tinha feito, ele é um mestre etc. a arte tanto se serve de memes q se vc pegar só os quadros de natureza morta, vc vai q vários pintores a usaram. a natureza morte é um meme, mas o quadro do picasso com uma natureza morta, não. agora, esse quadro pode virar um meme, com certeza, se ele cair nesse processo viral e até representar algo q já não tem nem mais relação com ele. mas, cara, confesso q teria q pensar muito mais sobre isso. por ora, é o q saiu dessa carcaça cansada.

          • Do ponto de vista da tese memética, a arte continua sendo produto de atividade “não natural” humana. Digo, triando o fisiologismo do animal em nós, que nos faz comer, beber e etc, todo o resto pertence ao campo das idéias: ética, leis, sociedade, classes, religião e arte tendem a ser os genes que constroem paradigmas, e portanto são memes.
            Dito isso, pra mim os memes e os paradigmas resultantes foram a primeira forma bem sucedida de virtualização e terceirização do conhecimento. Toda a produção humana cultural, religiosa e ética parece obedecer a mesma lógica da tese do gene egoísta, com idéias se replicando através das pessoas que apoiam certas linhas de pensamento… Estamos fazendo isso agora inclusive, o que por si só me parece ser uma prova do poder dos memes.
            Então, se a arte não é um meme, ela deve algo muito próximo, talvez a mãe ou a avó desses genes virtuais.

          • Binho_0

            nessa linha os animais tb criam memes. o cantos dos pássaros ou a relação entre gorilas, por exemplo, q o autor usa pra falar dos memes, antecede, inclusive, o desenvolvimento da nossa linguagem e q nossa linguagem humana ‘caiu como uma luva’ para os memes. como esse lance do meme tá consagrado, não sou eu quem vai fazer pouco disso, mas eu fico meio assim com essas teorias q explicam tudo e abarcam tudo. as pinturas rupestres, por inferência, seriam um meme, mas é um mistério completo a existências delas. o q aqueles q as fizeram pensavam e pretendiam? impossível saber… agora, com certo conforto, podemos dizer q eles criaram um meme chamado arte.

          • Acho que você entendeu agora do que se trata a tese de Dawkins rsrs.
            É isso mesmo. E quanto mais inteligente o animal, maior a complexidade do meio memético. Até que chega um dia em que “nasce” a “civilização”.

          • Binho_0

            torço ligeiramente o nariz para isso…

          • Bem, é uma tese, não uma verdade absoluta pautada no pensamento mágico de alguma religião. Então imagino que você possa contesta-la no meio acadêmico, apresentando sua própria tese.

          • Binho_0

            não tenho força para tanto… deixo o meme com seu status de hiper teoria. qdo aparecer um fodão desbacando isso eu volto aqui e digo: ‘tá vendo?’.

          • Binho_0
          • Cara, eu acho isso muito foda… Essa arte rupestre tá pra nossa arte contemporânea assim como os primeiros aminoácidos estão para nossos cromossomos. E é incrível que seres bestais como eram nossos antepassados e outros hominídeos como os neandertais e os cro-magnom igualmente selvagens tenham conseguido criar esses registros tão ricos do seu tempo. Às vezes me pergunto se lá atrás, a 100 mil anos, não tenha existido uma civilização avançada, que por desventura ainda não teve nenhum registro encontrado (ou teve, e gerou lendas como Atlântida e Lemúria).

        • Binho_0

          e ainda falando em memes, tava aqui procurando saber qual a origem desse tal ‘senta lá, claudia’. puts, vi agora e tem relação com a xuxa… e acabei caindo num vídeo em q xuxa acha a claudia, agora adulta, e pede desculpas a ela. é um meme vivíssimo, ele fala, anda, pede desculpas… agora uma coisa eu noto: o meme é uma baita empobrecedor da linguagem. o twitter usado pelos brasileiros tem basicamente memes com a gretchen e com ‘olha, eu estou me sentido como fulano nesse gif’ e tem lá alguém fazendo uma expressão qualquer. o gif já tem essa repetição automática então vc acaba vendo e revendo essa porra toda. cara, é insuportável às vezes. o clichê é um meme, mas a gente conseguiu potencializá-los como nunca… é rabugice, mas tb é triste esse lado.

          • Essa versão popular está para o meme teórico assim como as pornfics estão para as graphic novels.

          • Binho_0

            Olha, não sei se posso dizer q entendi a sua resposta, mas por falar em Graphic Novels, caiu aqui nas minhas mãos, ‘Asterios Polyp’, q eu ignorava a existência e, cara, parece BEM legal!

          • Pornfics eram/são revistinhas em quadrinho pornô, geralmente com uma história mega básica parodiando algum personagem famoso, ou com os próprios personagens.
            Acho que não preciso explicar o que é uma graphic novel.

    • Maicon Bruisma

      O que entende-se por arte é algo bem subjetivo. Arte não necessariamente precisa ser só expressão do empírico.
      Considero capas de discos, assim como de podcasts, como arte, porém não todos. Duas capas de discos de Black Mirror saíram, uma do episódio das baratas e outra de San Junipero, eu particularmente achei muito boas e consideraria arte pop tranquilamente

  • tuneman

    só pra avisar, saiu o novo album do fu fáiters

    • Ed

      Urru!

  • Saulo Benigno

    Emily… vou morrer de saudades de você aqui :(

    • O que eu perdi, @emilycantonunes:disqus?

  • Cibelly Aguiar

    Para puxar assunto, já que faz alguns posts livres que não interajo por aqui. O que acharam do iPhone X? Eu particularmente estou interessada em comprar um, apesar de ter achado caro haha

    • Sobre software não tenho muito o que falar, não uso iOS, mas me parece uma simples evolução com adaptações ao hardware.
      Sobre o design do aparelho, não gostei. A tela ocupa toda a frente, mas aquele dente ficou parecendo mal acabado. E segundo o Thassius no Tecnocast as bordas laterais não são tão pequenas assim, ou seja, não está tão moderno.

    • Frederico

      Curti os emojis, de vdd

      • Que bom. Pessoalmente, mais uma vez, prefiro nem me lembrar disso.
        Vergonha alheia, com aquela apresentação. 😛

        • Frederico

          Não vi a apresentação, mas imaginei as graças que uns amigos fariam com isso

      • Não usaria, mas a tecnologia é bem incrível, acho que parece bobo porque os geeks e afins não se interessam…mas talvez para algum público seja um diferencial.

      • Binho_0

        e as implicâncias de ter o seu rosto escaneado? amigo… eu acho isso bem complicado, especial qdo o governo tiver acesso a tudo isso ou ele mesmo promover o escaneamento. assim como a digitais. talvez chegue o momento em q isso vai ser inevitável e seremos escaneados, mas me incomoda bastante.

        • Frederico

          Mas aí o próprio face id já escaneou o rosto, não é?

          • Binho_0

            não sabia dessa… credo. mais um motivo pra continuar longe dessa coisa.

          • Frederico

            De qualquer forma, mesmo sem redes sociais acho difícil fugir dos softwares de reconhecimento facial

          • Binho_0

            tb acho. exceto se vc andar com algum disfarce ou usar máscaras de modo permanente. ou, melhor, se tiver algo q vc use q possa impedir q esse escaneamento aconteça. tem muita coisa q tb vai ser desenvolvida pra vc implantar no corpo, né? mas tb aí, eu já não sei o q vai ser pior: ter dispositivos no corpo ou ter o rosto (e o corpo todo) escaneado.

          • Frederico

            Mas será que não é uma visão mto pessimista?

          • Binho_0

            o problema é o controle q isso vai permitir estabelecer sobre a sociedade de um modo bem amplo. tem a ficção científica em torno disso, claro; pode ter alguma vantagem pra desbaratar terroristas e fazer com q recursos sejam poupados pela identificação precisa de quem está usando tal e tal recurso etc, mas o q vai pegar é qdo em determinado momento se chegar ao consenso q perseguir as pessoas é algo oficial e legítimo: vai ser fácil achá-las.

          • Concordo contigo: o grande problema não é a Apple escanear e ter seu rosto codificado, mas sim naturalizar isso. É mais ou menos o que aconteceu com o monitoramento incessante da localização — a indústria conseguiu, com um mix de ações e recursos, naturalizar isso e hoje ninguém liga muito de ter um negócio no bolso te rastreando 24h por dia.

            Se quisermos ter um vislumbre do que esse futuro pode vir a ser, basta olharmos para a China. Lá, o rosto já é rastreado e monitorado pelo governo. Os caras têm câmeras nas ruas que quando te flagram infringindo a lei, tipo atravessando fora da faixa de pedestres, estampam seu rosto em telões (!??). Daqui: https://www.wsj.com/articles/the-all-seeing-surveillance-state-feared-in-the-west-is-a-reality-in-china-1498493020

          • Saulo Benigno

            Acho que seria interessante para multar quem dirige usando o celular. Ninguém respeita essa lei hoje em dia…

          • Ligeiro

            Se até um prefeito expôs uma pessoa que furtou alimentos da escola (tava vendo no seu Twitter), e a galera apoiando pois pensa que “não é com ele e criminoso tem que pagar…” acho que há uma tendência em aceitar este tipo de conduta.

            Big Brother somos nós… :

          • Binho_0

            deixa… qdo o @google-c1e8c4d9f770b920ebf66bcdfb1f7dec:disqus tiver q fazer aquela cirurgia pra trocar os olhos ele vai lembrar do q disse e talvez fale ‘é… eu acho a isso foi longe demais’.

          • tuneman

            a vida imita a arte…., daqui uns anos vamos viver em algo semelhante ao Minority Report. A todo momento estaremos sendo escaneados.

          • Binho_0

            aquela cena dele comendo o lanche estragado na geladeira foi a mais marcante!

          • André Martani

            Existem câmeras espalhadas na cidade toda aqui em Piracicaba. A Guarda Civil Municipal tem uma central de monitoramento 24h. Não temos muito onde fugir não…😐

          • Ligeiro

            Em uma cidade, invadiram e furtaram um comércio que fica do lado de uma central da GCM e perto de uma câmera de segurança.

          • André Martani

            É…Nem tudo são flores…😁

        • Tirando parecer um efeito CSI, não acho que realmente seja um problema de privacidade, primeiro porque isso deve ficar criptografado no smartphone e não vai para nuvem segundo a Apple. Além disso, todos esses mecanismos é para autenticação e não identificação, é muito diferente uma tecnologia para confirmar sua identidade e outra para identificar quem você é.

          Se a Apple estiver mentido, realmente é um problema, mas fora isso não se compara com os dados que entregamos voluntariamente como localização, comunicação, navegação, etc em termos de privacidade e monitoramento.

          Mesma coisa de IA: o pessoal preocupado com robôs assassinos e teorias de singularidade, sendo que hoje já tem algoritmo sendo usados para filtrar candidatos e substituir empregos comuns.

          • Binho_0

            lembra aquele traficante colombiano q foi preso aqui em são paulo e leiloaram até as cuecas do cara qdo ele foi em cana? vc se lembra qtas plásticas ele fez pra não ser reconhecido? pois é… acho q não deu muito certo, pq ele foi em cana. mas se vc verificar a identidade vc consegue identificar. entendo toda a segurança envolvida, mas hj eu fui alugar um carro é comum tirarem uma foto sua e coletam a sua digital. pensei em como seria com o scaner do rosto. se eu quisesse parecer outro eu poderia usar um boné, deixar a barba crescer, usar um óculos etc, mas eu não conseguiria mudar a minha face, estrutura óssea, tamanho do nariz etc. eu sei q damos muita coisa de bom grado e ajudam a nos identificar, mas fora localização e imagens, o resto é o q vc pensa, diz fazer, diz ser. é algo q se pode modificar. já estamos num nível bem complicado, mas aquela pressão q os americanos fizeram pra apple soltar o aparelho pra chafurdar na vida do terrorista e depois os dispensou, pq achou meios de fazê-la sozinha mostra o q eles podem conseguir se resolverem perseguir as pessoas (como já é feito em outros países de acordo com as políticas de segurança q eles estabelecem). eu acho q vai caminhar pra isso, ainda mais qdo nos for permitido, por exemplo, fazer compras num mercado e passar as compras sozinhos… eles vão ter q saber quem é pra poder confiar em vc, inevitavelmente.

          • Identificar não é autenticar: a Apple quer confirmar se é você mesmo acordado/vivo e de forma instantânea, isso é muito diferente de encontrar uma pessoa em uma foto ou bater o rosto da pessoa com um banco de dados de fotos. Para o governo te autenticar, basta usar o método de sempre que são suas digitais, mais complicado de modificar que seu rosto e que funciona muito bem.

            Identificação é o que você está discutindo, isso já é feito inclusive na USP: http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,poli-usp-testa-novo-sistema-de-seguranca-com-cameras-de-monitoramento-facial,70001900605 . Nesse caso, você passa na câmera e eles “sabem” quem você é, isso é outro tipo de tecnologia que não tem muito a ver com Face ID.

            Em resumo, mesmo que os EUA tivessem todos os dados do Face ID, provavelmente não mudaria tanto na prática o poder de monitoramento.

            Talvez, conseguiriam falar com certeza se uma pessoa sob jurisdição deles é quem usou aquele iPhone, mas tendo acesso a várias fotos com seu rosto, algo que está nos servidores do mundo todo e ninguém da bola, eles conseguem saber quem é você apenas te filmando.

            Em resumo: o que te preocupa já existe, damos um monte de dados que ajudam eles a fazerem isso (geo-localização e fotos nossos) e o Face ID tem pouco a ver com esse cenário.

          • Binho_0

            vou confiar em vc, mas com a sobrancelha ligeiramente arqueada.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Me disseram que ele só funciona de olhos abertos. Daí fiquei pensando se funcionaria de óculos escuros ou se vai ser preciso tirar.

            Sem falar que o Geddel, dos 51 milhões, se negou a dar a digital pro acesso ao telefone dele (e ainda deus duas senhas erradas). Com Face ID isso é muito mais fácil de ocorrer no meu entendimento, ´principalmente se aceitar o uso de óculos que deixem os olhos “escondidos”

          • Existe o fato de não se criar provas contra si.
            A lei permite que eu me recuse a entregar minha senha, PIN ou padrão, mas digital ou facial não são senhas.
            E talvez a Apple não desenvolva para governos, mas alguém o fará. É então caminharemos cada vez mais para perto do Grande Irmão. 🤔

          • Paulo Pilotti Duarte

            Poizé, mas se ele conseguir perceber uma foto de olhos fechados ou com óculos escuros, a PF pode simplesmente apontar o telefone pra cara dele e desbloquear, coisa que com a digital é impossível (ou precisa de muito mais violência policial, o que dificilmente ocorreria com alguém do escalão dos presos da LJ).

          • Minha preocupação não é com o alto escalão.
            Minha preocupação é conosco, meros mortais.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Eu também não, só fiquei pensando no que isso pode ocasionar.
            Conosco, em caso de suspeita, a PM bate e obriga a desbloquear de qualquer modo.

          • Binho_0

            ah sim, para todos esses pontos: localização, comunicação, navegação vc pode modificar, omitir e dificultar de fazer aparecer. mas o rosto só com cirurgia mesmo.

            tá um climão de robôs assassinos vão nos matar com os alertas do elon musk, mas isso já em processo em andamento no projeto militar e vai seguir adiante. não tem volta.

          • Paulo Pilotti Duarte
    • Binho_0

      outro dia vi um anúncio da raspberry pi dizendo q pararia de investir em hardware e investiria suas energias nos softwares. se essa fosse o comportamento da maioria das empresas, seria ótimo. afinal, elas são inteligentes o bastante pra conseguir lucrar sem colocar mais equipamentos no mundo.

    • Eu gostei do aparelho, achei ousado a ideia de usar apenas o Face ID para autenticação, mas o preço é realmente complicado. Se eu pudesse escolher qualquer smartphone, sem restrições de preço, acredito que optaria por ele…mas se eu fosse comprar um flagship eu ficaria com o Galaxy S8 mesmo.

      • Drax

        O S8 é lindo de frente, mas a traseira não convence. Além da localização do leitor de digitais ser ruim

    • Particularmente não me agradou esse design diabólico da tela (repare, a tela do iPhone “Xis/Éks” tem um par de chifres). Essas penínsulas no alto da tela que estão colocando são feias (sim, gosto é pessoal, e deve ter alguém que tenha gostado). Ainda assim me parece que esse smartphone deve vender bem. E se tivesse o preço “normal” do iPhone 8, tenho quase certeza que venderia horrores, canibalizando os datados iPhones 8 e 8 Plus. Gostei dos recursos novos, especialmente do Face ID e dos comandos por gestos (que deixaram o iOS parecendo o BB10, quem diria 😁). Mas definitivamente dava pra ter mantido o Touch ID, colocando o recurso na maçã 🍎 na parte de trás, conforme muita gente pede, ou em uma das laterais, embora eu ache que isso traria problemas com a Sony. O Face ID sozinho me parece algo inseguro, sem uma segunda etapa, que poderia ser por exemplo alguma expressão facial, como piscar um olho pra confirmar a intenção de desbloquear o aparelho.
      De qualquer forma, se eu tivesse grana pra isso e tivesse que escolher, eu pegaria o Note 8 ao invés do iPhone X, muito por conta da caneta que é bem útil. A Samsung conseguiu realmente dar utilidade a uma coisa que tinha tudo pra ser uma firula inútil. Eu até imaginei que apps eu deixaria disponíveis no carrossel: OneNote e apps de edição de fotos tipo o Prisma e versões mobile do Photoshop estariam entre eles. Fora que achei genial poder tirar o celular do bolso, pegar a caneta e anotar qualquer coisa na tela bloqueada… Enfim, quando eu ganhar na sena mo próximo fim de semana eu compro um Note 8 lol 😂

  • Smart TV, vocês usam as funções delas?
    Eu tenho uma antiga, uns 3-4 anos, e não as uso.

    Tenho um Chromecast e sou extremamente satisfeito com ele, para meu uso de Netflix, Play Filmes, Play Música (com home theater) e o Fotos para mostras à família e amigos depois de eventos e viagens.

    E vocês, tem algum stick inteligente, set box…

    • Comprei uma LG com WebOS e estou bem satisfeito, as aplicações são boas e o DLNA funciona muito bem. Escolho o vídeo no smartphone ou computador, dou um screen share e está funcionando sem grandes dificuldades.

      • Mas compartilhar tela é diferente, não me permite fazer mais nada.

    • Frederico

      Idem ao Gabriel, tenho uma LG mais antiga com WebOS e YT e Netflix são topzera

      Só o Amazon Prime é (era, cancelei) ruim

    • Binho_0

      meu pai tem, mas tinha recomendado fortemente pra ele não comprar uma e sim um chromecast. ele é teimoso e comprou… acho q pra ele foi melhor. mais simples de usar. mas ainda assim eu deixei um chromecast com ele. acho q ele não usa muito, no fim das contas.

    • Paulo Pilotti Duarte

      Uso o Xbox One com o Plex e baixo tudo o que eu preciso. Faz anos que abandonei esses streamings e, desde então, a Apple TV ficou aposentada numa caixa e qualquer impulso de comprar um Chromecast não resiste a 4s de racionalização.

    • André Martani

      Eu uso! Netflix e outros. Essa função nas novas LG, ficou mais rápido.

    • Tenho uma Smart TV da Samsung e só assisto ao YouTube e Netflix. Funciona bem e não sinto falta do Chromecast (que doei para alguém da família; com ele, fazia basicamente o mesmo uso que faço da Smart TV).

      • Pois é, eu me prendo muito ainda ao Play Música e ao Play Filmes. O primeiro para ouvir música em casa com o auxílio do home theater que se mostra melhor que qualquer caixinha bluetooth. O segundo por que os valores de aluguéis são melhores que serviços como o Now (em filmes que ainda não estão jogando catálogo, claro).
        Mas a algum tempo percebi que na minha LG tem o aplicativo do Google Filmes, achei estremamente interessante, mas com o costume acabo nunca testando e diferente do Netflix o aplicativo do Play Filmes não reconhece a própria TV para iniciar a transmissão.
        Acharei ser interessante que o Música também apresentasse um aplicativo para a TV. 😛

    • Saulo Benigno

      Uso uma LG com WebOS, acho o melhor sistema atual de TV, me atende perfeitamente.

      Uso Youtube, Netflix e leitura de filmes em pendrive, funciona tudo!

    • Ligeiro

      Tenho amigos que usam os “AndroidBox” (caixas pretas que emulam o visual do AppleTV). Geralmente funcionam bem, mas já tive problemas com um ou outro. Geralmente alguns AndroidBox tem problemas quanto a uso de resolução de tela – não se adequam a resoluções diferentes do padrão.

  • Uma rapidinha sobre cinema. Saiu imagem do novo Hellboy.
    Gosto bastante dos primeiros filmes e estou ansioso por esse reboot.
    Vocês curtem, estamos acompanhando?
    https://www.instagram.com/p/BY_rTwTlvJo/

    • Binho_0

      nesse corpo musculoso (e vermelho comuna) eu vejo erotização (gay, claro) e um desrespeito ao povo cristão nessa alusão ao crucifixo. espero q o limite de idade seja de 18 anos para esse filme degenerado.

      • Bom, considerando que o personagem é criado por seu pai adotivo na fé católica não vejo que a intensão seja de desrespeito. Ao contrário me parece meio que fortalecer o poder da igreja em “colocar um demônio na linha”…
        Associar o vermelho a comunismo ☭ ao invés do mal, faz menos sentido ainda considerando seu comentário sobre a cruz e finalizando, o cara ser músculoso com erotização e homossexualismo, bem não consigo levar a sério o conjunto e fiz um esforço para responder, cada um faz sua leitura. 👍

        • tuneman

          cara, ele foi sarcástico….
          como se fosse um conservador analisando o personagem….

          • Eu não sei se eu sou burro demais pra perceber essas ironias do @disqus_cUFl8FNCwG:disqus ou se ele falha nessa intenção de ser irônico. Provavelmente a primeira opção lol 😂

          • Ligeiro

            Segunda opção.

          • Dá para perceber que estou na mesma situação.
            Não ia responder, mas sei lá, respondi. E ainda tentei ser educado e não parecer um babaca, duvido que tenha conseguido. :P

          • Se saiu bem sim rsrs.
            Voltando ao Hellboy, esse filme tem tudo pra ser um Corvo infernal. Espero que foquem na história, e não na só na porradaria nível montanha russa gratuita.

          • Binho_0

            provavelmente as duas coisas; assim ficamos 100% cobertos.

          • Binho_0

            cê sabe q a ironia depende muito da inteligência do interlocutor em entendê-la, mas eu acho essa definição presunçosa. eu não faço ironia pra parecer inteligente (coisa q eu não sou e se for é num nível quase imperceptível). eu gosto mesmo é de dar uma zoada na situação, ainda mais nas ridículas como essa q estamos vivendo graças a turminha do mbl, tb conhecido como bostinhas. às vezes eu tiro onda das pessoas tb, mas me concentro mais em figuras públicas ou q almejam tal condição ou q pelo menos acham q por terem X seguidores estão com a bola toda. mas numa conversa de boas, usar a ironia é algo totalmente válido, mas ela pode ser muito obscura e passar batida. não foi o caso dessa, eu espero.

          • Ligeiro

            “eu não faço ironia para parecer inteligente, mas para zoar os outros que julgo menos inteligentes do que eu acho”. Foi o que entendi deste texto que você acabou de escrever.

            Leia isso e faça suas reflexões. Não me responda. Obrigado.

            https://uploads.disquscdn.com/images/8bf96e6ea5dac93d870c60239e82cb851aeb05b4ff700637f8fce781e260ab13.png

          • Binho_0

            Acho q vc encaminhou o texto para a pessoa errada.

          • Ligeiro

            Não. Não mesmo. Sem nenhuma ironia.

          • Binho_0

            Foi pra pessoa erradamente seguramente. Basta não tirar de contexto o q eu disse.

          • Ligeiro

            Não tirei do contexto, na verdade coloquei um contexto extra – seu histórico em geral de participação por aqui. Insisto: reflita sobre. Não é você que para cara um que discorda de suas posições, pede para ler ou ver algo relativo a sua posição? Revise. Seguramente eu digo: não foi para a pessoa errada.

            Se você não aceita que é para você, ok, deveria ter seguido minha sugestão e não me respondido. O fato de você me responder já me diz muito sobre o que pensou sobre o que está na resposta que lhe deixei. Pense. Reflita.

          • Binho_0

            Sinceramente eu vejo confusão da sua parte, Ligeiro. Acho q vc, realmente, não entende alguns aspectos das coisas q eu escrevo… Eu entendo essa sua limitação, pq vc não me conhece. Me conhece apenas pelo q eu escrevo aqui. Isso te obriga a preencher os espaços com coisas q vc deduz, imagina ou acha q são ou deveriam ser. Vc é livre pra isso, claro. Mas, sinceramente, isso me leva a um fato da infância: meu professor de karatê me fez, numa apresentação pública, quebrar telhas com as mãos. Bem, para os marmanjos parecia fácil, eles quebravam várias telhas empilhadas, mas eu era ainda uma criança e lá estava eu diante de uma dessas telhas super duras e difíceis de se quebrar mesmo quando elas caiam no chão de uma certa altura. Eu tinha que rachá-la ao meio com um golpe certeiro! Ela ficava apoiada em duas pilhas de tijolos e isso facilitava as coisas, claro, mas ainda assim era difícil para uma criança. Pois bem, eu consegui quebrar a telha; minha mão ficou doendo um pouco depois do golpe. Meu professor disse que eu não deveria demostrar que ela doía, pq tinha mais gente olhando e tal… Eu aguentei firme e, na verdade, nem doeu tanto assim. Sinto a mesma coisa agora, confesso. Eu, e qualquer outra pessoa, pode quebrar coisas com apenas um golpe. Geralmente usamos palavras pra isso. Outro dia fiz algo parecido e o resultado beirou o patético, pq demonstrou como pessoas q deveriam mostrar segurança não se sustentam por conta de uma reles palavra… Isso geralmente acontece por falta de maturidade, mas existem outras causas insondáveis no meio disso tudo e eu não tenho mesmo como saber o motivo de determinadas reações. É justamente esse insondável q dá margem pra tantas discussões (boa parte delas inúteis já não levam a nada). Quando zombo de pessoas inconformadas com os gays eu tenho total segurança ao fazer isso, pq consigo abarcar o discurso que se opõe aos gays e os vejo basicamente como vi aquela telha na infância: algo fácil de quebrar com um golpe só e no caso é uma ironia. Há coisas inquebrantáveis nessa vida, evidentemente, mas aí já passamos pro âmbito daquilo q nos faz humanos. Sinceramente, acho q vc deveria procurar outros alvos… Me parece, depois desse tempo todo, q eu não sou a pessoa certa pra vc conversar, saca? Nós estamos em lados opostos mesmo qdo estamos do mesmo lado. Vc optou ser contrário a tudo o q eu digo e acho q isso não faz bem pra vc e nem pra mim. Eu te respondo por consideração e respeito. Insisto, vc não me conhece… vc não sabe q eu critico a todos, pq nem todas as críticas eu escrevo aqui, afinal eu valorizo a minha privacidade. Critico os gays tb qdo eles falam coisas q passam a ser igualmente opressoras ou excludentes. Critico movimentos de esquerda, esquerdistas famosinhos, movimentos feministas q tb saem da linha etc. Todos são passíveis de crítica, sem exceção! O q esse cara escreve, q vc me mandou, é pura cagação de regra. Ela acha q se as coisas funcionarem como ele prega, tudo se resolve… mas ele não entende o tempo em q vive ou nunca se deu conta q não há consenso entre as várias correntes de esquerda e q não haverá, pq ser de esquerda sem estar num regime totalitário é justamente discordar de muita coisa, inclusive do seu vizinho q se diz de esquerda, mas q, sei lá, adora um churrasco e não percebe as implicâncias de se fazer um churrasco.

            Desde criança eu tomo as dores alheias… na verdade, a empatia, pra mim, sempre foi natural e muito sofrível. Chorava copiosamente me colocando no lugar dos outros. E ainda hoje é motivo de profunda tristeza me colocar no lugar dos outros. Mesmo no lugar de pessoas odiosas e às quais despertam os piores sentimentos em mim, como é o caso de pessoas capazes de coisas terríveis e que condenamos. E essa medida ninguém além de mim mesmo pode ter, pq só eu posso viver a minha vida. O q vc lê aqui são só parcos espasmos daquilo q eu acho da vida. Não acredite q a complexidade alheia caiba numa receituário de regras… não é assim q funciona. Só doutrinadores acham q as coisas podem ser assim. O líder norte coreano não reparou ainda, mas a maior bomba q ele poderia ter ele já criou, q são as pessoas dentro daquelas fronteiras. Doutrinadores só conseguem uma coisa: eles criam homens bombas. Seja os q explodem literalmente, seja aqueles q vão implodir por dentro.

          • Ligeiro

            Aí leio este texto inteiro seu e penso: você não estaria também tentando ser um doutrinador? Muitas vezes parte das suas discussões tentam impor uma condição na qual você acha o correto a posição que defende. Quando zomba ou tenta colocar uma posição pensando que é a correta, muitas vezes não vê que há um muro gigante em sua volta. “Quebrar com um golpe” muitas vezes não é a melhor solução para mudar algo – para cada quebra, alguém descobre formas de reforçar e evitar novas quebras.

            Não, não coloquei alguém “cag*** regra” – é uma sugestão para você refletir, e novamente a resposta que me dá mostra realmente algo sobre você. Não vou dizer pois, tal como você, certas coisas posso privar ao direito de revelar.

            Talvez sejamos mais parecidos do que parece – por isso o atrito. Se me acha doutrinador, ok, seu direito e sua mente. Cabe a mim mudar a imagem disto, mas não é de meu interesse – vejo gente fazendo coisas piores por aí e não são taxadas de doutrinadores ou qualquer outro rótulo.

            Não preciso de um receituário de regras – todos os dias vejo pessoas que dizem seguir, mas as quebram, e pessoas que se dizem livres mas ficam presas as regras. A vida é complexa, não precisa dizer isso para mim. Mas se você complica ainda mais esperando que os outros vão seguir suas sugestões complexas, aí complica.

            Novamente: reflita.

          • Saulo Benigno

            Danosse, por favor alguém, resumo!

          • Binho_0

            eu não vou resumir, porque você não consegue entender, infelizmente…

        • Binho_0

          ainda bem q vc não levou a sério, pq isso é um forte indício q vc não está nessa piração de querer fechar as coisas q não agradam.

          • Bem, considerando a situação em que estamos hoje em que as pessoas dizem coisas malucas como nazismo de esquerda e não tem vergonha, fico temeroso apenas em texto tentar decifrar quando temos a ironia e quando temos a real intenção da pessoa.
            Algumas vezes um gif, emoticon ajudam a entender, e mesmo assim podemos errar. 😉

          • Binho_0

            já me falaram isso, pra usar alguma sinalização qdo digo algo (só q não era zoeira qdo disseram isso), mas no caso de alguma zoeira estraga… deixar no ar se pode ser sério ou não faz parte da piada, digamos. pq depende de um desvendar da parte de quem lê. e concordo contigo: andam dizendo tantos disparates q está difícil mesmo distinguir uma bobagem de uma ironia.

          • Entendo que exista uma tentativa de simular a situação do falado.
            Mas até mesmo no falado existem nuances que podem indicar a ironia, sem estragar a piada… 😉

        • Binho_0

          coisas assim, por exemplo, me inspiram muito:

          https://www.youtube.com/watch?v=PnCCZ0buRQc

          • Eu vi isso. Não sei o que dizer, apenas lamentar.

        • Binho_0

          tb não posso falar muito do filme, pq eu não vi. um dia tava passando na tv, qdo ainda tinha assinatura, e por estar passando dublado eu ignorei. então, não sei… mas se for do tipo anti-herói, aí talvez possa ser legal.

          • São bem legais e é tipo um anti-herói. Vale conhecer.

      • Sim, será R-Rated. Sobre erotização e sexualização, não vejo problema nenhum.

    • tuneman

      tambem gostei muito dos primeiros. uma pena que não teve o 3º para fechar o apocalipse. =P

    • Ficou foda. O cara lembra bastante a versão anterior do personagem e mesmo assim parece bem mais ameaçador que o Hellboy do Ron Pearlman. Hype lá em cima!

  • Maicon Bruisma

    Achei o iPhone X paia e a matéria da Veja (edição 2548), o Ego Phone, mostra exata e perfeitamente o que eu e mais um bocado de gente pensa.
    Fora que no momento que eles falaram “finalmente tem uma tela oled à altura do iPhone” eu pensei: olha a audácia dessa filha da puta (com o perdão da palavra)

    • Bem vindo ao capitalismo.

      Vamos superar esse regime?

      • Drax

        Se as alternativas forem as que já existem por aí, espero que não

    • tuneman

      é uma hipocrisia geral.
      quando eu ouço alguém puxando o saco da Apple eu já prefiro sair pela tangente pra não ouvir besteira.

  • Binho_0

    Ainda no gancho do é arte não é arte, estive na pinacoteca de sp, e tinha lá a ação de marketing da ibm, o vozes da arte, q levava inteligência artificial a um museu e vcs acham q uma AI poderia reverter essa maluquice de achar q um quadro faz apologia a pedofilia (algo impraticável, pq pedofilia não é crime e sim uma doença)? eu acho q não, pq a as intenções ideológicas estão acima de qualquer inteligência, seja humana ou seja artificial…

  • Binho_0

    Eu não sei vcs, mas aquele som da sirene tocando no Japão, alertando do míssil norte coreano sobrevoando o país, é apavorante. Digo, nem pela situação q é devastadora, mas aquele som me pareceu tão sinistro q ele parecia ser de um filme de ficção científica desses de GodZilla.

    https://www.youtube.com/watch?v=e3NM_10gf6o

    • Paulo Pilotti Duarte

      Me lembrou Silent Hill …

    • Frederico

      Me incomoda a filmagem não ter pessoas, parece um lugar fantasma com sirenes sobrenaturais

  • tuneman

    Acabei de assistir Baby Driver.
    Filme excelente. Não poderia esperar menos de Edgar Wright.
    (menção honrosa para Jon Spencer Blues Explosion. Eles estão na trilha sonora pois o Edgar é um fã assumido da banda. hahaha)

    • Frederico

      Achei esse filme muito bom também,apesar de não curtir o personagem do Foxx nem o rumo que toma o fiilme a partir de um certo acontecimento.