i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Risco de vida

Ajuda médica não está chegando na Faixa de Gaza, diz Cruz Vermelha

Diminuição de fornecimento de suprimentos médicos nas últimas semanas coloca em risco a vida de vários pacientes

  • PorReuters
  • 23/10/2008 17:33

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) disse nesta quinta-feira (23) que praticamente nenhuma ajuda médica está chegando à Gaza, o que coloca em risco a vida de vários pacientes com doenças graves.

A entidade culpou uma "paralisação na cooperação" entre autoridades palestinas na Cisjordânia e o Hamas, que controla a Faixa de Gaza, pela diminuição do fornecimento de suprimentos médicos nas últimas semanas, o que agravou uma situação que já era crítica.

"O CICV pede às autoridades palestinas de saúde tanto em Ramallah como em Gaza, para que sejam tomadas medidas urgentes para garantir que os suprimentos médicos necessários estejam disponíveis em Gaza na quantidade suficiente", informou o comitê em nota.

O tratamento para centenas de pacientes com doenças graves havia sido interrompido, de acordo com a agência humanitária. Entre os pacientes estão crianças, que sofrem de fibrose cística, uma grave doença pulmonar, que necessita de medicamento diário para evitar seu agravamento.

Uma greve de dois meses dos funcionários de saúde palestinos em Gaza também está impedindo que os hospitais providenciem atendimento apropriado, diz a nota. O número de cirurgias caiu 40 por cento, enquanto as internações caíram 20 por cento.

Apenas 300 pacientes em estado grave foram encaminhados para hospitais em Israel, em Jerusalém Oriental, na Cisjordânia e na Jordânia, para tratamentos especializados em setembro. O número é aproximadamente a metade do registrado em meses anteriores, diz a nota do CICV.

"Entre os afetados, estão pacientes cardíacos e com câncer, que terão suas condições agravadas se não forem tratados adequadamente fora de Gaza", diz o comunicado do comitê.

O CICV também pediu para que as autoridades facilitem entregas de suprimentos médicos e equipamentos para Gaza.

Israel e o Hamas acertaram um cessar-fogo em junho. A nota do comitê também pediu que a violência pare além das fronteiras e que o bloqueio israelense à Faixa de Gaza seja gradualmente diminuído.

"Assuntos de saúde não devem ser politizados. Soluções pragmáticas precisam ser encontradas pois muitas vidas estão em jogo", disse Katharina Ritz, diretora da missão do CICV para territórios palestinos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.