Post livre #113

Por
9/2/18, 8h23 1 min 135 comentários

Post livre especial de Carnaval! Isso significa que iremos até o meio-dia da quarta de cinzas. O post livre, você já deve saber, é um post sem conteúdo, publicado apenas para que conversemos nos comentários sobre tecnologia ou qualquer outra coisa — incluindo Carnaval, se for o caso.

Compartilhe:
  • Leonardo Souza

    Eu tinha um iPhone 7 e estava indeciso se valia a pena um upgrade pro 8 Plus ou o X… ir pro iPhone 8 estava fora de cogitação pois não sentiria diferença nenhuma no uso… aproveitei que tenho parentes que viajam sempre pra fora e pedi pra trazer um X pra mim pois comprar no preço daqui seria impossível e os iPhones Plus eu acho mt grandes e pesados pro meu uso. Me surpreendi muito positivamente com o aparelho. Todos os pontos positivos que eu esperava se confirmaram, só a duração da bateria que eu achava q poderia ser melhor, talvez por estar com o aparelho há menos de 1 semana a curiosidade de testar as features esteja me fazendo gastar mais. Mas é isso, gostei muito mesmo do iPhone X e quem tem essa dúvida de se vale a pena subir do 7 pra ele eu diria que vale sim.

  • Meus dois únicos comentários sobre a Folha abandonar o sr. Zuckerberg:

    1. a FSP reclamar de fake news é a velha história do sujo falando do mal lavado, tragédia anunciada, você colhe o que planta, etc.

    2. apenas isto:
    http://theoatmeal.com/comics/reaching_people

    https://uploads.disquscdn.com/images/9ce3bf6138a583cb6d5c8029fa16ebbfe62a03f44bfa9b47b3679905ae85211f.png

    • Matheus De Sena

      Eu concordo muito com os seus pontos. Mas tendo em vista que a reclamação é geral com essas novas políticas, entre os pequenos e grandes criadores de conteúdos que usam o Facebook como ferramenta de divulgação, acho que essa “novela” tá só começando.
      Tenho certeza que daqui um tempo nós veremos alguma das seguintes notícias:
      A) “Folha de S. Paulo volta ao Facebook após queda nas visitas em suas páginas”
      ou
      B) “Cada vez mais empresas e criadores de conteúdos estão abandonando o Facebook como plataforma de divulgação.” O que consequentemente vai acarretar em uma notícia do tipo “Facebook muda política e algoritmo para favorecer páginas, após fuga de empresas e criadores de conteúdos para outras plataformas/redes sociais.”

      • Paulo Pilotti Duarte

        Mas porque/como as empresas vão fugir para outras redes sociais se elas são grandes vazios quando comparados com o Facebook?

        É quase um paradoxo: todo mundo está no Facebook (basicamente) e ele dita as regras do jogo porque ele tem mais dinheiro e poder nesse meio. Quem não está satisfeito pode tentar mudar de plataforma e arrumar outro local de divulgação, mas vai perder acessos/penetração.

        Rola o mesmo como Youtube e o algoritmo de monetização dele (tem muitos Youtubers reclamando disso faz tempo, inclusive, dizendo que fazer dinheiro com os vídeos de fato é quase impossível atualmente, ou seja, a renda vem de marketing e patrocínio mesmo) e ninguém sai de lá porque, basicamente, não tem outra plataforma de vídeos que seja viável comercialmente para isso.

        E, o próprio Youtube sofre com isso quando tenta emplacar com os streamers (de jogos, campeonatos e outros) e perde miseravelmente pro Twitch (que agora tem uma parceira com a Amazon) e não consegue, mesmo com todo o poder dele, suplantar o fator “pessoas” na outra plataforma.

        Enfim, faço gosto que o Facebook perca poder e dinheiro e deixe de ser essa “coisa” onipresente na web, mas, acho virtualmente impossível que ocorra em moldes de boicote/abandono, é mais fácil surgir uma nova rede que ocupe o lugar dele e tenha tantas pessoas quanto (acho isso, contudo, cada vez mais impossível/improvável de ocorrer).

        • binho_0

          A Globo tentou criar sua própria rede social e desistiu depois.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Na época do Orkut todo o conglomerado de mídia tentou ter a sua. UOL, Terra e mais uns no Brasil (tinha o tal do Fulano) tentaram. Redes sociais são coisas muito orgânicas, não tem como forçar a saída/entrada das pessoas por boicotes ou ações. É tudo caótico.

        • A Folha está comprando a perda de audiência que terá. Tudo bem, é do jogo — e eles têm uma margem sendo o jornal mais lido do país.

          Tenho comigo que esse papel do Facebook, como grande distribuidor de conteúdo noticioso, é uma anomalia, não algo normal, então, para emprestar um termo do mercado financeiro, é como se estivesse ocorrendo uma correção, ajudada (forçada?) pela decisão do Zuckerberg de parar de promover conteúdo noticioso em sua rede.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Não sei se é uma anomalia ou apenas um rumo novo que os veículos antigos ainda não absorveram.

            Eu considero uma anomalia no mesmo sentido que eu considero a existência de rockstars (celebridades em geral, mas me foco aqui em estrelas da música) porque são coisas que não condizem a natureza do ofício realizado (o Facebook não é uma mídia jornalística mas dita os rumos das mídias jornalísticas, assim como um rockstar é conhecido por ser um rtockstar e não pela sua música, necessariamente [com pequenas discussões sobre música e/ou sobre talento, via de regra, o que vende nessas celebridades é o dia-a-dia delas e não o talento per se]).

          • binho_0

            tem pinta de anomalia (um teratoma, eu diria), pq o facebook não foi feito pra isso. houve um deslumbramento com essas possibilidades q o facebook trouxe de servir de canal noticioso, mas desviou totalmente o foco original do serviço: comunicação entre pessoas, coisa q parece eles estão querendo finalmente retomar. a relevância q as fan pages ganharam saiu totalmente do controle… e agora eu não sei se isso é reversível, acho q não, os investidores já não curtiram a queda de 50 milhões de horas a menos de tempo de uso (um número assombroso!). e talvez o face só tenha ocupado o espaço de algo q poderia existir em outro site. há anos eu vejo gente gabaritada se informando pelo facebook e, pra mim, era (e ainda é) difícil ver aquelas pessoas não se dando conta de q, ei, tem alguém montando esses bloquinhos aqui pra mim de um jeito diferente q um portal de notícias… enfim, deu ruim.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Mas esse viés da notícia não é culpa do Facebook, isso sempre existiu e sempre vai existir.

            O modo como os blocos são montados, seja num portal de notícias seja no Facebook, é montado para servir a uma ideologia, a um grupo econômico e um grupo de interesses. Trocar o Facebook pelo portal de notícias melhora, talvez, o nível da notícia passada mas jamais vai melhorar o viés dela.

          • binho_0

            mas o portal vc sabe quem monta e vc consegue ler a ideologia ali. no algorítimo do facebook isso não é claro. é um mistério completo, na verdade, porque se baseia nas preferências das pessoas. há novos complicadores aí.

            o facebook não cria a notícia, mas faz a distribuição dela ao seu modo. isso está alinhando ao capitalismo. as questões ideológicas aí presentes são difíceis de perceber. o q sabemos é q eles são próximos do governo americano, trabalham com conjunto com grandes empresas, reúnem muita informação e têm ambições nebulosas.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Claro. Dificulta um pouco, mas, em termos de ideologia eles são bem claros: tudo ao capital.

    • binho_0

      Achei a “saída” feita com esse estardalhaço, no mínimo, patética. Por anos e anos eles levantaram a bola do Facebook falando q era uma maravilha, uma gozolândia etc etc… E agora essa: ficaram pistolas com o monstrinho que ajudaram a criar.

      Mas há uma grande distinção a fazer, Gabriel. Uma coisa é notícia enviesada e outra é fake news. Um jornal desse porte não publica fake news, mas notícias tendenciosas seja por conta do jogo político seja por conta de relações comerciais que a empresa jornalística tem. Querer um jornalismo santo é bobagem. E nem é sempre o caso, diga-se. O grosso da cobertura jornalística é de cobertura de fatos. A escolha desses fatos, claro, tem suas justificativas, mas são fatos verificáveis por qualquer outro meio de comunicação – inclusive os independentes (que também têm suas agendas).

      A “Folha” faz bem em reclamar, mas teria feito melhor se tivesse cancelado sua conta, afinal, o Facebook é a terra dos caprichos de um homem poderoso e inteligente. Apenar deixar de publicar é jogo de cena… Se o Face mudar o algorítimo pode ser que eles voltem? Provavelmente. E vai ser ainda mais patético.

      • Bem importante essa distinção apontada!

      • A distinção é de fato importante, mas não esqueça de casos como o da bolinha de papel do serra…

        (sem falar na forma como o próprio fato jornalístico é produzido, tanto do ponto de vista da técnica jornalística quanto estruturalmente, como fato socialmente produzido pelas classes dominantes: o exemplo clássico é na cobertura de manifestações, em que os massacres cometidos pela PM são apresentados como um “confronto” com manifestantes e o foco costuma ser mais nos problemas de trânsito de automóveis que na própria manifestação)

        • Paulo Pilotti Duarte

          A não ser que seja uma manifestação nos moldes daquela do pato amarelo. Daí o foco é a reivindicação das classes opressoras.

        • binho_0

          então, essa é a leitura enviesada de um fato, mas o fato eles dão. se não dão o fato, ignorar q houve a manifestação ou dizer q a manifestação era de, sei lá, de torcedores de futebol do inter qdo na verdade era a cut, é algo q afetaria a credibilidade deles (Todos eles) e isso eles não fazem. o q muda é a ênfase, a duração da atenção, o time de jornalistas escalados (veteranos ou novatos), as chamadas, as manchetes etc etc. mas o fato propriamente tem que estar lá, intocado ante os limites do registro possível dos jornalistas ali presentes. todo o resto, o q vem depois do fato, é o q realmente importa e aí, com o tempo, sabemos das preferências e tendências de cada empresa. a mídia ninja (a de antes), ao seu modo, escancarou isso: jornalismo engajado em cima do fato bruto, sem cortes, mas igualmente tendencioso q agradou a uns e desagradou a outros…

          eu sempre indico esse debate entre mídia independente e mídia tradicional e seus choques de interesses pra ilustrar essa situação. se qualquer um dos dois se desviarem demais do fato, aí eles entram no terreno da fake news.

          https://www.youtube.com/watch?v=i7WVIJERmmo

          • Paulo Pilotti Duarte

            Toda a mídia tem interesses e vai defender esses interesses que estão alinhados com a sua editoria.

            O fato jornalístico per se (o ocorrido físico, por assim dizer) sempre vai estar debaixo da interpretação, da escolha de palavras, das fotos, das manchetes e, principalmente, do viés narrativo/dissertativo que vai ser dado dentro da matéria.

            A notícia não é enviesada no fato mas sim na sua abordagem.

            Isso, no meu entendimento, inclusive recai na discussão da metáfora do conduto sobre linguagem x interpretação.

            Um bom artigo sobre isso é esse aqui: https://goo.gl/Fr8r5r

  • Will S.

    Pq vcs usam os navegadores que usam?

    Estou usando o Opera essa semana e ele não perde em nada para o chrome, fora a barra lateral com whatsapp/messenger que é uma mão na roda, além dos “speed dial” que eu curti bastante.

    Só é chato quando to vendo algo pelo celular e preciso ver pelo chrome (e vice-versa), aí não da pra puxar a aba por “guias recentes”, e a extensão da Samsung é lenta, não joga automaticamente (tenho usado o Opera no PC e o Samsung Internet no Smartphone)

    • Uso o Safari porque acho ele melhor. A apresentação é limpa e ele é, em grande parte, apenas uma janela para os sites, como todo bom navegador deve ser. Os princípios que norteiam a inclusão de novos recursos são mais alinhados ao que eu espero de um navegador (privacidade e padronização) e ajuda também a integração com os meus outros dispositivos.

      • Também uso o safari pelos mesmos motivos, mas há um detalhe de uso nele que me faz odiar do fundo do coração qualquer outro navegador (e me dá vontade de mandar as outras empresas contratarem bons designers de interação): usar bem os gestos do trackpad. Com dois dedos para esquerda ou direita você consegue olhar para a página anterior do seu histórico (ou a seguinte), ou mesmo fechar uma aba recém-aberta caso tenha surgido de um link de alguma outra, voltando para a original.

        Exemplo na imagem. Também dá pra voltar/avançar com gestos em outros navegadores, mas no safari é muito mais bem implementado e dá pra “espiar” as páginas do histórico.

        No trabalho, infelizmente, tenho que me irritar com o windows…
        https://uploads.disquscdn.com/images/6a77a83a366f2a1657c99dc5054b63959ec7f3126b4a0697e5ddb3562939680a.png

          • E dos bloqueadores de conteúdo no nível do sistema (mais leve e seguro, pois não precisa visualizar o conteúdo das páginas acessadas para funcionar).

            E o botão de compartilhamento integrado a outros apps instalados no macOS.

          • Frederico

            Esse botão é mais ágil que um ctrl c v?

          • Eu acho! Consigo mandar um link por e-mail ou salvar um artigo para ler depois no Pocket por aí, sem nem sair do navegador.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Mas botão pro Pocket/Instapaper todos tem … é uma extensão do navegador.

          • Sim, meio que dá na mesma, apesar de ser uma extensão a mais. (No caso do Firefox, ele é nativo.)

          • Frederico

            Hmm, isso é bom

          • Paulo Pilotti Duarte

            Uma coisa que eu sinto falta do Safari é o leitor de site. 99% dos sites tem problemas de leitura e aquele leitor me fazia ler novamente no site. Agora eu mando pro Telegram pra ele limpar o texto ou mando pro Instapaper. Uma etapa a mais.

          • Frederico

            O firefox tá com isso padrão, não lembro se o opera tem. Btw, o instapaper tem um bookmarklet também

          • Ele tem. Salvo engano, foi o primeiro a ter padrão, sem depender de extensões — existe desde 2011. No High Sierra, você pode deixá-lo ativado por padrão para todas as páginas ou definir que ele entre em ação automaticamente em determinados domínios.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Acabei de descobri que o FF tem esses mesmos recursos (Pocket nativo, enviar para outro dispositivo e o modo leitor). Não sabia (fazia muito tempo que eu usava o Chrome/Chromium exclusivamente).

    • Frederico

      Uso chrome, opera, firefox e sei lá porque. Fico alternando, acumulando abas, sofrendo.

      Ok, elaborando um pouco mais: o chrome uso basicamente quando quero comparar preço de coisas, porque há a extensão do tecnoblog instalada nele.

      O firefox está de nativo, tudo abre muito rápido, as extensões que preciso funcionam bem. Diria que é meu default porque a barra de favoritos está nele.

      O opera estava usando antes do FF novo sair, porque era muito mais leve que o chrome, tinha adblocker e pip bons nativamente. Caiu um pouco em desuso por causa do FF.

    • Paulo Pilotti Duarte

      Eu uso o Edge exatamente por isso: do telefone eu mando pro PC sem problemas, ele abre uma janela do Edge no PC e eu continuo lendo depois lá mesmo. Mais fácil.

      EDIT: Eu uso o Chromium no Windows, abandonei o Chrome porque era muito pesada a compilação padrão. Agora eu compilo o Chromium e ele fica relativamente mais rápido e livre de software proprietário (até eu instalar as extensões que eu uso). Fiz isso por anos no Linux e voltei a fazer no Windows esse ano.

  • Vocês leem o changelog dos apps?

    • binho_0

      Sim! De todos! Em busca de mudanças q podem me ferrar.
      Semana passada ou retrasada desinstalei o app da 99 pelas mudanças. Bom, foi uma baita mudança, mas dançaram. Outros aplicativos dançam tb a depender da mudança.

      • Paulo Pilotti Duarte

        Quais mudanças no 99?

        Esses dias o Uber teve um vazamento de dados. O novo aplicativo do Cabify eu acho impossível de usar (por questão de interface). Eu venho usando, então, o 99 pra tudo.

        • O que o pessoal mais reclamou foi das permissões exigidas no Android, imprecisão da localização do local de partida e remoção do débito. Fizemos uma matéria comentando esses problemas do app novo: http://www.gazetadopovo.com.br/economia/nova-economia/usuarios-reclamam-do-novo-app-da-99-empresa-promete-melhorias-cm1qc5gvru2dygwm19xhkoe4q

          • Paulo Pilotti Duarte

            Ah, claro.

            Como meu cartão do banco é Elo (obrigado BB) eu nunca usei essa opção em nada (parece que agora a Netflix aceita ele na opção débito). Confesso que o resto me pareceu igual, talvez porque eu tenha a prática de mandar uma mensagem pro motorista assim que ele aceita a corrida dizendo exatamente onde eu estou (já vi gente que não faz nada, só pede e espera a mágica do GPS entrar em ação).

            As permissões não fazem sentido nenhum. Mas ele pediu no iOS (acabei de instalar no iPhone 5C da minha mãe e ele pediu localização e fotos).

        • binho_0

          querem saber a cor da sua cueca… aí é demais.

    • Frederico

      Vez ou outra, porque não gosto de atualizar apps.
      Mas pelo menos na maioria é “correção de bugs”

  • João Vitor

    Recentemente teve um post aqui falando sobre as assistentes serem uma especie de acessório para reforçar um ecossistema, tipo Echo, Alexa, Amazon, Amazon Prime, Amazon Video etc…

    Vocês possuem algum ecossistema completo em casa? Digo, usando serviços e dispositivos da mesma marca.

    Aqui o mais perto que cheguei foi com o Google.

    Já usava um pouco a suíte do Google, mas quando tive Nexus, passei a usar todos os serviços como Drive, Documents, Photos, Keep, além dos grupos do Google + e fiz meus amigos usarem até o Allo, além do grupo da família no Hangouts (posteriormente substituído pelo WhatsApp). Comprei Chromecast e funcionava muito bem, teve uma ocasião de uma festa aqui em casa, enquanto fotografada deixava

  • Matheus De Sena

    Hey guys, quais os canais brasileiros favoritos de vocês no Youtube? E fora esses, quais outros canais vocês recomendam?

    • Wilson Moreira

      Tô curtindo muito o Ilha de Barbados.

    • Frederico

      Meus canais favoritos brasileiros são relacionados a humor, games, culinária/nutrição e finanças. Então é aquele basicão: porta dos fundos, choque de cultura, overloadr (games), me poupe, econormina, primo rico etc.

      Estou procurando de exercícios/musculação e cinema/literatura/filosofia também, então estou aceitando sugestões.

      Dois canais que gosto muito recomendo:

      Kurzgesagt
      https://www.youtube.com/user/Kurzgesagt/videos
      Animação belíssima sobre temas interessantes

      • Matheus De Sena

        Em relação a cinema/literatura/filosofia ti recomendo os seguintes canais:
        -Entre Planos;
        -Quadro em Branco;
        -Meteoro Brasil
        -SejaUmaPessoaMelhor

        E realmente são belíssimas as animações, com temas muito relevantes principalmente pra mim que sou professor e usa-los em sala de aula.
        Já me inscrevi no canal. Valeu cara :D

        • Frederico

          Seguindo! Se tiver recomendações estrangeiras também tá valendo!

    • binho_0

      Gosto desses:

      Bike é legal (pq gosto de bike e da Renata Falzoni desde os tempos da Rádio Eldorado)
      Vegetarirango (pelas receitas e por ele ser divertido)
      Mensageiro sideral (gosto do q ele escreve e do entusiasmo dele com astronomia sem ser boboca)
      Christian Dunker (torcendo pra ele não virar um Karnal ou um Pondé da vida)
      Diolinux (pelo linux)
      Repórter ECO (por falta de coisa melhor)
      Livrada! (fala sobre livros sem frescura)
      Leitura ObrigaHistória (ótimo canal indicando livros de história e falando de história)
      Nexo Jornal
      Origens NT (esse descobri esses dias é muito bem feito, é de astronomia e ciência)
      Rodrigo Villela – Leia para viver (dá umas boas dicas de livros e mangás)
      fronteiras do pensamento

      fora esses recomendo alguns q acho q as pessoas não conhecem, pq muitos outros são bem populares e acho q a maioria já segue:

      N.O.D.E.
      TV5 e futuremag – arte (em francês)
      feministefrequency
      nihongogamer
      boiler room
      unnatural vegan
      games for change
      metaljesusrocks
      vpro documentary
      world economic forum
      defconConference
      steve cuts

      • Matheus De Sena

        Não conhecia o Christian Dunker, dei uma pesquisada rápida e me interessei bastante nos resultados que apareceram. Vou dá uma olhada no canal dele, e nas suas demais recomendações. Valeu cara.

        • binho_0

          é um alemão muito louco. escreveu livros que quero muito ler. é uma figura e tanto, diga-se.

    • Paulo Pilotti Duarte

      Os BR que eu recomendo estão em amarelo.

      – Buenas Ideias é do Eduardo Bueno, sobre história brasileira, muito bom pra quem quer apenas assistir algo sobre história sem se preocupar com rigor.

      – Antídoto é um canal sobre artes de um brasileiro que eu conheci pelo Reddit. Estudos mais ou menos detalhados sobre artes, cinema e música (principalmente).

      – Jigme é um canal sobre caligrafia budista/tibetana. Meu hobby. Tem conselhos bons sobre vida simples e sem gastos.

      – Machine Learning POA é só sobre palestras introdutórias de ML.

      – Nerdologia melhorou muito com a entrada do Filipe Figueiredo. Agora vale a pena assinar.

      – Nexo Jornal hoje é o melhor meio de noticias pra mim.

      – Xadrez Verbal é sobre politica internacional e futebol obscuro (no fronteiras invisíveis do futebol), feito pelo mesmo Filipe que eu citei no Nerdologia.

      https://uploads.disquscdn.com/images/df354cf76271e7ab3300c9e56cfbdc249a347283736a023959033355ff609895.png

      • Matheus De Sena

        Desses eu já acompanho o Nerdologia, Xadrez Verbal, Nexo Jornal e o Buenas Ideias e também o Mas Afinal que você não marcou.
        Se você curte atualidades, como eu presumo, ti recomendo o canal “Matéria de Capa” que tem vídeos do programa de mesmo nome da Tv Cultura, vale a pena dá uma conferida.
        Vou dar uma olhada no restante das suas recomendações, valeu cara.

        • Paulo Pilotti Duarte

          O “Mas Afinal” eu não recomendo porque eu acho que ele tem um jeito que não vai agradar a 99% das pessoas – sotaque de POA, approach nas questões sociais etc – mas é um bom canal, bem pequeno ainda.

          Esse Matéria de Capa eu já vi uns vídeos, vou me aprofundar mais =) Valeu!

  • Paulo Pilotti Duarte

    Vazou parte do código do iOS e ele mistura espaços com tabs.

    Só gostaria de dizer que isso me deixou absurdamente nervoso (e puto).

    Uma referência …

    https://www.youtube.com/watch?v=SsoOG6ZeyUI

    • eu realmente nunca entendi essa briga porque não entendo nada de código

      mas prefiro tabs (poxa, parece que fica mais limpo)

      (só não entendi o que o casal estava fazendo… eles estavam programando juntos? tipo, no tempo livre deles estavam ESCREVENDO CÓDIGO juntos?)

      • Paulo Pilotti Duarte

        Sim.

        A série toda é uma tiração de sarro dessa cultura de empreendedorismo + nerds/programadores do Vale do Silicio.

      • Saymonps

        É de um episodio de Silicon Valley da HBO, ele conheceu a garota em um bar, ela mostrou aos amigos dele no que ela trabalhava e eles deduraram que ele prefere tabs, e no codigo dela só usava espaços. Foi os amigos dele que provocaram essa situação.

  • binho_0

    Fiquei sabendo de uma polêmica com a qual tinha me deparando ao assistir o “show da vida”, tb conhecido como “Fantástico”. Eles fizeram uma reportagem sobre pessoas (na rua) e quadrilhas q roubam celulares. O destaque sensacionalista foi todo para pessoas q roubaram celulares que serviam de isca na “reportagem”. Depois essas pessoas foram confrontadas em seus locais de trabalho pelo jornalista de forma muito constrangedora. A mesma reportagem não confrontou as quadrilhas que roubam cargas milionárias, talvez por serem prudentes, mas resolveram acossar pessoas q por essas bandas vc chamaria de ‘ladrões de galinha’ ou ‘ladrões pé de chinelo’.

    A reportagem deixou a mim e a minha esposa tão mal, pelo desproporção do evento e pelo sensacionalismo digno de um Datena, que cancelamos nossa assinatura da Globo Play. Nem Caco Barcelos poderia garantir a continuidade da nossa contribuição com uma empresa que faz isso.

    No dia seguinte à reportagem, um motorista de Uber, que me levava ao hospital, comentou a matéria. Ele era um cara simples, trabalhador porreta, e falamos numa boa sobre o assunto. Ele não falou da quadrilha que roubava milhões e usava armamento pesado, ele falou apenas das pessoas confrontadas pela reportagem. Tentei argumentar com ele que aquilo era meio estranho e tal e ele concordou.

    Esses dias me deparo com um vídeo, de um desses youtubers que saem do país por achar q podem ter uma vida melhor fora daqui e por não conseguirem audiência no país que os abrigam (mesmo falando fluentemente o idioma local), continuam falando do Brasil e para o público brasileiro. Até aí, ok, cada faz o q quer da vida. O youtuber Izzy Nobre reclamou de pessoas que defendem bandidos. No caso, os bandidos eram os punguistas que roubaram celulares do repórter. Também, nenhuma palavra sobre a quadrilha fodona que carregava fuzil e levou o que quis. Zero, nada… Ele tá no Canadá e poderia, de lá, investigar mais sobre a tal quadrilha, mas preferiu xingar quem defende bandido (pessoas como eu que “defendem bandidos”).

    Izzy Nobre, um cara q provavelmente poderia ser astronauta dado o seu amplo conhecimento e formação acadêmica, e um motorista de Uber, um senhor nordestino, com pouco estudo, muita honra e honestidade nessa vida, compartilham da mesma opinião, mas um consegue ver o outro lado, o outro segue a trilha do fascismo mais rasteiro e da desorientação geral. Não foi à toa que Izzy Nobre perseguiu a Bel Pesce, eu já desconfiava q ele era misógino e machista, mas ele tb é um bosta… Não sei se me surpreendo ou se apenas bocejo.

    • Paulo Pilotti Duarte

      Izzy Nobre é da mesma turma do Cardoso e do Meio Bit. Vale a pena fingir que essas pessoas não existem, são seres humanos menores e que não merecem a capacidade de raciocinar em cima deles (incluo o Jurandir Filho, com ressalvas, nesse mesmo poço). O discurso dele sempre beira o ódio e o racismo. Ele não consegue, assim como o Cardoso, ser desprender da “máscara de ciência” que eles colocaram em si, mesmo sem serem cientistas e tendo como única contribuição para a sociedade a sua capacidade de comer cheetos e falar mal dos outros.

      A única coisa que eu torço é que esse pessoal consiga, aos poucos, perder influência nas mentes mais novas ou, pelo menos, com o passar dos anos essas pessoas consigam pensar um pouco mais fora da caixa e sem perderem-se nas falácias e retóricas mal construídas dessas pessoas.

      ~~

      E a matéria da Globo, em conjunto com a minha amada RBS, só escancara que, no fundo, quem manda no país é o crime organizado, seja diretamente (PCC) ou indiretamente (política). Não buscar ladrões de carga com pesados armamentos (que provavelmente abastecem a máquina das facções brasileira) é uma escolha de não meter o dedo na ferida profunda de fato e ficar na superfície catando um gari e uma faxineira que furtaram um telefone no centro pra uso pessoal.

      No final, ainda teve oi outro telefone (em SP) que foi roubado e comprado por uma pessoa na rua. Essa é a ponto mais nefasta de tudo isso: consumismo. A pessoa só comprou (optou) um produto sem procedência porque ela é bombardeada com inúmeros padrões de consumo aos quais ela não tem e jamais vai ter acesso, gerando a ideia (errada) de que sucesso depende de um bem que ela possui consigo (telefone, computador, jóias, roupas) e, então, para conseguir esse padrão e essa máscara social de sucesso ela recorre a meios escusos de conseguir se inserir no mercado de consumo das revistas e sites; contudo, sem dinheiro, o único modo de conseguir esse acesso é via interceptação.

      Resumindo e nivelando por baixo: tem que roube porque tem quem compre (e tem quem compra porque existe marketing).

      • Matheus De Sena

        Você tem razão, mas imagino que se a grandes empresas perceberem que
        não tá valendo a pena pagar pra aumentar o alcance de suas páginas
        dentro do Facebook, talvez os lucros do Facebook caia nos próximos
        tempos e isso force Zuckerberg a mudar de estratégia mais uma vez.

    • Louis

      Ou seja, para você se for ladrão “de galinha” pode matar, roubar e precisa ser idolatrado.

      Basicamente, dois pesos e duas medidas.

      Além do pior, que é ser defensor de bandido.

      • binho_0

        em 1:57 p.m., Friday Nov. 20 [2015] vc me escreveu:

        “ps: Gostei muito do seu comentário e de certa forma comecei a entender melhor suas críticas, sobre meus curtos comentários. E aprendo com você.”

        em 9:36 p.m., Friday Feb. 9 [2018] vc parou de aprender por se deixar levar pelo discurso de ódio…

        uma pena.

      • Paulo Pilotti Duarte

        Eu gostaria, realmente, que fosse apontado onde isso foi dito.

      • Louis, falou pouco, mas falou merda.

        • Louis

          Tem uma cultura hoje no Brasil de defender bandido, ditadores (vide Venezuela matando e perseguindo quem pensa diferente e os militantes de esquerda – artistas, principalmente achando lindo) e todo tipo de gente que só faz para a sociedade.

          Pobreza ou riqueza não deve ser salvo indulto para ninguém cometer crimes e ser depois tratado como coitado e não ser exposto pela mídia.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Esperando, ainda, onde foi dito isso.

          • “cultura de defender bandido” onde? só se for no nosso judiciário repleto de bajuladores do mercado (um sistema que libera a esposa do cunha mas manda que lactante presa com poucos gramas de maconha responda ao processo na prisão)

            é por causa de opiniões de merda como as suas que cada vez mais penso que lugar de rico é na guilhotina — não tem solução para essa nossa elite mesquinha

          • binho_0

            Melhor deixar a guilhotina… Tem uma peça de teatro, “A morte de Danton”, do Büchner, e tem uma fala assim: “mata os que sabem ler e escrever” e outro cidadão diz “mata os que querem ir para o estrangeiro” (em suma, morte aos aristocratas) qdo Robespierre aparece e diz “Em nome da lei!” e ao ser indagado por um cidadão sobre o q é a lei ele diz “É a vontada do povo”. Eis q o povo, então, propõe a supressão das leis e ele, o Robespierre, faz um discurso pra pôr a casa em ordem e , entre outras coisas diz, “Na tua cólera, é a ti mesmo que estás matando.”…

          • De fato, eu sou contra a pena de morte em qualquer situação. Sou até mesmo bastante antipunitivista e simpático ao abolicionismo penal (uma sociedade sem prisões certamente será uma sociedade melhor que uma repleta delas).

            Minha hipérbole tem mais a ver com responder de forma igualmente absurda ao absurdo que é esse elitismo tão arraigado em nossa sociedade que faz com que gente pobre seja automaticamente tratada como inimigo.

          • binho_0

            Plenamente compreensível.

          • Louis

            Você não conhece Márcia Tiburi, a filósofa do GNT?

            Bom, então você está em um país que não existe mesmo a cultura de defender bandido.

            Adoraria morar no seu Brasil imaginário, porque o real mata e rouba quem respira:

            https://m.youtube.com/watch?v=3aARR6W7suY

            Com certeza você vai me atacar e dizer que o vídeo é um montagem e não existe (ou nem deve existir) alguém que refute seu pensamento.

            Entretanto a verdade é outra. O país está cheio de “pensadores assim”, que fazem a cabeça de muitos estudantes e infelizmente moldam o futuro desse triste país.

          • Não faça isso, @disqus_1TXBqyGKZD:disqus. Não pegue o recorte de um vídeo, de apenas 30 segundos e claramente descontextualizado, para defender seu ponto. Não é honesto.

          • Louis

            Desonesto? Você quer dizer que não existe esse tipo de pensamento sendo difundido hoje no Brasil?

            É absurdo querer fingir que não está acontecendo.

          • binho_0

            Se vc comparar com o desejo punitivista (criminoso, pq apoia execuções extrajudiciais, tortura, linchamento) da sociedade expresso abertamente nas redes sociais com o “apoio” aos “bandidos”, vc vai notar uma considerável desproporção.

          • Já eu acho absurdo fingir que o sistema político-judiciário brasileiro é uma grande máquina de destruição da juventude pobre e negra. Se há bandidos sendo defendidos, são os bandidos ricos e engravatados.

          • Eu concordo com a opinião dela. Tem mais é que assaltar mesmo esses playboyzinhos de merda. Nossa elite não merece menos que isso.

            PS: bandido de verdade é o patrão.

          • binho_0

            Mas se vc achar q o playboyzinho merece isso como forma de punição a gente cai no punitivismo e, as avessas, acaba fazendo o mesmo q fazem com o gari e com a copeira. Não desejo tudo de bom ao playboyzinho q toca o terror, mas tb não dá pra dizer q copeiros e garis são todos santíssimos. Tem um filme do Buñuel, “Los olvidados”, já viu? Ou mesmo “Dogville”, do Lars von Trier.

          • Sim, mais uma vez, você tem razão. Mas, mais uma vez, uma hipérbole por outra.

          • binho_0

            Louis, aqui em casa somos críticos da Marcia. Ela, não sei se vc sabe, é casada com juiz, então ela não diz nada sobre o judiciário e seus privilégios…

            Outro dia soube que ela fugiu de um debate com o execrável Kim Kitaguiri. A situação foi patética e vc pode procurar o vídeo e ver com seus próprios olhos. E tem um outro vídeo muito bom de um cara comentando essa situação; falando da obra dela e a contradição ali presente: a autora de “Como falar com um fascista” perdeu a chance de falar com um cara que ela considera fascista.

            Mas pegando esse trecho do que ela diz : cara, por que ninguém reclamou do grande assalto e apenas do gari e da copeira? Além do sensacionalismo, no fundo, as pessoas não acham tão ruim assim uma grande empresa ser assaltada, porque eles sabem ou desconfiam de como operam grandes empresas. O senso comum pode pensar: a grande empresa tb apronta das suas (sonega, deve INSS, paga mal, explora os funcionários, vende caro etc), então é bem feito pra eles se ferrarem de vez em quando. Na mesma reportagem, eu acho, exibiam uma “propaganda/reportagem” de empresa de transporte de valores.

            Louis, não perca de vista: insegurança é um negócio bilionário. Esse climinha de terror dá MUITO dinheiro às empresas (seguradoras, equipamentos, serviços de segurança q pertencem a oficiais das polícias militares etc).

            Se aparecesse um Robin Hood vc o apoiaria ou vc seria contra? Eu seria a favor, claro. Cara, até bandidos tem ética, mas a nossa sociedade tá tão zoada que até bandidos que antes tinham alguma ética agora não têm mais. É algo generalizado na nossa sociedade.

    • Aldo Cintra

      Com todo respeito, mas em um comentário você conseguiu defender 2 tipos de pessoas não muito honradas, por assim dizer.

      Um tipo são aquelas pessoas que furtaram o celular. Independente da dimensão do ocorrido, é furto, é crime, é errado. E ponto.

      Não é porque existem outros crimes de maiores dimensões que vamos “descartar” o ocorrido na reportagem.

      Aquelas pessoas são as mesmas que roubariam milhares no congresso, caso tivessem oportunidade.

      Para mim o Fantástico não fez nada de errado.
      Aliás, fez um bom serviço, tenho certeza que muitos desses ladrões (ainda que sejam “de ocasião”) pensarão duas vezes antes de fazer algo do tipo, depois dessa reportagem que repercutiu no país todo.

      E caso eles venham a processar o Fantástico, duvido muito ganharem algo (direito de imagem x interesse público).

      E o outro tipo de pessoa, é a tal Bel Pesce, não entendi sua indignação, a mulher realmente (já foi comprovado à exaustão isso) mentiu e aumentou suas “habilidades” descaradamente para se promover e, consequentemente, ganhar dinheiro em cima disso.

      Não to falando que ela não é inteligente, pelo que vi é sim. To falando que não precisava ter feito o que fez, sabendo que uma hora ou outra poderia ser descoberta.

      • binho_0

        Aldo, pensa comigo:

        1. vc é um jornalista e eu sou o teu chefe. vou te escalar pra cobrir o maior roubo de cargas do país e vai ser a nossa principal matéria do jornal. se vc mandar bem certamente vai ser uma matéria premiada (aqui e lá fora). mas vc vai ter q se meter no meio de uma quadrilha foda, muito foda, do mal, os caras são profissionais e, se te pegarem, amigo, corre, porque vai ficar feio pro seu lado e eu não estarei lá pra te ajudar. mas, veja, será a matéria mais foda q já fizemos.

        2. cara, espera, ao invés de cobrir essa quadrilha, q tem fuzil e faca do rambo, vamos fazer assim: vc pega um celular e coloca de isca e anda na pracinha com ele até alguém te roubar. esses roubos, eu não sei se vc sabe, mas acontecem até na holanda, lugar em q já estive e, assim q cheguei, roubaram a minha pasta com meu computador, celular e documentos, mas, enfim, vamos fazer isso e dar um PUTA DESTAQUE e deixar pra apresentar a matéria só no fim. a gente coloca um rastreador, por que, ora, esse povo não vai pensar que é uma armadilha. eles não são profissionais como a quadrilha mega foda q rouba milhões em celulares, eles não andam armados e se vc for atrás deles nada vai te acontecer… vc não vai ganhar prêmio com isso, talvez ao contrário, os grandes jornalistas vão virar a cara pra vc, mas foda-se, vamos estourar o ibope e vc vai ser meu cara de confiança pra toda merda desse tipo, ok?

        o q te parece essas duas situações?

        mas vamos em frente:

        1. não disse q furtar é certo, louvável etc. mas disse: vc usa o poder de uma empresa (a globo) que fatura bilhões por ano e tem recursos para fazer uma boa reportagem (como aquele q identificou o assassino de um garotinho q passou no mesmo dia e teve desdobramento internacional) para perseguir uma copeira e um gari (que agiram de modo desonesto e sorrateiro) e, com isso, ganhar ibope com o lado punitivista da sociedade que almeja pena de morte, prisão perpétua, execuções extra judiciais, prisioneiros se matando essa merda toda q podemos resumir em bolsonarismo.

        2. vc, se for um cara perspicaz, deve ter notado a diferença de tratamento dado à quadrilha pelo fantástico, que rouba MILHÕES, e ao gari e a copeira que roubaram, juntos menos de 1 mil reais no valor do celular. quem ganhou mais tempo de investigação e destaque no programa? é uma questão de proporção e não de certo ou errado. veja, um editor honesto é capaz de ver a diferença entre o valor de um e de outro. uma sociedade com bons níveis de educação tb. mas não é nosso caso, pois temos editores desonestos e uma sociedade entregue à barbárie em todos os níveis (do professor da usp q recebe além do teto do funcionalismo ao gari q rouba celular).

        3. até outro dia, o sr. izzy nobre (nome de guerra, provavelmente) estava insistindo em desclassificar a bel pesce, a qual ele pegou no pulo ao se promover dizendo q fez mais do q realmente tinha feito e, ao mesmo tempo, identificou a falha da imprensa em não perceber numa narrativa incrível da guria o exagero. se o q ela fez é desonesto… eu não tenho como afirmar. provavelmente ela fez marketing pessoal exagerado, coisa q, novamente, professores da usp (veja certos currículos lattes e vc vai ver a proeza de alguns professores estarem em dois lugares ao mesmo tempo; e não é por graças às vídeo aulas) e garis (esses q querem aparecer no youtube com bobagens) tb fazem. ele tomou o caminho da perseguição apenas por ela ser mulher. se fosse um macho musculoso morando no mesmo bairro q ele a mesma campanha teria acontecido? duvido, sinceramente. porque na maioria dos casos desses valentões de internet… eles não aguentariam 10 segundos no mano a mano, sabe? são, em larga medida, bunda moles que atacam pessoas que eles identificam como fracas ou frágeis. são perseguidores e acendem a fagulha do linchamento.

        4. leia um livro chamado ‘humilhado’, de jon ronson. brasileiro lê pouco, como se sabe há muito tempo. espero q não seja o teu caso.

        • Paulo Pilotti Duarte

          A matéria do Fantástico é assimétrica. E assim é porque vende a ideia legalista de “certo x errado” quando se está numa crise moral/política como o país vive hoje. A Globo sabe disso e sabe como ganhar dinheiro com isso, por isso a matéria da faxineira da SEDUC ganha destaque em 3 jornais (Fantástico e dois jornais regionais de Porto Alegre) com o jornalista indo no emprego dela confrontar ela com o vídeo, indo no emprego do gari confrontar ele com o vídeo e expôr ao ridículo pessoas que não tem acesso, educação e capacidade de se defender (saber que poderiam mandar o jornalista a merda e não atendê-lo).

          Eles também foram atrás dos caras que roubaram um telefone em SP, mas não deu o mesmo IBOPE porque não era exatamente o que eles queriam (uma pessoa com pouco estudo, pouca capacidade de defesa e fora do eixo de criminalidade das cidades).

          ~~

          O Izzy Nobre além de tudo fez a mesma coisa que ela fez: marketing pessoal exagerado, ao destrinchar as maquiadas nela no currículo.

          Tiveram respostas, se não me engano, dela e de outras pessoas apontando os erros dele na hora de apurar a formação dela (ele não sabia exatamente como funcionavam as graduações, o sistema de major x minor etc).

          No sentido “legalista” do julgamento, ela foi desonesta porque aumentou muito a sua participação em causas/empresas onde ela teve papel minoritário; nada que todos esses empreendedores de palco, incluindo o grande mestre deles, o Flavio Augusto, não faça também (até pior), com a diferença deles não serem investigados pelos nossos arautos da justiça moradores do Canadá.

          ~~

          Sempre digo que o grande problema do Brasil é assimetria de tudo. De acesso, de capital, de educação, de julgamento. Esse é mais um caso onde o povo vai se mostrar incapaz de entender pesos e aplicar medidas cabíveis (e entender o quão exagerada foi a matéria).

          • binho_0

            isso q o fantástico fez é tão medonho q eles criaram um fato pra noticiar. não teria acontecido o furto daquele celular se ele não tivesse sido usado de isca (demasiadamente fácil), ponto. é um terreno perigoso pro jornalismo, pois não é um infiltrar-se para uma matéria como fez tim lopes – e q pagou com a vida pelo trabalho q almejava alcançar. é diferente e, sinceramente, eu não deixaria algo assim avançar. pode ser considerado válido pelo lado comercial, mas sob uma ótica mais ligada aos princípios de um jornalismo sério, não é ético esse tipo de estratégia e seus desdobramentos menos ainda.

            pelo algorítimo do youtube, aquela mulher é a maior ladra de celulares do país, pois ao digitar ‘celular roubado, quem aparece? não é a quadrilha, claro.

            as pessoas são capazes de enxergar isso ou é a sede de sangue que faz agir assim?
            https://uploads.disquscdn.com/images/c2c588c951bd48851665087562df741e6600998579d6227ad39fb9091f3cf689.png

          • Paulo Pilotti Duarte

            Aqui tem uma matéria criticando a exposição, o teor da matéria e como ela foi conduzida (basicamente, a exemplo de como a Netflix fez em relação co suicídio com de 13 Reasons Why, a Globo fez tudo errado): https://goo.gl/x1Vdmm

            Essa matéria é inspirada pela “investigação” que um holandês fez alguns atrás, com a diferença que o trabalho do europeu foi muito mais jornalístico (em termos de matéria) do que a exposição demasiada da Globo e a ânsia por cliques/audiência que foi exibida por aqui.

            O jornalismo brasileiro tem ótimos nomes, com certeza, mas nenhum (ou poucos) deles está o mainstream da Globo, Record ou SBT porque, nesses locais de massificação de mídia, o que conta é o tom belicoso que a sociedade impõe (eles fazem esse tipo de matéria porque é o que povo pede, vide Balanço Geral, Datena e outros).

            E eu vejo de um modo bastante simples de se entender: as pessoas mais simples, com menos capital financeiro, são obrigadas a morar em regiões dominadas pelo tráfico e sem presença do Estado, isso gera insegurança enorme, não raro, com violência extrema nos arredores (com decapitações, por exemplo) por conta da guerra pelo controle dessas regiões. Nesse cenário, quem mais fica à mercê dos bandidos (os que roubam pra comprar crack, principalmente) são essas pessoas que moram ali e ficam esperando horas na parada (jovens, principalmente) e que acabam perdendo seu pertences para assaltantes, de ocasião ou não (e não é o caso da matéria citada aqui). Esse sentimento de pagar por algo sem usufruir (por culpa de assaltos) gera esse movimento punitivista e esse recrudescimento das relações sociais (vigiar e punir nunca foi tão atual) onde as pessoas não querem saber que tipo de crime foi cometido ou quem o cometeu e porque, querem punição e que essa pessoa seja tirada da sociedade, seja impedida de realizar outro furto. Esse discurso é o vigente em igrejas de periferia e nos programas voltados para essa região (já citados).

            Desde então, contudo, essa violência tem se espalhado para além das periferias das capitais brasileiras, chegando nas zonas mais caras, onde usualmente esse tipo de ação era pontual (roubo de carros, furtos a apartamentos), e mesmo assim essas pessoas (classe média pra cima) se sentiam protegidas nos condomínios fechados e nos espaços exclusivos de shoppings e restaurantes ao seu redor (locais onde hoje a usual violência da periferia chegou). Isso causa uma reação rápida (mais violência punitivista) e uma reação a longo prazo (esse argumento de punir todo mundo sem olhar as motivações/mecanismos que levaram ao crime).

            Resumo de tudo isso é que o que vemos hoje, exemplificado nessa matéria e por esses seres humanos execráveis que habitam o Youtube, é uma reação normal (pra mim) de um Estado ineficiente e inoperante, que não é capaz de suprir a necessidade mais básica para a qual ele existe: segurança. Sendo assim, é normal esse retorno ao punitivismo ancestral, essa caça às bruxas nas ruas e, principalmente, a solução “legalista” de “é crime, tem que ir pra cadeia” sem, relativização e sem estudo dos mecanismo sociais ao redor das pessoas que cometem tais crimes.

          • binho_0

            A reação das pessoas tem sido exatamente essa: mais punição e joguem os problemas o mais longe possível de mim. Tratam de problemas sociais como tratam do lixo que geramos, ou seja, acham q enterrar os problemas resolve os problemas por si só. Acho q um dia a água vai bater na bunda e esse pessoal, depois de ter criado um monstrengo jurídico que fará com q eles caiam na própria armadilha…

          • binho_0

            o fabio garcia disse muito bem.

    • Maicon Bruisma

      A matéria era sobre roubo de celulares por quadrilhas especializadas ou por pessoas comuns que roubam no meio do fluxo de pessoas todo dia?
      Sua reclamação foi pela exposição dessas pessoas, então você está defendendo elas. E defender bandido pra mim é o cúmulo. Independente se é uma quadrilha especializada ou apenas um sem vergonha que rouba as pessoas que estão indo trabalhar

      • binho_0

        Então quando tiver rolando um linchamento vc vai lá participar? Sério!? Poxa, cara… decepcionante. A gente costuma esperar mais de pessoas bem informadas, que gostam de tecnologia e que possuem recursos cognitivos suficientes para distinguir com clareza determinadas situações. Eu não sei onde vc estudou, cara, mas na minha escola, desde o jardim de infância (uma escola particular), essas coisas eram ensinadas. Dedurar um coleguinha, por exemplo, era considerado errado em classe (exceto para coisas graves como agressão), usar golpes fora do repertório ensinado nas aulas de judô idem, furtar coisas dos coleguinhas tb. Quando acontecia de um coleguinha furtar algo de outro coleguinha (já aconteceu comigo, eu peguei um brinquedo de um coleguinha, um transformer ou coisa do tipo, a minha mãe fez eu devolver) as coisas se resolviam sem violência e barbárie ou humilhações. Não me lembro, teria ficado com a lembrança do trauma, se eu tivesse sido humilhado pelos outros coleguinhas por ter feito algo errado. Me lembro de ter recebido um castigo proporcional tb. Então, algumas coisas a gente aprende em casa e na escola. Eu realmente não sei onde vc estudou, mas meus pais eram pobres e, depois, passei a estudar em escola pública e os ensinamentos eram os mesmo: aja corretamente e com honestidade em TODAS AS SITUAÇÕES, inclusive naquelas q envolvem problemas éticos. Hoje sou plenamente capaz de distinguir a aberração contida nessa coisa q eles exibiram. Mas não se apoquente, jovem, tem gente ainda estudando direito nesse mundo e, se por acaso um dia vc sair da linha por qualquer motivo (espero q não, mas vai q te pegam num linchamento, por exemplo), um advogado estará lá para defender um… “bandido” (às vezes vc não participou do linchamento e te pegaram por engano, por isso usei as aspas, pq no Brasil ainda somos inocentes até q se prove o contrário). Eu, particularmente não entendo, pq uma pessoa, q defende o discurso de bandido bom é bandido morto, procuraria um advogado ao invés de optar pelo suicídio, mas a vida é complicada mesmo.

      • binho_0

        A matéria era sobre roubo de celulares por uma quadrilha e por esses três gaiatos que furtaram os celulares usados como isca. No primeiro caso era Jornalismo com j maiúsculo, o segundo era jornalismo, com j minúsculo. Infelizmente o ênfase ficou todo no jornalismo, com j minúsculo e vc, o Izzy e o motorista do Uber só se incomodaram com o segundo caso. O motorista do Uber foi capaz de entender a situação, espero q vc tb seja, pq o Izzy não tem salvação.

      • binho_0

        e em outro comentário q eu fiz vc defendeu o felipe neto, maicon. francamente, né? coerência, por favor.

        • Maicon Bruisma

          Em ambos os casos vi você exagerando. O que vejo agora é que você está incomodado por um possível linchamento, está incomodado pela exposição dos criminosos.
          Eu estudei em escola pública minha vida toda, aprendi o limitado estudo da escola, educação e comportamento social quem ensinou foi minha mãe, ela ensinou o que é certo e o que é errado dando margem apenas para coisas que eu poderia achar certo ou errado (vulgo opinião). Ensinou que era errado roubar, ramificações do que era ‘roubar’ eu aprendi por mim mesmo, pois tenho consciência, caráter, boa índole. Sou a favor de expor sim, se a pessoa roubou por safadeza ela deve ser vista pelo que ela fez, e é isso. Ponto. Se todos que roubarem simplesmente pagarem no silêncio, ou não pagarem, a sociedade vai ficar cada vez pior. Já é uma bela merda pq muitos que fazem erros continuam nas escuras, se todo lixo fosse exposto o mínimo que aconteceria era despertar alguma consciência sobre seus atos. Se as pessoas que foram mostradas no fantástico nunca mais conseguirem emprego por mim que se fod@, outra coisa que eu aprendi foi que atos geram consequências, eles sabem disso e você também, cada um faz o que quer a partir do que já sabe.

          • binho_0

            Ah… se a vida fosse simples assim.
            Por mim ninguém cometeria nenhum tipo de crime, mas não é assim q funciona. Apena no mundo infantil as coisas são assim, em q esse tipo de desejo segue adiante em forma de fantasia. Sempre haverá aquele q comete algum crime. Nós podemos, a qualquer momento, cometer um crime ou infração qualquer. Manja aquele cara q mata a mulher por ciúmes? Então… Ou aquele cara q estuprou uma garota numa situação meio confusa em q ela não tinha condições de se negar ao sexo? Ou aquele post-it q alguém pegou da firma sem permissão e levou pra casa, pq, ora, o q é um bloquinho de post-it?
            Vc se imagina linchando uma pessoa? Provavelmente não, pq, sinceramente, não creio q vc tenha esse desejo de fazer como fizeram aqui em SP, no Guarujá, em q uma mulher foi morta por boatos. Acreditavam q ela matava e sequestrava crianças. O boato se espalhou e eu, de cada, pude ver a morte terrível q ela teve. Ela tinha problemas mentais, precisa de remédios etc. Todos pobres, muito pobres. Terrível. Acho q nunca vou me esquecer desse caso. Dela sendo arrastada, as roupas q usava, as coisas q atiraram nela, os gritos, a dinâmica toda, a época em q aquilo se deu.
            Mas perceba q vc está saciando um ressentimento pela humilhação do outro. Eu não aprovo o q aquela senhora e o q aquele senhor fizeram, mas não aprovo a exposição desmedida q eles sofreram. Eles não são as pessoas mais perigosas desse mundo, porque, potencialmente, todos somos perigosos. Vc já deve ter tido notícias de filhos angelicais q matam seus pais ou de esposas traídas q esquartejam seus maridos. Ou em um sequestro, as coisas dão errado, e a vítima q seria trocada por dinheiro é morta.
            Cara, para e pensa: o q essa mulher e esse sr. fizeram tem solução. Eles não mataram alguém, não desviaram rios de dinheiro, não feriram ninguém. Cometeram um crime leve, tolo e remediável. A punição q eles terão é TOTALMENTE desproporcional. Eles não são o MALUF ou um membro de uma quadrilha q explode carro forte na estrada e aí de ti se estiver passando ali perto.
            Eu acho q vc é capaz de perceber isso, mas, vendo seus comentários, vc está preso num ciclo de se preocupar em demasia com tipos de celulares, preços, telas, marcas. Vc é um cara esperto, experimente redirecionar sua inteligência e atenção a outras temáticas.
            Te recomendo dois conteúdos:
            https://brasil.elpais.com/brasil/2018/02/07/cultura/1517989873_086219.html
            e
            este http://g1.globo.com/globo-news/dialogos-com-mario-sergio-conti/videos/t/dialogos-com-mario-sergio-conti/v/dialogos-tales-absaber-discute-sobre-o-brasil-apos-julgamento-do-recurso-de-lula/6451942/
            O segundo vc tem q ver inteira a conversa, pq aí só tem um trecho.
            A tua mãe com certeza te colocou no caminho pra nunca participar de um linchamento… e vc está se desviando disso.

          • Maicon Bruisma

            Não tenho o que te responder depois desse trecho: “Nos podemos, a qualquer momento, cometer um crime ou infração qualquer. Manja aquele cara q mata a mulher por ciúmes? Então… Ou aquele cara q estuprou uma garota numa situação meio confusa em q ela não tinha condições de se negar ao sexo? Ou aquele post-it q alguém pegou da firma sem permissão e levou pra casa, pq, ora, o q é um bloquinho de post-it?”
            SEM COMENTÁRIOS PARA O ABSURDO DE COMPARAÇÃO QUE VOCÊ ACABOU DE ESCREVER. Sério, faça como eu, ao invés de ficar vendo tudo como problema analise para ver se você é que não é o problema. Pq com esse seu pensamento, tá difícil.

          • binho_0

            Ué, as pessoas ficaram pistola com a mulher q robou um celular mixuruca e não com os ladrões q roubaram milhões e eu q faço comparações absurdas? Pensei q a lógica em vigor fosse essa. Muito estranha a sua reação, Maicon. Mas vc é livre em não responder e achar o q quiser do q eu digo. Espero apenas q vc faça a leitura q te indiquei.

            E uma última coisa: não se ache melhor q criminosos. Eles são tão humanos qto vc. Muitos eram um docinho de coco antes de enterrarem uma pessoa no quintal de casa, vale dizer.

          • Maicon Bruisma

            Não me achar melhor que um criminoso?
            What?
            Com certeza pior não sou, nem mesmo igual, logo não sobra opção. Mas já se percebe pelo seu comentário que você coloca todo mundo junto como se todos fossem farinha do mesmo saco. Se você se acha igual ao lixo da humanidade, blz, mas não me diga o que eu devo achar.

          • Eu não vi a reportagem, mas é… só um celular. O que o @disqus_XvHMjLGHao:disqus está tentando dizer é que a repercussão toda é absolutamente desproporcional para o crime cometido. Ninguém aqui acha que não é crime, o ponto é que há crimes e crimes. Sem falar condutas imorais que não são criminosas e vice-versa; alguém que furta para comer, por exemplo, tem a punibilidade extinta pela Justiça. É um caso expresso em lei, mas, se quisermos uma sociedade saudável, é preciso levar em conta o contexto, as circunstâncias de cada caso, ou continuaremos lotando cadeias com ladrões de galinha — coisa que, como se percebe, não resolve o problema; prende-se muito e prende-se mal no Brasil, a prova está nas cadeias e presídios superlotados e, mesmo assim, a criminalidade não dá sinais de estar diminuindo.

            Usar do mesmo rigor para expor e punir quem rouba cargas com armamento pesado e um pobre coitado oportunista que rouba um celular barato e usado é sintoma de uma sociedade doente. Fala sério, Maicon: você nunca, jamais saiu da linha? Nunca tomou um chope e dirigiu em seguida? Nunca baixou um filme ou jogo pirata? Nunca xingou alguém (crime contra a honra)? Abra a Lei de Contravenções Penais (decreto-lei 3688/41), dá uma lida no que tem ali. É impossível existir alguém que nunca tenha saído da linha e, ainda que seja ok querer que seja feita a justiça, não precisa expor em rede nacional por um crime tão besta quanto esse.

            Numa cidade do interior do Paraná, um prefeito flagrou uma funcionária roubando comida de uma escola. Dois pés de couve, um litro de leite, umas três bolachas. Postou isso no Facebook, bradando ter punido ela e dando lição de moral. Qual a necessidade disso? O que ele ganha, fora aplauso de malucos e justiceiros?

            Tenho medo, de verdade, desse pensamento teu.

          • Maicon Bruisma

            Pior que não, nenhum dos exemplos que você deu eu fiz. Não bebo, não uso drogas, não dirijo, nunca roubei uma bala nas americanas, sempre dou lugar para velhos ou debilitados seja em ônibus ou trem, não julgo as pessoas por sua religião ou cor ou sexo. Não sou perfeito, já agredi verbalmente uma pessoa por não ter compreendido direito uma situação em que ela fez uma piada de humor negro, ainda sim não fui o único que não gostou. Mas na minha vida de interior cresci com gente humilde ao meu redor, metade era militar e por incrível que pareça não eram machistas apesar de serem ‘das antigas’. Aprendi uma coisa que sempre vou levar comigo: a palavra de um homem é sua honra. Por isso não minto e principalmente não volta atrás no que falo. A matéria é só uma matéria, quem torna desproporcional ou não são as pessoas que espalham ela. Não estou dizendo que o crime daqueles “pobres coitados” (que de pobres e de coitados não tem nada) seja exatamente igual ao daqueles que roubam grandes cargas, ou daqueles que estão no poder nos roubando, mas crime é crime, e isso é um fato. Vemos no Brasil o perfeito exemplo onde o povo cobra do governo ladrão que as coisas melhorem, mas o próprio povo possui em seu meio consciente a propensão de ser oportunista no que der. E outra, não dá pra diminuir um crime só pq há outros melhores, não dá pra dizer “o cara bateu na mulher, mas não foi nada demais pq não matou ela como outros aí”, crime é crime.

          • binho_0

            Já baixou algum conteúdo pirata em algum momento da sua vida? Ou comprou algum artigo sem nota fiscal? Já andou sem sinto de segurança no banco de trás? Já comprou algo sabidamente fruto da sonegação fiscal? Pode ter aí um simples desvio e ele pode ser considerado crime e é só pagar por ele e tá tudo certo. Existe o âmbito certo pra isso. E, veja bem, não temos como saber se vc não mente. Isso é impossível de aferir. Bem, tem o detector de mentiras, mas até ele é falho. O máximo q podemos fazer é acreditar em vc a partir dos seus antecedentes.

            Até um “pobre coitado” q comente um furtoe não deixa de ser criminoso. O q pode acontecer é o furto dele ser considerar famélico, ponto. Mas ainda é um crime. Nosso regime punitivo se preocupa muito bom o BEM (a propriedade) e, só depois, com a VIDA. E isso se reflete nesse nosso estado aguerrido às coisas. Vc vê a carnificina q é o trânsito no país inteiro e está tudo bem assim como está. Mas vai vc querer multar uma pessoa… aqui em são paulo já mataram fiscais de trânsito qdo eles foram aplicar multas.

            Vc está idealizando um mundo, o do interior, onde as pessoas são mais honestas, mais corretas (ainda mais sendo militares), mais humildes e ignora as coisas terríveis q acontecem no interior – perpetradas por militares, inclusive. Como se pessoas do interior, no fundo, fossem pessoas melhores q a da cidade. Mesmo com todas essas qualidade uma pessoa pode cometer um crime.

          • Maicon Bruisma

            Dos exemplos que você citou eu já andei sem cinto no carona. Não sou do tipo que fica baixando pirataria da Internet, ou usa torrent, tanto é que só fui escutar música por aí quando comprei meu primeiro smartphone, um iPhone 3g, e todas as músicas eram compradas. Depois que tive um Lumia peguei um cartão de memória que meu irmão tinha com alguns álbuns.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Incrível como pessoas com o seu pensamento misturam diversas coisas quando vão falar. Realmente não me interesse onde você cresceu, quem te educou e qual a sua moral, isso é completamente irrelevante e só serve pra desvirtuar o assunto principal do texto (coisa que você faz o tempo todo quando puxa valores subjetivos e julgamentos morais) que é a assimetria do tratamento dos dois crimes e a exposição deliberada de uma pessoa no seu ambiente de trabalho por conta de falso flagrante.

            A sociedade não pode, de maneira alguma, se dobrar a barbárie que você defende pois assim, exatamente, é o fim da sociedade.

            Mais acima eu colei um link que comenta a matéria, destaco o seguinte trecho:

            “”Ah, mas a matéria da Globo mostrou o flagrante!”, alguém pode me perguntar, mas sinto informar que é um flagrante FALSO. Não no sentido de não ser verdadeiro, e sim no sentido de não ser válido. O motivo é que ele foi construído para acontecer, então não pode ser considerado um furto real. É o mesmo que se a emissora deixasse um carro com portas abertas e a chave no câmbio numa rua para filmar um flagrante, foi uma condição que ela criou, quase uma arapuca.

            A Globo não é emissária da Justiça e nem tem direito de julgar pessoas, então mostrar pessoas que furtaram um celular numa situação criada chega a ser irresponsável. As próprias pessoas expostas de Porto Alegre e que foram perseguidas pela Globo acabaram afastadas de seus trabalhos, segundo a reportagem.

            O ideal a ser feito nesse caso seria exibir a reportagem com o famoso borrão na imagem das pessoas envolvidas, afinal elas não foram levadas à Justiça ainda. Curiosamente, a Globo embaçou o rosto de uma garota de São Paulo que comprou o aparelho furtado por 400 reais, sendo que receptação de aparelho TAMBÉM é considerado um crime.”

            Resumindo, está tudo errado na matéria, ela não tem absolutamente nenhum teor científico é uma grande evidência anedótica. E ninguém, em nenhum momento, questiona se é ou não crime (é crime, tipificado e tudo) mas sim a assimetria de tratamento das questões e a superexposição das pessoas que o cometerem, sem ampla possibilidade de defesa e com exposição nacional.

            Isso é barbárie, não é justiça.

            Se você acredita que isso é justiça você tem um pensamento que me assusta muito.

          • Maicon Bruisma

            Ainda bem que não te conheço então você poderá ficar assustado o quanto quiser na frente de sua tela e não pessoalmente. Pq não ligo.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Juro que pensei que você iria, pelo menos, tentar continuar a discussão. Errei.

            Fica, entretanto, o registo: ninguém liga pra nada nem ninguém por aqui, ninguém se conhece pessoalmente e tudo o que eu fiz foi ficar com medo do pensamento disseminado por pessoas como você e não exatamente medo de você. Como eu disse, afinal, é irrelevante qualquer detalhe pessoal nessa discussão em específico.

          • Estaremos providenciando sua canonização! 😄

          • Maicon Bruisma

            Jamais, não sou nem de longe perfeito, apenas esses erros comuns que a maioria faz eu não faço, normalmente por algum motivo, provavelmente pq tive exemplos próximos. Por exemplo traição, não traio a confiança nem dos conhecidos, quem dirá de amigos e de quem eu amo, simplesmente pq minha mãe foi traída pelos 3 maridos, ou minha vó que foi encriminada pela melhor amiga, mesmo que logo após se tenha resolvido a situação. Eu aprendi a aprender com os erros dos outros

          • binho_0

            no meio dos defensores dos direitos dos animais, no qual me encaixo, há esse lance de se achar melhor do q as pessoas q exploram os animais (principalmente tornando eles comida). então, qdo eu passo em frente a um burger king da vida fico tentado a me achar melhor do q aquelas pessoas… mas, repito, a vida é mais complicada q isso. e se esse seu esquema de valor for estendido a outras situações, o lixo humano pode ser vc. imagina um cara rico e poderoso q trombar com vc por aí. ele pode te achar um lixo humano… acho q vc não ia gostar.

          • Maicon Bruisma

            Já passei por situações assim, só que existe uma pequena diferença: o caso em questão cita ladrões, criminosos, no meu caso e de muitos por aí são pessoas ricas que ser acham melhores, algumas até adquirem complexo de Deus, e acham que os outros são inferiores. Mas há dois erros: primeiro que você está fazendo outra comparação burra, pois uma coisa é eu ser de classe média baixa e ser esnobado por gente otaria que se acha, e outra são criminosos que aceitaram as consequências assim que decidiram fazer o que fizeram; e segundo que os ricos (que na verdade são no máximo milionários, não são nenhum Bill Gates da vida) esnobam aqueles que mantém eles ali, classe operária são as peças principais do mecanismo social, sem engrenagens um relógio é só aparência e totalmente desfuncional, se todos pararem de trabalhar tudo desaba, e não há dinheiro que mantenha um rico a salvo caso todos resolvam derrubar ele de seu castelo (castelo que foi construído por operários, olha só).
            Tenho esperança de que um dia a humanidade vá mudar e compreender que realmente todos são iguais enquanto humanos, e que só evoluíremos quando nos tornarmos iguais enquanto sociedade.

          • binho_0

            maicon, eu entendo o seu ponto. sério mesmo. eu não acho q vc está totalmente errado, mas só está escolhendo o alvo errado para sua indignação. nós temos leis e pessoas pegas em flagrante furtando ou roubando celular são processadas e, como sabemos, são presas (e como tb sabemos engrossam as fileiras das facções verdadeiramente poderosas q operam sob o nariz das autoridades). vc demandar q uma pessoa q fez um furto de um celular seja exposta nacionalmente equivale ao linchamento de um ladrão nessas cenas possíveis de se ver no youtube. cara, eu outro dia vi um vídeo de um cara sendo perseguido por ser acusado de estupro. vc já viu uma pessoa ser empalada? é terrível, te asseguro. nem na ficção eu tinha visto uma coisa dessas. o estuprador merece isso? talvez mereça, talvez meraça pior… mas se embarcarmos no q achamos q as pessoas merecem a depender do q elas fazem, a gente instaura a total e completa barbárie disfarçada de justiça (veja coreia do norte, china, cuba etc). jornalismo não pode ser uma forma de justiçamento, jamais. e foi isso q aconteceu qdo as pessoas foram confrontadas. só a polícia pode fazer acareações ou reconhecimento de acusados. e mesmo eles fazem cagadas como bem sabemos. imagina o um cara qualquer, eu ou vc, ir resolver uma treta da qual só temos relatos soltos? vai dar merda, com certeza. isso se não acabarmos mortos. existe uma parada chamada justiça reparativa, procure saber mais sobre isso. não resolve todos os problemas, pq o q fazer com gente VERDADEIRAMENTE violenta? não dá pra elas ficarem aí de boas, mas tb não é justo torturá-las (por mais q mereçam pela atrocidade q tenham feito).

            cara, alguém pode te considerar um lixo humano só por vc usar boné, vc sabe como funciona… a depender da escala de valor de uma pessoa, podemos ser pessoas respeitáveis ou… lixo humano pra elas (ou pra gente). querer a humilhação completa de uma pessoa (mesmo a mais abominável) nos torna pessoas piores, pq além disso FELIZMENTE não estar nas nossas leis, afinal, não temos punição assim no nosso código penal, vai contra as leis, porque viola os direitos das pessoas (imagem, dignidade etc). muita gente já tratou desse assunto e talvez a mais memorável seja a hannah arendt com a banilidade do mal. estamos sempre numa linha tênue pra colocar pessoas numa situação degradante (veja o trabalho escravo ou as pessoas ricaças q contratam estrangeiros para serem trabalhadores escravos em suas casas, mesmo tendo rios de dinheiro para pagarem um salário mínimo para essas pessoas). a lei nos garante tratamento igualitário e vc usar a sua máquina (a empresa de mídia ou mesmo o estado) para massacrar uma pessoa é algo q só regimes autoritários topam e fazem valer como forma de lei. vc, eu presumo, não quer isso. seja por vc ser um cara razoável e compreender a questão ou por um motivo bem mais egoísta: vc não quer ser alvo dessa humilhação. bom, eu não quero e por isso não permito q o mesmo seja feito aos outros. se vc o humilhado eu estaria defendendo vc.

            esse tipo de humilhação e ataque em larga escala gera muito sofrimento às pessoas… e se vc aprova isso, vc tá indo pelo caminho do totalitarismo, do autoritarismo e do fascismo, infelizmente.

  • Frederico

    Caros, quais sites, canais, blogs, páginas etc.* vocês usam para aprender receitas novas e também sobre preparo e armazenamento de alimentos? Agora com panelas novas, estou querendo aprender receitas. Aceito principalmente indicações que tendem ao veganismo, mas sintam-se livres para sugerir qualquer coisa.

    *Vocês jogam no time do etc. sem vírgula ou com vírgula? .

    • com vírgula (apenas porque acho mais bonito)

      • Paulo Pilotti Duarte

        Duas possíveis explicações para justificar o uso com propriedade:

        Na letra fria da gramática, sem vírgula. “Et coetera” já indica uma enumeração final (entre outros) então deve ir ser vírgula mesmo. É gramaticalmente, considerando apenas a norma culta, errado colocar vírgula.

        Porém, considerando uma gramática de abordagem mais moderna, como a descritiva do Perini, pode-se escrever com vírgula porque ele teria/está sendo absorvido pelo vocabulário como um item final de enumeração, então, com vírgula antes (ou seja: se usa a palavra “etc” como uma palavra normal e não como uma abreviação de uma expressão latina, nesse caso, inclusive, não vai ponto).

        ~~

        Tenho pavor de programas de culinária, seja qual tipo for (TV, rádio, blogs, jornais). Não suporto mais essa maldita moda de MasterChef e outras merdas.

        • binho_0

          masterchef, depois daquela palhaçada de levar uma vaca ao palco tem o meu total desprezo. antes tinha antipatia, agora tem ojeriza mesmo. a chef ainda paga de feminista e tal. vergonhoso.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Eu não posso opinar porque, confesso, jamais vi mais de 10 minutos do programa hahaha

            Mas pra mim é um programa mal feito, ruim e scriptado demais. E não gosto dessa onda gourmet/culinária porque agora a maior parte das discussões acaba centrando-se em temas como esse. Eu acho enfadonho e, mais do qualquer coisa, um retrocesso social.

          • tuneman

            Mas vende né? Eu não gosto do formato. É tosco e apelativo.
            Me surpreendeu que a rede Globo não investiu nesse formato antes.

          • Paulo Pilotti Duarte

            Poizé, vende (ainda que pareça que deu uma esfriada, ao menos no Twitter não se vê mais tanto TT sobre o programa e nem mesmo aquela maluquice que era na primeira edição) e vai vender ainda por um bom tempo. O formato pegou carona na onda gourmet e se proliferou como uma coisa moderna.

            Antigamente programa de culinária/receita era coisa de tia e vó, agora colocam um chef moderno, tatuado e com um vocabulário muito mais rebuscado do que a Palmirinha (e fazendo “reduções de mandioca”) e o pessoal compra como algo novo, consome e cai no marketing.

            Confesso que é rabugice minha, mas, me cansei muito de tudo isso. Na TV fechada/Youtube deve ter uns 100000000 programas do mesmo estilo (e o pior é que 99% das receitas é uma explosão de bacon + cheddar, assim como os hambúrgueres gourmet que se proliferaram por todos os cantos do país).

            Sei lá, fiquei de saco cheio, ou como diriam na internet: peguei ranço.

          • Frederico

            Pois é, também tenho dúvidas de como a Globo não trouxe um top chef (sony) ou algum outro programa de culinária, ainda mais que a GNT é cheia (e gosto de absoluta maioria).

            To sozinho no time que gosta de MC no PL pelo visto

    • binho_0

      Eu gosto de um programa muito zoeria como o Vegetarirango ou assim, sem pessoas falando, só a receita e o preparo:

      https://www.youtube.com/watch?v=xDvSNj_FewQ

      • Frederico

        Acho legal pessoas falando, porque vez ou outra aprendo uma técnica nova e a razão dela

        • binho_0

          ah… sim, tem isso. mas, com a idade, a paciência vai diminuindo para certas firulas q os cozinheiros fazem. se eles fossem direto ao ponto, ok, mas fazem muitas digressões.

  • tuneman

    e qual vai ser a programação para o feriadão?

    acho que vamos dar uns passeios de bike, moto, filmes e baboseira. hahaha

    • binho_0

      pé enfaixado… estou de molho.
      comprei uns joguinhos novos e estou aqui de boas.
      olha, uma das melhores coisas q eu fiz foi ter comprado um ps3. ótimos jogos por bom preço. estava jogando wipeout e que jogo!

      cara, estou com muita saudade de andar de bike. eu comprei uma dobrável, mas não é mesma coisa q uma de aro grande. mas confesso q me acovardei um pouco depois q entrou em vigor o ‘acelera são paulo’. mas estou namorando uma caloi city tour dessa nova q saiu. quem sabe se ganhar na mega sena eu compro uma.

      • Frederico

        Queria ver de qual é dessas dobráveis
        O aro pequeno facilita nas subidas ou é a mesma coisa?

        • binho_0

          Ao contrário, dificulta as subidas. Elas têm menos marchas (a minha só tem sete) e não são necessariamente mais leves. E não é recomendável pedalar de pé nelas, então, qdo pego subida muito íngreme… empurro. Subidinhas ou subidas longas vai de boa, mas devagar e sempre.

          • Frederico

            Ahhhh desanimou

    • Frederico

      Trabalhar, talvez uns rolês de bike se a chuva permitir é muito filme/séries . E muito Mario e Zelda no Switch. Na real não gosto de carnaval

  • Frederico

    Acho que isso vai passar bem despercebido, mas Eike comentou que foi convidado por partido para ingressar na política. Convidado, vejam bem.

    https://oglobo.globo.com/brasil/eike-batista-revela-situacoes-inusitadas-na-prisao-sonha-com-futuro-na-politica-22385054

  • binho_0

    Alguém usa Mi Band ou equivalente? Estou pensando em comprar uma pra, principalmente, monitorar a corrida e o sono. Vi q tem a Mi Band 2 e ela tá bem razoável (preço e funcionalidade). Eu tenho um relógio Polar, mas ele já tem 12 anos. Já nem tenho mais o monitor (tem q comprar outro, pq o q vem com ele não troca bateria) e ele já tá meio apagando o digital.

    Edit: estou de olho nessa: SMARCE T6 ECG. Ela incrivelmente mede a pressão arterial, algo q me interessa muito, pq sou hipertenso. Na real, eu nem sabia q elas faziam isso… pensei q fosse só batimento cardíaco mesmo.

  • binho_0

    Mais uma aos amigos: a esposa está querendo trocar o celular e estava quase comprando um samsung a5, mas me deparei com esse Xiaomi Mi A1 e acho q pode ser melhor, especialmente se ele sair por 650 reais. O lance do Android One eu achei realmente atraente no aparelho. Conhecem o equipamento? Recomendam?

    • Louis

      Acredito que o péssimo suporte do Google, não é bom indicativo.

      A Xiomi tem aparelhos melhores e a MiUI é de alta qualidade, bem mais completa e inteligente que o Android do Google.

      • Mas o Mi A1 usa o Android One, não? Até onde sei, é o próprio Google quem cuida das atualizações do sistema, logo ele está sempre atualizado. Por R$ 650, parece um ótimo negócio.

      • binho_0

        O MiUI realmente não me anima muito… Usamos como primeiros “bons” smartphones aqui em casa os da motorola e nos acostumamos aos Android. Qdo passei para um Samsung não curti muito, mas já era uma versão q, pelo q li, bem melhorada no S6. Eu preferiria o mais próximo do Android puro, pq como pude notar nesse modelo da Xiaomi, o desempenho parece bom e não tem firulas. Por 750 mangos tá valendo.

    • Caio

      Usei um por algumas semanas, no geral ele é pelo menos “ok” em todos os pontos. A tela não tem um aproveitamento muito alto mas possui boas cores é bom brilho, o desempenho é muito bom, a bateria dura bastante tempo no uso moderado, a câmera é só ok, o acabamento é muito bom e passa impressão de aparelho muito mais caro embora a ergonomia seja horrível. A construção parece boa, mas em um dia de uso surgiu uma manchinha mais escura na tela que parece ser oriunda de alguma pressão mais localizada então é bom tomar um cuidado redobrado. O android é bem limpo, otimizado atualizado. No geral, acho que o aparelho vale muito a pena, ele tem muito mais que o minimo necessário e entrega alguns “luxos” como o vidro levemente curvado nos cantos, o acabamento em alumínio e o USB-C. Por R$ 650 acho que é uma escolha indiscutível, alguns vendedores no MercadoLivre o anunciam por volta de R$ 1000, mesmo por esse preço ainda vale bastante a pena. Mas sim, fisicamente ele se parece MUITO com um iPhone 7 Plus.

      • binho_0

        Vai sair por 750, provavelmente

  • Semana passada, John Perry Barlow, fundador da Electronic Frontier Foundation (EFF), letrista do Grateful Dead e um dos maiores cyberativistas da história, morreu. Ele tinha 70 anos.

    Aos 30, Barlow escreveu uma linda lista de “princípios do comportamento adulto”. Procurei uma tradução em português, sem sucesso. Então, achei que podíamos fazer uma tradução colaborativa a fim de levar essa lista a mais gente.

    Fiz uma tradução inicial/capenga e joguei ela no Google Docs. Se você fala bem inglês, abra o documento e veja se há pontos em que a tradução pode ser melhor (certamente) e sugira essa melhoria via comentários.

    Aqui: https://docs.google.com/document/d/1YNgvGh4K5LLu8vmRTvwSA6z1JlvOInVmT7zUGrD5JMo/edit

    • Frederico

      Não conhecia o sujeito, fui ler na Wikipedia e realmente teve uma vida memorável (ou no mínimo exótica). Lista interessante, gosto muito da 5.

  • Ranner Barbosa

    Tenho um moto g 2, e um amigo quer me passar um moto g4 por 300 reais, sera que ainda vale pegar um desses? ia ser um pulo bom pois com o meu 2 eu nao consigo mais botar nada, só tem 8gb de espaço interno, horrivel.