Print da área de trabalho do Windows 7 com o papel de parede original.

Windows 7 ganha sobrevida da Microsoft — mas só para quem pagar

Por
11/9/18, 11h53 3 min 10 comentários

O Windows 7 foi lançado no longínquo ano de 2009. Mesmo com duas versões subsequentes já lançadas (8 e 10; a Microsoft “pulou” o 9 na contagem sem nenhum motivo razoável), aquela versão continua sendo uma das mais usadas do sistema. Por isso, ela ganhará uma sobrevida.

O suporte oficial ao Windows 7, que inclui atualizações de rotina para corrigir falhas e tapar brechas de segurança, se encerra no dia 14 de janeiro de 2020. Ou se encerraria. Em um blog oficial da Microsoft, Jared Spataro, vice-presidente de marketing para Office e Windows, anunciou um programa que estende esse prazo.

De todos os computadores com Windows em uso e conectados à internet, 38,6% deles rodam o Windows 7, segundo dados do Statcounter.

É provável que uma parte desse contingente goste e prefira o Windows 7, mas a maioria é de empresas, ambientes em que a atualização de um sistema envolve custos diversos, treinamento e atualização de pessoal. Não é apenas caro, é complexo. Tanto que Spataro começa o post, que traz outras novidades voltadas ao público corporativo, afirmando que “tecnologia da informação é complexa”. É ele dizendo, não eu, porém concordo.

Isso explica por que a extensão do suporte ao Windows 7 será paga e não valerá para o Windows 7 Home, a edição destinada a usuários domésticos. O novo programa da Microsoft, batizado de Windows 7 Extended Security Updates (ESU), será cobrado por dispositivo e terá o preço aumentado ao longo dos anos. A Microsoft não quer deixar os clientes na mão, mas ao mesmo tempo empurra eles para se juntarem à maioria que já está no Windows 10.

Desde o Windows XP, a Microsoft passou a enfrentar um problema que, em outra lógica, não seria um problema: consumidores tão satisfeitas com certas versões do seu produto que não se importam em atualizá-las. Foi assim com o XP e, agora, acontece novamente com o Windows 7.

As circunstâncias do lançamento do Windows 7, em 22 de outubro de 2009, ajudam a explicar. Essa versão se encontra entre duas das mais controversas da história do Windows. Antes, veio o Windows Vista, que trouxe aperfeiçoamentos fundamentais à plataforma, mas ficou com fama de lento devido aos requisitos pesados que que exigia dos computadores da época. Depois, foi a vez do Windows 8 com seu paradigma pensado para tablets, o que lhe rendeu a justificada fama de ser um sistema complexo e aumentou o apreço dos usuários ao Windows 7.

Entre clientes corporativos, previsibilidade e estabilidade são características mais valorizadas do que a inserção e a alteração de recursos e o lançamento de novas versões o tempo todo. É o famoso “em time que está ganhando não mexe”, a menos que o perdedor seja a empresa que fornece (e fatura com) o “time”.

Compartilhe:
  • Gilberto Nascimento

    Eu tenho um computador gamer com Windows 7 para o qual refuguei um upgrade grátis pra Windows 10, e um all-in-one que já adquiri com Windows 10. Além de um note baratinho que também já veio com Windows 10. Quando uso o 10, sinto falta de algumas coisas do 7. Entre elas, o fato de que o Media Player no 10 não roda arquivos de DVD. E mais uma infinidade de outras coisinhas que acho que ficam bem melhor no 7. Ou seja, sou apegado ao 7, e tenho preguiça de evoluir para o 10.

  • Alberdogam

    O Windows 7 é disparado mais amistoso que seus sucessores. O 8/8.1 tem cara de dispositivo móvel, mas a Microsoft naufragou neste mercado. O Win10 tenta fazer uma ponte do 7 com seus sucessores imediatos, mas é lento e um tanto entediante. Também uso o Win7 em duas máquinas, em casa, e pretendo migrar para o Chrome OS no notebook. Windows 10, nem pensar.

    • Lazaro Antonio de Oliveira

      Crhome os e muito lento!

      • Alberdogam

        Depende da máquina, mas principalmente de sua conexão com a internet, já que é um OS pensado para a nuvem. No meu caso tenho Net 30 (megas) e já testei: funciona liso. Agora, acho que se a conexão for inferior a 10 megas, melhor nem tentar. Abraço!

  • A maioria que não quer ir (na minha opinião), é por comodismo mesmo.

    O 8 quando saiu, foi um desastre.
    8.1 tentou melhorar, mas, só no 10 a coisa começou a andar direito.

  • Rodrigo

    Não gosto do Windows 10. Tentei usar no início de seu lançamento mas não desceu. Acho que para o uso que faço hoje o meu iPad Air de primeira geração me atende bem. Comecei estudar e resolvi comprar um notebook com o Windows 10. Usei 4 dias e, não aguente, devolvi. Se tiver que comprar um novo aparelho vou de iPad 6th ou do contrário vou pro Mac. Windows, se Deus quiser, nunca mais.

    • Fala, Rodrigo! Eu vi um comentário seu no PDH agora mesmo… Como a gente pode trocar uma ideia sobre aquilo?

      • Rodrigo

        Lucas, tudo bom? Rapaz agora que vi sua mensagem. Tem telegram, me chama lá. https://t.me/rsrodrigo
        Obrigado pela sua preocupação.

        • Acho que não tenho mais a conta, mas eu dou um jeito de te chamar lá. Abração.

  • Heimer Dexter

    Eu não abro mão do Win 7 Professional, mais leve e prático do que o Win10, pelo menos na minha máquina é !