Logo do WhatsApp contra um fundo verde.

Quais dados o WhatsApp guarda dos usuários e como solicitar os seus

Por
28/5/18, 18h29 4 min 2 comentários

Por força do Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (GDPR, na sigla em inglês) da União Europeia, diversos aplicativos e serviços tiveram que mudar políticas de privacidade e disponibilizar os dados que mantêm dos usuários acessíveis a eles. Além de subir a idade mínima dos usuários para 16 anos na Europa, o WhatsApp também liberou uma ferramenta de download de dados — e, felizmente, ela está disponível no mundo todo.

Para solicitar um arquivo com seus dados, entre na área “Ajustes”, depois em “Conta” e toque no link “Solicitar Relatório”.

Telas mostrando as etapas de solicitação do relatório (ou backup) do WhatsApp.
Solicitação do relatório do WhatsApp no iOS.

O download não é imediato e, estranhamente, demora mais para ficar pronto do que o de outras propriedades do Facebook, como a rede social homônima e o Instagram. No meu caso, entre a solicitação e a disponibilização do arquivo, se passaram três dias.

O estranhamento é ainda maior após o download, devido ao tamanho reduzido do arquivo gerado. Descompactado, apenas dois documentos se revelam: um portability.json, que contém os dados, e o access.html, que cria uma interface web (no navegador) para a exibição desses dados. Juntos, eles têm pouco mais de 100 KB.

Janela do Safari com o relatório do WhatsApp aberto.
Visão geral do relatório do WhatsApp.

O conteúdo dos arquivos também é bastante enxuto. O WhatsApp guarda:

  • Modelo do smartphone usado, incluindo as versões do app e do sistema operacional;
  • Mensagem de status e foto de perfil;
  • Todos os números dos seus contatos — e apenas os números; não há nomes ou qualquer outro campo;
  • Todos os grupos em que você está;
  • Dados da criação da conta (no meu relatório, vazios); e
  • Definições de privacidade, como recibo de leitura (tique duplo azul) e “última vez online”; e
  • Contatos bloqueados (novamente, apenas os números de telefone).

Há, ainda, uma área dedicada a termos de serviço mostrando se eles foram aceitos e se o compartilhamento de dados da conta foi desativado. Em 2016, o Facebook passou a compartilhar meta dados da conta do WhatsApp com o Facebook, a menos que o usuário sinalizasse que não queria isso — um “opt-out”.

Últimos campos do relatório do WhatsApp.
Detalhes do relatório do WhatsApp.

E as conversas?

O WhatsApp transmite as mensagens criptografadas de ponta a ponta e garante que não as armazena em seus servidores após o destinatário recebê-las e que, enquanto elas estão nos servidores, não podem ser lidas por ninguém. Logo, como esperado, esse relatório não engloba o conteúdo das conversas.

Caso queira fazer um backup das suas conversas, é preciso recorrer às plataformas de armazenamento na nuvem de Google (para Android) e Apple (iOS), ou seja, Google Drive e iCloud.

Para ativar esse backup, entre nas opções, depois em “Conversas”, seguido de “Backup de Conversas”. Na tela seguinte, é possível definir a periodicidade do backup, se ele incluirá ou não vídeos (o tamanho pode aumentar bastante se sim) e até iniciar um backup manualmente.

Há dois inconvenientes. Primeiro que as conversas não são legíveis através do backup, ou seja, não dá para baixar o arquivo, descompactá-lo e ler as conversas em texto puro, fora do WhatsApp. O outro é que, caso você troque de plataforma no futuro (saia de um Android e vá para o iPhone, por exemplo), o backup será incompatível.

Note, também, que o backup/relatório oferecido pelo WhatsApp não contempla todas as atividades realizadas dentro do app. Meta dados como com quem, quando e onde o usuário conversou são salvos pelo Facebook, mas não aparecem no relatório disponibilizado.

Veja também como acessar seus dados no:

Compartilhe:
  • Matheus Alexandre

    Eu nunca vi tanta utilidade nesse backup do Whatsapp sendo que não podemos alterar de sistema sem perder todas as conversas.

    Com relação a fazer um backup em texto puro até é possível, mas de forma isolada indo de contato em contato enviado o arquivo da conversa em .txt para algum email.

    • Isso resolve mesmo em casos isolados, mas acho insuficiente perto do que ferramentas mais robustas, como a do próprio Facebook, oferecem. De qualquer modo, obrigado pelo lembrete, Matheus!