Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Paula Oliveira, em foto de antes da suposta agressão: polícia questiona gravidez | Divulgação/AFP
Paula Oliveira, em foto de antes da suposta agressão: polícia questiona gravidez| Foto: Divulgação/AFP

O advogado de defesa da brasileira Paula Oliveira, Roger Müuler, afirmou hoje (19) que cogita duas ou três estratégias para defendê-la. Entre elas, o fato de que ela sofre de lúpus como atenuante para seu comportamento, que a teria levada a dizer que fora agredida por um grupo de neonazistas perto de uma estação de trem na Suiça. A doença poderia provocar, entre outros sintomas, distúrbios psicológicos em Paula, que também é advogada.

Na semana passada, a brasileira relatou polícia suíça que havia sido atacada por um grupo de neonazistas em uma cidade próxima a Zurique, na Suíça. Na última terça-feira (17), a Promotoria Pública de Justiça de Zurique indiciou Paula por falso testemunho e proibiu que ela saia do país. De acordo com um comunicado divulgado pelo órgão, a advogada é suspeita de induzir as autoridades ao erro.

"Ainda não definimos nossas táticas, mas esta seria uma delas", disse Roger Müller, referindo-se possibilidade de alegar que o lúpus poderia ter levado Paulo a fazer a falsa denúncia. O advogado não quis comentar a informação veiculada pela revista suíça Die Weltwoche de que a brasileira teria assinado uma confissão perante a polícia do país, admitindo que a agressão teria sido uma história inventada por ela.

A brasileira será ouvida na próxima semana pelo promotor público responsável por seu indiciamento, Marcel Frei. Segundo Müller, o dia exato ainda não foi definido. Apesar de o código penal suíço prever uma pena de prisão de até três anos para casos como este, Müller descartou a hipótese de Paula ser presa.

Ele avaliou, entretanto, que o caso de Paula é mais grave do que outros que já ocorreram na Suíça, quando pessoas inventaram ou encenaram supostos ataques. Tais casos, segundo Müller, foram de "menor importância e gravidade leve".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]